fbpx
Tags:
Atlas: Tailândia

13 dicas de viagem para a Tailândia: tudo que você precisa saber

Não sei você, mas eu sempre sonhei com uma viagem para a Tailândia. Motivos para isso não faltavam: praias maravilhosas, cultura única, povo acolhedor, incontáveis templos e cerimônias dignas de cartões-postais. Isso sem falar na famosa vida noturna e cultural de Bangkok, capital incontestável do Sudeste Asiático. E esse foi um dos sonhos que eu realizei mais de uma vez: já estive três vezes no país, explorando diferentes regiões e aspectos da cultura tailandesa. Essa história você lê aqui, nas dezenas de posts que contam tudo sobre esse lugar fascinante. Mas, antes, vamos ao beabá de como planejar uma viagem para a Tailândia.

1. Viagem para a Tailândia partindo do Brasil

Há várias opções de voos para a Tailândia. É possível fazer conexão na Europa, com empresas como a British Airways; ou no Oriente Médio, em voos da Emirates e da Qatar Airways; e ainda via Johanesburgo, com a South African Airways e de lá pegar uma conexão sentido Bangkok. Também dá para entrar na Tailândia pelos aeroportos de Chiang Mai, no norte, e de Phuket, no sul.

De qualquer forma, prepare-se: não espere passar menos de 20 horas em trânsito, entre voos e conexões. O preço das passagens varia de acordo com a época, mas costuma ficar entre R$3.000 e R$5.500. Se encontrar qualquer valor abaixo disso: compre logo! Só pode ser o destino te dando uma mãozinha.

Dicas de viagem para a Tailândia

2. Como sair do aeroporto de Bangkok

A melhor forma de chegar ou sair do aeroporto de Bangkok é, sem dúvidas, utilizando a ARL, o Airport Rail Link, um trem que liga o terminal ao centro da cidade. Isso porque Bangkok é imensa e caótica e está constantemente engarrafada, o que faz com que trajetos de táxi e transfers demorem até uma hora.

Já o trem é rápido, confortável e barato (custa 45 baht), porém não cobre todas as vizinhanças turísticas. Então, dependendo de onde estiver seu hotel, é possível que você tenha que completar com uma corrida de táxi ou tuk-tuk.

3. Quais os documentos obrigatórios para viajar para a Tailândia

  • Passaporte válido
  • Cartão de vacinação contra a febre amarela

Para entrar no país, o visitante precisa apresentar um passaporte com no mínimo seis meses de validade. Turistas brasileiros não precisam de visto para ficar até 90 dias na Tailândia.  Veja esse post sobre imigração para brasileiros na Tailândia.

A vacina contra febre amarela, no entanto, é obrigatória. E não pense que é aquela obrigatoriedade que ninguém lembra de cobrar na imigração. Por lá, o controle é sério, e você vai precisar mostrar o seu comprovante internacional de vacinação na entrada.

Antes de seguir para a fila do fiscal de imigração, você precisa passar pelo controle de saúde (Health Control). É uma mesinha próxima aos guichês, você passa por ela no caminho do seu desembarque. Só depois que o funcionário desse setor verificar seus documentos e te der um carimbo que você pode passar pela imigração. E vale lembrar: o comprovante de vacinação pode ser obtido nos postos da Anvisa. Atualmente, a norma geral é que a vacina vale para a vida inteira, mas por precaução, é melhor que você a tenha tomado há até 10 anos. É preciso ser vacinado no mínimo 10 dias antes de embarcar e isso pode ser feito de graça em qualquer posto de saúde.

Embora não seja obrigatório, é sempre bom ter consigo a reserva da passagem de volta, dos hotéis e comprovantes financeiros da sua capacidade de pagar pela viagem. E, claro, o seguro de viagens, essencial em qualquer destino. Já imaginou se você fica doente, quebra uma perna ou precisa voltar por causa de uma emergência no Brasil?

Vai viajar? Não deixe de contratar um seguro de viagem. Garantimos um cupom de desconto especial para nossos leitores! Digite 360MERIDIANOS no final da sua compra

Seguro Viagem: Ásia
GTA 75 EUROMAX GTA 75 EUROMAX Assistência médica USD 75.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 28/dia*
AC 60 MUNDO (Exceto EUA) AC 60 MUNDO (Exceto EUA) Assistência médica USD 60.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 20/dia*
AC 35 MUNDO (Exceto EUA) AC 35 MUNDO (Exceto EUA) Assistência médica USD 35.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 16/dia*

4. Dá para se virar com o inglês?

Dicas de viagem para a Tailândia

Dá. Embora o idioma oficial seja o tailandês e o país nunca tenha sido colonizado pela Inglaterra nem por ninguém, um fato do qual eles se orgulham, o inglês é falado por parte da população, em especial entre pessoas escolarizadas e profissionais do turismo. Mesmo que você precise recorrer a mímicas e ao Google Translator de vez em quando, é perfeitamente possível se virar por ali só com o idioma da Rainha. Até porque a Tailândia é um dos maiores destinos turísticos do mundo e as pessoas já estão mais que acostumadas a lidar com estrangeiros.

Uma boa dica, no entanto, é tomar certas precauções na hora de sair do hotel e se aventurar pelas ruas. Pode ser um desafio achar um taxista que fale ou leia em inglês, por exemplo. Sempre leve um cartão com o endereço do hotel escrito no alfabeto local, de forma a garantir a volta pra casa.

