Quem disse que não pode mochilar depois dos 40?

“Achei que eu era uma aberração, até encontrar outras aberrações como eu na Europa”, disse uma leitora do blog na pesquisa de opinião que realizamos há poucos meses, “Nos sites que leio, fico com a impressão de que viajar pelo mundo de mochila nas costas é só coisa de gente jovem”. No campo para informar a idade, ela foi uma das poucas pessoas a marcar as opções que iam entre os 45 e 64 anos: apenas 8.6% dos nossos leitores.

Não dá para culpá-la por se sentir assim. Toda a mídia gerada em torno do estilo de vida mochileiro sempre mostra pessoas jovens carregando seus mochilões, interagindo com locais, praticando esportes radicais. No imaginário coletivo, a figura do mochileiro é a do viajante nos seus vinte anos, sem filhos, sem empregos cobiçados, sem financiamentos, sem hora para voltar para casa e com muita disposição para viajar por longos períodos com um orçamento apertado.

Viajantes de meia idade

Na blogosfera, inúmeros blogs e perfis sociais que compartilham dicas e experiências da mochila contribuem com isso: a grande maioria é escrita por jovens na casa dos 20 ou 30 anos, talvez por serem parte também de uma geração que tem mais afinidade com os meios digitais.

E talvez a leitora não estivesse errada ao constatar que mochileiras como ela são mais raras. Todo mundo que já fez uma viagem do tipo sabe que não é impossível ver pessoas com lá seus 50 anos de mochila nas costas, mas a chance de trombar com companheiros de estrada mais novos é muito maior. E é fácil de entender a razão. Não é todo mundo que aceita passar por algumas restrições mochileiras depois de uma certa idade. A começar pelo peso da mochila, embora esse não seja um item indispensável.

Leia também: “Deveria estar em casa cuidando da neta, fazendo tricô e não por aí viajando”

Viagem ao Stonehenge

Por outro lado, eu conheço também vários jovens que não se identificam com esse estilo de viagem e preferem os pacotes, os grupos, os resorts e as mordomias. Por isso, fico me perguntando se a idade tem realmente algo a ver com tudo isso. Para mim, me parece mais uma questão de estilo de vida, uma forma de explorar o mundo.

Quem é mochileiro, no fim das contas?

Embora a imagem do mochileiro seja sempre associada a quartos coletivos de hostels e muitos perrengues em nome da economia, o que pode mesmo afugentar pessoas mais velhas, essas características, apesar de estarem presentes em muitos casos, não são as definidoras da vida backpacker.

Ao meu ver, o mochileiro é aquele que prefere investir em experiência em detrimento do luxo e das compras (por isso é difícil imaginar um mochileiro em um Ceasar Palace da vida). É quem viaja buscando aprender com o destino e não apenas descansar da rotina estressante. É quem busca troca com os habitantes locais pois acredita que o intercâmbio entre culturas faz bem para a humanidade. É quem prefere organizar a viagem por conta própria para ter mais controle do roteiro e das atividades para ter certeza de que vai aproveitar o máximo possível. Se nem mesmo a mochila é indispensável, que dirá a idade.

Viagens de mochilão

Por que mochilar na meia e na melhor idade?

Mochilar com mais dinheiro que nos seus 20 anos

Em geral, a situação financeira da gente tende a melhorar ao longo da vida. É claro que isso não é uma regra e várias coisas podem acontecer ao longo do caminho. Mas olhando amplamente, é assim que funciona. Por isso, você não vai ser obrigado a passar por diversas situações que mochileiros mais novos enfrentam não porque gostam, mas porque precisam, o que pode melhorar bastante a sua viagem.

Eu já consigo perceber os efeitos disso. Hoje viajo com mais grana que viajava aos 23, quando fiz a volta ao mundo. E faria muitas coisas diferentes. Em Hong Kong, por exemplo, quase não conheci a culinária local porque precisava conter – e muito – os gastos, e o combo do Big Mac lá era a comida mais barata que eu conseguia comprar. Em outras ocasiões, acabei deixando de lado experiências como passeios, mergulhos e aulas de surf porque eu simplesmente não podia pagar por elas.

