Por que tirar um ano sabático

Por que tirar um ano sabático

Você vai achar um monte de dicas na internet sobre como tirar um ano sabático. Eu procurei algumas antes de escrever este post e me deparei com textos que diferenciavam um período sabático bem planejado de uma fuga de responsabilidades. Não consigo imaginar uma a incoerência maior do que essa frase. Já explico o motivo.

Afinal, o que é um ano sabático?

Em 2010, eu tinha um ano de formada e uma vontade muito grande de passar um tempo fora do Brasil. Queria conhecer novas culturas, dar um tempo na minha profissão e na forma como minha vida estava. Para isso, comecei a pesquisar opções de trabalho no exterior. Histórias como a minha são normais. A verdade é que eu nunca conheci uma pessoa que estivesse plenamente satisfeita com a rotina e o trabalho. Nunca mesmo.  É que nossa lógica de trabalho de 9 às 18h, mais horas extras, mais cobranças, mais falta de tempo para tudo, é massacrante. É muito difícil ser feliz assim.

Uma forma de solucionar isso pode ser o ano sabático. O termo é de origem judaíca e significa “dia do descanso”. Além do sétimo dia da semana, reservado para o descanso, a cada ciclo de sete anos os judeus ficavam um ano inteiro sem trabalhar. Esse ano sábatico servia para que a terra pudesse descansar depois de seis anos de colheita ininterrupta. Todo mundo estava liberado das responsabilidades: até mesmo as dívidas eram perdoadas.

A sociedade incorporou esse termo e hoje é até comum que profissionais tirem um ano (ou mais, ou menos) para executar projetos pessoais, se distanciar da rotina e repensar vidas e carreiras. Nem todo mundo quer isso. Nem todo mundo sabe que precisa disso.

Veja também: Baixe agora o ebook “Como viajar pelo mundo por um ano”

Frases de viagem

Então, por que tirar um período sabático?

Vamos voltar a questão do começo do texto: historicamente, a ideia do sabático vem com uma lógica de afrouxamento de responsabilidades. O objetivo é que, após um ano de descanso, tanto o solo esteja melhor para ser cultivado, quanto as pessoas estejam mais dispostas a fazê-lo. Por isso, acho estranho que um profissional de RH questione quem tira um sabático como fuga de responsabilidades, como se isso foi algo ruim.

Tirar um ano de folga da sua vida não significa necessariamente estar de folga. Mas se a ideia é que você descanse a cabeça e repense sua vida, qual a lógica de planejar tão meticulosamente seus dias de descanso?

Não, não estou dizendo que você tem que largar tudo sem pensar. Cada um pode ter um motivo  (ou vários): um curso que queira fazer, trabalho voluntário, uma perspectiva internacional na sua área, ou claro, não querer fazer nada, só viajar. O mais importante disso tudo é manter a cabeça e as possibilidades abertas. Se você quer ter a oportunidade de repensar sua vida e se conhecer melhor, acredito que a melhor forma de começar a fazer isso é se abrindo à ideias que você rejeita ou nunca pensou antes.

Frases de viagem

Tirar um ano sabático não é fugir

Na primeira vez que fiz um intercâmbio, me dei conta de uma coisa que nunca tinha passado pela minha cabeça antes de me distanciar da minha vida no Brasil. Eu descobri que não tem como fugir dos seus problemas. Creio que 75% dos problemas estão dentro de você, você os cria a partir da forma como encara o mundo.

Você pode viajar o mundo inteiro ou se esconder num quarto escuro por semanas  – ainda assim não vai conseguir fugir de você mesmo. Mas você pode fazer uma coisa muito melhor do que isso, que é mudar. Eu tinha essa consciência quando resolvi ficar um ano fora. Mas mesmo com essa certeza, se eu ficasse no Brasil, no meu emprego igual, com meus problemas iguais, eu não ia conseguir mudar nunca.

Então, se você disser que vai largar o emprego para fazer um curso de ioga ou para estudar inglês e seu tio falar que você está querendo ser vagabundo, ou seu amigo disser que você só está querendo fugir, não dê ouvidos. Largar tudo, seja de forma temporária ou permanente, é uma escolha que demanda muita coragem e desprendimento pessoal. Quem decide fazer isso sabe dos riscos e desafios que estão envolvidos.

Frases de viagem

Mas como criar coragem?

Dinheiro é preciso, mas não uma fortuna. Aqui no blog temos alguns posts falando sobre como gastamos pouco no nosso intercâmbio e na viagem de volta ao mundo. O preço de um carro popular: 25 mil reais. Esse valor não paga o sonho e nem o nível de conforto de todo mundo, mas bem, pagou o meu. O que eu quero mostrar é que às vezes, a primeira desculpa é o dinheiro, ou a falta dele. Só que não é necessário ter a fortuna que muitas vezes imaginamos para tirar um período sabático.

