fbpx
Tags:

7 clichês de viagem que merecem um tapa na cara

Nada é tão forte e grudento como um clichê, aquela ideia que fica tão comum em determinado contexto que se torna previsível.  Tipo alguns finais batidos de filmes ou livros. O mundo das viagens, claro, não está imune aos clichês, ainda mais na era das redes sociais, que ajudam a tornar um clichê num fenômeno mundial.

Eles podem até ser divertidos, mas perdem conteúdo justamente na falta de originalidade. Listamos sete clichês de viagem que você provavelmente já deve estar cansado de ouvir.

Acha que essa lista poderia ter mais itens ou discorda de alguma coisa? Sinta-se convidado a participar da discussão, deixando um comentário.

Clichês de viagem

Se você trombar com alguém que garante que é um viajante, jamais um turista, pode saber você você se encontrou com alguém que tem a tendência de causar bocejos nas pessoas ao redor. Para pessoas assim, viajantes e turistas são diferentes, com os primeiros sendo melhores do que os últimos. Turistas seriam aqueles que viajam para lugares mais batidos, absorvem menos coisas da cultura que visitam e viajam por períodos mais curtos, normalmente durante as férias, com um roteiro planejado na segurança da sala de casa.

Já o viajante, por esse mesmo discurso, seria alguém que viaja por longos períodos, sejam meses ou até anos. É alguém que viaja sem planejamento, não sabe qual será o próximo destino, despreza turistas e pontos turísticos tradicionais. O escritor norte-americano Paul Theroux ajuda na definição do viajante ao dizer que “turistas não sabem onde eles estiveram, viajantes não sabem aonde eles estão indo”. Já o britânico Gilbert Chesterton disse que “o viajante vê o que ele vê, o turista vê o que ele veio ver”.

Enfim, o viajante seria algo tipo uahaa. Desculpa. Bocejei com tanto discurso pedante junto, do mesmo nível daquele que tenta diferenciar blogueiro de bloguista e bolinho de chocolate de cupcake. Serio, não basta a gourmetização da comida, temos que fazer o mesmo com as viagens?

Não há nenhuma diferença entre turistas e viajantes. Se você é leitor do 360, provavelmente já reparou que nós usamos as duas palavras aqui, mas sempre como sinônimos, numa simples tentativa de não repetir expressões. Qualquer coisa além disso é arrogância, uma tentativa de dizer “eu sou viajante e viajo melhor do que você, que é turista”. Ok, cada um com sua opinião. Eu, por outro lado, prefiro ser turista. E viajante. Tanto faz, dá na mesma. Só quero curtir minha viagem, conhecer outras culturas e ter boas experiências – mais ou menos como todo mundo que resolve viajar.

clichês de viagem

O ditado do Papa pode ser aplicado para qualquer cidade, país ou contexto. Esteve em Paris e não viu a Torre Eiffel? Então você não esteve em Paris (tapa). Esteve na Índia e não viu o Taj Mahal? Então você não conhece a Índia (tapa). Esteve em Nova York e não viu a… tapa. Esquerda. Direita. Cruzado. Faz ele parar de falar bobagens, Batman, por favor.

Já escrevemos sobre o risco de se preocupar em excesso com o top 10 de cada destino. É como se existisse uma listinha mental: Taj Mahal? Visto. Torre Eiffel? Também. Coliseu? Claro. E deixa eu correr porque Machu Picchu é logo ali e não vai me esperar para sempre. Não precisa ser assim. Inclusive, para muitos dos moradores desses lugares não é assim – o mundo está cheio de parisienses que nunca subiram na Torre, cheio de indianos (algumas centenas de milhões deles) que não passaram nem perto do Taj Mahal e de peruanos que não conhecem Machu Picchu, exatamente como os cariocas que nunca andaram no Bondinho ou foram dar um oi para o Cristo. Será que essas pessoas não conhecem suas próprias cidades e países? Claro que conhecem.

Não é preciso ver todas as atrações mais famosas para ter uma viagem legal por outro país. Faça como o Batman: vá nas que você realmente quer conhecer, sem medo de ser feliz.

clichês de viagem

O discurso contrário ao anterior, muito usado por quem se diz viajante, não um turista. Se não é preciso fazer uma maratona para ver todos os pontos turísticos famosos de um lugar e se pular um deles não é um erro, mas uma escolha, o contrário também não é um problema: há quem prefira evitar os lugares turistões, que todo mundo vai. Tudo bem, afinal cada pessoa tem interesses e gostos diferentes. O Batman entra em ação quando essa necessidade de encarar a estrada menos batida vira motivo de arrogância, como se quem escolhe visitar a Torre Eiffel fosse pior do que quem decide não fazer isso, mesmo estando em Paris.

