Tags:
Atlas: Chile, Peru

Pisco peruano ou pisco chileno: pra mim tanto faz

Pouca gente sabe, mas Chile e Peru vivem um delicado embate que pode levar a uma guerra entre os dois. Ok, não é pra tanto. Mas os países sul-americanos vivem sim se estranhando no comércio internacional por causa de uma bebida: o pisco. Conhecida como aguardente de uva (lembra a cachaça), ela é usada em diversas misturas e faz sucesso entre os nativos de ambos lugares.

O ponto é que peruanos defendem que a bebida teria surgido no território deles, logo após a chegada dos primeiros colonizadores. Segundo o Ministério das Relações Internacionais desse país, há apenas algumas zonas produtoras da bebida lá, todas ligadas à costa. Para reafirmar a origem, os peruanos até explicam de onde surgiu o nome: dizem que tem a ver com um vocábulo quechua que significa pássaro.

Os incas, admirados com a enorme quantidade de aves na região do litoral, teriam usado o termo para designar também um vale. No século 16, o local, por suas condições geográficas específicas, foi usado para produção de vinhos, após os espanhóis introduzirem a uva, vinda das Ilhas Canárias. Quando houve proibição da fabricação da bebida por lá, por causa da concorrência com produtores estrangeiros do velho mundo, a região teria desenvolvido a produção do pisco, a partir da fermentação do mosto da uva.

Os chilenos, por sua vez, até podem considerar que o pisco surgiu no Peru, mas garantem que a forma de produzir ganhou características próprias no país. Além disso, argumentam que o pisco, o termo, seria como a palavra “vinho” e não “Champanhe” (espumante que só pode ter essa denominação se for fabricado em uma região específica da França).

Ademais, eles usam números de sua produção, maior do que a peruana, para afirmarem que a bebida tem mais a ver com o país . Ah! eles ainda fazem questão de lembrar que também há uma região com o mesmo nome por lá (Pisco Elqui) que, junto a Atacama e Coquimbo, formam os locais produtores.

Pisco Chile

Produção de Pisco no Chile  (Foto: Christian Campos, Wikimedia Commons)

No Peru, o quarto domingo do mês de julho foi escolhido como data para celebrar o pisco. 15 de maio é o dia nacional do pisco no Chile. Sim, essa briga está bem longe do fim e vários países do mundo temem tomar partido e não conseguirem mais negociar com os produtores de ambos.

O que eu tenho a dizer sobre tudo isso: não aumente a briga dos nossos hermanos e siga os exemplos dos diplomatas, já que você não tem um paladar de expert. Quando for ao Chile, garanta que a bebida deles é melhor. E, quando estiver no Peru, diga que o pisco de lá não tem comparação (a diferença, pelo menos pra mim, não é tão gritante mesmo).

Aproveite para experimentar a bebida em suas grandes variedades. Com refrigerante de cola, no Chile, como os estudantes bebem (uma delícia, facilmente embriagante). Ou com clara de ovo espumando, como todos os restaurantes peruanos servem no chamado pisco sour: forte, ardido na medida e aromático.

Pisco peruano

Pisco peruano (Foto: Dtarazona, Wikimedia Commons)

De toda forma, como a Organização Mundial do Comércio estabelece que os países devem impedir a utilização de indicações que sugiram um produto proveniente de uma região geográfica distinta de sua verdadeira origem, vale lembrar que o Peru proíbe a entrada, nas fronteiras, de qualquer produto estrangeiro (leia-se, chileno) com a denominação pisco.

Ou seja: se você tentar entrar no país com um garrafinha da bebida, terá o produto confiscado. Claro que eu não sabia disso antes de chegar ao Peru e claro que eu saí do Chile pra chegar até lá. Felizmente, como estava sem dinheiro, deixei de comprar o item na última hora. Já pensou desembolsar cerca de US$ 30 por uma garrafa de excelência (no Brasil, chega até R$ 200) e perdê-la?

*Foto destacada: (Daniel Peppes Gauer, Wikimédia Commons)

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Aline Gonçalves

Preciso provar outros sabores para ter certeza de que a melhor combinação do mundo é o arroz com feijão.

  • 360 nas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Um comentário sobre o texto “Pisco peruano ou pisco chileno: pra mim tanto faz

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.