Tags:
Atlas: Salvador, Brasil

O dia em que García Márquez pediu dinheiro emprestado para um brasileiro

Muitos anos depois, ao recordar suas viagens pelo mundo, ele se lembrou do dia em que chegara ao Brasil sem nada no bolso. O que na época foi um perrengue – e um daqueles dignos de desespero – rapidamente se converteu numa boa história de bar. É a armadilha da nostalgia, ele diria a amigos, “que tira momentos amargos de seu lugar e os pinta de outra cor, só para colocá-los de volta de uma forma que eles não incomodam mais”.

Gabriel passava longe de ser um viajante inexperiente. Foi o jornalismo que o fez cair na estrada, percorrendo cada cantinho da América Latina. Quando jovem, ele fora de Bogotá a Cidade do México, de Havana a Caracas, sempre no modo econômico. Viajava como um mochileiro: dormia em pensões baratas enquanto conhecia o mundo; se alimentava mal e bebia da mesma forma, sempre acompanhado de seus livros e filmes favoritos.

Veja também: A crônica de um viajante desesperado por dinheiro
Literatura do Ceará – José de Alencar e outros autores

A falta de dinheiro continuou em seus anos morando na Europa, período em que trabalhava como correspondente para revistas e jornais da América do Sul. Aos 30 e poucos anos, Gabriel vivia em Paris e sonhava com as ruas de uma cidade que não existia mais – a capital retratada por alguns de seus escritores favoritos.

o que fazer em paris torre eiffel

Nunca deixou de retornar para casa, na Colômbia, e foi lá que ele se casou com Mercedes e que acompanhou o nascimento de seu primeiro filho. Simpatizante de Fidel, bastou a revolução para levar a um período morando em Cuba, mas logo toda a família se mudou para o México. Décadas depois do surgimento da aviação comercial e em plena Guerra Fria, ele já vivia como um nômade, mesmo sabendo exatamente onde estavam suas raízes.

E assim o jornalismo virou, de uma vez por todas, literatura. Foi no começo dos anos 1960 que ele publicou seus primeiros livros. O maior trabalho, aquele que garantiu um lugar entre os grandes e renda em vários países do mundo, foi publicado em Buenos Aires, quando o escritor tinha 40 anos. Era um romance inspirado na casa de seus avós e que foi traduzido para 37 idiomas. O sucesso trouxe nova mudança e a família toda foi viver na Espanha, onde passou quase uma década.

Dezenas de milhões de cópias e um Prêmio Nobel mais tarde, Gabriel García Márquez tinha uma vida tranquila e dividia seu tempo entre a Colômbia e o México, casa adotiva. As viagens aumentaram de ritmo e foi nesse momento que ele desenvolveu o costume de encarar a estrada sem nada no bolso, mas não por falta de dinheiro. Assim como outros escritores, Gabo evitava as casas de câmbio. Ele aproveitava as viagens para ir ao banco e sacar o que recebia, já em moeda local, pela tradução e venda de seus livros naquele país.

Veja também: 
A Cartagena que fez Gabriel García Márquez sonhar
O extraordinário na América Latina de García Márquez

A tática funcionou perfeitamente e evitou a perda de algumas centenas de dólares em taxas de câmbio. Até o dia em que ele desembarcou pela terceira vez no Brasil. Era 1990, ano de Fernando Collor de Mello e do confisco das poupanças. Com as contas congeladas por 18 meses e os saques limitados a pequenas quantias, García Márquez, já rico, se viu sem dinheiro nenhum. Para continuar a viagem, a saída foi pedir ajuda. Ligou para um amigo.

“Jorge, preciso de dinheiro emprestado”. Da mesma forma que, num momento assim, hoje abriríamos o Whatsapp e recorreríamos a amigos, García Márquez buscou na agenda o número de um velho companheiro. Do outro lado da linha estava o autor de Dona Flor e Seus Dois Maridos e Gabriela, Cravo e Canela. E assim Jorge Amado foi convocado por Gabriel García Márquez na hora do aperto. Cada um aciona os amigos que tem ao alcance.

Casa do Rio Vermelho

Não sabemos se Jorge Amado emprestou o dinheiro e como e quando os escritores acertaram a dívida. Na verdade, essa história é pouco conhecida – é mencionada num vídeo exibido na Casa do Rio Vermelho, em Salvador, que por 40 anos foi moradia de Jorge Amado e Zélia Gattai. Nele, o cineasta Guido Araújo diz que o caso foi contado pelo próprio García Márquez, numa mesa de bar.

Hoje a Casa do Rio Vermelho funciona como museu e conta essas e outras histórias. Funciona de terça a domingo, das 10h às 17h. Fica na Rua Alagoinhas, nº 33, em Rio Vermelho, e a entrada custa R$ 20.

Jorge Amado


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “O dia em que García Márquez pediu dinheiro emprestado para um brasileiro

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.