E o emprego? Você tem duas opções: pedir uma licença não remunerada no seu trabalho ou pedir demissão. Eu acho difícil alguém querer voltar para o mesmo trabalho depois de ficar um ano fora, mas pode ser que seu problema não seja determinada empresa, e sim outras coisas.  Se esse for o seu caso, a licença é uma boa opção.

Pedir demissão não é o fim do mundo. Quando você voltar, pode ter repensado toda a sua vida e a forma como quer ganhar dinheiro para sobreviver. Você pode querer abrir um negócio próprio ou investir numa carreira diferente. Ou você pode querer se recolocar no mercado. Nesse caso, você tem todo um ano de experiências e ideias acumuladas para colocar no currículo, ideias que servirão de assunto na hora de conversar com entrevistadores.

Por fim, você pode pensar: mas e minha casa, minha família e meus amigos? Esse pode ser um verdadeiro impedimento para muitas pessoas. Tem gente que consegue praticar o desapego e matar as saudades via skype. Tem gente que planeja a viagem incluindo a família, o cônjuge ou até mesmo os filhos. Eu vi famílias dando a volta ao mundo, por isso não acho que seja impossível e nem muito difícil. Vai requerer mais planejamento e dinheiro, óbvio.

É claro que existem muitas pessoas que nunca vão poder se dar ao luxo de largar tudo. Gente que tem responsabilidades muito sérias, precisa sustentar outros ou simplesmente não tem como juntar dinheiro. Entendo sim, que um ano sabático, caro ou barato, é um luxo que nem todos podem ter na vida. O que quis mostrar aqui é que ele pode estar mais ao alcance das pessoas do que elas pensam – e que você não precisa ser milionário ou completamente louco para conseguir isso.

E como é a volta pra casa?

Eu nunca tinha pensado em ir para a Índia. Sempre sonhei em dar a volta ao mundo, mas nunca tinha movido um dedo para saber se era ou não possível. E eu acabei fazendo essas duas coisas no meu ano sabático. Eu voltei para o Brasil, mudei de cidade, experimentei algumas coisas que descobri gostar, outros caminhos que quero seguir. Hoje eu me conheço muito melhor e entendo melhor o que quero, gosto e acredito. Aprendi tantas coisas interessantes, vi tantos lugares bonitos e conheci tantas pessoas legais quanto podia.

Hoje sou mais aberta a mudanças e mais insatisfeita com a rotina e com o estresse. Eu repensei minha história, aceitei minhas escolhas e me sinto mais pronta para as decisões que tenho que fazer no futuro. Mas ainda não sou completa, ainda quero fazer muitas jornadas para me conhecer melhor. Desejo que todos possam fazer isso pelo menos uma vez. Largar tudo e seguir a vida um pouco mais leve. Nem que seja por um ano.

Sou jornalista, tenho 29 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite “morar no aeroporto”. Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

110 comentários em Por que tirar um ano sabático

  1. Oi,
    Estou numa situação bem parecida com a que descreveu quando resolveu viajar pelo mundo, sair um pouco daqui.
    Quero saber o seguinte..
    Como encontrar pessoas com o mesmo desejo e viajar com companhia?
    Vc acha possível fazer sozinha e sem falar inglês bem?
    Adorei o post!
    Obrigada!

    • Nayara,

      Eu tinha muito medo de rodar pelo mundo afora por causa da lingua, depois que fiz meu intercambio e fiquei fluente em ingles, me aventurei pela Asia pelo trabalho, e vi que jaé complicado se comunicar em inglês, no caso aconselharia a estudar primeiro ingles para ter mais segurança ao viajar, um intercambio para Malta ou Irlanda é uma boa e barata opção

      Sucesso ja sua jornada

    • Oi, Nayara, tudo bem? Eu compartilho do mesmo desejo que você, sempre tive vontade de conhecer o mundo e também preciso de companhia para isso.. Acha que podemos conversar?

