9 dicas práticas para mochileiros

9 dicas práticas para mochileiros

Fazer as malas e sair de casa procurando aventuras. O homem faz isso há milênios, mas foi só nas últimas décadas que isso deixou de ser encarado como uma loucura realizada apenas pelos mais bravos e virou um sonho de consumo para pessoas normais. Muita gente sonha em ser um mochileiro – um viajante que busca conhecer novos lugares e culturas, muitas vezes sem pressa para voltar para casa. Como esse foi nosso estilo de vida durante quase um ano, selecionamos algumas dicas práticas para mochileiros de primeira viagem.

Planeje bem sua de viagem

Planejar, planejar e planejar. A parte boa disso é que sua viagem vai começar antes mesmo de você sair de casa, já que será preciso pesquisar sobre o local para onde você vai meses antes do embarque. Onde ficar, como se deslocar de um ponto para o outro e que cuidados são necessários no país de destino são assuntos que devem estar completamente dominados. Para isso, vale consultar diversos blogs de outros viajantes. Na hora de escolher a hospedagem, não deixe de ler as resenhas do TripAdvisor. Também descubra qual é a Embaixada Brasileira mais próxima do seu hotel e mantenha com você o endereço e um número de telefone de lá. Vale verificar no site da embaixada quais as orientações e precauções necessárias para os turistas que vão visitar o país. Por fim, aproveite os tempos modernos e não deixe de baixar aplicativos para seu smartphone. De organizadores de viagens a guias de cidades, there is an app for that. Basta usá-lo.

Mochileiros devem ser razoáveis no roteiro

mochila, mochileiros

Existem dois tipos de turistas: o equilibrado e o Robert Langdon. Para quem não se lembra, Robert Langdon é um personagem dos livros do Dan Brown, como “Anjos e Demônios” e “O Código da Vinci”. O Robert é aquele cara que visita 157 monumentos de Roma em 24 horas, numa correria de tirar o fôlego. Só que ele normalmente tem algum motivo justo por trás da maratona, tipo salvar o mundo ou revelar que Jesus se casou com Maria Madalena e que todo o cristianismo está errado. Se você não tem motivos nobres assim, então não corra. Dê o tempo devido para visitar cada lugar. Não se desespere para ver aquele monumento só porque ele está logo ali, pertinho. Na hora de organizar seu roteiro, seja razoável e não planeje visitar mais lugares do que um ser humano normal conseguiria. Nunca se esqueça de que você está de férias, mesmo que seja um mochilão de nove meses. Deixe a correria para quem estiver ali a trabalho – tipo o Robert Langdon – e relaxe e se divirta.

Tenha um orçamento (realista) de viagem

Saímos do Brasil com um orçamento apertado, mas tecnicamente possível: U$ 80 para a Europa, U$ 40 para a Ásia, U$ 50 para a Nova Zelândia e U$ 40 para a América do Sul. Isso para gastos diários, incluindo tudo, menos as passagens aéreas entre os países. Cumprimos a missão na Europa, mas chegamos na Índia e resolvemos alongar a viagem. Por isso, tivemos que reduzir ainda mais os valores que esperávamos gastar, que em alguns lugares chegou a U$ 20 por dia.

Foi complicado, algumas vezes passamos fome (sem exagero, perdi uns 10kg durante a viagem), mas conseguimos. E isso só foi possível porque mantínhamos um controle diário dos gastos, anotando tudo e calculando o balanço final. Faça o mesmo, mas evite ter orçamentos tão apertados quanto o nosso. Nem nós mesmos queremos isso de novo.

Bagagem: não leve nada inútil

Pode parecer tentador levar todas aquelas roupas ou os livros que você jurou que vai ler. Um conselho: resista. Eu deixei Belo Horizonte com um mochilão, onde estavam as roupas para 10 meses, e uma mochilinha, onde iam meus equipamentos eletrônicos e algumas roupas, para o caso da mala maior extraviar. Mesmo com poucas coisas, acho que levei bagagem a mais do que eu precisava. Como regra, leve apenas o que você tem certeza absoluta que vai precisar. Lembre-se que já inventaram a máquina de lavar, o que torna simples lavar roupas durante a viagem. E que malas grandes serão mais um transtorno na hora da locomoção do que uma ajuda na hora de escolher o que vestir. O casal do blog Never Ending Voyage (em inglês) ensinou o que eles colocaram na mala quando começaram uma viagem que deve durar… para sempre. Sim, eu disse para sempre. E a mala deles é menor do que aquela que você costumava levar para a escola.

