Turismo em Guarapari: as praias mais famosas

Quando se trata de mar, o primeiro destino da maioria dos mineiros só pode ser um: Guarapari. Com cerca de três dezenas de praias e pouco mais de 100 mil habitantes, o maior balneário capixaba faz parte das memórias de infância de muitos belo-horizontinos. Comer um churros na Praia das Castanheiras, pegar onda na Praia do Morro e fazer esculturas e castelinhos com areia preta. As várias atrações para a garotada tornam Guarapari um roteiro de viagem bem familiar e deixam a cidade lotada de crianças e adolescentes.

Mas, apesar de boa parte dos mineiros ter um pezinho ou outro enfiado naquelas águas, hoje rola um preconceito besta contra este antigo povoado indígena. Pelo menos em Minas Gerais. Já vi gente fechando a cara quando contei que ia passar as férias em Guarapari.

Assumindo nossa alma mineira e prontos para mostrar o que Guarapari tem de bom,  começamos o primeiro mochilão de nossas vidas por lá, no final de 2009. Com o dia amanhecendo, desembarcamos na tal da “Cidade Saúde” e nos dirigimos direto para as praias do centro. Elas ficam bem pertinho umas das outras, o que permite conhecer várias de uma só vez. Durante 8 dias, visitamos também Meaípe, Enseada Azul e, é claro, a tão falada – seja bem ou mal – Praia do Morro. Incluímos também um passeio de escuna, que na época custou R$ 20, para conhecer outras praias da região.

Veja também: Onde ficar em Guarapari

Mochilão Guarapari Espirito Santo

Sabe aquela história da aldeia que de repente foi crescendo, crescendo até ficar atolada de prédios? É o caso de Guarapari. A vila surgiu há mais de trezentos anos, seguindo as pegadas do padre Anchieta. Então se prepare para andar por ruelas e ladeiras cercadas por prédios de mais de dez andares.

O turismo até que trouxe uma boa estrutura para a cidade. Existem supermercados, padarias e restaurantes em número razoável. Mas como Guarapari chega a receber 700 mil turistas no verão, pode ser meio complicado fazer as compras nesta época do ano. É necessário ter  paciência e estar pronto para enfrentar filas. Além disso, os bares ficam lotados e de noite pode haver lista  de espera. A muvuca deixa também o trânsito lento. Enquanto nós ficamos por lá, foi  complicado comprar água, leite e o pior – até cerveja.  Agora, fora de temporada a coisa fica bem mais tranquila e dá pra sentir que a cidade é só sua.

Guarapari tem outras alternativas além da programação praia, almoço e mais praia. A cidade tem um aquário permanente e diversos cursos de mergulho. De noite, os bares e restaurantes do centro e da Praia do Morro ficam lotados. Em Meaípe ficam as casas noturnas, incluindo uma das maiores casas de shows da América Latina, o Multiplace Mais.  Durante o verão e o carnaval, a prefeitura municipal costuma programar shows de graça na Praia do Morro.

Praia das Castanheiras

Praia das Castanheiras Guarapari

Em meio as pedras e corais e ao lado do Clube Siribeira, a Praia das Castanheiras faz parte de um dos visuais mais belos da cidade. O mar calmo, quase sem ondas, torna o local família mesmo. Crianças para todo lado, mães amamentando bebês e muito menino perdido pela areia. Se você tem filhos, é uma boa alternativa. Se prefere evitar a muvuca, é melhor escolher outra praia, pelo menos durante o verão.

Praia da Areia Preta

Se ao andar pelo calçadão você se deparar com um monte de senhoras enterradas na areia até o pescoço, não se assuste. Você chegou na Praia da Areia Preta. Ela é a grande responsável pela fama de Guarapari. Diz o boato que a tal da areia preta faz bem à saúde. Tem gente que garante ter se curado de tudo só de se enterrar na areia, desde de micose, passando por reumatismo e até mesmo câncer.

Mas, vamos com calma! Antes de se atolar de areia vale lembrar que nada disso tem comprovação científica. Fora isto, a praia é até bacana e tem um pouco mais de ondas do que a das Castanheiras, logo ao lado. Mas nada que assuste as crianças ou torne sua prancha de surfe útil. Durante a tarde rola um público mais jovem e a praia fica um pouco mais agitada, com jogos na areia e muitos casais tomando banho de mar. Dica: é bom levar algo para se proteger do sol, pois não tem sombra de árvore por lá não.

