Tags:
Atlas: Tailândia

As pessoas realmente comem insetos na Tailândia?

Que a culinária tailandesa é rica em sabores e texturas muita gente já sabe. A grande dúvida é se aqueles espetinhos de insetos vendidos em barraquinhas da Khao San Road, em Bangkok, são comuns entre a população da Tailândia ou simplesmente pegadinha para turista. Essa dúvida surgiu na nossa cabeça quando visitamos o país. Então, aqui vai a resposta, que, por conta da minha pesquisa, acabou também se tornando um manifesto em favor da antropoentomofagia.

Antropo-oquê? Calma, já chego nessa parte. Vamos primeiro responder a primeira pergunta: sim, as pessoas realmente comem insetos na Tailândia! Mas não, eles não pagam aqueles preços abusivos cobrados na Khao Sand Road. Na verdade, nas cidades grandes, o consumo de insetos não é tão alto quanto nas cidades menores do norte do país.

Nessa região você pode procurar por mercados que vendem diferentes tipos de insetos, como grilos, larvas, ovos de formigas e muito mais. Esses insetos não são comidos crus, veja bem. Costumam ser fritos e combinados com diversos temperos, que, segundo os tailandeses, são um ótimo petisco para acompanhar uma bebida.

insetos na Tailândia

Feira de rua em Bangkok – Crédito: CC BY-SA 3.0 – An-d 

Tem uma matéria muito interessante da BBC (em inglês) contando sobre a vida dos vendedores de insetos nas ruas de Bangkok. Segundo o texto, a maioria dos vendedores vem de vilas muito pobres do nordeste do país, lugares que têm sofrido com mudanças climáticas que dificultam as produção agrícola, e, como consequência, o emprego. Eles viajam várias vezes no mês para Bangkok, onde conseguem vender um saco de grilos por R$1,50.

Os insetos são “cultivados” em casa: eles criam armadilhas de luz ou buracos no chão para atrair os bichinhos. Na entrevista, Areerat Jantao, uma das vendedoras, conta que a produção não é toda vendida, apesar da alta procura, principalmente durante o Ano-Novo Budista. É que eles e as famílias também comem os insetos: “Eu gosto de um tipo de baratas com ovos dentro”, contou Areerat para a BBC. “Também cozinho grilos com pimenta e limão. Comemos isso com arroz”, completa.

Grilos fritos insetos na Tailândia

Crédito: istolethetv – CC BY 2.0

Mas não são só os tailandeses que comem insetos. Os bichinhos fazem parte da dieta de aproximadamente 2 bilhões de pessoas no mundo, predominantemente na Ásia, África e América Latina (sim, o Brasil também entra na lista).

Esse número é da Food and Agriculture Organization das Nações Unidas (FAO). Desde 2003 que essa organização tem dado atenção especial à antropoentomofagia, palavra grande que significa o consumo de insetos por humanos. Eles têm um programa específico de estudos sobre Insetos Comestíveis, onde analisam os potenciais de cada um desses animais para alimentação.

A última conferência internacional sobre o tema ocorreu em maio de 2014. Essas conferências têm como objetivo criar estratégias para incentivar o consumo de insetos em todo mundo. Mas por que isso? Bom, vocês já devem ter percebido o tamanho do problema ambiental que é essa quantidade absurda de gente que mora no planeta e se alimenta de carne. Em uns 6 anos, esse consumo deve dobrar e a realidade é que não existem tantos recursos naturais que dêem conta dessa situação.

Aí que entram os insetos. O plano dos estudiosos da FAO não é acabar com o consumo de carne, mas criar e desenvolver outras alternativas de consumo de nutrientes como proteínas. E os insetos ganham de lavada dos bovinos e similares no quesito quantidade de proteína X consumo de recursos naturais:

Fried-silkworm-china

Bicho da Seda frito, na China. Crédito: CC BY-SA 3.0 -Steven G. Johnson

– Insetos precisam de 2 kg de comida para converter em 1 kg de massa (comestível). Já o gado precisa de 8kg de comida para produzir 1 kg de massa.

– Um grilo, por exemplo, produz 100 vezes menos gás carbônico por quilo do corpo do que um porco.

– Um inseto tem 80% de carne aproveitável e chega a ter mais da metade de proteína por 100g do seu corpo do que um boi, que só tem 50% de carne aproveitável.

Atualmente, existem 1900 espécies de insetos comestíveis catalogadas no mundo todo. O número tende a subir com o aumento das pesquisas a respeito. Segundo a FAO, os bichinhos mais consumidos são: besouros, lagartas, abelhas, vespas, formigas, gafanhotos, grilos, cigarras, cupins, libélulas e moscas.

Descobri um blog muito interessante, chamado Girl Meets Bug (também em inglês), onde a autora, Daniella Martin, compartilha novidades e receitas com insetos. Dá uma olhada numa receita dela para escorpião frito:

Claro, existem várias barreiras para a popularização global do consumo de insetos. A FAO aponta, por exemplo, que há um pensamento comum de que insetos só são comidos em tempos de fome. Na verdade, eles fazem parte da dieta local de vários lugares do mundo e, dependendo do lugar, podem ser iguarias caríssimas compradas a preço de ouro. O preconceito, claro, é outra barreira a ser ultrapassada, já que até eu, que estou aqui defendendo o projeto, torci meu nariz quando vi o vídeo acima.

Mealworm

Crédito: CC BY-SA 3.0 – Pengo

Uma solução, na minha opinião, poderia ser “desmanchar” a forma do inseto. Assim como é complicado para algumas pessoas comerem leitão a pururuca exatamente porque ele é cozinhado no formato do porco como conhecemos, comer um grilo com perninhas e antenas é uma sensação desagradável de se imaginar para várias pessoas (eu, incluída). Porém, se o grilo não tivesse o formato “original”, talvez fosse mais fácil vencer o preconceito e cair de boca. E aí, vocês comeriam?