  2. Luiza, adorei o seu post. Estou planejando um período de intercâmbio pro ano que vem. 3 meses estudando e mais uns 15, 20 dias para passear. Não é exatamente um sabático mas é um tempinho pra mim. Felizmente eu posso tirar licença remunerada do trabalho então já vi que tenho uma facilidade a mais. Agora é só curtir meus 3 meses de Inglaterra (e Europa, é claro). 🙂

  3. Olá Luiza
    gostei muito do seu texto, inspirador!!!
    tenho uma dúvida, podemos ficar três meses com um visto de turista, como fazer para ficar um ano fora do nosso pais?
    Eu gostaria de ficar um pouco em cada país.
    Obrigada Rosana

    • Oi Rosana,

      Depende do país que você quiser visitar. 3 meses é para um único país ou região (no caso do espaço de schengen, na Europa)

  4. Preço é uma coisa que me deixa curiosa, lidar com valores é sempre importante, então o preço do carro popular pode ser considerada a média pra conseguir o ano sabático, um intercâmbio ou poderia ser até com menos? e como foi a decisão pra você escolher a Índia? Encontrei o 360 nas pesquisas sobre viagem que faço pelo google, e me viagem isso aqui, cai de paraquedas e me apaixonei, o blog é muito interativo, vocês são ótimos. Posso afirmar que meu maior sonho é viajar, por isso todas as palavras que vocês escrevem aqui é como magia *-* “Desejo que todos possam fazer isso pelo menos uma vez. Largar tudo e seguir a vida um pouco mais leve. Nem que seja por um ano.” Estou juntando dinheiro há um tempinho já, espero conseguir seguir esse caminho logo.

    • Oi Larissa,

      Sem dúvida um tema importante. Olha, no caso da nossa volta ao mundo, custou sim o preço de um carro popular. Mas naquela época o dólar estava bem mais baixo do que agora.

      A escolha do destino não foi por causa do dinheiro: estávamos indo fazer intercâmbio e a empresa que nos aceitou era indiana. A partir daí que decidimos a volta ao mundo.

      Mas um ano sabático pode envolver outras opções que não sejam uma viagem pelo globo. Quanto você vai colocar no seu orçamento depende não só de onde você quer ir (conta muito!), mas também o que quer fazer, qual o seu perfil de viajante, qual sua tolerância a perrengues, etc.

      Dá uma olhada nesse texto aqui também: http://www.360meridianos.com/2014/10/como-calcular-os-custos-de-uma-grande-viagem.html e http://www.360meridianos.com/2015/05/como-calcular-orcamento-viagem.html

      Abraço

      • Larissa e Luiza, gostaria de complementar! Larissa, as dicas da Luiza são ótimas e você deve mesmo dar uma olhada, uma outra sugestão é ir procurando alternativas que diminuam o custo da sua viagem.

        Você pode fazer isso “ganhando” hospedagem e alimentação por exemplo, por um tempo, em cada país que passar. Dá pra fazer isso com Couchsurfing por exemplo, e com work exchange também. Fiz um artigo bem completo, com mais de 5700 palavras, UFA!, sobre o assunto, com mais dicas e links úteis.

        Dá pra complementar com as informações da Luiza e te ajudar a tornar sua viagem uma realidade, mais fácil, rsrs 😉 Espero que te ajude!

  5. Olá, sou Giovanna, 21 anos. Tenho uma filha de um ano, estou casada e iniciando ciência política numa faculdade ead. Larguei minha faculdade integral, desisti dos sonhos de viajar o mundo, casei, tudo após descobrir a gravidez. Mas o bichinho de sair e desbravar o mundo não morreu, e depois de ler o 360 meridianos por acaso, comecei a planejar os cortes no orçamento pra juntar grana e tirar um ano sabático com minha filha,isso quando eu me formar, em dois anos! Gostaria de saber se você tem links de mães que viajam o mundo com o filho, pra eu ler relatos mais próximos da minha realidade.
    Minha vontade de viajar agora é maior, não só por mim, mas pra dar a oportunidade da minha filha crescer em culturas diferentes, valores diferentes..
    Grata!

  6. Olá Luíza!

    Estou pronto para tirar meu “ano sabático”. Vão ser 7 meses estudando, sem me preocupar tanto com as obrigações do dia-dia, porém creio que será um preparo para algo maior e melhor.

    Alguma sugestões de como conhecer pessoas novas?

  7. Luiíza, muito legal compartilhar sua experiencia!

    No seu caso, pelo que entendi, você fala outro idioma.

    E no caso de fala somente o português?

    Sabe de alguém que já deu a volta ao mundo somente falando em português?

    • Oi Paula,

      Eu falo inglês também. Eu não acho impossível dar uma volta ao mundo sem falar outro idioma, mas imagino que vai ser muito difícil e estressante.

      Minha sugestão é que você se matricule num cursinho de inglês desde já, ou pelo menos comece a estudar pela internet, tem um milhão de sites e aplicativos.

      Porque em poucos meses você já ganha umas noções básicas que vão te ajudar muito.

  8. Olá Luiza. Fiz uma busca no google por trabalho voluntário no exterior, e acabei encontrando seu site. Daí, vi o texto sobre ano sabático. Mas, pra eu e minha esposa, o que vai pegar é a distância dos amigos, e da família mais da parte dela. Mas, adoramos viajar, conhecer culturas, e preciso repensar minha vida profissional e o que quero pra minha vida.
    Seu texto me trouxe reflexões.
    obrigado.

