Pode acreditar: o mundo tem jeito

Basta entrar na internet ou ligar a TV para se dar conta de quantos golpes, guerras e problemas existem nesse nosso mundão complicado. Em meio a tudo isso, muita gente se pergunta que planeta é esse, que parece mais uma definição do caos que um ambiente saudável para curtir a nossa breve existência. Mas antes que você grite  “o horror, o horror”, acalme-se.

Sim, tem muita coisa ruim em nosso planeta, mas muita coisa legal também – o problema é que nem sempre nos lembramos disso. Como disse o escritor moçambicano Mia Couto, “há, neste mundo, mais medo de coisas más do que coisas más propriamente ditas.” 

Como é notícia ruim que vende jornal, muitas vezes somos conduzidos a uma espécie de terrorismo pré-viagem. Por exemplo, eu morria de medo dos taxistas de Buenos Aires, tantas foram as advertências que li sobre isso. Desde que cheguei aqui, no entanto, não sofri nenhuma tentativa de golpe. Tenho certeza de que muitos casos assim ocorrem, claro, mas mais certeza ainda que a quantidade de taxistas honestos é infinitamente maior do que a de golpistas, seja em Buenos Aires ou em qualquer lugar do mundo.

A ideia deste post é mostrar que numa viagem – e na vida como um todo –  há mais pessoas dispostas a ajudar do que gente que vai te passar para trás. Para isso, selecionei um monte de boas ações que gente desconhecida fez comigo, com a Naty e com a Lu.

Algum desconhecido já te salvou de um perrengue de viagem? Conta para gente como foi e vamos levar adiante essa mensagem: o mundo é um lugar legal. A prova disso? Entre muitas outras, o ser humano.

Dos perrengues que já fui salvo

1 – Assim que chegamos em Buenos Aires, no mês passado, o taxista fez questão de nos dizer quais cuidados deveríamos tomar na cidade, contar um pouco da história da Argentina e dar dicas turísticas. E olha que isso foi horas depois da Argentina perder a Copa do Mundo. E ele não estava num dia muito feliz, óbviamente.

2 – Há quem diga que Paris é incrível, mas tem um problema: os parisienses, que seriam arrogantes e mal-educados. Não foi isso que percebemos. Numa noite de 2011, estávamos perdidos na cidade. E um senhor de uns 80 anos, que não sabia uma única palavra em inglês, se esforçou muito para nos ensinar, com mímica, como voltar ao hotel.

3 – O mesmo aconteceu quando encontramos uma mãe que estava com dois filhos pequenos e não falava uma palavra em inglês. Ela passou vários minutos fazendo mímica para nos dar uma informação.

4 – Também em Paris, um parisiense ajudou uma tia da Naty a carregar as malas pelas escadas do metrô. E isso aconteceu mais de uma vez.

5 – Foi também na capital da França, em 2013, que dois parisienses pararam para nos explicar como chegar numa atração turística. E nem precisamos pedir ajuda – eles simplesmente nos viram com um mapa na mão e resolveram ajudar.

6 – Em 2011, resolvemos fazer trekking na Table Mountain, na Cidade do Cabo. Só que o clima mudou de uma hora para outra – naquele dia fez um calor absurdo e várias pessoas tiveram que ser resgatadas da montanha de helicóptero. Nossa água acabou depois de seis horas de subida, mas uma família indiana nos deu uma garrafa a mais para que pudéssemos ir até o fim.

Não disse que teve até helicóptero?

7 – Também na África do Sul, precisamos deixar o país repentinamente, por causa de uma emergência familiar no Brasil. O dono do hotel onde estávamos, numa cidade chamada George, remarcou nossas passagens até Cape Town e avisou a todos hotéis seguintes que teríamos que cancelar a viagem. Antes disso eu tinha achado o cara meio chato, mas fui embora sentindo só gratidão.

8 – No Nepal, em 2012, uma greve geral tornou os deslocamentos por terra pelo país perigosos. O dono da pousada onde estávamos, em Pokhara, nos avisou disso e ofereceu as milhas aéreas dele para que conseguíssemos ir de avião até Katmandu. Ele foi tão legal que não me canso de fazer propaganda do hotel até hoje – ser for a Pokhara, fique lá.  E diga que nós mandamos um abraço.

9 – Depois de uma interminável viagem entre Nova Zelândia e Chile, chegamos em Santiago. Só que uma confusão no hotel atrapalhou a vida da Luíza, que não conseguia entrar no quarto dela. Depois de muita espera, ela chorou de desespero e cansaço. E um desconhecido se aproximou e ofereceu um abraço.  E não, ele não era um creep, só alguém legal mesmo.