Vai viajar? O Seguro de Viagem é obrigatório em dezenas de países e importante em qualquer viagem. Na Tailândia, onde as coisas são bem diferentes em relação ao Brasil, ele é indispensável. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício e garanta promoções.

*Imagem destacada Crédito: CC BY-SA 3.0 – Candorwien


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

20 comentários sobre o texto “As pessoas realmente comem insetos na Tailândia?

  1. Pior que eu morreria de pena de comer especialmente lagartas, hahaha Repara só a carinha da mariposa do bicho da seda, é tão gordinha e fofinha que o apelido do meu gato já virou Bombyx mori. O restante, se não for venenoso até dá pra encarar, sempre tive interesse de provar a famosa farofa de içá. Mas realmente, se transformar em pó é bem mais fácil de compreender e consumir, como falaram num outro comentário, o ideal seria um Whey de larva!

  2. olá Luiza Antunes tudo bem com você!!!
    Luiza, adorei a matérias sobre insetos comestíveis. Estou montando uma palestra sobre insetos, sua importância para a sociedade tanto ecológica quanto como alimento do futuro. Para tanto, eu realizei várias pesquisas na internet, achei inclusive um site que mostram empresas no mundo que vendem insetos, salgados ou adocicados, acrescentados em massa de macarrão como os italianos e franceses estão fazendo, enlatados, em caixas, potes plásticos etc. A apresentação dos produtos é bem elaborada,e os insetos são vendidos cobertos ou não, e em pó. Aqui no Brasil, no interior dos estados consome-se insetos, iças, besourinho do amendoim,grilos, lagartas de mariposas e larvas de besouro no Norte pelos índios e em treinamentos de sobrevivência na selva. Acredito que existam várias espécies consumidas mas parece não haver um reconhecimento dessa prática por parte do governo, e sim por parte de pesquisadores que comprovam esta prática. De fato no Brasil, apesar de se consumir insetos, é uma prática pouco usual e cultural, sendo esta uma barreira. Assim, a apresentação de insetos cobertos por chocolate ou em pó para consumo das pessoas seria uma alternativa bem interessante e mais fácil de ser aceita. Um forte abraço para vc e parabéns pela matéria!!!

  3. Tive a mesma dúvida quando cheguei a Tailândia pela primeira vez. Mas depois em diversas feiras locais, onde não há ou quase não há turistas, insetos sendo vendidos, tailandeses comprando e comendo. Faz parte da cultura.

  4. Ser humano eh mesmo engraçado ! Curti um comentário que alguém fez aí para cima falando que o McDonalds se ocupa dos 50% restantes do boi, assim como a Sadia (e afins) se ocupam do restante dos frangos para fazer nuggets “maravilhosos” que todo mundo acha super normal pq vem na caixinha colorida com um franguinho feliz estampado.
    Quando vc fala sobre comer insetos a maioria torce o nariz e a impressao que sempre me vem á cabeça é que a gente fica repetindo frases que ouvimos as pessoas falar sem nem mesmo dar a chance do nosso cérebro processar a informação. Páre e pense dois segundinhos antes de soltar besteiras como “que nojo, eca, eu nunca”, voce come boi abatido, peixe cru no seu sushi do rodízio caríssimo do “mehor japa da cidade” e pintinho jogado no triturador. Não é a mesma coisa ??? Parabens ao 360 por sempre trazer pessoas mais próximas da CONSCiÊNCIA !!!!

  5. Outro dia estava assistindo um programa sobre patentes de novos alimentos (Ou receitas), no Discovery Home&Health, e um dos competidores concorria com a invenção de uma barrinha de cereal proteica feita com farinha de grilo.
    Achei genial!
    Eu compraria aquilo!
    Muita gente por aí acha que a soja é uma alternativa sustentável ao consumo de carne, mas não é, basta pensarmos no quanto de flora nativa foi substituída por plantações de soja.
    Fiquei decepcionada quando a ideia genial de incluir farinha de grilo na alimentação humana foi vencida por um bolinho sem gluten e sem lactose. ¬¬

  6. Eu tenho muito vontade de provar esses bichinhos.

    Certamente, se eles não estiverem no formato original, seria bem melhor.
    Provei esse gafanhoto com pimenta e limão, torci meu nariz, e depois de engolir, comprei uma sacolinha pra comer no hotel como se fosse pipoca. rs

    É bom demais. 🙂 Viva a antropoentomofagia! o/

  7. “do que um boi, que só tem 50% de carne aproveitável.”
    Olha, certeza que a Mcdonalds se ocupa dessa outra metade! hahaha
    Incrível como cultura é tudo. Eu sou super acostumada e adoro quebrar patinhas de caranguejo e chupar o que tem dentro, mas só de olhar pra patinha do grilo dá uma agonia…

    1. haha, bom comentário sobre o McDonalds Laís!

      Realmente, você tocou num ponto interessante, frutos do mar em geral tem o mesmo formato de inseto, mas ainda assim muita gente torce o nariz só para o segundo grupo

      1. gente quando eu assistia Timão e Pumba e via eles levantando umas pedras, afastando umas folhagens e descobrindo uma porção de insetos… E aí depois eles comiam e lambiam os beiços! Arght!! que nojo que me dava! hahah Pior que achei super interessante a matéria sobre a Qtdd de Prot./Kg de consumo. Imagina um Whey Protein de Larva!! De gafanhoto!! Pense hehe Acho que invariavelmente um dia a gente chega lá…

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.