    Tudo de bom!

    Rogério

    • Fico feliz em ter ajudado Rogério. A distância dos amigos e família é realmente uma das partes mais difíceis. Mas hoje em dia, com tantas formas de comunicação, dá para controlar a saudade por um tempo.

      Abraço

  9. Oi Luiza! Parabéns pelo texto!
    Eu tirei meu ano sabático aos 32 anos e posso dizer que foi a melhor experiencia que tive em minha vida! Viajei para alguns países num trabalho voluntário. Amadureci muito e nunca mais fui a mesma pessoa. Aprendi muito e super indico pra todos! Estou completando 40 esse ano e já quero um outro ano sabático! 🙂 Bjos

    • Bom dia Priscilla, poderia me contar mais sobre como foi sua viagem?! Meu interesse é o mesmo de fazer trabalhos voluntario, mas queria contato com alguém que já o fez para trocar ideias. Aguardo retorno…

      Giliandra

  10. Parabéns, obrigado, excelente texto.

    Enfim alguém que explicou o que é, sem bagunçar a cabeça dos mortais, o que é um ano sabático:

    “O termo é de origem judaíca e significa “dia do descanso”. Além do sétimo dia da semana, reservado para o descanso, a cada ciclo de sete anos os judeus ficavam um ano inteiro sem trabalhar. Esse ano sábatico servia para que a terra pudesse descansar depois de seis anos de colheita ininterrupta. Todo mundo estava liberado das responsabilidades: até mesmo as dívidas eram perdoadas.”.

    Daí é só aplicar aos nossos dias de forma

    “Tirar um ano de folga da sua vida não significa necessariamente estar de folga. Mas se a ideia é que você descanse a cabeça e repense sua vida”

  11. Luiza, obrigado pelo post. Foi uma amiga quem o encontrou e achei incrível. Acho que mesmo quem sustenta famílias, tem responsabilidades, consegue sim (eu acredito que conseguirei). Será um pouco mais difícil e demorado, mas é possível. Tudo já parece um pouco mais difícil para quem faz isso desde novo…
    Gostei da sua meta, e parabéns pelo feito! Motivou-me a ir atrás do que quero, autoconhecimento.
    Abs! Marcio.

      • Luiza tenho notado que o termo ano sabático tem sido usado com muita frequência por vocês nos 360, e lendo este texto com a descrição consegui perceber que é justamente isso o que eu sempre quis fazer só não sabia que existia o termo para definir. Então, eu sou funcionário de uma multimacional e exerço um cargo de liderança. Acontece que eu tenho percebido que embora eu seja apaixonado pelo meu trabalho eu não estou 100%, sinto que eu preciso “dar um tempo” pra me conhecer melhor, me auto desafiar, me colocar em novas situações… Não sei se você consegue me entender mais estou precisando de algumas sugestões do que eu posso ou precise fazer para ter o meu ano sabático. Sou completamente apaixonado por viagens e tudo o que eu mais queria na vida era poder viver conhecendo o mundo.
        Obrigado pelo excelente texto, foi muito enriquecedor pra mim.

        Carlos Eduardo

  12. Legal esse blog, acho que preciso fazer isso, já fui casado e não deu certo agora estou casado e está indo por água abaixo tenho uma empresa a 8 anos e já não tenho mais animo em ficar na empresa.

    • Oi Roa,

      Pode ser uma opção para você repensar sua vida. Mas, como eu disse no post, não se esqueça que os problemas não vão embora só porque vc partiu por um tempo.

      abs

  13. Oi Luiza, adorei o seu texto. Ele reflete exatamente o sentimento que me motiva a tirar um período sabático. Ainda não sei para onde vou e nem quanto tempo ficarei. Mas o que busco é voltar pra dentro e descobrir o mundo que existe aí fora. Meus pais estão me apoiando muito nessa ideia, o que já trás um grande conforto. Hoje trabalho mais de 8 horas por dia sentada na frente de um computador, o que me incomoda muito. Bem, planejo tirar meu período sabático no próximo ano! Gratidão pelo maravilhoso texto! Boa sorte na sua jornada!

