Tags:
Atlas: Ilha do Marajó, Brasil, Pará

Descoberta ou conquista: o Brasil antes de 1500

Descobrimento ou conquista? Eu já tinha pensado nesses termos antes, mas voltei a refletir sobre o assunto durante uma viagem pelo Peru, que fiz neste mês. Ao visitar ruínas espanholas, incas e pré-incas, em nenhum momento ouvi os guias falarem em descobrimento. O que houve ali foi uma conquista, dizem os peruanos, com os espanhóis dominando os incas (e outros povos) e derrubando um Império que alcançou também os atuais territórios da Bolívia, Colômbia, Chile, Equador e Argentina. Um Império que, assim como o espanhol, faz parte da história dos povos que há milênios habitam os Andes.

Conquista. Embora nos últimos anos a palavra tenha se tornado mais comum para descrever o que aconteceu no atual território brasileiro após a chegada de Cabral, ainda prevalece a ideia de que os portugueses cá chegaram e, opa, olha só, aqui tem uma terra novinha, com “muitos bons ares”, “praias” e quem sabe “ouro e prata”, que é o que interessa, como relatou Pero Vaz de Caminha. Essa terra estava aqui esse tempo todo, do outro lado do Atlântico, e ninguém sabia, pois.

índios do Brasil

Pintura de Jean-Baptiste Debret

Antigos moradores? Existiam aos montes, ‘de pele parda e um pouco avermelhada, cabelos lisos e com o hábito de andarem nus’, mas nem por isso a palavra descoberta foi deixada de lado. Não importava se o ser humano já andava por terras brasilis há milênios. O etnocentrismo europeu e a ideia de que não há mundo e cultura que não a própria tornaram fácil ignorar os indígenas, que obviamente já conheciam muito bem essas terras. Fora que a própria história oficial, de que a excursão do Cabral foi a primeira de europeus a passar um tempinho nas praias do nordeste, é questionada. Os índios, que já estavam por aqui e viram as caravelas se aproximarem, poderiam resolver mais essa dúvida.

E, olha, o Brasil pré-cabralino não tinha poucos moradores não. As estimativas populacionais variam. As mais conservadoras costumam dizer que eram entre 1 e 5 milhões de indígenas, de várias tribos, mas há quem diga que só na Amazônia tinha mais gente que isso. Segundo alguns historiadores, nossa floresta servia de casa para 7 milhões de indígenas quando os europeus resolveram dar as caras por lá –  a metade da população atual de toda a região norte do Brasil.

Relatos antigos reforçam essa tese. Maurício Heriarte, um explorador europeu que passou pelo atual estado do Pará, em 1662, escreveu que apenas um dos povos da região, os Tapajós, era capaz de botar “60 mil arcos quando manda dar guerra”. Já Bento da Costa, que navegou pelo Rio Amazonas na mesma época, destacou a quantidade de moradores de outra forma: “se do ar deixassem cair uma agulha, há de dar em cabeça de índio e não no solo”. Traduzindo, era gente que não acabava mais.

Gente que foi esquecida pela História, largada na margem desse tal de descobrimento. A questão aqui não é questionar ou criticar a conquista europeia, óbvio, mas lembrar que ela existiu. Talvez essa seja a parte surpreendentemente mais dolorida disso tudo: nós precisamos lembrar que houve uma conquista. Isso não está óbvio, não é evidente para cada brasileiro. Muito pouco foi escrito, dito e pesquisado sobre o Brasil pré-cabralino.

A Primeira Missa no Brasil de Victor Meirelles (1861).

A Primeira Missa no Brasil, de Victor Meirelles (1861)

Sabe o que a internet tem a nos dizer sobre os Tapajós? Menos que deveria. Por exemplo, o artigo da Wikipedia sobre a tribo que dominou parte do norte do país e amedrontou os conquistadores é, digamos, resumido:  “Os tapajós foram um grupo indígena, atualmente considerado extinto, que habitava, no século XVII, as proximidades dos baixos rios Madeira e Tapajós”. Ponto e nada mais. Os artigos sobre a Usina Hidrelétrica dos Tapajós, a proposta da criação do estado do Tapajós e até do Tapajós Futebol Clube, um time de Santarém (PA) com apenas quatro anos de existência, são mais completos.

Dois mitos costumam ser usados para justificar a teoria da descoberta e o pouco caso que fazemos com a história de nossos povos indígenas. O primeiro deles, usado há séculos, diz que a floresta fechada e o clima úmido impediam o desenvolvido de sociedades avançadas, prendendo nossos povos indígenas num eterno estado tribal. O outro, derivado desse, diz o Brasil foi descoberto, e não conquistado, justamente porque não havia sociedades avançadas nas terras onde os portugueses desembarcaram, só um monte de gente interessada em fazer escambo e doida pra ser catequizada, dominada e iluminada pela sabedoria que atravessou o Oceano. Quase um subtipo de ser humano. Santo etnocentrismo, que sugere que os indígenas deveriam agradecer aos europeus pela conquista.

Versão que já seria muito ruim se o Brasil pré-cabralino fosse de fato totalmente tribal. Só que sociedades complexas existiam aqui antes da chegada dos europeus. E os brasileiros, de forma geral, ignoram isso. Não tão complexas como os incas, mas quem sabe tão desenvolvidas como alguns dos povos pré-incas que habitaram outras regiões da América do Sul e que são motivos de orgulho em países vizinhos. Além dos tapajós, outra sociedade que habitou a Amazônia ajuda a explicar isso: os marajoaras.

