fbpx
Tags:
Atlas: Nazaré, Portugal

As ondas gigantes de Nazaré, em Portugal

Uma enorme parede de água salgada se estende a poucos metros das primeiras casas na orla da praia de Nazaré. Do forte, construído no século 16, é possível ver a onda se agigantar por 30 metros, quase como se fosse engolir a cidade. Nazaré é uma vila simpática no centro-oeste de Portugal, com forte identidade cultural e uma vida agradável à beira-mar. Mas foram as ondas gigantes que se formam ali que tornaram o lugar conhecido no mundo inteiro e um desafio para os surfistas mais aventureiros.

Desafio, aliás, não livre de perigos. Em outubro de 2013, Nazaré ganhou os noticiários brasileiros por conta de um acidente envolvendo a surfista Maya Gabeira. Ao tentar encarar a onda gigante, ela caiu de uma altura de cerca de 20 metros, tomou alguns caldos e desmaiou. A história só não teve um fim trágico porque seu amigo e também surfista Carlos Burle conseguiu resgatá-la a tempo e aplicar os procedimentos de primeiros socorros. No fim, só um tornozelo quebrado, apesar do susto. Mas quando a gente conta essa história, fica até difícil acreditar que no dia da nossa visita o mar estava assim:

nazaré portugal forte de são miguel arcanjo

Vista do Forte de São Miguel Arcanjo

nazaré portugal mar azul

É que as ondas enormes que fazem a fama do local costumam se formar no inverno (mais ou menos de outubro a janeiro), devido a existência de um cânion a poucos quilômetros da costa. A diferença de profundidade das águas do cânion em comparação às da plataforma continental, que é rasa, reforçada pelas correntes costeiras, é o que cria o fenômeno.

E como as ondas são um fenômeno difícil de ignorar, a cultura da cidade também floresceu ao redor dele. Fortemente apegadas ao mar, as pessoas de Nazaré precisaram aprender a conviver com as ondas para manter viva a economia e as tradições locais. Até hoje, todos os dias, por volta das seis da manhã, os homens entram em seus barcos e vão em busca do peixe que serve de alimento e ganha-pão para suas famílias. As mulheres aguardam a volta de seus maridos na praia, muitas vezes com canções e rezas para que retornem em segurança.

nazaré portugal peixe seco

nazaré portugal polvo seco

No fim do dia, elas comandam o leilão dos peixes e frutos do mar, normalmente vestidas com suas sete saias coloridas. O costume surgiu, dizem, para que elas protegem-se do frio enquanto esperavam seus maridos voltarem do mar. As várias camadas de saia ajudavam a mantê-las aquecidas.

A tradição é tão difundida que mesmo hoje é fácil encontrar senhoras vestidas assim no dia a dia. Antes, elas costumavam mostrar cada uma das setes saias ao turistas, porém a prática foi proibida por ser considerada obscena, depois que um jornalista francês escreveu uma matéria preconceituosa que relacionava à prostituição.

nazaré portugal sete saias

Mesmo em época de ondas gigantes, a pesca é prioridade. Enfrentar o fenômeno é uma prova de coragem e responsabilidade. Acredita-se que cada família nazarena tenha pelo menos um caso de morte por afogamento nas perigosas águas daquele pedaço de Atlântico. Talvez por isso também, a cultura local ainda preserva um forte senso de religiosidade. Bênçãos e procissões são muito frequentes na cidade.

A viagem a Nazaré foi um convite da agência Alma Nazaré Tours, que promove passeios pela cidade e em outros pontos turísticos de Portugal.

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países da Europa e pode ser exigido na hora da imigração. Além disso, é importante em qualquer viagem. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “As ondas gigantes de Nazaré, em Portugal

  1. ola! viajarei em maio e quero fazer um bate e volta de lisboa a Nazaare + Peniche.
    pelo que li o legal seria estar de carro mas como viajerei so acho melhor ir de transporte publico ou tour. tentei pegar o site da ALMA TOUR mas nao encontrei.
    poderia ma dar outras empresas e dicas como devo fazer o passeio?
    obrigada

  2. Estarei com esposa visitando pela segunda vez as terras lusitanas por 13 cidades. Finalizo pr peniche e nazare em 19.09.18. Torcendo pra conhecer as ondas gigantes. Viajar eh o melhor investimento da vida. Brs tds

  3. Eu tenho esse sonho de conhecer a praia de Nazaré. Não sei se vou conseguir ver as ondas gigantes. Mas, espero um dia poder realizar este sonho.

  4. Boa tarde, Natália.

    Já pesquisei em várias fontes, mas só mostra que as ondas começam em outubro, porém tem um período específico de outubro? Na primeira semana é possível ver?

    1. Valdilene, qualquer fenômeno metereológico é difícil de prever… pode ser que comece antes em alguns anos, pode ser que comece depois em outros. Tem que contar com um pouco de sorte também…

      Abraços

  5. Tenho um sonho fixo desde a minha adolescência, de tempos em tempos ele se repete.
    Estou na beira do mar, algo como um costado alto e abaixo uma praia de areias claras, uma enorme onda se forma no mar, como se fosse passar por sobre o costado onde me encontro, mas ao chegar na praia essa onda se desmancha por completo sem ocasionar nenhum dano.
    Quando descobri as ondas de Nazaré, há cerca de um ano, percebi a existência de muitas semelhanças entre meu sonho, Nazaré e minha existência. O costado, as ondas, são as mesmas em meu sonho, a cidade de Nazaré que não sofre a agressão das ondas em meus sonhos ainda não existe, talvez estivesse lá bem antes do início da cidade, coincidentemente, ainda, sou descendente de portugueses, meus avós paternos eram portugueses(avó de Lisboa e avô de Fermelã), meu sobrenome é Souza Miguel, que também é o nome do forte de Nazaré, São Miguel Arcanjo.
    Tenho fé em Deus que antes de morrer visitarei Nazaré, indo buscar o laço que me une a esse lugar, se herança genética, se carma espiritual ou algo pendente em meu passado remoto.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.