Praia do Morro, a mais concorrida de Guarapari

São quatro quilômetros de praia e dezenas de quiosques. É aqui que acontecem os maiores agitos da cidade. Mas é aqui também que rola a farofa mais conhecida da região. No verão, a praia fica lotada e pode ser difícil de achar lugar para colocar um guarda-sol. Quando a cidade não está tão cheia, é uma ótima alternativa. Em alta temporada, para fugir daquele banhista que leva um isopor lotado de frango, farofa e cerveja, você pode andar até o final do calçadão. Lá você vai encontrar o Morro da Pescaria, o tal que dá nome a praia.

Praia do Morro Guarapari

Atualmente o lugar é uma reserva ambiental e tem trilhas bem indicadas, que permitem uma caminhada em meio a mata nativa. No final do percurso, um prêmio: atrás das trilhas fica a Praia do Ermitão, que costuma ficar deserta. Em baixa temporada, há quem diga que nessa praia tem gente que entra no mar do jeito que veio ao mundo. Mas para os mais empolgados é bom avisar: o local não é reconhecido como praia naturista.

No lado oposto ao Morro da Pescaria (e também no fim do calçadão), fica a Praia da Cerca, que é bem bonita e tem uma estrutura legal, com quiosques que vendem comidas típicas da região, como porções de pescado e a famosa moqueca capixaba. Uma vantagem é que essa praia não fica tão lotada como a Praia do Morro, mesmo durante o verão.

Enseada Azul

Sem dúvida nenhuma, o conjunto de praias mais bonito de Guarapari. Guaibura, Peracanga e a mais famosa: Bacutia. O mar é calmo e bem azul. A areia, fina e fofa, contribui ainda mais para o visual. Quem curte mergulho também vai achar o local interessante. Dizem que as águas escondem um navio alemão que afundou na década de 1940. Eu não mergulhei para conferir, mas quem sabe na próxima…

Enseada Azul Espírito Santo

Meaípe

Ao sul de Guarapari encontramos a praia de Meaípe, que ainda conserva muitas características típicas de uma aldeia de pescadores. Até hoje os moradores da região são conhecidos como xáreis, em homenagem ao peixe mais pescado nestas águas. É a região das maiores casas noturnas e boates do Espírito Santo. Também é muito famosa pelo bolinho de aipim. Além de gostoso, o bolinho é enorme.

Ubu

A vila de Ubu não está em Guarapari, mas fica perto. É parte da cidade vizinha, Anchieta. Por mais que eu conheça muito bem as praias de Guarapari, quem me apresentou a Ubu foi a Luíza, que esteve com a gente nessa parte do mochilão. Chegamos até lá de ônibus, passamos o dia e voltamos no começo da noite. Mas só depois de vermos um belíssimo pôr do sol. É longe do centro, mas pode ser uma alternativa para quem achar que Guarapari já está batida demais.

Ubu Espírito Santo

Como chegar a Guarapari

O aeroporto de Guarapari é pequeno e não opera voos comerciais. A alternativa é o aeroporto de Vitória, que recebe voos de várias regiões do Brasil. De lá é possível seguir até Guarapari, seja de carro ou de ônibus. A viagem dura cerca de 90 minutos. Também é possível chegar em Guarapari de ônibus, partindo de Belo Horizonte, Vitória ou do Rio de Janeiro.


Compartilhe!






Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

15 comentários sobre o texto “Turismo em Guarapari: as praias mais famosas

  1. Oi Rafael! Eu não fiz muitas viagens na minha vida, mas os poucos lugares que conheci, Guarapari, é o mais especial. Quando conheci a cidade pela primeira vez não tive vontade de voltar, minha vontade era não ir embora daquele lugar. Também sou mineira, de Juiz de Fora, meu grande sonho é um dia poder me mudar para essa cidade, sei que é complicado, largar toda minha vida e me mudar para outro lugar e recomeçar, nova casa, novo trabalho, mas é um sonho meu, se tiver alguma dica, já que você tem muitas experiências, eu agradeco. Abraços.

  2. OLA RAFAEL! AMEI SEU POST, E ESTOU APROVEITANDO PRA COLHER INFORMAÇÕES PARA MINHA VIAGEM QUE FAREI EM MARÇO, ESTOU SUPER ANSIOSA, MORO EM BRASILIA, E COMO EU GOSTARIA DE CONHECER O ESPIRITO, RESOLVI ESCOLHER A BAIXA TEMPORADA, POIS ASSIM, NÃO TEREI PROBLEMAS COM AS FILAS E ETC, MUITO OBRIGADA!!!A UNICA COISA QUE NÃO ACHEI FOI AS FEIRAS DE ARTEZANADOS, POIS AMO, VOCÊ TEM ALGUMA DICA

    1. Oi, Soraia. Guarapari costumava ter uma feira todo domingo, perto da ponte. Não sei se ocorre mais ou se é só na alta temporada.

