O que é Escargot e qual a origem do hábito de comer caracóis

“Vamos pedir Escargot”, disse minha amiga da Dinamarca. Antes que você pergunte, o que é escargot, ela sugeria que a gente pedisse caracóis de entrada, o tradicional prato da culinária francesa. Eu vivo em Portugal há mais de cinco anos, mas nunca tive coragem de provar a iguaria, que lá é servida no verão, acompanhada de cerveja.

Adora comida? Não deixe de ler os outros texto da nossa série Comida com História:
• Pimenta do Reino ou Malagueta? A confusa história da pimenta
• A curiosa história política do Brigadeiro
• A fantástica história do chocolate: a volta ao mundo que transforma o cacau
• Viscoso, mas gostoso! Os insetos que são tira-gostos populares no México

Como comer escargot?

Os escargot vieram num pratinho de metal, dentro das conchinhas, acompanhados de torradas e ferramentas curiosas. Eu observei como eles faziam: com uma pinça especial, você segura a concha. Com um garfinho pequeno com dois dentes, você puxa a carne do escargot lá de dentro e come. Depois, joga o resto da manteiga ou azeite com tempero no pratinho e usa o pão para comer o molho.

Qual o sabor do escargot? Era do delicioso tempero provençal francês. A textura não é gosmenta, como você imaginaria ao ver um caramujo passeando. À moda francesa, o bicho é muito limpo e refogado com ervas, só é colocado de volta na concha para a apresentação. A textura, numa tentativa de comparar com comidas comuns, lembra mais um pedaço de camarão do que uma ostra.

Depois que comi o primeiro e me surpreendi com o tanto que gostei, comentei com ela: como será que alguém inventou de comer isso?

Qual a origem do Escargot e outros caracóis comestíveis?

No artigo “Os caracóis terrestres comestíveis no mediterrâneo pré-histórico”, o antropólogo David Lubell conta que caracóis eram frequentes em sítios arqueológicos da região do Mediterrâneo, desde o final da Era Glacial até metade do Holoceno, período que se iniciou há 11,5 mil anos.

Em regiões que vão da Tunísia até o sul da França, passando pela Grécia, Ucrânia, Portugal e Espanha, foram encontrados muitos sítios com concentração abundante de conchas de caracóis, que representam restos de refeições pré-históricas. Há, inclusive, ferramentas nesses sítios arqueológicos. A hipótese é que eram desenhadas para remover os caracóis das conchas. Uma pesquisa independente no Irã testou tais ferramentas, com sucesso.

Segundo Lubell, os caracóis tornaram-se tão populares na região mediterrânea, muito antes do surgimento da agricultura, exatamente por causa das grandes mudanças climáticas do período pós-glacial, com o surgimento de florestas nessa região, entre 15 mil e 6 mil anos atrás. Condições que aumentaram as populações de caracóis.

caracol comestivel escargot

Um dos gêneros de caracóis comestíveis no mundo. Foto: Petr Bonek – Shutterstock 

Além disso, autores como Fernández-Armesto sugerem que os caracóis foram o primeiro animal domesticado da história. Isso poderia marcar, de certa forma, a transição da era Mesolítica para a Neolítica. Segundo esse autor, era fácil, relativamente simples e sem nenhum risco para os seres humanos primitivos a criação desses animais para a alimentação.

De refeição na pré-história à iguaria cara

De lá para cá, o bicho continuou na cadeia alimentar dos povos dessas regiões, principalmente em tempos de vacas magras. Alimentava exércitos romanos, navegadores e pessoas mais pobres. Eventualmente, foi se popularizando a ponto de tornar-se uma iguaria cara.

escargot em paris

Por que o preço tão alto? Segundo Carlos Alberto Funcia, engenheiro agrônomo e criador de caracóis no Brasil, contou para a revista Superinteressante, “um escargot leva de seis a oito meses para atingir 15 gramas, que é o peso mínimo para ir à mesa”. Isso significa que é um animal muito frágil e sensível, com taxa de mortalidade grande se não estiver nas condições de temperatura e umidade ideais.

Quais são os tipos caracol comestível?

Apesar de existirem mais de 6 mil espécies de caracóis, lesmas e caramujos, todos da família de moluscos gastrópodes, apenas 12 espécies do gênero Helix são utilizadas para alimentação e têm o título de escargot, que em francês significa “caracol comestível”.

Também são criados com rigorosas normas sanitárias, uma vez que a boca do bicho fica próxima do pé e do aparelho genital. Ou seja, para garantir o sabor e a limpeza, os escargots comestíveis são cuidadosamente alimentados e, antes de serem abatidos, colocados em jejum para limparem o estômago e se livrarem de toxinas.

Caracois em portugal

É um alimento que é fonte de proteínas: 16g por 100g de carne, além de ser pobre em gordura e calorias e rico em sais minerais e vitaminas. A forma que eles são cozidos varia de cultura em cultura.

Em Portugal (foto acima), por exemplo, na receita tradicional eles são cozidos em caldo, sem serem retirados da concha, e servidos com bacon ou linguiça – o aspecto, confesso, me dá agonia. Já na França, como contei no início do texto, são preparados fora da concha com temperos variados e só são colocados de volta para a apresentação, junto com uma manteiga aromatizada.

E aí, você já deu ou daria uma chance para um prato de escargot?

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

14 comentários sobre o texto “O que é Escargot e qual a origem do hábito de comer caracóis

  1. Minha filha mora em Paris e sempre que vou ou ela vem pro Brasil comemos o escargot eu particularmente amo esse prato, com cerveja cai muito bem, recomendo pra quem não conhece

  2. Eu me vi na obrigação de provar o escargot, estava com uma turma de colegas e paramos para jantar num desses restaurantes no bairro Saint Michel em Paris, quando vi todo mundo comendo e falando bem resolvi experimentar tbem, e olha, posso dizer que eu amei, mas comemos ele gratinado, superou as minhas expectativas, comeria novamente!😋

  3. Eu provei uma vez na França por insistência da minha amiga e do marido francês e por achar que seria desrespeitoso não aceitar, já que eu era a estrangeira na ocasião. Mas além de não gostar nenhum pouco e de ter me tornado vegetariana alguns anos depois, saber o que acontece com os bichinhos e que eles ficam em “jejum” (= passam fome) para limpar o organismo para o abate, jamais provarei de novo. Ainda assim, belo texto, obrigada pelas informações!

  4. Tenho vontade de experimentar. Nunca tive oportunidade de comer. Quem sabe um dia surge. Vejo vídeos no YouTube de pessoas comendo escargot com a boca gostosa. Pelo o que todos falam deve ser gostoso mesmo. Camarão já comi.

  5. Experimentei o “caracol comestível” pela receita francesa, após assistir o chef Christophe Legond, do Voilá Bistrot, em Paraty-RJ, prepará-los em molho provençal. Foram servidos sem as conchas, na placa de cerâmica com seis nichos.
    Tão prazerosa quanto os escargots, foi a descoberta de seus textos, escritos com a fluência de quem saboreia cada experimentação vivenciada.
    Agradecido pelo desjejum tão bem servido!

  6. Estou contando os dias para minha viagem a França para poder provar. Fico entre o medo e a curiosidade hahaha mas pelos relatos parece bemmm gostoso

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.