Homem velho na bicicleta

Entre a comunidade de mochileiros de língua inglesa surgiu, há alguns anos, o flashpacker. O termo é usado para designar viajantes, muitos deles mais velhos, que deram um upgrade no estilo mochileiro de viagem e ficam em hospedagens mais confortáveis e querem um padrão de serviço mais elevado, mas sem abandonar o espírito de liberdade, imersão e experiência dos mochilões. Eu acho isso uma bobagem. Para mim, essas pessoas continuam sendo mochileiras, mas com uma conta bancária mais gorda que as outras.

Você ficou mais esperto com o tempo

Aos 40, 50, 60 anos, você não vê o mundo da mesma forma que aos 20. Pelo menos foi isso que me contaram. Você vai interpretar os acontecimentos e aprendizados da sua viagem de uma forma bem diferente da que interpretaria aos 20 anos. Você vai ter mais sabedoria para lidar com situações diversas e entender as culturas estrangeiras (assim espero!). Sem falar que toda a bagagem de conhecimento que você foi acumulando ao longo da vida tem que servir para alguma coisa, não é mesmo?

Você só vive uma vez

Talvez você não tenha tido a chance de viajar quando era mais jovem e se arrependa por isso, mas acha que já passou da idade. Esse tempo nunca vai voltar. Você nunca mais vai poder mochilar aos vinte anos outra vez, mas o que te impede de fazer isso agora? Esse é o momento que você tem nas mãos e não há outro melhor. Há alguns anos, no início do 360meridianos, nós escrevemos sobre um senhor nonagenário que assustou toda a família quando resolveu que ia começar a viajar. “Eu não queria chegar aos 95 e me arrepender de não ter viajado aos 90”, disse ele.

Idade para viajar

Você decide tudo

“Quero mochilar, mas estou muito velha para hostels”. Então não fique em um! Vá para um apartamento alugado, uma pousada ou hotel-boutique ou, se quiser, alugue um quarto privado no hostel mesmo (tem inúmeras vantagens em um, acredite!). “Mas eu não dou conta mais de bater perna o dia inteiro!”. É só fazer roteiros mais tranquilos, passar longos períodos nos lugares e abusar do transporte público. Seja qual for a sua restrição à viagem mochileira, existe uma forma de contorná-la. A vantagem de ser um viajante independente é justamente essa: a palavra final é sempre sua. Sem regras, sem rótulos, sem problemas.

Você vai refrescar sua mente

Isso serve para todo mundo, mas acredito que pessoas mais velhas possam se beneficiar ainda mais da possibilidade de entrar em contato com novas ideias, formas de viver e pensar. Depois de passar uma vida inteira em contato com um padrão de pensamento, pode ser bem interessante e enriquecedor descobrir o que o resto do mundo tem a dizer sobre vida, religião, amor e felicidade, por exemplo. Sem falar que você ainda vai quebrar o ciclo repetitivo dos dias e voltar, quem sabe, com uma visão totalmente diferente da sua própria vida.

 Quer se inspirar? Conheça a história de um mochileiro de 95 anos.

Fotos: Pixabay


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

52 comentários sobre o texto “Quem disse que não pode mochilar depois dos 40?

  1. Gostaria mto de fazer um muchilão fora do Brasil minhas viagens são sempre aqui . Alguem tem alguma dica de como começar,e por onde , não falo frances ou ingles, então teria q começar por Portugal.

  2. Olá! Tenho 53 e sou casada há 30 anos. Meu marido detesta viajar de avião. Por esse motivo viajo sozinha numa boa! Já visitei Hamburgo, Berlim, New York, Londres.Agora estou planejando minha viagem para a California. Acho que não existe idade pra mochilar, desde q você curta fazer isso.

    1. Lesley também gostaria de companhia para viagem viajo muito sozinha agora vou para Grécia passar em Madrid e vou fazer um passeio por Portugal.

