Tags:

As pessoas que não veremos mais

Ao deixar a pousada às pressas, prometi para o dono que um dia voltaria ali. Não me lembro do nome dele e muito menos do rosto, mas sei que na noite anterior eu o tinha achado chato. Menos de 24 horas depois, o meu mundo inteiro desmoronava e eu me preparava para interromper a viagem e retornar ao Brasil. No meio do caos, o chato foi fundamental para que a volta repentina fosse possível.

Sou grato desde então e não foram poucas as vezes que me imaginei completando aquela viagem, que foi a primeira aventura internacional da minha vida, pela África do Sul. Ainda não aconteceu, seja porque a vida segue adiante enquanto fazemos outros planos ou seja porque, bem, porque tenho um medo irracional de voltar ao local onde eu estava quando o inesperado me deu um soco na cara.

Há cerca de um ano, depois de flertar com uma promoção de passagens para a África do Sul por algum tempo, mas não comprar, aceitei o óbvio. Eu posso até voltar ao país e completar a viagem, mas provavelmente nunca mais vou ver aquele sujeito que me ajudou. E nem o alemão que estava hospedado na mesma pousada, ficou sabendo do ocorrido e que, semanas depois, me mandou um e-mail querendo saber como eu estava, prestando sua solidariedade.

onde ficar em cape town

Cape Town, África do Sul

Os dois passaram pela minha vida – e no pior momento dela -, mas dificilmente cruzarão meu caminho de novo. Admitir isso me fez pensar em outras pessoas que guardo em minhas memórias, tanto as felizes quanto as tristes. Pessoas que nunca foram próximas de mim e cujos nomes e rostos me escapam, mas que foram importantes mesmo assim, e que seguem suas vidas em outros cantos do mundo.

E há aqueles que foram, num recorte específico de tempo, próximos de mim. Amigos de intercâmbios, de períodos morando fora. Pessoas que dividiram casa e comida comigo, com quem viajei para lugares inacreditáveis, conversei sobre assuntos diversos e partilhei de tudo um pouco: de festas a bares, de bebedeiras a ressacas, de mochilões a uma tarde sem nada de especial. Gente que foi, numa época irreal, como é típico dos intercâmbios, grande parte da minha realidade.

E mesmo que eu acompanhe as vidas dessas pessoas de longe, pelas redes sociais, eu nunca mais as vi – e talvez nunca retorne a ver. Pode até ser que eu reencontre uma ou outra um dia, mas muitas delas encerraram a passagem pela minha vida e eu pelas delas.

É estranho pensar na falsa sensação de proximidade que Facebook, Instagram e companhia limitada nos dão. Pela internet, acompanhei a viagem que a mulher que há seis anos hospedou três blogueiros brasileiros em Kuala Lumpur, de CouchSurfing, fez com a família, pela China. Nunca mais trocamos uma palavra, mas vi quando ela e a parentada toda subiram a Muralha.

O mesmo vale para o brasileiro que, também no CouchSurfing, aceitou receber três conterrâneos em Munique, permitindo nossa participação na Oktoberfest. Ele abriu as portas da própria casa, cedeu sofás, dividiu momentos e ganhou um queijo italiano, mas nunca mais trocou uma palavra comigo. Pelo Facebook, vi quando ele viajou pela Ásia e, mais recentemente, se casou.

Tendas Oktoberfest

Oktoberfest, em Munique

O afastamento não acontece só com quem conhecemos em nossas viagens, é verdade. Nos últimos cinco anos, vi pouquíssimas vezes ex-colegas de trabalho – e muitos deles não encontrei sequer uma vez. Pessoas com quem dividi quase todos os dias da semana, lanchei, tomei café, trabalhei pesado, fiz piadas, conversei e discuti, mas que hoje se transformaram em avatares, em mensagens de feliz aniversário e nada mais.

Francamente, não sei o que é pior: a era em que as redes sociais não existiam e que as pessoas desapareciam completamente de nossas vidas ou essa, em que uma falsa sensação de proximidade faz que nos afastemos de quem poderia estar mais perto.

