Tags:
Atlas: Bahia, Espírito Santo, Brasil

Meu primeiro mochilão pelo Brasil

A primeira vez que eu coloquei a mochila nas costas e saí para explorar esse mundão sem porteira foi nos primeiros dias de 2010. Eu tinha acabado de fazer 22 anos e nunca tinha viajado muito. Conhecia algumas praias aqui, algumas cachoeiras lá, a maior parte delas em viagens com amigos onde o destino importa muito menos que a farra.

Na época, minha única fonte de renda era uma bolsa que eu recebia por um estágio que eu detestava. Acrescento a informação de que eu era estudante de jornalismo e você logo vai deduzir que o valor da bolsa era ridículo, mas eu juntei dinheiro o semestre inteiro porque queria conhecer a América do Sul. Pesquisei o itinerário, fiz todos os cálculos dos gastos, descobri transportes, albergues e lugares onde eu gostaria de ir nos quatro países por onde eu iria passar. Até planilha no Google Docs eu tinha.

Mas, no meio da empolgação, descobri que a viagem que eu planejava não cabia no meu salário de estagiária. Meio que de última hora, eu me contentei em passar o Ano-Novo com amigos em uma casa de praia em Guarapari (ES) e depois subir pelo litoral até Salvador, onde minha mãe morava na época.

Mochilão Guarapari Espirito Santo

Nossa galera em Guarapari

Essa foi a primeira vez que eu larguei tudo para viajar.

De mochila emprestada (obrigada, Ort!), com um projeto de blog que morreu em três posts e com quase nenhuma experiência em desbravar o mundo, eu botei o pé na estrada sem nenhum planejamento. O Rafa ia comigo, outro inexperiente. Sabíamos onde queríamos ir e quando tínhamos que chegar, mas transporte e hospedagem foram definidos a cada etapa.

Foi um mochilão modesto. Passamos por Guarapari, Conceição da Barra, Itaúnas, Porto Seguro, Arraial D’Ajuda, Trancoso, Itacaré e Salvador. A maior parte do tempo ficamos na primeira e na última cidade. Mesmo assim, descobri que o Brasil tem paisagens maravilhosas e fiquei frustrada porque minha câmara não conseguia captar toda a beleza de alguns lugares.

Nosso nível de planejamento era tão nulo que a gente sequer sabia se realmente havia linhas de ônibus que ligavam o lugar onde estávamos ao que pretendíamos ir. Tinhamos um budget, mas não tinhamos hotel. Isso rendeu a descoberta da melhor pousada da minha vida, em Arraial, e duas noites dormindo sobre nada além da lona da barraca e um cobertor, em Trancoso. Arriscado demais para uma alta temporada, muitos diriam. Mas, no final, tudo saiu conforme o (não) planejado.

Foi durante essa viagem que eu percebi como deve ser difícil para um estrangeiro que resolve fazer o que eu fiz. Cada vez que eu via um gringo com problemas por não conseguir se comunicar ou entender as placas eu tinha o ímpeto de ajudar, mas na época eu mesma não confiava no meu inglês para arriscar. E também descobri que realmente existe muita gente interessada em conhecer o Brasil (não tinha essa percepção, uma vez que, em BH, estrangeiros são figurinhas raras).

Essa foi a primeira vez que eu senti como é o ritmo de dormir e acordar cada dia em um lugar diferente. Também foi quando eu entendi que viajar não precisa ser tão caro e quando eu tomei o primeiro choque cultural da minha vida, mesmo que dentro do meu próprio país. Porque, sim, culturas mudam ao cruzar a tênue divisa que separa um estado do outro.

Mochilão Praia do Rio Vermelho

Dizer que a viagem rendeu memórias incríveis, belas fotos e um ótimo bronzeado é desnecessário. Mais do que isso, essa aventura me tornou uma pessoa um pouquinho diferente da que eu era. Passei a enxergar o Brasil de outra forma e descobri que 45 dias de pura praia podem enjoar até a mais ávida das mineiras. Mas o importante é que eu nunca mais consegui evitar de colocar os pés no mundo outra vez. Essa foi a viagem que fez com que eu me tornasse uma viajante incurável.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

21 comentários sobre o texto “Meu primeiro mochilão pelo Brasil

  1. OI Natália! Estou terminando a faculdade, e resolvi trocar o baile de formatura por um mochilão. Apesar de ter sido alguns anos atrás, gostaria de saber quanto você gastou nesse mochilão, para que tenha ideia de uma grana minima necessária.

  2. Olá Natália! Pretendo fazer o meu primeiro mochilão. E como nunca fiz algo parecido vou fazer pelo Brasil pra começar. Quero no mínimo 40 dias rodar o sul, norte e nordeste. Sem muito planejamento, pra não ficar pilhada, afinal a ideia é relaxar. Mas sei que tenho que ter algum plano em mente. Quero saber o que devo planejar com antecedência?

    1. Luciene, tenha um roteiro em mente, mais ou menos os lugares que você quer passar. Não precisa reservar nada se não quiser.Planeje também o tempo de duração e quanto você pode gastar por dia.

      Abraços!