Ilha do Marajó, Pará

Ilha do Marajó, Pará

Eles habitaram a Ilha do Marajó, na foz do Rio Amazonas, por quase mil anos. Segundo as versões mais aceitas, desapareceram pouco antes da chegada dos europeus. Mas deixaram um rastro de cerâmicas, aterros artificiais e ruínas para trás. Embora o contato com os marajoaras seja antigo, as primeiras escavações foram realizadas há menos de 30 anos, pela arqueóloga norte-americana Anna Roosevelt, uma das maiores especialistas da atualidade nos antigos povos amazônicos. Ela incluiu a sociedade marajoara como uma das grandes do mundo, com apogeu em algum momento entre os anos 500 e 1300 d.C.

Para a pesquisadora, os marajoaras tinham classes sociais desenvolvidas, agricultura e aldeias grandes, com a população total da ilha chegando a ser de 100 mil pessoas. Para sobreviver num território constantemente alagado, os marajoaras construíram aterros de quase 20 metros de altura, chamados de tesos, em que as vilas eram erguidas.

E a cerâmica marajoara, escavada de alguns desses aterros, prova o desenvolvimento da sociedade, que era uma espécie de Cacicado –  organização política mais desenvolvida que uma tribo e menos que um Estado. Afinal de contas, só faz uma cerâmica dessas um profissional, alguém que vive para isso. O que prova a divisão social complexa dos marajoaras.

cerâmica Marajoara

Cerâmica Marajoara

E a história amazônica é ainda mais antiga. Anna Roosevelt também fez escavações na área ao redor do município de Monte Alegre, no Pará, e encontrou mais indícios de sociedades avançadas que viveram ali há quase 10 mil anos. Para ela, essa região pode ter sido casa para até 300 mil pessoas, cinco vezes mais que a população atual da cidade e o equivalente ao tamanho de grandes cidades do mundo em sua época. Segundo Roosevelt, as sociedades indígenas amazônicas eram mais desenvolvidas que as que existem atualmente ali, reduzidas depois de séculos de confrontos, genocídio e doenças.

Como exige a ciência, é claro que tem quem conteste a pesquisadora. Mas meu ponto aqui não é esse. Não entendo de arqueologia, não sou historiador, pelo menos não além do que me ensinou o Indiana Jones. A questão que ficou para mim, independente do grau de desenvolvimento das sociedades que habitavam o Brasil antes dos brasileiros, é como nós ignoramos tudo isso.

Ignoramos os marajoaras, suas cerâmicas e seus sítios arqueológicos. E até os turistas que visitam a Ilha do Marajó, como eu fiz no ano passado, preferem se concentrar no combo praia e natureza do que se debruçar numa história interessante e que movimenta, com muita polêmica, a arqueologia e a ciência atuais.

Ignoramos também a Serra da Capivara, no Piauí,  que tem 800 sítios arqueológicos catalogados,  quase 30 mil pinturas rupestres, uma das maiores coleções do tipo ao ar livre do mundo. Pinturas que podem comprovar que o homem chegou por essas bandas bem antes que o defendido pela teoria aceita atualmente –  a arqueóloga Niede Guidon diz que as pinturas do Piauí estão lá há quase 50 mil anos! Um Parque e Museu foram criados para proteger a área. E vivem às moscas.

Serra da Capivara, Piauí

Parque Nacional Serra da Capivara (Foto: Augusto Pessoa)

Ao escrever este texto, li pela primeira vez sobre a Pedra Pintada, em Monte Alegre, no Pará. E descobri que um Parque Estadual foi criado, em 2001, para proteger as pinturas, artefatos e a natureza da região, que ainda intrigam pesquisadores. Já o Parque Nacional Indígena do Xingu guarda o sítio arqueológico de Kuhikugu. Que, segundo o arqueólogo Michael Heckenberger, chegou a ter 50 mil habitantes.

Megalitos astronômicos no Amapá, linhas traçadas na selva amazônica, urnas funerárias do século oito que são encontradas perto de capitais brasileiras, inscrições paleolíticas em Santa Catarina e pinturas pré-históricas no Parque Nacional do Catimbau, em Pernambuco. E ainda tem a Luzia, restos humanos mais antigos encontrados nas Américas, em Lagoa Santa, a menos de 40 quilômetros de Belo Horizonte e onde o arqueólogo Peter Lund encontrou mais de 12 mil fósseis.

Tudo isso faz parte da História do Brasil, que não, não é tão jovem como tendemos a pensar. Não temos Petra, não temos Machu Picchu, mas temos muitos lugares interessantes – e que nem a ciência catalogou completamente – para descobrir. Tomara que sejam (re)descobertos a tempo.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

24 comentários sobre o texto “Descoberta ou conquista: o Brasil antes de 1500

  1. Que belo texto! Fico orgulhosa que pessoas como você tenha interesse em estudar o que realmente foi o Brasil, e além de estudar compartilhar esse estudo. Parabéns!

  2. Sensacional, sempre estranhei essa idéia do descobrimento do Brasil nunca tinha aceitado essa história mal contada. E pela primeira vez eu leio algo que me identifiquei 100%

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.