Tags:
Atlas: Varanasi, Índia

Varanasi, a cidade mais sagrada da Índia

Varanasi é tudo aquilo que você ouviu falar. É suja, fedorenta e espiritual. O Ganges, principal razão da fama da cidade, é uma mistura de água, cadáver, lixo e bosta, nem sempre de animais. Diz-se que em muitas partes do rio, não existe mais nenhuma molécula de oxigênio e, consequentemente, nenhum ser vivo. O rio é morto e, ainda assim, cheio de vida devido às celebrações religiosas que acontecem diariamente dentro e fora dele.

Consagrada a Shiva, principal deus Hindu, a cidade às margens do Ganges representa a destruição de tudo o que existe e a perspectiva de um novo começo. É ali que a maior parte dos indianos deseja morrer. Muitos acreditam que quem morre em Varanasi não precisa mais reencarnar.

Varanasi - Rio Ganges

O destino de todos os turistas que chegam a Varanasi é a cidade velha, uma região formada por ruelas estreitas e labirínticas que se entrelaçam até chegar ao rio. A impressão que tive por ali é que todos os caminhos levam ao Ganges.

Grandes escadarias se estendem ao longo do rio. São elas que recebem as diferentes celebrações religiosas. Batizadas de Ghats pelos Hindus, cada uma é devotada a um deus e possui sua própria história e finalidade. Em uma delas, por exemplo, não é comum que as pessoas tomem banho, pois acredita-se que as águas daquela parte do rio causam brigas no casamento.

Ghat no rio Ganges, em Varanasi

Um dos maiores Ghats, o Dasaswamedh, recebe um ritual de agradecimento diário, sempre após o pôr do sol. Durante a cerimônia, centenas de pessoas vão até o rio para agradecer e soltar oferendas no Ganges, enquanto sacerdotes conduzem a celebração com incenso, velas e músicas em uma das demonstrações de espiritualidade mais intensas que eu já presenciei. Você pode assistir a tudo das escadarias ou de dentro de um barco e até soltar sua própria oferenda em agradecimento. Não vai ser difícil comprá-la das mãos de um dos muitos vendedores ambulantes que percorrem os Ghats.

Cerimônia religiosa no rio Ganges, em Varanasi, Índia

Um tradicional passeio de barco pelo Ganges vai te ajudar a entender melhor a história daquele local sagrado e como a presença do rio afeta a vida dos indianos. Além de ver os Ghats destinados à lavação de roupa, banho de búfalos, banho de gente e meditação, de dentro do rio também é possível ver os locais reservados à cremação dos mortos, os shmashan ghats.

É possível chegar nesses Ghats também por terra, mas é preciso ter cuidado com o assédio de alguns sacerdotes em busca de doações (em dólar) e para não desrespeitar a dor das famílias que muitas vezes viajaram quilômetros até ali para se despedirem de seus mortos. Por mais exótico e interessante que tudo aquilo possa parecer para você, a cerimônia continua sendo uma espécie de velório. Exatamente por este motivo, é proibido e desrespeitoso tirar fotos das fogueiras.

Rio Ganges - Passeio de barco

No principal Ghat funerário, de 100 a 300 corpos são cremados por dia, mas para ter a honra de se despedir do mundo ali é preciso que sua família pague cerca de 2000 rúpias (R$70) pela madeira oleada que disfarça o cheiro da cremação. Parece pouco, mas esse valor, somado a outros gastos do velório e da viagem até Varanasi, torna este um sonho impossível para a maior parte dos indianos. Para atender a população mais pobre, fogueiras menores, algumas elétricas, estão disponíveis na cidade.

Os corpos são colocados em macas, enfeitados e lavados no rio. Macas cobertas com saaris vermelhos pertencem a uma mulher jovem, se a cor é dourada, a mulher era mais velha. O branco enfeita as macas dos homens. Apenas crianças, consideradas puras, e as mulheres grávidas, que carregam um ser puro, não são cremadas.

O luto dos indianos dura um ano. Durante esse período, eles não participam de nenhum dos famosos festivais do país, não frequentam festas ou celebram casamentos. Apesar disso, a morte é encarada como um recomeço e muitos deles escolhem ir morar em asilos em Varanasi quando sentem que o fim da vida se aproxima, só para terem a honra de encerrar mais um ciclo às margens do rio sagrado.

Informações turísticas sobre Varanasi

Quantos dias ficar em Varanasi

Um dia é suficiente para ver tudo se você estiver com pressa, mas para aproveitar melhor o lugar e a atmosfera, é recomendável reservar ao menos 3 dias.

Quanto gastar

Se você se encaixa na categoria “econômica”, como nós, é possível ficar em hotéis razoáveis e comer em restaurantes bons (e baratos) com menos de 1.000 rúpias (R$35) por dia. Aqui vale a regra, quanto mais perto do Ganges e quanto mais bonita a vista, mais dinheiro você desembolsa. Nós pagamos 600 rúpias por um quarto triplo na Leela Guest House.

Homem em Ghat do Rio Ganges, Varanasi

Onde Ficar

Old City. Nem pense em outro lugar! Após uma corrida de tuk-tuk pela parte “nova” da cidade, é preciso descer e encontrar seu hotel à pé pelas ruelas. A princípio, pode parecer terrível andar por aquelas ruas caóticas carregando sua bagagem, mas uma vez alojado você vai ver como valeu a pena. O motorista de tuk-tuk que te levou até a entrada vai ficar mais que feliz em ajudar você a encontrar o lugar, por uma pequena comissão, óbvio. Leia nosso post com opções de hospedagem e os melhores lugares de Varanasi. 

Aonde ir

O mais comum é fazer o combo Varanasi – Kajuraho. Como já tínhamos passado por lá, seguimos de trem para Calcutá. A cidade também é o ponto de partida para Sarnath, onde Buda fez seu primeiro discurso.

Vai viajar? O seguro de viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável nas férias. Não fique desprotegido na Índia. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício para o país – e com cupom de desconto.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “Varanasi, a cidade mais sagrada da Índia

  1. Oi, Natália. Tudo bem?
    Estamos de viagem marcada para a índia e vamos passar dois dias em Varanasi. recebemos algumas indicações sobre o Templo Mother India, em Varanasi, mas lendo pela internet não me parecer tãao interessante assim. Vc chegou a conhecê-lo? O que achou? Lendo meu guia, vi o templo Vishwanath, que pareceu bem mais interessante. Esse você conhece?
    Muito obrigada!!
    Maíra e Karine

    1. Ei Maíra e Karine, não cheguei a ir lá não. Eu acho que a grande atração de Varanasi é a própria cidade. Ainda mais depois que eu já estava a tanto tempo na Índia, não me preocupei em ficar visitando os templos, já que todos acabam sendo muito parecidos. Aproveitei para curtir o clima da cidade, ver a vida no rio. É difícil dizer o que vale a pena porque isso varia muito com a pessoa e os interesses, né? Mas essa é minha opinião, ainda mais que vocês tem tão pouco tempo lá 😉

      Abraços!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.