Há uns meses, entrei no perfil de Facebook de um colega que faleceu em 2013, uma morte prematura. No dia em que a rede social lembrava que seria o aniversário dele, dezenas de mensagens de quem sentia saudade e lamentava a tragédia. E em duas ou três mensagens, perdidas no meio de todas as outras, alguém desejava feliz aniversário. E dizia: “vamos marcar de encontrar, temos que reunir a turma”.

Estamos todos ali, tão próximos, avatares vizinhos em várias redes sociais. Mas só.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

22 comentários sobre o texto “As pessoas que não veremos mais

  1. Olá Rafael, conheci teu blog hoje ao fazer uma pesquisa para cidades históricas de MG q estou programando para julho. Muito legal teus textos e fotos lindas, motivador para uma iniciante, como eu, na aventura de desbravar um pouco “out door”, depois de 15 anos num casamento in door, ehehehe. E sobre reencontrar pessoas, acho que essa consciência da possibilidade de um remoto reencontro serve para sermos o mais gentil e humano que pudermos ser enquanto durar cada pequeno ou mais duradouro encontro, é uma maneira de deixar um pouco de nós em cada um e levar um pouco do outro conosco, na lembrança, no coração… Vou seguir teu insta. Parabéns pelo Blog!!! Um abraço.

  2. Que texto [email protected]!!! Sempre que eu viajo sozinha (o que tem sido o modus operandi, ultimamente), faço questão de ficar em hostel. Neles, me torno a melhor amiga de infância dos meus roommates: bebemos, saímos, viramos a noite, fazemos trilhas, vamos em cachoeiras ou praias, mas quando retornamos para os nossos lares, dificilmente nos vemos novamente. Penso que eles vieram para a minha vida por algum motivo, para me ensinar alguma coisa; e quando esta missão é cumprida, se vão.

  3. Que texto lindo!!
    Sempre penso muito neste assunto.
    Carrego muita gente com carinho, talvez muitas nem lembrem mais de mim…rs…mas acredito no Universo e nas correntes de pensamentos positivos, então, de alguma forma, essas pessoas devem sentir uma onda de carinho, mesmo que distantes.

    Abraço!

  4. Muito lindo seu texto, Rafael. Ando melancólica pensando nisso. Passar mais tempo em lugares diferentes significa criar vínculos muito longe de casa e aí a chance de reencontro é pequena né? Estou passando por isso pela primeira vez e está sendo difícil – não aprendi a dizer adeus! haha :~

  5. Belo texto Rafael conseguiu expressar perfeitamente as situações, muito inspirado garoto. Outra coisa que acontece e que pode virar um texto interessante é aquela curiosidade/sensação sobre saber mais da vida das pessoas que encontramos nas viagens quais seus anseios, desejos, problemas e por ai vai, não sei se acontece com vocês mas eu sempre fico com esta vontade de saber mais de me inteirar mais, ou seja, cada vez menos quero turistar e sim conhecer.

    Mais uma vez parabéns. Abs

  6. Caramba… Que texto! Obrigada por dividir essas palavras!
    Chega a incomodar a efemeridade de tantos relacionamentos, presenciais ou virtuais… (não teve como não lembrar de Bauman)
    Continue a escrever textos que superem a superficialidade de nossa era!
    Abraços!!

  7. Tão vdd isso…chega a ser triste, mas essa é a realidade. Tanta gente que passou pelas nossas vidas, que nunca mais veremos. Pessoas que preencheram nossas vidas, e que hj nem contato temos…

  8. Parabéns por mais um excelente texto. Vocês conseguem fazer com que as pessoas do blog não só se interessem por viajar, não só obtenham ajuda a se planejar, mas fazem com que nós possamos refletir em nossas vidas de modo geral. O blog de vocês é fantástico, indico para todas as pessoas! Vocês me inspiraram muito a fazer meu primeiro mochilão sozinho e depois disso não consegui parar mais! Muito obrigado pelos textos, por favor, nunca parem!

    1. Mas não vamos parar mesmo, Gabriel. E é esse tipo de comentário que dá aquela força pra continuar.

      Obrigado, de verdade.

      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.