  3. Incrível, estou planejando fazer um. Vai sem bem com a cara e a coragem mesmo, pedindo carona e sem muito dinheiro. Queria saber com quanta grana você fez seu primeiro mochilão só pra eu ter uma noção. Agradeço desde já, beijos :*

    1. Olá Aline, na época eu não era blogueira e não tinha o hábito de anotar os gastos da viagem, mas acredito que tenha gastado uns R$ 2000 durante os 40 dias de viagem. Era estagiária, também não tinha muito dinheiro.

      Abraçøs

  4. IREI REPETIR ESSE MESMO ROTEIRO E GOSTARIA DE SABER AS EMPRESAS DE ONIBUS QUE FAZEM OS TRAJETOS ENTRE ESSAS CIDADES EM PESQUISA NA NET A DIFICULDADE É MUITO GRANDE EM ENCONTRAR INFORMAÇÕES ALGUÉM PODE ME AJUDAR?

    1. Ei Diego, tem várias empresas que fazem esses trajetos, não me lembro exatamente das que peguei, só sei que ia para a rodoviária e comprava a passagem com, no máximo, um dia de antecedência. Foi muito fácil de fazer!

  5. Natália, que experiência show!
    Tenho familiares no Nordeste (Natal/RN) e moro em São Paulo. Sempre pensei em fazer um mochilão de uma ponta à outra, do que só pegar avião e ter toda aquela burocracia de malas, check-in, espera, etc…
    Como você fez o seu? Saiu de MG e foi subindo até Salvador de ônibus?
    E sua mochila? Mesmo sendo roupas de verão, imagino que para 45 dias haja biquíni e saída de praia! rsrs. Parabéns pelo blog!

    1. Ei Daniela, eu saí de Guarapari, no ES, e fui subindo de ônibus até Salvador. Eu ainda era burrica na arte de fazer malas por isso levei uma mochila enorme, hoje levaria muito menos. O tanto de roupa que você precisa para 45 dias é o mesmo para 15. Basta lavar!

      Abraços!

      1. Show de bola!
        Me inspirei em você para dar o pontapé inicial no meu mochilão pelo Brasil. Ainda vou me planejar se vou de carro ou ônibus. Mas espero entre ano que vem e 2016 colocar os pés na estrada! rsrsrs
        Ah que ótimo ouvir isso sobre as roupas! rs. Confesso que ainda preciso me aprimorar na arte de fazer malas rsrs. Obrigada!

        1. Que legal, Daniela! Fico feliz em saber disso e espero que você consiga realizar seus planos. A mala você ajeita com o tempo, quando vê as coisas que realmente usa e as que deveria ter deixado em casa. (E quando sofre pra carregá-la a viagem inteira)

  6. Oi Natália, como vai?

    Adoro o blog de vocês, mesmo sem nunca ter viajado muito (ainda!)
    Vou para Bahia em dezembro, e fiquei curiosa para saber qual a melhor pousada da sua vida, em Arraial. Pode me dizer o nome?

    Obrigada! Beijos!

    1. Ei Gabriela, chamava-se Valentin e era em uma ruazinha atrás da igreja. Nem sei se ainda existe e se ainda é tão barata. Ela não tinha nada de mais, era bem simples na verdade, mas era barata e tinha uma café da manhã maravilhoso com vista para o mar lá embaixo.

  7. Muito boa essa história, estou pensando em fazer um mochilão também(meu primeiro), e gostaria de saber quanto vocês gastarem nessa viajem, só para eu ter um base. Beijo e abraços! Desde já agradeço!

    1. Ei Patrick! Pergunta difícil! Vai fazer 4 anos e eu não tinha o menor controle (como você viu no post) de registrar os gastos! Acredito que tenha sido algo em torno de 2 mil, mas tô falando assim, no chute mesmo!

      Abraços!

    1. haha sério? No final eu já estava “meu deus, não consigo mais acordar e passar o dia na praia fazendo nada!”. Ainda bem que o final foi em Salvador e tinham opções históricas para visitar. Eu cheguei a um ponto que minha pele não aguentava mais tomar sol. Foi crítico!

  8. Eu quando fui morar na Europa (fui trabalhar), achava que o mochilão vinha pronto hahaha. Tanto é que na minha primeira viagem quando cheguei na rodoviária não sabia nem para onde ir. Sorte que estava com um pessoal um pouco mais preparado e fui pegando as manhas…comprei uns guias e passei a saber pelo menos para qual rua eu precisava ir para achar os hostels. Mas, vou ser sincera – não planejo muita coisa não. O acaso para mim acaba sendo mais legal do que o planejado.

    1. Eu tbm não sou freak com planejamento, mas depois de perder tempo e dinheiro, hoje eu pesquiso pelo menos o mínimo antes de ir para algum lugar. Mas na Índia, por exemplo, escolhia um hotel na hora que chegava na cidade. Algumas vezes era difícil, mas era assim que achávamos as melhores barganhas. Já os transportes, compramos todos com antecedência. Nessa viagem pelo nordeste foi uma grande sorte, pq muita coisa podia ter dado errado!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.