Tags:

Nômade digital: minha vida com uma mochila

Fiz meu primeiro mochilão aos 24 anos, mas sou mochileiro desde criança. Filho de pais separados, eu me acostumei a fazer as malas e trocar de casa quando tinha sete anos. Todo fim de semana era a mesma história: roupas na mochila, mochila nas costas, costas no banco do carro e vamos embora. Mais tarde a situação se tornou ainda mais complexa. Não satisfeito em morar em duas casas, resolvi que meu espírito nômade exigia mais. Durante pelo menos dois anos, morei em quatro casas. Quatro casas ao mesmo tempo.

Corta para 2008. O Rafael de 22 anos era o mais novo estagiário de um canal de televisão de Belo Horizonte. No meio da reunião de pauta, joguei meu chaveiro na mesa. “São as chaves das portas das casas. Umas 20 chaves, ao todo. Todo dia estou num lugar, cada dia numa cama. Por isso levo minha vida toda nessa mochila aqui, que sempre tem roupas suficientes para pelo menos cinco dias.” Não tenho a menor ideia do contexto em que contei isso lá, mas provavelmente foi porque a história chama atenção. “Você viu o estagiário novo? O doido mora em quatro casas, todas em Beagá. É cada tipo que contratam aqui…”

Mas qual o motivo para tantas casas? Bom, eu já cresci dividido em dois. Quando meu pai se casou novamente e deixou de morar com os pais dele, resolvi me dividir em três. E nessa mesma época comecei a passar vários dias no sítio de um tio, na região metropolitana de BH. Pronto: Rafael dividido em quatro. Vida nômade, ou pelo mesmo o ensaio geral para uma.

O começo da vida como nômade… digital

Eventualmente ficou complicado conciliar essa vida com a faculdade, então eu escolhi uma das quatro casas e passei a morar só lá, mas durante uma boa parte da minha vida eu andei com uma mochila nas costas, completamente equipada para me manter alguns dias longe de casa. De qualquer casa. Tudo isso me ajudou a encarar com muita naturalidade a vida realmente nômade que levei a partir de outubro de 2011.

Taj Mahal, Agra.

Um dia eu trabalhava em BH, sem saber o que faria da vida. Dois meses depois eu colocava minhas coisas num mochilão e me preparava para viajar por 14 países do mundo, durante 10 meses. Minha viagem de volta ao mundo foi feita assim, de repente. Foram vários hotéis, cidades e camas espalhadas por quatro continentes. Check-in, seja no hotel ou em aeroportos, virou palavra comum na minha vida. Voos eram rotina e a cada semana eu estava numa cidade – algumas vezes eu mudava de país. Assim aprendi algumas coisas sobre a arte de viver com uma mochila nas costas. Tipo que…

O mundo é muito grande para ficar sempre no mesmo lugar

Já quis saber como teria sido se você tivesse nascido em outro lugar? Bom, ainda não é possível saber como é sua vida em outras dimensões, mas você pode simplesmente se transportar para outro lugar nesta dimensão. Nada te impede de fazer as malas e testar a vida em outro país. E veja bem: eu não estou incentivando ninguém a tentar carreira de imigrante ilegal. Você pode fazer intercâmbio em algum lugar, ou um curso de idiomas, ou simplesmente turistar durante um período maior. E ainda é possível testar a vida em outros lugares deste nosso país enorme e tão variado.

Sim, o mundo é muito grande para nascer e ficar eternamente no mesmo lugar, então basta desligar o modo árvore e esquecer aquele lance acusatório de “não ter raízes”. Seja Deus ou o acaso (deixo o autor para você escolher) te deu pernas, não raízes.  Use-as.  O mundo não é uma aldeia. O mundo não é só o seu bairro, a sua cidade. Ao mesmo tempo, nosso planeta já não é tão grande como era durante as grandes navegações. Viajar é relativamente fácil, seguro e até razoavelmente comum. Está esperando o que para fazer as malas? Ah, sim, e sobre malas eu também aprendi que…

Nômades: Paris

Fazer as malas é uma arte, mas não é tão complicado assim

Dá para fazer qualquer mala, para viagens de qualquer duração, sem pensar muito. Eu gasto cinco minutos para separar tudo que preciso para ficar alguns dias na estrada. Para viagens mais longas, também não é necessário levar tanta coisa. O segredo é entender que você realmente não precisa de toda aquela tralha que passa a acumular quando leva uma vida fixa em algum lugar. O que é imprescindível para sua viagem?  Coloca isso na mala. O que pode ser que você precise? Deixa pra lá, já que o “pode ser” muitas vezes vira um enorme “não era”. E a última coisa que um nômade quer é uma mochila desnecessariamente pesada para carregar.