    BjS

    • Muito obrigada por comentar Mariana! Fico feliz em ter te inspirado de alguma forma e torço para que dê tudo certo na sua jornada! Não deixe de voltar aqui no blog para contar seus planos!

      bjs

  14. Oi Luiza,
    Fantástica sua abordagem… Feliz em ter encontrado seu texto.
    Estou a um passo da decisão. É um sonho antigo, mas mesmo tendo me organizado financeiramente (o mínimo necessário) ainda assim estou com medo de deixar um emprego de 17 anos por causa da idade… Tenho 43 anos e o mercado de trabalho para o retorno tem seus limites…
    Valeu pelo texto inspirador, de qualquer forma…
    Bjs

    • Oi Luciana,

      Obrigada por comentar. Espero que você consiga tomar sua decisão em breve. Realmente não é fácil abandonar tudo, e as vezes não é prudente. Mas quem sabe você não consegue uma licença ao invés de pedir demissão? Ou não se organizar para usar esse tempo para se especializar mais, aprender outro idioma, essas coisas que também ajudam na carreira?

      bjs

  15. Estou em pleno ano sabatico. Simplesmente sensacional. Penso que melhor seria responder para que e nao por que um ano sabatico. Trabalho com educacao no Brasil e estou nos USA desde janeiro deste ano. Escolhi e planejei fazer um ano sabatico para expandir minhas fronteiras pessoais, emocionais, espirituais, profissionais e relacionais. Para ter um tempo e maneira diferentes de viver e ver a vida. Para quebrar preconceitos e temores com o novo. Para aprender mais e mais que so sei que nada sei. Para me divertir, para ser abencoada e ser bencao na vida de novas pessoas. Ouvir novas historias de vida. Para ter tempo para ver o tempo passar. Para trabalhar com coisas improvaveis, experimentar ver as coisas de angulos diferentes. Enfim, para fazer talvez o que eu melhor sei fazer: viver intensamente. Recomendo a todos e sugiro que facam um bom planejamento. Volto pra casa agora em dezembro, morrendo de saudade de todos e tudo, mas ja planejando o Segundo ano sabatico. Tomei gosto pela coisa. Caso queiram conselhos e sugestoes, estou as ordens. Lembrando que ainda nao terminei, em um mes, muita coisa pode ainda acontecer! Sucesso para todos que resolverem tomar coragem e mergulhar nesse ano!

  16. Ola,estou programando meu ano sabatico tbem e fiz uma busca.Adorei seu relato e os comentarios tbem..Espero conseguir por em ordem tudo que preciso e nao deixar esse sonho morrer.Abraços.

    • Boa tarde Luiza, tb estou planejando o meu ano sabático que, provavelmente, terá início em Abril de 2015. Tenho 34, trabalho em uma ótima empresa, mas não me identifico com o trabalho em si. Tenho planos de estudar para concursos e aproveitar todo o tempo disponível para aprender coisas novas, evoluir tanto espirutual quanto intelectualmente. O seu texto me ajudou bastante, é sempre complicado lidar com os comentários dos outros, mas temos que ser fortes e seguir o nosso coração.

  17. Oi Luíza… adorei o seu post. Estou planejando o meu ano sabático para daqui a 3 anos. Comecei a fazer meu planejamento agora e gostaria de utilizar a sua experiência para um bom roteiro.
    Espero guardar uma grana considerável até la, mas não queria depender só dela. Vc conseguiu trabalho nos lugares por onde passou? Não tenho apego ao luxo, mas queria conseguir me virar com um trabalho se por acaso necessita-se. Penso em ficar 15 dias em cada lugar e não só ir de pinga pinga rsrs
    Ficaria muito feliz se pudesse compartilhar isso comigo.
    Muito obrigado por me inspirar com seu post.
    Bjos

  18. Bah! estou nessa indecisão…morei por 4 anos fora quando era mais novo. Hoje tenho 32 anos e sou sócio em uma empresa há quase 4 anos mas não aguento mais essa rotina e o dinheiro não está nem mais trazendo o prazer da estabilidade pois não gosto do que faço, creio que tenho vocação para Administração mas não para área em que estou. Sempre pensei em usar esse dom para ajudar as pessoas e não ganhar dinheiro. Sei que conseguiria planejar e muito bem o ano sábatico. Mas a pressão que sofremos da sociedade, de pais e a amigos por largar tudo..seria do tipo: tu é louco! rs…mas teu blog foi show de bola…bem animador! estou pensando/loading….rs..abs!

    • Oi Duda, entendo sua situação, é bem complicado largar um negócio que dá certo, família e amigos.

      Mas você não precisa simplesmente largar tudo, você pode planejar um período sabático e organizar os negócios com seus sócios. Pensa um curso ou alguma coisa que poderia te ajudar a transformar sua empresa em algo que te dê mais prazer, talvez.

      Boa sorte com as suas decisões!

      Abraço

  19. Olá Luíza,
    Eu e meu marido temos pensado em fazer isso juntos, levando nossos filhos. De fato, a vida nos envolve numa rotina louca e, quando percebemos, a rotina já nos engoliu e o tempo passou…
    Vamos pensar nisso mais concretamente, pois, para levar as crianças, precisaremos de uma estrutura maior, mais conforto..

    • Oi Camila,

      Que legal essa ideia! Olha, tem muitos casais com filhos que fazem grandes viagens. Procure esses blogs na internet, acho que vão te inspirar mais!

      bjs

  20. Muito bom!
    Eu realmente precisava conhecer essa palavra, estou em um ano sabático, mas é muito difícil a cobrança de todos. Mesmo que ninguém pague suas contas, todos querem saber e comentam quando alguém não segue as regras. Para quem não têm essa visão, acha muito estranho uma pessoa sem trabalhar.
    Seu texto me animou, um bom incentivo.
    Boa sorte na sua jornada!
    Bjs

  21. Vc é uma fofa! Adorei suas palavras, reflexões e incentivo! Boa jornada até atingir sua meta dos 30 países! E vá pensando em outros objetivos pois ainda tem muita vida pela frente! Até !

  22. kkkkkkkkk’ perdi o enem e com isso perdi quase todas minhas opções de vestibular… mas senti certo alívio de ter perdido e acho que seu texto me ajudou a dar mais forma ao meu alívio. Enfim, acho que ano sabático pode ser uma boa pro ano que vem!

    • Que chato, Felipe.
      Mas pensa isso direito. Vai ver é uma oportunidade mesmo – o lance é saber se adaptar com as circunstâncias da vida. né?

      Abraço!

    • Oi Lia,

      Olha, a gente é bem roots tb, como você disse. Ficamos sempre nos lugares mais baratos possíveis, onde a maioria das pessoas ficaria horrorizada. Acho que até pode ser possível gastar menos, mas não sei se consideravelmente menos…

      Isso depende muito também do seu roteiro.
      bjs

  23. Simplesmente caiu minha ficha…
    o que eu to fazendo aqui, parado em frente a um computador trabalhando 9 horas por dia?
    daqui a pouco faço 30 anos (7 anos e meio) e nao conheço nem o Paraguai…

      • Ja viajei o Brasil inteiro, Não a passeio, trabalhava com caminhão, mas do que ja vi no Brasil não tenho interesse em conhecer a fundo mais nada.
        Estou com 23, tenho 7 anos para correr atrás destas viagens, estava vendo sobre trabalho voluntário na África em uma reserva de Leões, acho que assim que juntar uma graninha vou nas ferias junto com a esposa hehe.

  24. Oi Luiza, adorei o seu post. Ja fiz dois intercamio e agora com 30 anos e varias responsabilidades nao posso pensar em largar tudo de novo…bem que queria… Todos nos precisamos de um tempo da nossa vida e quebrar a rotina que nos prende e sufoca.
    Para viagiar precisamos uma atitude mental que ajude no caminho tanto em encontrar os destinos quantos no nosso desenvolvimento interior.
    Parabens para o blog e espero que continue nos inspirando com os posts que nos faz sonhar!

  25. Luiz,
    eu fiz exatamente isso, mas apenas por 2 meses. Larguei emprego e tudo mais e fui embora do Brasil.
    É uma experiência inesquecível, foram dias que pude realmente saber quem é a Vanêssa.
    Já estou planejando para fazer isso durante 1 ano. Está nos meus planos para muito em breve.
    Seu texto fez com que essa ideia não ficasse adormecida. Ele é muito inspirador e estimulador.
    Obrigada!!

  26. Ultimamente, tenho pensado em um ano sabático. Depois de 15 anos de formada, tenho estado um tanto me sentindo presa e sufocada… e um velho sonho tem voltado: conhecer o mundo… mas, como? Falta coragem pra largar tudo.

  27. Olá, Luíza. Tudo bem?

    Fiz uma busca sobre ano sabático e apareceu seu blog.

    Adorei seu artigo. Ele veio de encontro ao meu momento, e posso dizer que tenho vivido um ano sabático forçado.
    Há quase um ano estou fora do mercado de trabalho, e a dificuldade em me recolocar tem sido difícil por causa da minha posição – gerência de empreendimentos hoteleiros.
    Enquanto as oportunidades não aparecem, tenho preenchido meu tempo com inúmeras atividades – exercícios físicos, curso de inglês, leitura e agora, um mestrado (fui aceita como aluna especial para o mestrado da FEA/USP).
    Mas como eu sobrevivo? Como sou conservadora com minhas finanças, não tenho dívidas, e tenho economias a ponto de conseguir viver de uma forma até que razoavelmente bem.
    Por fim, esse período sabático me proporcionou mudanças e tem me instigado a não voltar para a vida sofrida da hotelaria. E assim, me plano B está em andamento.

    • Oi Helena,

      Que intessante seu relato! Aproveite muito o seu sabático para repensar a sua carreira e quem sabe seguir um novo rumo!