Dicas para mochileiros

Foto: Knowwuh, Wikimedia Commons 

Viaje durante a noite

 -“Eba, essa noite vamos dormir na terceira classe de um trem”. Juro que falei essa frase diversas vezes, durante as várias viagens noturnas que fizemos a bordo dos temidos trens indianos. É que a 3 AC, como é chamada a terceira classe com ar condicionado, era muito melhor do que alguns dos hotéis-muquifo onde costumávamos nos hospedar. Além de ter lençóis limpos e garantir que o passageiro não morreria de calor durante a noite, dormir no trem costumava render noites tranquilas e – o mais importante – economia.

Dois dos maiores desafios na hora de planejar um mochilão são resolver em que lugar você vai se hospedar e como você vai se deslocar de uma cidade para outra. Por isso, quando for possível, transforme os dois problemas em um – basta fazer uma viagem noturna. Assim você economiza tempo, afinal não terá que viajar durante o dia, e o dinheiro da hospedagem. Nós fazemos isso sempre que o trecho a ser viajado garante pelo menos umas seis horas de sono.

 Mantenha seu passaporte em segurança

 O Guia do Mochileiro das Galáxias nos ensinou que o item mais importante para um viajante é a toalha, que pode ser usada para qualquer coisa, até mesmo para se secar. Embora eu não ouse discordar dos conselhos de São Douglas Adams, acho que para viagens na Terra existem dois objetos mais úteis do que a tolha. O segundo mais importante é o seu passaporte. Mais valioso do que muitos dos dólares que você possa carregar, perdê-lo pode significar não apenas dor de cabeça, mas o fim da viagem.

Carimbos de Passaporte

É a necessidade de manter o passaporte em segurança que faz da doleira o item mais importante para um mochileiro. Por isso eu usei uma doleira, 10 meses por ano, sete dias por semana. Dentro dela ficava meu passaporte, alguns dólares e dinheiro local. Para os não iniciados na arte de mochilar, eu explico: uma doleira é uma espécie de bolsa que você veste por baixo da roupa e que não fica visível. Mas cuidado quando for impossível não tirá-la. Já ouvi relatos de gente que perdeu doleira (com passaporte e dólares dentro) na hora que pendurou ela atrás da porta de um banheiro público e foi atender a um chamado urgente da natureza. A pessoa faz o serviço, lava as mãos e vai embora, deixando a preciosa doleira pendurada no limbo do esquecimento.

Foto de uma doleira

Tenha cópias de todos os seus documentos, impressas e online

 O seu passaporte não é valioso apenas para você, mas também no mercado negro. Como qualquer pessoa pode se passar por brasileiro sem levantar suspeitas, nossos passaportes costumam ser alvo de bandidos. Até o Kim Jong-um, ditador da Córeia do Norte, usou um passaporte brasileiro roubado para viajar para a Disney.

Qual será o plano se você perder todos os seus documentos originais quando estiver no meio do deserto de Thar ou numa vila no Himalaia? Tirar um passaporte no exterior não é tarefa fácil, mas ter cópias autenticadas de alguns documentos pode facilitar o processo. Eu levei, durante 10 meses e 14 países, uma pasta na mochila.  Dentro dela eu tinha o kit de emergência, algo que só seria acionado se o pior acontecesse – se meu passaporte caísse nas mãos do Kim Jong-um. Dentro da pasta, cópias autenticadas em cartório da minha carteira de identidade, do documento de serviço militar, do título de eleitor e até do próprio passaporte. Também é prudente colocar nessa pastinha todo o resto da papelada importante, como os documentos do seguro saúde ou aqueles comprovantes necessários caso a imigração de algum país desconfie de você.

Mas se perder um passaporte é possível, perder a pasta também, certo? Claro. Por isso tome mais uma precaução e envie cópias de todos os documentos para o seu e-mail pessoal.

Divida seu dinheiro

Leve dinheiro em espécie. Não muito, afinal você não quer ser roubado, mas uma quantia razoável para o caso de alguma emergência. A maior parte desse dinheiro fica na doleira, junto com o passaporte. O seu dinheiro do dia deve ficar na sua carteira. A ideia é que você não precise abrir a doleira perto de outras pessoas, revelando seu grande segredo.