10 – Em Kuala Lumpur, na Malásia, fizemos couchsurfing pela primeira vez. Além de nos receber de graça em sua casa, a Chiew inverteu a ideia do couchsurfing: ela fez questão de dormir no sofá e de nos dar a cama dela. E não houve nada que falássemos que mudasse a opinião da moça.  

Couchsurfing-host.jpg

Naty, Chiew  e Lu em Kuala Lumpur

11 – A Chiew também resolveu nos buscar no aeroporto. Fez isso ao perceber que nosso voo chegaria muito tarde e que um táxi até a casa dela seria muito caro. 

12 – Em outra experiência de couchsurfing, o Marcel, um brasileiro, nos recebeu em Munique, justamente na época em que a cidade é mais concorrida: durante o Oktoberfest. Ele comprou um colchão inflável só para nos receber e nos deu a chave da casa dele, para que entrássemos e saíssemos a qualquer hora. A gentileza de uma pessoa que nunca tínhamos visto na vida permitiu que realizássemos um sonho antigo.

13 – Em 2011, nos mudamos para Índia, onde trabalhamos por um ano. O Dev, um colega de trabalho, fazia de tudo para ajudar os estrangeiros a resolver coisas básicas, mas que eram complicadas para quem não falava hindi: pagar contas, comprar gás, contratar um encanador…

14 – No Brasil, em 2010, o nosso carro atolou numa estrada de areia, entre Trancoso e a Praia do Espelho. Dois carros pararam para nos ajudar a sair de lá.

15 – A Naty deixou o celular dela na escada de um prédio, em Praga, na República Tcheca. Alguém achou e devolveu o iPhone na recepção do nosso hotel.

16 – A mesma coisa aconteceu com um taxista de Belo Horizonte, em 2011. Eu tinha acabado de comprar meu iPhone, mas ele caiu do meu bolso e ficou no banco de trás do carro. O taxista deu uma volta inteira na cidade para devolvê-lo – e não aceitou que eu pagasse o valor dessa corrida extra.

17 – A Luíza e uma amiga estavam perdidas numa cidade dos Estados Unidos. Elas já tinham caminhado dois quilômetros, quando o dono de uma loja de conveniência ficou com pena das duas, deu comida e providenciou que um funcionário as deixasse em casa.

E você? Tem um história para contar? Deixe um comentário e me ajude a ampliar essa lista.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

45 comentários sobre o texto “Pode acreditar: o mundo tem jeito

  1. O mundo pode ATÉ ter jeito, mas não se iludam, para que o mal vença, basta que os bons não façam nada, e é isso que está acontecendo nos dias de hoje, os bons cansaram e deixaram o mal prevalecer, mas ok, vou contar minha história:
    Estava no méxico em 2015 e havia programado uma viagem a Palenque – Chiapas para conhecer algumas ruínas maias, a programação era ficar em torno de 10 dias, porém no segundo dia parei em um local para comer e acabei perdendo minha carteira, onde estavam os documentos e cartões de crédito.. estava com dinheiro somente para uns 3 dias. Como já havia visitado o local antes, consegui trocar a estadia por alguns serviços na pousada e assim consegui ficar mais alguns dias. Mas o principal foi a carona que consegui até Villahermosa – Tabasco com uma pessoa que estava indo para lá, que após ouvir a minha história se ofereceu para me levar.

  2. A mais marcante foi qdo estava numa pequena vila no Vietnam e por acaso encontrei uma plantação de rambutão. Os agricultores me saldaram e me deram um galho cheio de frutas. Um gesto lindo, vindo que tem tão pouco. Foi a fruta mais saborosa da minha vida.
    Outra foi qdo não conseguia achar a hospedagem em uma pequena cidade da Romênia. Era domingo e tudo vazio. Toquei a campainha de uma casa qq e pedi ajuda. A moça fez questão de me acompanhar até o meu destino.
    Em Chuí acordei às 4:50, sendo que tinha que pegar um ônibus pra Montevideo as 5:00. O dono da pousada me pôs no carro e fomos correndo pra rodoviária. Já tinha partido. Ele não se deu por vencido e desceu o pé até a posto da receita. O busao tava lá quase partindo. Deu tempo. No mesmo dia percebi que tinha esquecido algumas coisas na quarto. Ele pegou meu endereço e mandou pra minha casa, sem me cobrar nada! Não sei se existe ainda, ou se mudou o dono, mas procurem o hotel fênix em Chuí!!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.