Tags:
Atlas: Brasil

Vai pro litoral e não come frutos do mar? A triste vida das pessoas “frescas”

Minha mãe me apresenta assim, toda vez que vou comer na casa de algum conhecido: “Não repara, não, que ela é fresca mesmo”. Já estou até acostumada. Sabe aquela pessoa chata que fica catando a cebola, pimentão e outras coisinhas e colocando de lado no prato durante uma refeição? Não me orgulho de falar isso, mas é a verdade e todo mundo que convive comigo já passou por alguma revolta com isso em algum momento.

O problema não seria tão ruim, se eu ficasse somente nisso, mas a lista de coisas que eu viro a cara é extensa. Vou logo mandando a bomba: eu não gosto de chocolate e viro a cara para 99% dos doces. A exceção fica por conta do brigadeiro, é claro. Afinal, é pecado ir em festa infantil e não curtir essa maravilha dos deuses. E entre tantos problemas, um sempre aparece – sou daquelas que vão pro litoral e não come frutos do mar, incluindo peixe. Prazer, eu.

Dá uma vontade de chorar quando o prato chega e vem peixe. Por mais bonita que a apresentação esteja. Não dá!

Há uma piada entre as minhas amigas de que na hora de escolher qual caipirinha a gente vai beber, ninguém nem precisa me perguntar. Será sempre de limão, pois qualquer outra fruta mais moderninha eu dispenso. Minhas restrições são tão grandes, que eu acho que já passei do nível paladar infantil. A Naty já até escreveu sobre o tema aqui no blog e dei uma leve risada enquanto pensava: sabe de nada, inocente!

carne de carneiro arroz banana não come frutos do mar litoralPor mais difícil que seja o paladar, se juntar uma porção na outra, sai uma refeição. Carne de carneiro com arroz e banana, em São Luis

Eu já estou acostumada a separar comida no cantinho do prato e a pedir uma porção diferente do restante do grupo, mesmo que isso me saia mais caro na hora de dividir a conta. O que é realmente um problema é quando estou viajando e as opções ficam ainda mais escassas. Principalmente se a viagem for pelo litoral, afinal, além de tudo, eu também não como nada que venha do mar. Ou, como eu digo, nada que faça glub-glub. É chegar a hora de comer e eu já penso: E agora, José?

Venhamos e convenhamos, frutos do mar não são uma coisa que dá pra você separar no prato e deixar num montinho. O cheiro e o gosto do camarão, por exemplo, permanecem impregnados em tudo o que ele toca, por muito tempo. E quando você não gosta de algo, consegue sentir a quilômetros de distância. No supermercado, essa é a parte que eu costumo ignorar e passar correndo. Junto com os restaurantes japoneses.

Vale de tudo na busca por pratos sem frutos do mar. Na foto, um delicioso risoto com carne. Prato do chef Bruno Schmatz

Na praia, sou a rainha do queijo coalho. Nessas horas eu agradeço por ter nascido em Minas Gerais. E é sempre mais econômico do que comprar uma porção de camarão. Toma essa!

Mas e quando não tem queijo, bife, frango, ovo e nem a mãe pra fazer um prato especial só pra você? A alternativa, se não tiver nada sem frutos do mar no cardápio, é sair montando um prato e ver no que vai dar. Isso também chega a ser a solução pro pessoal vegetariano, pros veganos e para aqueles com outras restrições alimentares. Está longe de ser o ideal, mas é o que temos pra matar a fome.

Durante a minha ida para a Rota das Emoções, passei nove dias viajando pelo nordeste e, na maioria dos restaurantes, sempre tinha uma opção que levava frango, bife de boi ou, em último caso, o bom e velho ovo frito. Vale apelar e fazer cara do gato de botas e, assim como eu, soltar que tem alergia.

não come frutos do mar litoral croquete de queijo com molho

O chef Bruno Schmatz, do restaurante Siará, em Jericoacoara, fez questão de preparar pratos especiais para o nosso grupo, que, além de mim, tinha também duas pessoas que não comiam camarões e outros frutos do mar. Mas em outros lugares, com o cardápio bem mais restrito, tive que me contentar com um ovo frito. Em outro, arroz, feijão, batata frita e salada. Mas é isso, com o passar do tempo, a gente se acostuma e aprende que tá tudo bem. A gente se adapta.

Contando dos meus perrengues no nordeste, a Naty falou que no grupo dela da viagem pra Alter do Chão, também tinha uma pessoa que não comia frutos do mar. A alternativa foi sair procurando lugares que vendessem alguma coisa que a pessoa pudesse comer, mesmo que o grupo fosse comer separado.

peixe delicia e carne ao molho madeiraAlternativa para todos os gostos. Peixe à delicia e carne ao molho madeira. Agradando a gregos e troianos

A conclusão a que posso chegar, meu caro amigo, é a de que se você é daquelas pessoas que comem de tudo, que não como eu, que vai pro litoral e não come frutos do mar, PARABÉNS! Mas se você é da turma dos que colam comigo, então já deve estar acostumado a se adaptar, a sair procurando o primeiro sinal de um prato amigo ou simplesmente já está operando no modo: NÃO PERTURBE. No meu caso, depois que eu fiz 30, larguei a mão de qualquer vergonha e assumi o meu papel de quem tem um paladar exclusivo. E se alguém encontrar a minha mãe por aí, diga que eu não sou fresca, sou apenas diferenciada.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Fernanda Pádua

Tenho BH como meu ponto de partida e o meu porto seguro. Entrei pela primeira vez em um estádio de futebol aos 10 anos e ali descobri que queria ser jornalista. 20 anos depois, me tornei repórter esportiva e viajante nas horas vagas. Fiz intercâmbio na Irlanda em 2016/2017, pra estudar inglês. Tenho um objetivo de visitar todos os estados brasileiros e metade dos países do mundo e já percorri boa parte do trajeto, mas várias histórias e paisagens legais ainda estão por vir.

  • 360 nas redes
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

11 comentários sobre o texto “Vai pro litoral e não come frutos do mar? A triste vida das pessoas “frescas”

  1. Ahhh entendo perfeitamente!! Amo o NE mas sofro um monte por isso…na Bahia então…odeio dende!! E la tem dende e cominho em td!! Aff!!Ja passei por situações que vinha de um jantar em que todos comeram camaroes fritos e outros, mas eu na volta pro hotel achei uma pizzaria pq estava morrendo de fome!!ACHO QUE FOI A MELHOR PIZZA DA VIDA!!!Embora coma algum file de peixe ou camarão, depende de como for preparado, o tipo, é complicado!! Normalmente não arrisco…Em casa se eu fizer não consigo comer mais nada pq parece que td fede!!kkkk Deixo a tarefa para meu marido e filha!! Minha filha diz que eu gosto de peixe que não tem gosto de peixe, pode? Aquele praticamente sem cheiro, sabor suave, quase um file de frango…Abs!!

    1. Eu te entendo PERFEITAMENTE! Eu sofro o mesmo! Faço brigadeiro com o mínimo de achocolatado possível (odeio os que são feito com chocolate mesmo). O povo fala q o meu brigadeiro é, na verdade, doce de leite condensado haahaha

  2. Sei bem como você se sente. Tirando alguns poucos frutos do mar, eu não comia quase nada que “fizesse glub glub” também hahaha Alguns poucos porque fui nascido e criado no litoral e acredito que seja impossível passar a vida imune a isso. Existia uma lista de coisas que eu não comia, incluindo cebola, pimentão, presunto, ovo, etc, etc, etc… Hoje, depois de estudar gastronomia e trabalhar como cozinheiro, posso dizer que, além de gostar de tudo o que citei acima, já comi mais coisas diferentes que a maioria das pessoas, incluindo orelha de porco, medula espinhal de boi, grilos, caracol e mais algumas iguarias de países que visitei. Tento não julgar pessoas que são “enjoadas” para comer porque já estive desse lado haha

  3. Diferenciada ou fresca, deve realmente ser difícil para alguém que trabalha com conteúdo sobre viagens. Embora eu seja o extremo oposto, o que come de tudo, eu respeito suas limitações de paladar…rs. Adorei o texto!!!!

    1. É muito complicado! Eu até tento fazer um esforço, mas acredito muito mais na palavra dos coleguinhas qdo falam se o prato está bom ou não. Sei que o meu julgamento nem sempre é o mais isento.

      Obrigada por gostar do texto!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.