Viajar-Barato-Dólar-em-Alta

E a divisão do dinheiro não acaba por aí – é fundamental ter também diferentes fontes de grana, principalmente para uma viagem mais longa. Nós tínhamos cartões de débito habilitados para saques internacionais, cartões de crédito e os travel cards (VTM), que são específicos para viajantes. O Ricardo Freire, do Viaje na Viagem, explica qual a vantagem de usar cada uma dessas fontes . É preciso ter essas alternativas com você, afinal alguma delas sempre pode falhar. E não deixe de levar alguns dólares também, mesmo que a viagem seja para bem longe dos Estados Unidos.

Cuide da saúde

Nunca deixe de contratar um seguro de viagens. Eu nunca precisei visitar um hospital enquanto estava na estrada, mas era bom saber que eu poderia ir ao médico se fosse necessário. Depois de gastar dinheiro com um serviço que você torcerá para não usar, tome medidas para evitar mesmo que o seguro seja útil. Ou seja, faça de tudo para manter sua saúde. Evite comer em lugares suspeitos (dica válida principalmente para países como a Índia ou no sudeste asiático), coma frutas e beba muita água.

Na Nova Zelândia nós bebíamos água da torneira, o que evitava que uma razoável quantidade de dólares fosse convertida em garrafas de água mineral. Na Índia nem pensávamos em fazer isso: água, só mineral – e ainda era necessário ter certeza que o lacre não estava rompido. Ignorar essa regra resultaria em dias desagradáveis no banheiro por conta de uma doença simples e que nem mata muito, tipo cólera. Portanto, tenha cuidado. Temos um post inteiro sobre os seguros de viagem. Leia aqui.

 Tudo anotado? Então coloque a mochila nas costas e #tireférias.

*Foto destacada no começo do post: chantal forster, Flickr Commons

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

10 comentários em 9 dicas práticas para mochileiros

  1. No meio de um mochilão pela Europa, só posso mesmo concordar com cada item desse teu post muito bem escrito, Rafa.

    Para a polêmica decisão entre gastar mais alguns (mil) reais ou não no seguro viagem, vou contribuir com meu conselho que, longe de ter a pretensão de ser taxativo, talvez sirva para alguns.

    Ao organizar meu mochilão relutei até o último segundo em contratar o seguro, mas dada a insistência de amigos e familiares, o fiz. Três meses depois de embarcar, meu pai, até então extremamente saudável, faleceu no Brasil para onde tive que voltar às pressas e tive todos os gastos reembolsados pelo seguro, além de toda ajuda e assistência necessária.

    Quando voltei para concluir a viagem, uma dor de dente me atingiu em pleno domingo à noite em Milão. Para quem não sabe, diferente de São Paulo, de onde venho, praticamente tudo fecha na Itália aos domingos, inclusive clínicas odontológicas. Mais um vez o seguro teve o importantíssimo papel de não só me auxiliar na localização da clínica, mas em cobrir e reembolsar todos os gastos envolvidos.

    Eu tinha feito tratamento e check up antes da viagem, justamente para previnir problemas, mas, infelizmente, não somos capazes de controlar tudo e, principalmente, não somos capazes de controlar o que pode acontecer com quem fica, nessa hora, ter suporte, inclusive financeiro, pode ser uma maneira de ao menos minimizar alguns problemas.

    Portanto, pese todos os prós e contras, mas não deixe de considerar que algumas coisas, fatalmente, podem ser imprevisíveis.

    Beijos.

    • Não dá pra abrir mão do seguro, Thaís. Até hoje eu só usei o seguro uma vez, na minha primeira viagem internacional, mas foi decisivo, assim como o seu caso: minha mãe faleceu e tive que voltar ao Brasil. 🙁

      Por mais que pareça ser um gasto desnecessário, por mais que no fundo a gente tenha que torcer pra não usar o seguro, ele ajuda muito numa hora complicada, que pode ser uma dor de dente, uma doença simples ou algo pior, infelizmente.

      Abraço e obrigado pelo comentário.

      • Foi a similaridade da minha história com a sua que me trouxe para o 360meridianos há uns 9 meses e hoje, fã assídua 🙂

        Sabemos na pele como pode ser incontrolável e externo, não é?

        Espero que nossas experiências sirvam para convencer algumas pessoas que ainda estão na dúvida.

        Beijão

  2. Olá!
    Queria complementar uma informação sobre a doleira.
    Conheço duas mulheres que me aconselharam a levar duas doleiras, uma de cada lado. Principalmente, em lugares como o Rio de Janeiro, onde o assalto é feito de maneira escancarada, diferente das mãos leves dos batedores de carteira de Madrid e Barcelona. Todo ladrão sabe que a maioria dos turistas levam doleiras, então se for assaltada, use a doleira com menor quantidade de dinheiro. =)

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: