fbpx
Tags:
Atlas: Tailândia

Como não se assustar com a culinária tailandesa

Já contei aqui que boa parte da minha alimentação na Tailândia ficou restrita a cachorro-quente, por uma série de motivos. Mas, obviamente, isso não significa que todo mochileiro precisa passar pelos perrengues que eu enfrentei. Ficar atento ao período de monções é apenas uma dica valiosa. Abaixo, listo algumas outras coisas importantes para quem pretende desvendar a autêntica culinária tailandesa

1) Mistura boa

Se você é do tipo que não gosta nem de molho agridoce, precisa rever seus conceitos ao chegar na Tailândia. O forte da cozinha desse país é exatamente misturar tudo em uma colherada só, combinando doce, apimentado, azedinho (eles adoram tamarindo) e salgado. Há vários pratos que mesclam esses sabores, e soam inusitados ao nosso paladar super separatista. Vai por mim, é bom.

Pad Thai

Foto: Terence Ong, Wikimedia Commons

2) Não tenha medo de cara feia

Muitos pratos tailandeses não têm aspecto atrativo…as cores até estão lá, mas falta um algo mais. Nem por isso eles deixam de ser gostosos. O fried rice, arroz do tipo jasmin, mais adocicado, preparado com legumes, frango, leite de coco e outros elementos, é um deles. O outro é o pad thai (massa de arroz frito com camarões, amendoim, tamarindo, vegetais e temperos). Isso só para citar os dois mais consumidos no país, ambos encontrados a preços acessíveis.

3) Vem pra rua

Se tem uma coisa que o tailandês gosta é de mercado na rua, e isso também vale quando assunto é comida. Não deixe de provar as delícias oferecidas em barraquinhas a preços que, em geral, ficam em torno de R$ 5. Há porções de frango frito (e nem venham me dizer que não é um prato típico de lá porque, todos os dias, essa era simplesmente a barraca mais cheia), batatinhas adocicadas e temperadas, além de comidinhas com a cara do Brasil, como espiga de milho, até com viés do Japão, incluindo sushis.

mercado de rua chiang mai

Foto: Takeaway, Wikimedia Commons

4) Inseto é para os fortes, ou fracos, ou mentirosos…sei lá

Olha, esse assunto é muito controverso. Praticamente todas as pessoas que sabem que eu estive na Tailândia me perguntam se experimentei uma barata, um escorpião, etc. Confesso que o Rafa e eu não conseguimos provar um espetinho na hora do vamos ver (Luíza e Natália sequer cogitaram a ideia ). Porém, se você faz questão, uma coisa precisa ser dita: essa iguaria é mais algo mitológico, para turista ver, do que, de fato, algo que integra o cardápio dos tailandeses. Sim, os insetos já foram parte importante da alimentação do país e na área rural e cidades do interior ainda são uma realidade. Porém, como já disse, os tailandeses das grandes cidades, pelo que vi, não comem esse tipo de espetinho em seu cardápio doméstico.

Leia também: As pessoas comem insetos na Tailândia?

insetos na tailândia

Foto: An-d Wikimedia Commons

5) Coma de colher mesmo

Tradicionalmente a comida tailandesa era degustada com a mão direita, assim como acontecia em tantos outros países da Ásia. Agora, os talheres são usados, mas na combinação garfo e colher (utensílios introduzidas pelo Rei Chulalongkorn após seu retorno de uma turnê pela Europa em 1897, diz a Wikipedia). O garfo fica geralmente na mão esquerda (para quem é destro) e não vai a boca: ele serve para empurrar o alimento para a colher. Certamente isso tem a ver com o hábito de comerem noodles (o macarrão/sopa típico da China, mas presente em todo o mundo). E não se preocupe: as carnes, em geral, vêm bem fatiadas na receita, sem a necessidade de cortá-las.

 

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Aline Gonçalves

Preciso provar outros sabores para ter certeza de que a melhor combinação do mundo é o arroz com feijão.

  • 360 nas redes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

5 comentários sobre o texto “Como não se assustar com a culinária tailandesa

  1. Olá!
    Gente, eu AMEI culinária tailandesa. Sou bem chata para comer e, na necessidade, fui provando e amando tudo.
    Hoje em dia aqui no Rio sinto falta de verdade, de um Pad Thai, de uma Tom Yam, daqueles partos maravilhosos de legumes com camarão e aquele molho incrível.
    Me empolguei tanto que diz até aula de culinária tailandesa por lá <3 Só falta a coragem e o tempo de ir pra cozinha aqui!

  2. Bem legal o post! Estive recentemente no sudeste asiático e fiz uma lista com as principais comidas de mochileiros da região! Segue link para quem se interessar:
    daportaprafora.com/tailandia/top-comidas-de-mochileiro-do-sudeste-asiatico/

  3. Ola!!!
    Eu sou mega chata para comer, mas como amo pimenta, amei a comida tailandesa. Tanto que praticamente nao comi outra coisa la. O que nao curti foi um tipo de massa, que nao me lembro mais o nome, que era meio gosmenta. Ela meio que “esticava” entao dava uma sensacao estranha na boca, embora o paladar fosse agradavel. Para mim, foi como colocar gordura da carne na boca: argh!!! Ja meu marido que nao eh fresco, amou inclusive essa massa.
    Ate hj faco pratos tailandeses em casa. Claro que nao fica a mesma coisa, mas nada que muito cury, pimenta e leite de coco nao deem um gosto para relembrar aquele pais maravilhoso.

    tripsincriveis.blogspot.com

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.