      Estou a procura de companhia para Tailandia , vietna e camboja

      bjs

  3. Meu primeiro mochilão é o que estou fazendo agora, depois dos 30 anos. Quando surgiu a oportunidade e o convite, pensei que estava muito velha para esse tipo de viagem. Mas não! Acho que “mochileiro” é bem isso mesmo…quem quer aprender e imergir em novas culturas. Claro, é cansativo a beça e às vezes tem coisas que quero fazer que não consizem tanto com meu perfil..como escalar um vulcão pra ver uma lagoa escondida em sua cratera…hahaha
    Mas faço assim mesmo!!
    Não troco por nada esse novo estilo de vida que adotei há mais de um ano.

    Ótima matéria, Natália. Adorei. Até mandei pra minha mãe pra ver se ela se anima a viajar mais…rs

    1. Margareth gostaria de saber mais sobre grupo de mochileiros apartir dos 40 anos tenho 54 anos me chamo sonia moro em Poa me divorcie a 4 anos e resolvi cuidar um pouco de mim agora curtir a vida que me resta até quando Deus quiser se tiver whats para me indicar te agradeço..obrigada

      1. Oi Sonia…..Já viajei sozinha outras vezes, mas sempre com pacote e tudo certinho!!Em outubro do ano passado, fiz meu primeiro mochilão para o Mexico(sozinha) e posso te jurar q foi a melhor coisa da minha vida…vale muito a pena!!Estou planejando o próximo….Abraços Isa

  4. Viajar sozinha é uma grande experiência. Depois de separada, tenho feito viagens curtas, de uma semana, fico em hostels, quarto privativo, ando bastante à pe´, pedalo, por enquanto no BR. A cada viagem encontro mais mulheres na estrada, de todas as idades, fazemos boas parcerias, rachamos despesa, dou carona.
    Gosto de conhecer gente apaixonada pela estrada como eu.
    Tenho 51, pretendo viajar muuuuito.

    1. Ana, adoro escutar histórias como as suas. E que bom que você tem notado que mais e mais mulheres de todas as idades estão viajando.

      Te desejo ainda muitas aventuras.

      Abraços

  5. Tenho 43 e mochilo nas férias. 20 dias aqui…10 ali e ja foram 50 países. Estou indo pra Africa em novembro e ficarei na casa de couchsurfers, mas sempre escolho um lugar pra ficar num hotel e relaxar. Nessa próxima viagem escolhi um em Zanzibar. Essa é a melhor fase! Quando me aposentar é que não sei se terei grana pra isso! Kkkk

  6. Tenho quase 54 anos e ja mochilei para Argentina (ushuaia, El Calafate, etc), Peru (Cuzco, Puno, Arequipa,etc), Canadá 2x e San Andrés e Providencia… Enquanto tiver um pouco de dinheiro, saúde e disposição eu tô mais é indo !!! 😉

  7. KKKK fazer mochilão é contagiante, estarei partindo para mais uma aventura no dia 21/12, para o Chile, se tiver alguém nessa data por lá podemos combinar de trocar informações….Comecei a fazer viagens de mochilão depois dos 40 anos, e estou adorando…

  8. To indo pra Tailandia dia 27 de março de 2016 e terei 44 anos e acho super de boa ficar em hostel .Ainda mais que vou sozinho e o hostel é a melhor forma de conhecer pessoas do mundo todo …se alguém tiver indo na mesma época me escreva [email protected]

      1. Amei esta reportagem, Natália! Tenho 52 anos e amo viajar. Estou super empolgada com a ideia de por uma mochila nas costas e partir.. a princípio, sozinha pois não encontro outros cinquentoes destemidos como eu!

  9. E pensando nesse público – que, pelo visto, o 360 tem -, não seria legal ter um(a) jornalista (ou varios) também com esse perfil escrevendo para esse leitor? Se eu puder ajudar com alguma informação ou ação para que isso aconteça, estou à disposição!