Em um artigo para o Lonely Planet, a escritora Jess Lee conta uma história interessante. “Num hostel em Cairo, Egito, conheci uma garota que disse que estava na cidade há três meses, mas ainda não conhecia as Pirâmides. O tom com que ela disse isso indicava que ela queria receber uma medalha. Conversando com ela no dia seguinte, eu disse que queria visitar algumas mesquitas. ‘Você é tão turista’, ela me disse”.

“Você é  tão turista”. Bocejo.

Clichês de viagem

Ahhh, Facebook… terra favorita dos escritores de autoajuda. Nada contra, tenho até amigos que gostam, mas esse tipo de literatura costuma dar respostas rasas para problemas complexos. No caso do Facebook a coisa piora, já que frases de autoajuda são recortadas do contexto e compartilhadas aos milhões. Veja bem: não há nada de errado em compartilhar frases legais de viagem – nós mesmos fazemos isso.

Muitas dessas frases funcionam como hipérboles. Sabe quando Jesus disse que era mais fácil um camelo passar por um buraco de uma agulha do que um rico entrar no céu? A ideia não era que os ricos podem se preparar para virar churrasquinho no inferno, mas mostrar a dificuldade envolvida ali. Deixando a doutrina judaico-cristã de lado, a mesma coisa vale para viagens.

“Ou a vida é uma viagem ou não é nada”, diz uma frase. O que eu entendo disso? Viajar é muito legal. Ponto. Mas o mundo é cheio de coisas legais. Fora que, pode acreditar, tem gente que não gosta de viajar, assim como tem quem não goste de novelas, filmes de ficção científica, filhotes ou sorvete. Eu não entendo essas pessoas, mas respeito o gosto delas.

clichês de viagem

Tem quem não perceba a alegoria dessas frases de Facebook e leve tudo ao pé da letra, gente que acredita que “viagem” é a resposta para todos os problemas da humanidade. Não aguenta mais seu chefe? Viaje. Está endividado? Viaje. Com problemas de saúde? Viaje. Se sentindo sozinho? Viaje. Não sabe o motivo da vida, do universo e de tudo mais? Viaje.

Viajar pode ser uma coisa legal, pode te ajudar a crescer, a ter uma vida mais feliz, a se sentir mais realizado. Pode. Assim como muitas outras coisas podem – ou não, dependendo do contexto. Dependendo de você. Viajar não é uma espécie de deus milagroso que resolve todos os problemas, traz a pessoa amada de volta em três dias e deixa todo mundo felizão. Vale lembrar que o contrário também é um problema: o Robin receberia um tapa na cara se afirmasse que quem resolve viajar está necessariamente fugindo da realidade e evitando encarar os problemas.

Clichês de viagem

Se você lê este blog, é provável que você seja uma pessoa privilegiada. Digo isso não por causa do 360, mas porque toda comunicação é direcionada para alguém e qualquer veículo de comunicação tem um leitor modelo. No nosso caso, nossos leitores médios têm entre 18 e 34 anos, estão cursando ou já têm curso superior e têm renda familiar de cerca de 10 salários mínimos por mês. Portanto, são pessoas que têm condições de viajar, podem sonhar em conhecer Paris ou passar as férias na Tailândia, afinal não não fazem parte da camada mais pobre da população, aquela cuja preocupação principal é colocar comida em casa.

Dito isso, fica fácil perceber como o discurso do “viajar te torna uma pessoa melhor e mais tolerante” é uma prova absurda de intolerância e arrogância. E os que não podem viajar? Ou, de novo, e os que até têm dinheiro para fazer isso, mas simplesmente não querem cair na estrada? Seriam pessoas piores? Claro que não.

Sim, viajar pode quebrar preconceitos, promover crescimento pessoal e mudar a forma de pensar das pessoas, mas de novo o foco está no pode. Já conheci gente viajada, que já esteve em dezenas de países, e continua sendo muito… racista. Acontece.

Da mesma forma que conhecer outras culturas pode te tornar uma pessoa mais tolerante, um bom livro, um bom filme, uma boa música, novela, uma conversa com o vizinho ou um bate-papo saudável com amigos também podem. Ninguém se torna automaticamente melhor, mais interessante e tolerante ao fazer as malas e conhecer outros países.

clichês de viagem

Não sei quem começou com essa moda. Há textos em blogs gringos, publicados em 2012, que defendem a ideia, que supostamente veio de outra onda, o da idealização da mulher que lê. “Namore uma garota que viaja. Namore uma garota que vai preferir guardar dinheiro para viajar do que para comprar sapatos e roupas”, diz um deles.

