Em Minas, o tropeiro é quase um sinônimo para futebol

 

Nem pizza, nem cachorro-quente. Na Copa do Mundo de 2014, FIFA e patrocinadores tiveram que aceitar que o Mineirão, em Belo Horizonte, servisse também seu prato mais tradicional: o tropeiro. Feijão, arroz, couve, bacon, torresmo, pernil e, claro, um ovo frito formam não apenas um dos pratos favoritos dos mineiros, de domingo a domingo, mas a comida de estádio preferida nas bandas de cá.

Consumido há décadas nas arquibancadas, em Minas o tropeiro é quase um sinônimo para futebol. Não foram poucas as vezes que vi feijões voando durante uma comemoração de gol; foram raras as idas a estádios que não envolveram a iguaria – e de preferência com ovo de gema mole por cima de tudo.

Pedir um tropeiro num estádio de futebol tem seus desafios. O primeiro, óbvio, é carregar a comida arquibancada acima, sem derrubá-la e nem, acredite se quiser, ter o ovo roubado num momento de distração. Mas, passada essa fase, chega o momento mais especial: comer o pernil com um talher de plástico. A solução é simples, mas tem quem a evite, por educação ou medo de ser flagrado pelas câmeras de TV em momento tão impróprio – pegar o bife com as mãos e comê-lo assim mesmo, dentada por dentada.

Mineirão, BH

Mineirão (Foto: Divulgação)

Certa vez, num jogo entre América e Cruzeiro, no Mineirão, vi um amigo comprar um tropeiro, voltar da fila feliz com a marmita, mas deixar o pernil cair no chão, ao tentar cortá-lo com o talher de plástico. Ele não teve dúvidas: apanhou a carne e tratou de comê-la mesmo assim, para a alegria de vários torcedores, que o saudaram pelo ato. “Não dá pra desperdiçar tropeiro”, disse um deles. Não dá mesmo (mas desse eu abriria mão).

Como o nome indica, o prato nasceu com os tropeiros – homens que guiavam animais pelas estradas de Minas Gerais, no período colonial. Durante as viagens, as opções de comida eram poucas. Por isso, eles precisaram criar uma receita que pudesse ser feita rapidamente e com ingredientes que não estragassem. No fim das contas, a história não é muito diferente da que levou ao desenvolvimento do arroz de carreteiro, prato típico do sul do país. A diferença é que, em Minas, o tropeiro deixou as estradas e entrou nos estádios.

Construído na década de 1960, o Mineirão viu o tropeiro ganhar espaço e fama aos poucos. Algumas fontes dizem que tudo começou em apenas dois bares, mas que o sucesso foi tanto que logo a iguaria passou a ser vendida em todo o estádio. Mas foi no bar ao lado do Portão 13 que o tropeiro ganhou sua fama máxima – e alguns ingredientes secretos, como o molho de tomate.

Tudo era servido num pratinho de plástico, ao lado da entrada do estádio. O sucesso foi tanto que, em 2005, os donos do bar resolveram abrir um restaurante no bairro Planalto, em Belo Horizonte. Quem já foi costuma celebrar o “verdadeiro tropeiro do Mineirão”.

O jornalista e fotógrafo Ismael dos Anjos, que escreve uma coluna aqui no 360 e frequenta o Mineirão há décadas, também tem suas histórias com o tropeiro. “Eu frequentava o portão 6, que era atrás do gol. Mas o tropeiro do portão 7A, que é aquela parte que ia pro meio do estádio, era muito melhor, porque tinha umas batatas fritas portuguesas. Então eu ia lá para comprar. Isso era tão institucionalizado que a grade do Mineirão, nesse ponto, era torta. Alguém abaulou a grade para você conseguir dobrar um prato de plástico, formando um U, o suficiente para ele passar. E esse bar deixava um funcionário especificamente para vender tropeiro na fila que se formava nessa grade, na divisão entre o 6 e o 7A”, contou ele.

Hoje, a administradora do Mineirão garante que de cada quatro torcedores que passam por lá, pelo menos um pede um tropeiro para chamar de seu. Em jogos de lotação máxima, mais de 15 mil tropeiros são vendidos – e isso contando só os bares que ficam dentro do estádio. Não falta quem chegue cedo e prefira comer do lado de fora, entre uma cerveja e outra. O dia e o horário do jogo também afetam as vendas: segundo a Minas Arena, jogos noturnos ou nas tardes de domingo registram um número maior de tropeiros vendidos.

Quando o Mineirão foi reaberto depois da reforma, pouco antes da Copa do Mundo, o tropeiro voltou diferente. Menor, mais caro e sem vários ingredientes – inclusive o ovo frito. Não demorou para que torcedores protestassem. Aos poucos o prato voltou ao normal e o retorno do zoiudo – o ovo – valeu até comemoração, mas só ocorreu em 2016, bem depois da Copa. Por exigência da Vigilância Sanitária, os bares tiveram que fazer adequações para voltar a oferecer o tropeiro completo.

pratos típicos de minas

Tropeiro de um bar da rua Pitangui, na frente do Independência

No Independência, estádio que frequento praticamente toda semana e onde pisei pela primeira vez ainda criança, o tropeiro é uma tradição do lado de fora, nos bares da rua Pitangui. O preço varia, mas em geral fica entre 10 e 15 reais, sendo que o mais barato é o pequeno – o grande enche a pança do mais faminto dos torcedores.

A gourmetização dos estádios alterou o perfil das arquibancadas e em vários sentidos a mudança foi para pior. Ainda bem que o Mineirão não obriga seus torcedores a comerem só pizza congelada e cachorro-quente sem graça. Teria sido ainda mais difícil aguentar o 7 a 1.

Especial Copa do Mundo


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

2 comentários sobre o texto “Em Minas, o tropeiro é quase um sinônimo para futebol

  1. Tropeirão do Mineirão… como não amar? Eu deixava de almoçar só pra dar conta de comer um desses lá dentro nos dias de futebol rrsrs. E é bom demais ver essa iguaria mineira sendo divulgada pro Brasil todo (e pro mundo) pelo site de vocês. Valeu, galera.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.