      De qualquer forma, tenho certeza que você vai gostar.

      Abraço.

  3. Sou mineiro e passei a maioria das férias da minha vida em Guarapari. E tenho a mesma opinião que você Tiago. É melhor do que muitas outras por aí. Mesmo já tendo conhecido inúmeras outras praias. Eu Amo Guarapari.

      1. Eu voltei a Guarapari no princípio de janeiro de 2016 e a cidade estava insuportável: filas enormes, faltando produtos essenciais, as pessoas se esbarravam nas ruas pois a cidade estava lotada e, pior, faltava água e os comerciantes estavam metendo a mão! A cidade merece uma visita, mas, não na alta temporada!

        1. Na alta temporada é bem ruim, Paulo. Já passei por essa experiência algumas vezes. É assim há anos.

          Mas nas outras épocas é completamente diferente.

  4. Obrigada Rafael!
    A passagem já está comprada! e o hostel, achei interessante o “Solar de Guarapari”
    Agora tô aqui “estudando” os posts de vcs, ansiosíssima pra viagem!!

    1. Que ótimo, Maria! Vai dar tudo certo! Depois conta pra gente como é fazer essa viagem de trem, afinal infelizmente isso não é muito comum em nosso país, tão carente de ferrovias.

      Abraço!

    1. Oi Maria,

      Nunca fui de trem para Guarapari, sempre de ônibus. O que eu sei é que o trem vai até Vitória e que de lá é necessário pegar um ônibus até Guarapari. Se você é de BH, o trem sai da Praça da Estação. É possível comprar as passagens por lá, mas tenha em mente que os lugares esgotam semanas antes da partida, então reserve o seu lugar bem antes. Mais informações nesse site aqui (parece que também dá para comprar online):

      http://www.vale.com/brasil/PT/business/logistics/railways/Passenger-Train-Vitoria-Minas/Paginas/default.aspx

      Sobre o hostel, francamente nunca ouvi falar. Até procurei no Hostel Bookers, mas eles não têm nenhum na lista. Guarapari funciona mais na base do aluguel de casa ou apartamento por temporada, já que muitos mineiros têm casa por lá. Também é possível encontrar muitos hotéis e pousadas no centro da cidade.

      Quaalquer dúvida é só falar! Abraço!

  5. Ótimo post, Rafael! Eu sempre falo que Guarapari fora de temporada é muuuuuito melhor que no verão. Parece outra cidade!
    Também sou mineiro, Rafael, e antes de me mudar de vez para Vitória, passei praticamente todos os meus verões em Guarapari. Adorava a cidade, enquanto turista. Mas depois que passei a olhar mais criticamente sobre o turismo do Espírito Santo, em geral, e de Guarapari, em particular, percebi o triste destino da cidade: cresceu sem qualquer planejamento e respeito ao meio ambiente, interferindo negativamente nas belezas naturais e cedendo à especulação imobiliária. Aquele que é, de longe, o pedaço de litoral mais bonito do Espírito Santo foi completamente ocupado e desfigurado e, talvez, isso tenha contribuído para reforçar o tal preconceito dos mineiros com a Cabo Frio capixaba.
    Um dia eu ainda pretendo redescobrir Guarapari um dia. 😉

    1. Valeu, Tiago. Minha família tem casa em Guarapari há décadas. Eu frequentava a cidade quando ainda não existia aquele monte de prédios e quando não ficava tão cheio no verão. Certamente era melhor. A especualção imobiliária atrapalhou sim a cidade. Apesar disso, eu ainda acho aquele pedaço do litoral muito bonito. Pra mim o preconceito é social mesmo: muita gente da classe C passou a frequentar a cidade, por ser fácil e barato. Com isso, a classe média alta mineira, que antes lotava as praias de Guarapari, começou a torcer o nariz pra lá, dizer que tem muita farofada, etc… O interessante é que eu só noto esse preconceito besta em Minas Gerais.

      Por conta disso eu até desenvolvi o “padrão Guarapari de qualidade”. Funciona assim: eu chego numa praia e avalio o lugar como sendo pior, melhor ou igual à Guarapari. Já fiz isso nas praias do nordeste e até da Tailândia (Guarapari ganha de muitas. Inclusive de Phuket, destino famosão do sudeste asiático).

      Se eu chego pros mesmos que criticam Guarapari e falo que vou pro nordeste ou pra Santa Catarina eles dão pulos de alegria, mesmo que o destino não seja lá muito legal. Se falo que vou pra Guarapari, sou criticado. Puro preconceito: em essência, Guarapari é sim um lugar legal, embora cheio de defeitos, causados pelo que você falou.

      Abraço!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.