  10. Tenho 50 anos, sou solteira, morava no Japão sozinha, daí eu resolvi conhecer Paris, onde tenho 1 irmã casada c/ francês, mas de lá, parti p/ viagens sozinha, fiquei em Hostel em Londres, dormi num quarto apertado, e só tinha homem, mas não fiquei com medo, porque eu acho que não tem perigo nenhum. Foi tudo tranquilo, depois fui para Roma, fiquei em um quarto privado, e em Portugal, fiquei na Pousada, c/ quarto privado. Eu não pesquisei muito os hostels, porque eu não me achava mochileira. Mas, vendo aqui, acho que sou uma mochileira sim. Eu sou super economica, faço todos os passeios em museus gratuitos, ando à pé, pego metrô e ônibus também, sei me virar, sem falar inglês. Mas, foi tão bom, que saudades dessas aventuras.

  11. Estou partindo para o meu quinto mochilão, e estou nesse grupo acima dos 45 anos de idade, o meu arrependimento é de não ter começado antes…Exatamente daqui 24 hs e 14 min. estarei partindo para mais uma aventura,dessa vez para o Perú…vamos que vamos, Mochilão é a melhor maneira de conhecer novas culturas.

      1. Olá como sempre mais uma aventura maravilhosa, novos amigos de várias partes do mundo,Lima é um lugar incrivel, mais um mochilão para ficar na memória…

  12. Eu fiz meu primeiro mochilão aos 42 anos, fiquei em um hostel em Montevideu. Gostei tanto que repeti a dose depois indo para Cartagena. Fiz muitos amigos de várias idades, nacionalidades e é isso que a gente leva da vida. Esse texto me animou mais ainda.

    Abs,

    Marcelo da Rosa

  13. Oi…tenho 52 anos (sou amiga de sua mãe, Nathália). No inverno de 2014/2015 viajei com minha filha num estilo bem próximo de um mochilão. Organizamos o roteiro, adquirimos as passagens e nos hospedamos em hostel. Em quartos privados com banheiro quando o tempo era maior e em quarto compartilhado quando era apenas por uma noite. Achei a experiência incrível. Quero repetir sempre. O difícil é convencer as amigas a seguirem comigo. Não largo mais a mochila.
    Ótimo texto.

    1. Olá Denise! Que legal! Tá precisando contar essa história pra minha mãe pra ver se ela se anima também 🙂 Espero que faça muitas outras viagens como essa!

      Abraços!

      1. Olá,Denise e Luiza, tenho 60 anos e estou tentando me aposentar,o meu projeto pós aposentadoria é exatamente virar estilo mochilão, quando isso acontecer se vcs ainda estiverem querendo cia, a gente pode combinar uma bela viajem. Quero passas 3 meses viajando pela Europa(já estou trabalhando nesse projeto) e pensando o próximo mochilão. Meu nome é Solange.Abs!

  14. Gosto muito de viajar, mas não me considero um “mochileiro” porque gosto um pouquinho mais de conforto que o estritamente necessário kkkkk e não pretendo parar depois dos 40, 60, 80….

  15. Eu me considero uma “mochileira de rodinhas”. Gosto do estilo mochileiro de exploração dos locais, mas não abro mão do conforto de uma mala de rodinhas e de um orçamento não tão apertado a ponto de passar muita vontade. Várias vezes deixei de ir a algum lugar porque não ia ter dinheiro pra fazer nada lá além de andar na rua. Não sou tão desapegada e aventureira. rsrs

    Quando comecei a ler esse post lembrei de uma reportagem que vi há muuuuito tempo sobre uma senhora que vive em cruzeiros desde que ficou viúva. Desde então já decidi meu destino pós-aposentadoria. Lembro que na época ela disse que a escolha também foi influenciada pelos preços, já que pagaria sensivelmente o mesmo morando num lar de idosos. Não sei se é verdade, mas pode fazer sentido (e vale a pena fazer as contas, vai que…).

