fbpx

Sobre topless na praia e liberdade

Eu não posso dizer que sempre tive vontade de fazer topless, porque seria mentira. Na verdade, a ideia me causava medo e vergonha. Mas, de uns anos para cá, cada vez mais ia criando a coragem e aumentando minha curiosidade de como seria aproveitar uma praia sem a parte de cima do biquíni para incomodar.

Aqui na Europa as pessoas realmente fazem topless numa boa, mas isso varia um pouco de uma praia para outra. Quando eu cheguei no Algarve, percebi que era quase uma média de 40% das mulheres, jovens ou mais velhas, de peitos livres. E ninguém ficava encarando elas ou sendo desagradável. Se alguém olhava duas vezes, eu não reparei.

E depois de observar o movimento por dois dias, mas ainda sem ter coragem, vi a minha oportunidade chegar depois de uma hora de caminhada no sol de duas da tarde, quando chegamos numa praia bem vazia, de difícil acesso, e meu biquíni estava me incomodando extremamente.

Eu entrei no mar assim que finalmente pisamos na praia e quando olhei para a areia, um grupo de três amigas estava lá, de boas, sem o “sutiã”. Foi minha gota d’água, minha força, meu grito de liberdade. Falei, com um bom sotaque português, Fo-da-se (eles têm uma cadência engraçada para essa palavra, rs) e tirei a parte de cima.

Liberdaaaaadeeee, gritaram os mamilos com o contato gelado da água do mar fresquinha.

Sair do mar e caminhar pela areia, na primeira vez, foi um pouco mais constrangedor, mas só por um ou dois minutos até eu perceber que ninguém estava dando bola para os meus comuns peitinhos. Afinal, todo mundo tem, gente!

tatuagem luiza rosa dos ventos

Eu me senti genuinamente feliz com a experiência. Me lembrou de uma história que rolou no ano passado, quando ganhei um voucher para um Spa chique em Berlim e entrei no site para ver como era. Entre as informações havia um aviso de que era permitido circular pelado pelo recinto. Logo, questionei umas amigas que moram na Alemanha. Minha lógica era: “aff, esse povo fica chocado com biquíni brasileiro, mesmo os que não são fio dental eles consideram pequenos demais, falam que a gente é liberal e blablabla, mas eles ficam andando pelados por aí”.

E então recebi uma resposta maravilhosa, que guardei para a vida: “A questão é que o biquíni brasileiro é utilizado para seduzir, sensualizar. E a galera só quer andar pelada pela liberdade disso”. E, para completar, no nosso querido país, topless é crime de ato obsceno e pode dar pena de até um ano de prisão, ou multa. 

Nós somos criadas, como mulheres, tentando lidar com a sexualização constante dos nossos corpos, ao mesmo tempo que aprendemos que eles nunca serão bons o suficiente. Sentimos culpa de não ter um corpo perfeito, sentimos culpa por mostrá-lo demais e também sentimos culpa se queremos escondê-lo (como o que está rolando na França agora, com a proibição dos burkinis).

Leia também: Sobre dietas, viagens e nossa relação com o corpo

A minha neura, por exemplo, é que meus peitos são pequenos. Mas tem gente que tem neura que eles são caídos, tem estria, são grandes demais, não tem o formato ideal-igual-da-revista. Enfim, colocar meus peitinhos de fora e aceitá-los como são, num ambiente não sexualizado, foi muito legal. Era só eu, meu corpo e as sensações de colocar o mamilo no sol, na água e no vento, algo que eu não devo ter desde os 7 anos de idade, sei lá.

A questão é que topless ou nudismo não têm nada a ver com mostrar seu corpo para os outros na praia. De obsceno definitivamente não tem nada. Muito pelo contrário, é um grito de liberdade e aceitação que duas pecinhas triangulares escondiam. E ninguém tem que fazer topless para se sentir mais ou menos livre. Ninguém é obrigada a fazer nada além do que a faça feliz. Mas não deveríamos ser proibidas de fazer isso só porque os mamilos alheios incomodam alguém.

Clube Grandes Viajantes

Assine uma newsletter exclusiva e que te leva numa viagem pelo mundo.
É a Grandes Viajantes! Você receberá na sua caixa de email uma série de textos únicos sobre turismo, enviados todo mês.
São reportagens aprofundadas, contos, crônicas e outros textos sobre lugares incríveis. Aquele tipo de conteúdo que você só encontra no 360 – e que agora estará disponível apenas para nossos assinantes.
Quer viajar com a gente? Então entre pro clube!

Avalie este post

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

21 comentários sobre o texto “Sobre topless na praia e liberdade

  1. Aqui em Portugal é muito normal as mulheres, as moças andarem em topless. Da mesmo forma que a maioria dos homens ou espera-se que os homens e rapazes na praia usem calções/bermudas, quem usa sunga curtinha também tem mais sensação de liberdade, mas tal como em muitos sítios o topless na mulher é algo reprovatório, as tangas nos homens têm olhares reprovatórios e os argumentos é que os apetrechos genitais ficam muito notados, mas fo-da-se as mulheres podem usar biquinis que quase não tapam nada então porque os homens não podem usar tanguinhas curtas e sentirem-se livres também? Eu tenho quase 34 anos, sou português, e sempre preferi usar sunga cavada para apanhar mais sol ter menos marca branca e usufruir da praia e do mar sem complexos, da mesma forma que eu acho que as mulheres podem e devem andar em topless como nós homens andamos em tronco nu

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.