Não demorou para vir a versão masculina do texto, garantindo que os caras que viajam são muito mais legais. E ainda teve o discurso contrário – o melhor era não namorar com uma pessoa que viaja, afinal ela/ele eventualmente vai resolver jogar tudo pro alto e seguir pela estrada, enquanto você chora sozinho no acostamento.

Por sorte quase ninguém leva essas mensagens a sério –  as pessoas se relacionam com quem conhecem, se interessam e apaixonam, ponto final.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Autor

  • Rafael Sette Câmara

    Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.


Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Be the first to write a review

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

70 comentários sobre o texto “7 clichês de viagem que merecem um tapa na cara

  1. Descobri o blog, fui de um post a outro, freneticamente.
    Embarco daqui um mês para a minha segunda viagem sozinha (super animada)!!
    Adorei esse post aqui, mas o que queria comentar na verdade é outra coisa.
    Fui muito relapsa nos outros post, mas neste acabei lendo um detalhe: na descrição do autor “jogos do América”.
    hahahahaha muito bom!!!
    Parabéns!

  2. Muito bom este artigo. Ao meu na verdade tem gente que viaja para dizer aonde esteve ao invés de estar e aproveitar a magia do momento.

  3. “Somos sonhadores que acreditam que grandes jornadas mudam a vida das pessoas. Ao todo, já estivemos em mais 30 países e queremos estimular outros a fazerem o mesmo.”

    Gosto muito do blog de vcs.Não gostei , entretanto, do ” tapa na cara ” em razão de diferenças lingísticas ou divergências de opinião.

    1. Lamento saber disso, Aldema. Você pode explicar com o que não concordou ou não gostou deste texto?

      Abraço e obrigado pelo comentário. 🙂

      1. Na abertura do blog , encontrei uma afirmação sensível e de incentivo para que as pessoas viajem . Surpreendi-me, depois, com a agressividade do ” tapa na cara” de quem faz escolhas diferentes das suas. Também não gosto de viajar com pacote, mas é melhor que assim o façam do que permanecer em casa com medo de viajar sozinha. O texto tornou-se prescritivo e normativo -parecendo gramática tradicional, com certo e errado, ou … leva um tapa na cara. Isso é diferente de vcs – ao menos, do que penso de vcs. O erro, entretanto, pode ser meu…pode ser uma interpretação equivocada. Boas viagens!

        1. Adelma, aqui no 360 a gente aceita toda discordância e sempre tenta crescer com elas. Ainda mais quando a discordância é feita educadamente, como a sua. Por isso, agradeço pelo seu comentário, de coração. 🙂

          De qualquer forma, eu acho, sinceramente, que você não interpretou o texto corretamente. Em primeiro lugar, o “tapa da cara” é uma brincadeira, um meme da internet. Não é para ser agressivo – isso é uma piada que roda o Facebook há anos, sempre com a imagem do Batman. Ninguém leva esse “tapa” a sério”. Muito pelo contrário, todo mundo sabe que é uma piada.

          Mas, mais importante do que isso, acho que você não pegou a ideia do texto mesmo: a única coisa que esse texto quer dizer é “viaje da forma que você quiser. Faça o que você quiser. Viaje de pacote, de mochilão, em viagem de luxo, de experiências. Tanto faz. A escolha é sua e ninguém deve te julgar por isso”.

          Repare que quem leva o “tapa” é quem tenta ser, como você disse, “prescritivo e normativo” em relação a outros. Enfim, você não gostou do texto pelos motivos que apontou, mas eu defendi no texto justamente o contrário do que você entendeu.

          Leia de novo, com coração aberto. 🙂 Talvez você perceba que o sentido do texto é o oposto do que você tinha pensado quando leu pela primeira vez. Essa é a ideia.

          Grande abraço e, mais uma vez, obrigado por ter comentado.

          1. não achei legal a abordagem, li e reli e tentei entender com o coração aberto e não consegui, infelizmente. Alguns pontos foram interessante, mas de resto, por exemplo uma pessoa fanática por viagens como creio que a maioria que acompanha o Blog é, assim como eu, não tenham gostado de algumas coisas.
            mas no geral foi interessante para vermos outros pontos de vistas, algumas pessoas que conheço não gostam de viajar e devem pensar dessa mesma forma aí que está descrita, rsrs

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.