      E boa sorte nos seus plano.
      bjs

  28. Oi Luíza!
    Parabéns pelo post, inspirador e com certeza traduz os pensamentos e anseios de muita gente, inclusive os meus.

    Obrigado por mais uma injeção de coragem!

    o blog continua ótimo.
    abraços

  29. Chorei!
    Estou passando por um momento crucial de “pegar ou largar” em vários aspectos da minha vida…
    Obrigada pelo texto inspirador Luíza! Que bom que vc, tão novinha, já chegou a conclusões tão sábias!

  30. Luiza,

    obrigada por esse artigo! Estou passando pelo meu sabatico nesse momento, alguns paises, muitas experiencias e pessoas incriveis… confesso que tenho os momentos de crises, talvez um breve arrependimento de ter deixado a zona de conforto pelo natural medo do que vem pela frente e quando vem…

    Sai do Brasil apenas para estudar 2 meses e o caminho foi se trilhando para algo maior… aprendi a viver com uma malinha de 2 meses para 1 ano (um grande aprendizado!)

    Mas, o mais incrivel disso tudo sao as emocoes que pessoas e momentos nos proporcionam no caminho… isso eh transformador… Assim como terapia para o auto-conhecimento gostaria muito que todos os seres humanos pudessesm vivenciar esse momento… com certeza teriamos um mundo de relacoes muito melhores na vida!

    E eu ainda na sei quando terminarei meu sabatico, mas depois dessa experiencia toda tenho certeza que o Universo sabe, pois alem da experiencia social e cultural nossa conexao espiritual se fortalece muito!

    Um novo tempo para o corpo, a mente e a alma!

    • Que relato bacana Cláudia!

      Adorei a parte sobre a mala. A gente tem um apego tão grande com essa coisa de mala, roupas. Parece que é a forma que o inconsciente (ou seja lá o que for) tem para nos manter presos, mesmo quando queremos largar tudo.

      Espero que você veja e vivencie muito mais dessa sua experiência!
      Um abração

  31. Luiza, bom demais ler o seu texto. Não sou estudante e nem tão pouco “novinha” de idade, tenho quase 50, mas de alma, espírito e coração sou uma adolescente. Estou planejando o meu ano sabático para 2014. Tenho mil desafios a vencer, familiar, financeiro… mas acredito que o seu blog pode me ajudar. Um abraço e quem sabe nos encontramos em uma dessas viagens! Um abraço

    • Oi Márcia,
      Viajante não tem data de validade. Espero que você consiga vencer os desafios e partir para seu sabático em 2014. Conte com nosso apoio! bjs

  32. Parabéns pelo blog! Eu sempre tive essa vontade e lendo o blog só me deixou babando mais ainda. Estou lendo até agora e já são 4h da madrugada hahaha

    Só uma coisa me chamou atenção: vi que vocês pagaram pela passagem de volta ao mundo aproximadamente 8000 mil reais. Eu, por curiosidade, cotei uma passagem com os países de interesse e deu 15 mil! Quase o dobro! Fiquei um pouco assustado! Nem o dólar mais caro justifica esse preço! Não sei se os lugares que coloquei encareceram muito mais (inclui Joanesburgo e Moscou). Enfim, vou me planejar pra cumprir essa viagem em, no máximo, dois anos! Continuem o blog que é show de bola!

    • Oi Raul,

      Nosso ticket de volta ao mundo pela OneWorld custou cerca de 3700 dólares, mais taxas. Mas pagamos o dólar a 1,69.

      De lá para cá, os preços encareceram um pouco. Agora para chegar nesse valor da sua cotação, provavelmente tem relação com o seu roteiro, quantas paradas você está fazendo e em quais lugares quer ir.

      Mesmo com essa alta, tente se planejar mesmo para cumprir o objetivo. Para tentar tornar mais barato, você pode fazer alguns trechos por terra também.

      Espero que te ajude. Depois dá uma olhada na nossa Tag Volta ao Mundo. Tem várias dicas boas lá.

      bjs

  33. Luiza,

    Que texto! Confesso que fiquei até perturbada e sem saber quando deixei de ser essa pessoa que joga tudo pro alto, se joga em novos planos e segue em frente mesmo sem saber onde fica a “frente”!
    Tive meus “meses sabáticos” com 22 anos, rs. Juntei todo o meu dinheiro e banquei meu intercâmbio, voltei sabendo que não poderia continuar com a vida que eu levava… Ela tinha ficado tão desinteressante! Em 2 anos, entre idas e vindas, tentativas cheias de vontade e experiências incríveis, eu tive que voltar e FICAR.
    Ate hoje me pergunto o porquê.
    Será que chegando aos 30 é a “nova hora” de fazer isso de novo? Será que dá tempo?
    Deixou uma (várias) leitora pensativa!

