fbpx
Tags:
Atlas: Hong Kong, China

Tim Ho Wan, o restaurante mais barato do guia Michelin

Bolinho de batata com camarão, pãezinhos recheados com carne de porco caramelizada, sopa de abóbora e uma xícara de chá. Foi assim, simples e saborosa, a melhor refeição que experimentei em Hong Kong. E por apenas US$ 8.

O custo baixo num lugar cuja alimentação é cara surpreende ainda mais porque o cardápio é apresentado em um estrelado pelo Guia Michelin, mais importante roteiro de restaurantes do mundo. O Tim Ho Wan entrou na lista em 2010 e, desde então, se tornou o mais barato estabelecimento do ranking, segundo a CNN.

Mas experimentar a autêntica culinária dim sum (pratos em pequenas porções que misturam texturas, usam muitas ervas e sabores) nesse estabelecimento é mais do que comer. A experiência começa ao chegar à rua e se deparar com uma fila, diária, composta por dezenas de pessoas se espremendo em uma estreita calçada – no meu caso, debaixo de chuva, mas pelo menos optei pelo horário de almoço.

Planeje sua viagem: Saiba onde ficar em Hong Kong

Culinária-em-Hong-Kong-China

A parte boa é que o aglomerado faz qualquer turista ocidental ter garantias de estar no estabelecimento do chef Mak Kwai Pui, porque se dependesse apenas da linguagem isso seria mais difícil, já que o único texto em inglês por ali é justamente o pequeno selo Michelin na porta.

Culinária-de-Hong-Kong-Tim Ho Wan

A enérgica recepcionista também não domina idiomas para além do cantonês. É ela que entrega uma senha e um papelzinho com os nomes dos pratos, escritos, aí sim, em inglês. De posse do tíquete 88 (a chamada estava no 35!) comecei a batalha para decidir os pratos. Mesmo que as inscrições estejam em linguagem decifrável, não é fácil entender a forma de cozinhar em outro país, sobretudo no oriente. Uma “carne” pode ser preparada de centenas de formas, por exemplo.

Minha tática foi “colar”. Discretamente, comecei a observar o que todos os turistas, a maioria da própria China, estavam assinalando e copiei o har gow, bolinho de camarão, e o cha siu bo, pão com carne de porco adocicada (este, na verdade, já era um conhecido meu por leituras; foi ele que fez a fama da casa). A sobremesa foi por minha conta e risco.

Como-é-a-comida-de-Hong-Kong-Culinária-de-Hong-Kong-Tim Ho Wan

Depois de 20 minutos ouvindo a chamada passar do 35 para o 75, não precisei esperar as costumeiras duas horas listadas por visitantes em blogs de viagem. O próprio Mak Kwai Pui veio até a porta procurar alguém que estivesse sozinho e lá fui eu me sentar com um casal e duas senhoras com uma criança – na China é comum dividir mesa com desconhecidos; no caso do Tim Ho Wan é uma necessidade, já que a casa original possui cerca de 20 lugares.

Logo que entrei, entreguei a minha “comanda” para a garçonete e preparei a câmera fotográfica. O chef teve uma reação atípica: primeiro se ofereceu para tirar fotos minhas e, depois, me chamou para ver a cozinha. Acostumada a ouvir histórias de donos de restaurantes que impedem a entrada nessa parte, me senti privilegiada, mas preferi fazer poucos registros e não atrapalhar a circulação dos funcionários (mentira! sai de lá apressada porque meus bolinhos chegaram).

Saiba-como-é-comida-de-Hong-Kong

O primeiro prato trouxe har gow quentes e delicados, com camarões bem cozidos no vapor. Na sequência, vieram os afamados pãezinhos, que surpreenderam pela combinação de doce com salgado, a crocância, e por se mostrarem mais substanciais do que aparentam (no terceiro, já estava satisfeita).

Ainda havia a sobremesa: boa, mas confesso não saber dizer exatamente o que havia naquela sopa: abóbora e jasmim? O chá, única bebida oferecida e cortesia, eu também não soube identificar a essência. Só sei que saí de lá com uma certeza: a comida é uma das mais evidentes representações da cultura de um país.

Culinária-em-Hong-Kong

Ah, e hoje, dia 10 de abril, foi inaugurada a quarta unidade do Tim Ho Wan, a primeira fora de Hong Kong – ela fica em Cingapura. Se optar pelo tradicional, aí está o endereço: 2-20 Kwong Wa Street, Mong Kok.


Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Aline Gonçalves

Preciso provar outros sabores para ter certeza de que a melhor combinação do mundo é o arroz com feijão.

  • 360 nas redes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “Tim Ho Wan, o restaurante mais barato do guia Michelin

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.