Tags:
Atlas: Valparaíso, Chile

Arte de rua e casas coloridas em Valparaíso, no Chile

Na cadeia onde há poucas décadas cerca de dois mil prisioneiros da ditadura militar se espremiam, hoje há dança. O antigo cárcere de Valparaíso, que testemunhou a tortura nos anos de Pinochet, foi transformado num espaço de cultura, o Ex Cárcel Parque Cultural. Essa é só uma das muitas iniciativas que vêm transformando essa cidade portuária chilena num reduto de artistas e aumentando exponencialmente a quantidade de visitantes. Não faltam os que decidem ficar de vez.

Quando o século 20 chegou, Valparaíso era um dos umbigos do mundo. Principal porto do Chile, a 140 km de Santiago, era parada obrigatória para os navios que faziam a complicada travessia entre o Atlântico e o Pacífico. Imigrantes de várias partes do globo fincaram raízes por ali, o que fazia de vizinhanças como o Cerro Alegre tão cosmopolitas quanto as de Nova York.

Veja também:
Dois dias de turismo em Valparaíso
Onde ficar em Valparaíso e Viña del Mar
Como visitar as famosas casas de Neruda no Chile
O litoral dos poetas chilenos – rota cheia de poesia a uma hora de Santiago

A decadência começou com um terremoto. O sismo de 1906 foi tão avassalador que acabou impulsionando uma cidade vizinha: muitos moradores, ao perderem tudo, se mudaram para os arredores dali. Assim crescia Viña del Mar.

O que o tremor não levou a modernidade engoliu. A abertura do Canal do Panamá, em 1914, foi ao mesmo tempo uma das grandes façanhas da engenharia humana e a pá de cal na vocação portuária e na riqueza cosmopolita de Valpo. A partir dali restou a decadência. E não é que Valparaíso encontrou seu charme nela?

Valparaíso, Chile

Por padchas, Shutterstock.com

A cidade é repleta de casinhas coloridas, construções espalhadas por 40 morros que parecem abraçar o Pacífico e que são alcançados por meio de ascensores seculares – e que ainda hoje transportam quatro milhões de passageiros anualmente. Não demorou para que Valparaíso se tornasse um reduto de artistas. O mais legendário deles, Pablo Neruda, escreveu:

“Valparaíso, qué disparate eres, qué loco, puerto loco, qué cabeza con cerros, desgreñada, no acabas de peinarte”.

Neruda captou como ninguém a essência da cidade. Valparaíso não é bonita e arrumadinha, mas bagunçada e descabelada, como uma cabeça que não foi penteada. Ou seja, nascida pronta para brilhar na era hipster. E se os anos 1960 e 1970 tornaram a noite de Valpa famosa, foi mesmo só no século 21, quando a Unesco declarou o centro histórico de Valparaíso como um Patrimônio da Humanidade, que a cidade restabeleceu parte da glória perdida.

Valparaíso, Chile

Alguns anos depois do título começaram os investimentos. Governos diferentes já pensaram o turismo da cidade, cada um de um jeito. Cerca de 80 milhões de dólares foram gastos desde então, dinheiro que tem como objetivo melhorar a estrutura turística da cidade, mas também reforçar Valparaíso como a cidade mais artística, o reduto mais criativo do Chile. Para o governo local, o turismo em Valparaíso tem que ser sobre essa identidade cultural, e não exatamente sobre atrações turísticas. A estratégia tem dado certo.

Os brasileiros, por exemplo, chegam aos montes. E, assim como outros turistas, caçam graffitis. “Vocês sabem onde fica a escadaria que lembra as teclas de um piano”, perguntou uma brasileira para nosso guia, que apontou para outra direção. Não muito longe dali, várias pessoas formavam uma fila – a espera era para tirar fotos em outra escadaria, também pintada por artistas. Desenhos dos mais variados tipos tornaram Valparaíso um destino ainda mais procurado. E não falta quem passe horas buscando um painel ou local que viu no Instagram.

Os trabalhos não são apenas de artistas chilenos, mas de gente do mundo inteiro. Há casos de artistas que passam temporadas na cidade, pintam muros por todos os lados, algumas vezes em troca de hospedagem, e depois seguem em frente. Dá para caçar street art por conta própria, mas quem se interessar mesmo no assunto pode fazer um tour.

valparaíso Chile

Criada pelo nova-iorquino que vive em Valparaíso há uma década, a Valpostreetart promete levar os visitantes “para a cultura underground, para os becos e escadarias, mostrando uma parte da cidade que pouca gente vê”. Como nosso grupo tinha pouco tempo, não fizemos esse tour, mas caminhamos pelas ruas acompanhados por um guia chileno. Valeu o passeio. Quem quiser um tour mais detalhado e focado em arte deve reservar com pelo menos um dia de antecedência. O ponto de encontro é a Plaza Aníbal Pinto.

Não foi só a arte de rua que cresceu nos últimos anos. O número de restaurantes sofreu uma multiplicação, assim como o de hotéis e pousadas. Nada que mudasse o jeitão, como diria Neruda, descabelado de Valparaíso. Ainda bem. Estive na cidade em duas ocasiões. A primeira em 2012 e a última agora, em 2018 – nas duas bati cartão por lá num mês de julho. Se algumas diferenças são óbvias, a melhor delas foi na minha relação com a cidade, algo muito mais pessoal e que pouco tem a ver com as mudanças dos últimos seis anos: confesso que gostei bem mais de Valparaíso nessa segunda passagem.

Valparaíso

Após a primeira visita, escrevi aqui no 360 que tinha achado a cidade interessante, mas que esperava mais – e citei o relato de uma jornalista que não tinha gostado da experiência e teve vontade de sair correndo dali. Seis anos depois, ao caminhar pelas ruas, descer ascensores e ver graffitis lá e cá, percebi que eu estava muito errado. Como disse Neruda, Valparaíso é um disparate. E isso só pode ser no bom sentido.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Arte de rua e casas coloridas em Valparaíso, no Chile

  1. É um lugar realmente encantador, mas infelizmente foi onde tive minha pior experiência no Chile. Infelizmente Valpo não é um lugar seguro. É uma cidade cheia de malandros e drogadictos. Você não pode andar com câmeras nem celular, muito menos estacionar um carro, porque com certeza quando voltar estará arrombado. É não pense que estará seguro en Viña! Não! Não estará! E a polícia? Simplesmente cruza os braços!!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.