Imagina como você vai fazer para correr atrás de um ônibus no Vietnã, subir uma rua congelada no Himalaia ou pegar um metrô lotado em Paris, tudo isso carregando uma mala enorme? Pois é, então leve só o essencial. Em pouco tempo você descobre que tudo que é realmente necessário para sua vida cabe numa mochila. E nem precisa ser uma das grandes.

A rotina enche o saco

Eu morava em quatro casas porque não tinha paciência para viver numa só. Fazer as mesmas coisas todos os dias, acordar na mesma hora, trabalhar sempre no mesmo lugar, exercer sempre a mesma função… Não sei você, mas eu acho que a vida é curta demais para perder tempo sem explorar coisas novas. Os 10 meses que passei viajando parecem anos na minha memória, tudo por conta das experiências variadas que tive. Já os 10 meses que vivi desde que voltei ao Brasil parecem dias: culpa de uma rotina de trabalho, de nove às seis, que me faz desejar a chegada da sexta-feira a cada começo de segunda. E olha que no meio disso eu mudei de emprego, de casa, de cidade e ainda viajei várias vezes. Sim, a rotina faz com que a gente torça para a vida passar mais rápido! Qual o sentido disso? Desejo chegar logo no descanso eterno?

machu picchu, Peru

O fato é que rotina é uma merda e deixa tudo sem graça. Você pode lidar com isso de várias formas. Eu escolhi levar uma vida nômade, com uma mochila nas costas.  Quando fiz meu primeiro mochilão, pelo litoral do Brasil, eu achava o máximo chegar numa terça-feira e pensar “porra, há dois dias eu estava em outra cidade, vivendo coisas completamente diferentes, mas parece que foi há meses”. Enquanto isso, na vida dita normal a segunda é parecida com a terça, que é igual a quarta, que lembra a quinta…  Pois é, pra mim viajar equivale a viver mais. E melhor.

Nunca foi tão fácil ser nômade digital

Você não precisa levar toda sua tribo junto. Não precisa estar preparado para enfrentar inimigos e lutar guerras. Não precisa abrir mares, como o Moisés do êxodo hebreu. Não precisa nem mesmo cruzar mares dentro de navios, como fizeram tantos exploradores. Você sequer precisa ficar sem trampo e sem dinheiro, mendigando. Basta entender que o mundo atual favorece ao estilo de vida de nômade digital. (Não sabe o que é isso? Leia mais aqui).

Semana passada essa tirinha apareceu na minha timeline do Facebook. Acho que ela expressa exatamente a incoerência no estilo de vida atual. A viralização não me indicou o autor, mas concordo com ele completamente.

tirinha

Nosso mundo é digital. Nós vivemos online, estamos presentes o tempo inteiro, somos ligados uns aos outros. Se muitos trabalhos não precisam mais ser presenciais, por que diabos as empresas exigem a presença do funcionário, de nove às seis? Ideologia, apenas. Na prática, outra vida é possível. Basta colocar a mochila nas costas.

Nós últimos seis meses, me mudei e virei morador de São Paulo, o que não deixou de ser uma nova experiência. Este post é um manifesto pela vida nômade digital: em breve será tempo de partir novamente, viver em lugares abertos, e não apenas sonhar com eles. Ainda bem que eu aprendi a fazer as malas e viver com uma mochila nas costas aos sete anos.

Foto destacada:  Hong Kong International Airport, Wikimédia Commons


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

14 comentários sobre o texto “Nômade digital: minha vida com uma mochila

  1. Ótimo texto e invejável história de vida. Depois de 10 anos dentro de salas de aula no RJ, trabalhando de 7 as 10 da noite, e levando ainda trabalho pra casa, resolvi mudar também. Trabalhei em navios por 5 anos, e me orgulho de ter nesse tempo crescido e amadurecido como pessoa. Hoje a bagagem que carrego sobre esses mais de 30 países visitados é uma riqueza e tanto na minha vida. Vivo na Croácia ha um ano e meio e, quem sabe, até quando não sei….só sei que a janela da alma continua aberta!!

    1. Linda sua história de vida, Debora.

      O importante é viajar! Nós mesmos já pensamos em encarar um tempo trabalhando em navios. Quem sabe!

      Abraço!

  2. Fiz um texto bem parecido no meu blog, para comemorar meus 10 anos de vida nômade. Espero seguir com esse estilo de vida, que é o que me deixa realmente feliz!!!
    Adoro o blog de vocês!
    Parabéns pelos votos no Big Blog Exchange! Espero que seja uma experiência maravilhosa!

    1. Oi Laise! Nossa, 10 anos de vida nômade! Que inveja! hahaha
      Olha, que bom que você gosta do blog. Muito obrigado pelos elogios! Temos certeza que o Big Blog Exchange vai ser incrível.

      Abraço.