    Parabéns pela sensibilidade dos seus textos e a mente aberta.
    O mundo precisa tanto de pessoas assim!

    • Oi Maria Clara,

      Acho que sempre dá tempo. Já respondi outro comentário com essa frase, mas repito: Viajante não tem data de validade!

      Ficar é importante ás vezes, existem coisas e decisões que são mais fortes do que nossos sonhos. Mas se você está com vontade de fazer isso de novo e tem condições, se joga! Além disso, com 30 anos você ainda é tão jovem.
      bjs

  34. Olha que coisa interessante: os judeus tiravam um ano sabático a cada ciclo de sete anos. No sétimo ciclo, no ano de número 49, eles também não trabalhavam. Só que o ano 50 era jubileu, também sem trabalho. Ou seja: dois anos inteiros longe da labuta. Aí sim!

    • Nem todos percebem os ciclos de 7 anos a que estamos sujeitos, seja porque a rotina esmaga nossa capacidade de reflexão, seja porque aceitam essa rotina como única forma de vida. E ai se alguém sai desse rótulo! Como a Luiza disse, vira alguém q foge de suas responsabilidades. Tirei um sabático em 2014 e havia uma cobrança enorme sobre meus planos, que eram simplesmente viver, dormir o quanto meu corpo precisasse, estar disponível para uma eventual necessidade de minha filha, coisas que nao pude fazer por mais tempo que gostaria de lembrar. Smell the flowers. Viajando ou não. Mas se rolar uma viagem, muito melhor! Rsrsrs

  35. Luiza,

    Simplesmente sensacional seu texto.

    É algo que eu venho pensando há cerca de 6 meses mas ainda falta, infelizmente, a liberação familiar.

    O ponto em que você tocou para mim é fundamental: a rotina 9h/18h + horas extras é massacrante para qualquer um.

    Até que ponto vale a pena viver sob esse cenário? Chegar aos 40 anos com dinheiro sem nunca ao menos ter vivido?

    São essas coisas que me fazem pensar.

    Vou encaminhar o texto para as pessoas extremamente contra essa minha atitude.

    De repente, algo pode mudar.

    Beijos

    • Oi Gabriel,

      Concordo com você. A gente dá muito valor para o dinheiro e para quê? Para trabalhar muito, mal-mal ter férias e passar a vida trabalhando sem ter conquistado nossos sonhos. É um sistema bem cruel. Espero que você consiga viajar em breve! bjs

  36. Show! Falou tudo.
    O que importa é a jornada, e não o destino.
    A vida passa, para quem está dentro de um escritório ou não. A diferença é que quando o ser humano se choca com outras culturas e viaja, ele viaja também pelo mundo adentro. A bagagem pessoal, mental e espiritual que se adquire em um ano sabático sem dúvidas deve valer mais que qualquer salário. Concordo com você, acho bem difícil depois de ter um experiência dessas, conseguir voltar a rotina de sempre. Uma viagem dessas marca a nossa vida.
    Estou preparando a minha! =D

    • Obrigada Luccas!

      Se eu pudesse, fazia igual os judeus no passado e tiraria um sabático a cada 7 anos. Se bem que 6 anos de trabalho sem viagem é muito tempo, rs

  37. Luíza, eu to no segundo ano da faculdade por isso não larguei tudo ainda, vou esperar me formar. Aqui em casa é só eu o pai e a mãe, então de tanto eu querer sair por aí pra viver eu convenci eles \o/
    Agora eu fico ansiosa por terminar a faculdade e mais nada!

    Adoro o blog, é muito bom ler sobre pensamentos que eu tenho e planejo a anos…
    Parabéns pessoal!!

    • Oi Fiama!

      Você sabia que os Europeus em geral tiram um ano sabático antes de começar a faculdade, muito legal isso, seria ótimo se adotássemos esse costume.

      De qualquer forma, daqui a pouco sua faculdade termina e você pode ir viajar!

      bjs

  38. Texto realmente muito bom, pena que poucas profissões permitem uma ausência dessas!

    Ainda bem que faço Design e no futuro poderei fazer uma viagem dessas… 🙂

    • Oi Reinaldo,

      Não sei se são poucas profissões que permitem uma carreira dessa ou se as pessoas que acham que a profissão delas não permite.

      Tirar uma licença profissional de um ano não é tão impossível e ninguém é tão insubstituível que não possa largar tudo por um tempo determinado.

      Mas certamente, para algumas áreas é mais fácil =)

      Espero que você viagem mesmo.

      bjs

  39. Parabéns, Luiza. Ótimo post. Me deixou com muita vontade de tirar um ano sabatico tb… Continue viajando contando tudo para nós, leitores, pois de certa forma viajamos com voce!

    Abrs!

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: