Tags:
Atlas: Portugal

Histórias ao redor do forno a lenha: uma páscoa em Portugal

“Ôpa! Por que a menina quer saber disso tudo? Ano que vem, será ela a fazer o almoço da Páscoa?” 

Mesmo muito desconfiados, aquela família portuguesa que vive numa aldeia no extremo norte do país estava bastante empolgada em responder as minhas curiosidades sobre suas tradições. Eu nunca havia dado atenção à Páscoa em Portugal – e acabei descobrindo que a data é quase tão importante quanto o Natal. 

“Preparamos, todos os anos, o carneiro no forno, pato e arroz. Assim como no Natal, comemos bacalhau com batata e couves”. Todos os anos, toda Páscoa, sem exceção. Até as crianças, que tinham vindo de Lisboa, estavam na expectativa de comer o tal arroz.

cozinha preparativos para o almoco de Páscoa

Meus anfitriões eram o senhor Cândido e a dona Cinda, um casal que se juntou depois de velhos. São primos da minha amiga brasileira, a Bia, filha de pai português. Ambos têm filhos adultos, dos casamentos anteriores, e netos. Inclusive, mantêm duas casas. Mas a aldeia já não é a mesma. Pelo caminho, a Bia me mostrava aquelas que eram as casas de algum familiar, as que estavam abandonadas, e as enormes, que ficavam fechadas o ano todo e eram de propriedade de quem foi fazer a vida em outro país. 

Uma volta pela quinta e já vemos os perus, galinhas e patos, as ovelhas, as vinhas e os pés de couve. A água vem do poço, que vem de uma fonte mineral mais acima. No sábado, ao meio dia e meia, pontualmente, já estava na mesa uma enorme panela com carne de vaca e de porco cozidas, couve, batatas e cenouras. E claro, as garrafas de vinho, sem rótulo. O Miguel, filho da Cinda, foi rápido em me oferecer o vinho verde branco, que veio de Monção. Mas também me serviram o vinhão, vinho verde tinto, que nessa região não se bebe em taças e sim na malga –  uma tigela branca sem alças. 

Leia também: As principais comidas típicas portuguesas
Vinhos de Portugal: conheça os tipos e as regiões que são produzidos

mesa tipica portugesa com comida e vinho

Se vinho verde tinto ou branco deu nó na sua cabeça, entenda que vinho verde tem esse nome por causa do tipo da uva e das características típicas da região onde é produzido. Em geral, são vinhos novos, que não envelhecem muito tempo. 

Miguel me contou que eles consomem todo o vinho que produzem – cerca de 1500 litros no ano. O grande lagar de pedra para amassar a uva fica logo atrás da espécie de barracão, também de pedra, onde está a cozinha com fogão de lenha e a grande mesa para as refeições. 

Na hora da janta, pontualmente às 19h30, não estavam à mesa os restos do almoço, mas um tacho enorme com fígado refogado. E um prato menor, com uma carne branca com aspecto e textura um pouco diferentes. Se recusaram a me contar o que era até que eu provasse. Era testículo de carneiro!

Toda a comida no dia anterior foi só um prelúdio para a grande estrela do feriado. Eles acordam cedo na manhã do domingo de Páscoa. Juntam a lenha e acendem o forno, muito quente, com labaredas a sair pela portinha. A cozinha de pedras torna-se uma sauna difícil de respirar. O carneiro já estava temperado desde a véspera, com vinho, alho e outros temperos.

Por volta de 11h, me chamaram para o grande evento. Na cozinha já abafada, tivemos que fechar a porta para garantir que o calor se conservasse. Enquanto o Cândido tirava todas as brasas do forno, a dona Cinda colocava pacotes e mais pacotes de arroz numa vasilha de cerâmica. “Agora, coloco o caldo do pato que estava ali cozinhando”- me explicou ela. “E vou temperar o pato para depois ele ir ao forno”.senhora portuguesa preparando comida retirando as brasas do fogao de lenha

Eles realmente me explicaram passo a passo. Primeiro, a tigela de mais de cinco quilos de arroz entra no forno. Acima dela, colocam a grelha e logo acima vieram os cortes do cordeiro temperado na véspera. Depois disso, veio o processo para fechar a portinha do forno. Quis saber o que era o balde com mistura estranha, que começava a ser espalhado na entrada: “É barro”.

fechando o forno de lenha para o cordeiro

O barro é colocado nos quatro cantos da abertura, onde depois vai uma porta de madeira, que é vedada com mais barro. Tudo para garantir que nenhum calor fuja de dentro das paredes do forno. “Antes a gente usava esterco de vaca”, disse a Cinda. “E ficava bem mais gostoso” completou. “E por que pararam? Vigilância sanitária?” perguntei brincando. “Não, é que não temos mais vacas para produzir esterco”. 

O Cândido também me explicou que, como aquele cordeiro era maior, ficaria cerca de uma hora no forno. Então abririam o fogão, tirariam o arroz, já pronto, colocariam os patos com o carneiro para mais meia hora de cozimento até a hora do almoço.

Montaram uma mesa enorme num barracão da família ao lado. Todos já estavam reunidos enquanto o pato era retalhado e o carneiro cortado. Havia comida ali para um batalhão, mas éramos 20 pessoas. Sobrou mais da metade de tudo e olha que eu enchi meu prato três vezes, além de tomar muito mais vinho do que seria aconselhável. 

carne de cordeiro assada arroz de pascoa portugal

Quando voltamos para casa, o portão já estava fechado. É que dessa vez não pretendiam abrir para o padre. Ao fim de tanta comilança, ainda faz parte da tradição da Páscoa, no norte de Portugal, a cerimônia do Beija Cruz, também chamada de o Compasso.

A Bia me disse que, antigamente, todas as casas abriam suas portas, com mesas fartas, para receber o padre, a cruz e sua comitiva. Depois, seguiam eles e a família para a casa seguinte, formando uma procissão. Mas a tradição já não é a mesma. Muitas casas, como a que eu estava visitando, não abrem mais as portas. Um sinal da mudança dos tempos. Felizmente, o cordeiro assado ainda segue presente.  


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 comentários sobre o texto “Histórias ao redor do forno a lenha: uma páscoa em Portugal

  1. Luiza, bom dia! Me chamo Camila e já te acompanho por um tempo pelo Instagram. Eu e minha família, esposo e dois filhos pequenos, estamos a dois anos com um anceio de morar em Portugal, já pesquisei muita coisa pela internet mas não e o suficiente, ele hj e empregado na empresa rede globo e eu sou cabeleireira, estamos pensando de ir no mês de janeiro para nós estabilizar, gostaria de saber sugestões suas com a sua bagagem de experiência. Oque fazer, quais passos dar para ida.

    Obrigada pela atenção!
    Lhe aguardo…

    1. Oi Rosie,

      Nós não comemos borrego ou cordeiro nesse dia. Todos foram muito explícitos em me explicar que comeríamos carneiro, que é o animal adulto. Segundo o sr. Cândido me explicou, com a forma que eles fizeram a carne, o borrego simplesmente derreteria com o forno tão quente. E realmente, quando eu comi borrego assado – em outra ocasião tradicional – foi assado lentamente no forno

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.