    Sendo a mesma senhora ou não, segue mais uma inspiração: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/turismo/2015/01/22/interna_turismo,467616/viuva-aposentada-gasta-cerca-de-r-430-mil-para-morar-em-navios-de-cru.shtml

  16. Grande partilha com a qual me identifico bastante e obviamente estou de acordo.
    Não cheguei aos 40, e acho que o facto de ser mochileiro não tem a ver com a idade mas sim com o estado de espírito.
    Eu sempre viajei dessa forma, e se houver parques de campismo…. melhor ainda ! (Qdo estes não são mais caros que uma noite num hostel barato.
    Adoro conhecer as pessoas locais, assim como a aura do local em si, o que não é possivel com as tradicionais férias para o turista ver.
    Cumprimentos a todos e bom post.

  17. Não posso dizer que sou mochileira, mas amo o modo independente de viajar. Já fiquei em hostels, aqui no Brasil, no exterior procuro pousadas ou hotéis mais econômicos, pois gosto, mais do que um quarto privativo, de um banheiro só meu !
    Outro objeto de desejo dos maiores de 40 tem sido os intercâmbios para aprender ou melhorar o conhecimento de uma outra língua. Até algum tempo atrás, isso era coisa de jovens… Estou planejando uma temporada em Nova York para estudar inglês!
    Acredito na vida e enquanto viva eu for, quero realizar meus sonhos.
    Estou com 46 anos!

    1. Realmente, a procura por intercâmbio para pessoas mais velhas tem crescido bastante! Algumas agências têm lançado pacotes específicos para essa faixa etária, e eu acho isso incrível! Nunca é tarde pra gente realizar nosso sonhos.

      Abraços

  18. Comecei a viajar a 2 anos e me apaixonei. Fiz uma tímida viagem a Bali e depois disso não parei mais.Vieram Tailandia,Paris ,Vietnam e alguns lugares do Japão ( onde vivo )e já tenho 2 viagens agendadas para os próximos meses. Uhuuu! 🙂
    Infelizmente viajo menos do que gostaria ,por causa do trabalho,mas tenho como meta 2 viagens internacionais por ano, no mínimo. Já fiquei tanto em albergues ,como em resorts. Depende do meu estado de espírito e do meu bolso. E adoro me aventurar,conhecer pessoas,vencer obstáculos ,assim como qualquer outra idade. Sou mochileira ?sou turista? Não importa.
    Quisera eu ter começado antes,mas nunca é tarde e ainda quero conhecer o mundo.
    Roseli, 40 anos em 2015
    🙂

  19. ahaha, Natalia, escrevestes para mim este post! Além de ter começado a viajar só perto dos 30, com longas interrupções por compromissos, problemas financeiros, nascimento de filha, etc., agora me vejo escrevendo um blog de viagens aos 46 anos e isso só me faz me sentir jovem e desafiada. Já sugeri a meu marido fazermos um mochilão, ficar em hostel, etc. Ele disse que prefere o peso da mochila, mas o conforto de um quarto e banheiro privados. Mas vou te contar um segredinho: tem diferença, sim, e não é a mochila, você tem razão. Aos 20 e poucos anos somos invencíveis, sabemos de tudo e (quase) nada nos amedronta. É sem dúvida o momento ideal para mochilar! Aproveitem 20-year olds! abraços

    1. Ei Márcia, já tentou propor ao seu marido de vocês ficarem em quartos privativos de hostel? Alguns tem até banheiro privado também. Eu também não curto muito quarto compartilhado (mas fico, se o orçamento pedir rs), mas amo o ambiente de hostel. Quartos privados em hostels são meu tipo de hospedagem favorito. =)

      Abraços

      1. É verdade, a interação entre os hóspedes é bem legal. Mas eu queria “brincar de mochileira”, ter a experiência completa! ahahaha Às vezes ficamos em B&B que também é bacana para conhecer pessoas. Abraços e parabéns pelo blog. Estou virando fã, só falta a carteirinha.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.