  3. É isso aí, também já levei uma vida nômade por muito tempo e agora dei uma “estabilizada”, mas sempre ligada às pessoas nômades e aos projetos feitos por quem teve coragem/ousadia/desapego/foco em se deslocar. Com o tempo, acho que o mundo ideal é mezzo fixo/mezzo nômade, partindo do princípio de que criar raízes – e cultivá-las – é delicioso e importante para a reposição de energias, crescimento pessoal e trocas mais profundas com as pessoas. Corpo fixo e “alma” nômade, ou “alma” fixa e corpo nômade, são dicotomias boas. Parabéns pelo post e pelo blog!

    1. Oi Laura! Obrigado pelo comentário e pelos elogios ao blog. Sim, eu acho que no fundo é sempre bom a gente ter para onde voltar, um lugar para chamar de lar e tal. Eu mesmo tenho um lugar assim, que sempre volto quando a saudade aperta. Mas no resto do tempo, mochila nas costas e vida nômade! Me sinto melhor assim! hehehe

      Abraço!

  4. Eu poderia escrever paletes de páginas s/ este tema que aqui nos trás. Mas não. Vou apenas referir que sou brasileiro, com todo o orgulho e mais algum, vivo em Portugal, já corri meia dúzia de dezenas de lugares e cada vez sinto mais que o meu lugar e por aí….!!ste

    Um abraço para todos os mochileiros deste Mundo e de outros!

    1. Opa M.Vinicius! Obrigado pelo comentário! Esse é o espírito, o lugar é por aí! hehe

      Abraço!

  5. Rafa! adoro seus post, eu penso a mesma coisa e cada dia mais sinto que preciso sair por aí para encontrar minha casa. Sou nômade desde criança nasci no interior de São Paulo, cresci em Foz do iguaçu, a outra metade da minha infância foi dividida entre o Amapá e o Mato Grosso do sul, quando comecei a crescer fui para o Chile, na adolescência voltamos e fiquei em Sorocaba- SP , agora faço faculdade numa cidade que é do tamanho do meu antigo bairro no interior do Rio Grande do Sul. E mesmo assim isso é pouco pra mim preciso seguir minha viagem até me encontrar, afinal o mundo é muito grande para se limitar a um bairro, rua, cidade, estado, país….

    1. Oi Fiama! Obrigado pelo elogio! Olha, nós caímos na estrada durante um ano e não nos arrependemos disso! Definitivamente encontramos a vida que se encaixa com na gente. =)

  6. Como é bom saber que eu não sou a única a me sentir insatisfeita ao extremo com essa conformidade que existe hoje em dia. Conformidade de achar que a gente tá aqui pra escolher um lugar pra trabalhar/casar/adquirir bens/morrer, um lugar só, achando que uma viagem como a de vocês é “coisa de vagabundo”.
    Já pensei se minha vontade tão grande de viajar não seria uma forma de escape, mas na verdade depois de um tempo percebi que é da minha natureza. E a forma de escape é o contrário: ficar em um lugar só, me prendendo a emprego ou carreira, por causa de um medo inconsciente de ser julgada.

    E como a gente cria essas barreiras sem cabimento. “Não tenho tempo, não tenho dinheiro. E a faculdade, e meu trabalho?” Pegar um avião e chegar em outro lugar a alguns milhares de kms daqui não devia ser um sonho tão distante, como sempre parece. É tão mais fácil hoje. E agora.

    🙂 Desabafei.

    Muito bacana o texto, Rafael!

    1. Pois é, Carla. Essa questão que você falou (de colocar as viagens ou uma vida nômade como fuga) já apareceu por aqui antes, nos comentários de um post. Assim como você, não concordo. Temos que entender nossas diferenças, o que realmente queremos. Levar um estilo de vida tradicional simplesmente para evitar julgamento dos outros é que pode ser uma tentativa de fuga. Disso eu não quero fugir não. =p

      Abraço!

  7. Acho que o que mais prende as pessoas às suas raizes é o medo. Não o próprio… O medo do que os outros vão pensar, o medo de ser julgado. “ah, mas esse vagabundo largou a faculdade pra se aventurar no mundo. Que sem futuro! essa não tem ambição nenhuma na vida” e mais milhares de comentários que os mente fechada adoram encher a boca pra fazer. Esses malditos padrões que não sei quem inventou mas que atormentam os que querem ser livre deles.

    Admiro demais gente como vocês que ligou o “to nem ai” e caiu no mundo.

    Beijos

    1. Oi Letícia, concordo completamente com você. Basta ver o caso daquele mochileiro que sumiu no Peru. Todos os comentários que li em sites de notícias chamavam o cara da vagabundo. Simplesmente por ter resolvido viajar ele começou a ser taxado como uma pessoa ruim. Mas sabe de uma coisa? Enfrentar essa pressão vale muito a pena! Abraço!

Comentários estão fechados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.