5. Quanto custa viajar para Tailândia?

A moeda é o Baht. Com um real você compra, em janeiro de 2020, cerca de 7 bahts. O custo de vida na Tailândia é barato se comparamos ao Brasil, mas alguns passeios e programas turísticos, inflacionados pela multidão de europeus que aterrissa por lá todos os anos, não são tão econômicos assim. Em resumo: na Tailândia você provavelmente vai gastar bem menos do que gastaria em Cingapura, mas mais do que em países como Índia, Nepal, Indonésia ou mesmo na vizinha Malásia.

Dicas de viagem para a Tailândia

O quanto você vai gastar vai depender muito do seu estilo de viagem. Há quem vá no estilo mochileiro hard core e gaste apenas cerca de 30 dólares por dia, com estadia e tudo, em uma viagem para a Tailândia. É possível, mas talvez você tenha que encarar muitos cachorros-quentes do 7eleven no processo. Há quem queira se hospedar nos badalados 5 estrelas de Bangkok (que são mais baratos que em outras partes do mundo, certamente), frequentar os bares rooftops e resorts de luxo à beira-mar. Nesse caso, o céu é o limite pro tanto que você pode gastar. Para quem vive na classe média do mundo das viagens – ou seja, com algum conforto, mas sem mordomia demais -, acredito que um valor razoável seja entre 50 e 60 dólares por dia, para alimentação, passeios e hospedagem.

Para saber mais, leia todos os nossos gastos destrinchados no post Quanto custa viajar para a Tailândia.

6. Melhor época para visitar a Tailândia

A melhor época para visitar a Tailândia é entre novembro e fevereiro, quando o período de chuvas já passou e o clima ainda não está insuportavelmente quente.

As monções na Tailândia são meio confusas, porque o país tem duas costas em mares diferentes. Na costa oeste (Mar de Andaman, onde ficam Phuket e Phi Phi), a temporada de chuvas vai de abril a outubro. Já na costa leste (do Golfo da Tailândia, onde ficam as ilhas Ko Samui e Ko Tao), as monções vão de setembro a dezembro.

De qualquer forma, pra quem viaja em baixa temporada: eu já fui à Tailândia duas vezes em pleno junho, época de monções em Bangkok e na costa oeste, e foi uma viagem perfeitamente viável. Na dúvida, corre pra outra costa e pro norte do país, onde as chuvas não pegam tanto.

Confira o nosso guia sobre as monções asiáticas.

7. Transporte dentro do país

Pode não parecer, mas a Tailândia é um país relativamente grande para ser percorrido por terra. Uma viagem de Phuket até Bangkok, por exemplo, dura cerca de 16 horas. Então faça um favor a você mesmo e compre uma passagem aérea. Com antecedência é possível achar preços interessantes em low costs como a Air Asia.

Se dinheiro for um problema, ainda é possível cruzar o país tanto de ônibus, quanto de trem. A Tailândia tem quase quatro mil quilômetros de ferrovias e a segunda classe costuma ser confortável o bastante para turistas estrangeiros. Nós, pobres que éramos, fizemos a viagem entre Bangkok e Chiang Mai de trem. Fora a demora, nada a reclamar… Essa é uma experiência interessante porque as paisagens no caminho são lindas e os trens são bastante confortáveis. Leia aqui como viajar de trem pela Tailândia

Dentro das cidades, prefira andar de táxi. O tuk-tuk, que na Índia é quase o meio de transporte principal para muito mochileiro, também existe na Tailândia, mas, por questão de segurança, há quem aconselhe a deixar os triciclos motorizados de lado. Eu também já os utilizei inúmeras vezes e, fora um ou outro motorista folgado, nunca tive nenhum problema. Mas a verdade é que, a menos que você esteja sozinhos, dificilmente o valor vai compensar. Em Bangkok também é possível se locomover de Skytrain, metrô, ferry e de ônibus.

8. Embaixada Brasileira em Bangkok

Anote o contato da Embaixada Brasileira em Bangkok, que representa o Brasil não só na Tailândia, mas também no Camboja e no Laos, países onde não há representação diplomática brasileira.

Telefones: 02-679-8567 / 02-679-8568 / 02-285-6080 (para atendimentos cotidianos).

Em caso de emergência, ligue para 081-906-4238.

Email: [email protected]

9. Telefone e Internet

É relativamente fácil achar conexão wi-fi grátis em hotéis, albergues e hostels. Também é possível comprar chips pré-pagos de empresas locais para seu telefone celular já no aeroporto ou em qualquer 7eleven. O código de telefonia internacional do país é o +66.

10. Viagem para a Tailândia: roteiro básico

O roteiro tradicional começa pela capital, Bangkok. A cidade é diversa e vibrante e rende pelo menos uns quatro dias de viagem. Para saber mais sobre a cidade, veja nosso guia de atrações em Bangkok.

Ali pertinho fica a cidade histórica de Ayutthaya e também o famoso mercado flutuante. Ao norte, outro importante centro turístico e comercial do país: Chiang Mai. Cercada de templos, montanhas e muita cultura tradicional, a cidade é também considerada a capital espiritual da Tailândia e, não raramente, é apontada pelos turistas como o destino favorito no país.

A viagem entre Bangkok e Chiang Mai é longa: pode durar cerca de 11 horas. Para descansar da jornada, que tal uma parada estratégica no meio do caminho? Sukhothai está a 450 quilômetros de Bangkok e a 300 quilômetros de Chiang Mai. A cidade foi a primeira capital do reino de Sião e guarda as ruínas dessa era muito bem conservadas em um Parque Histórico que, além de tudo, tem um por do sol surpreendente.

Ao sul, uma monte de turistas segue para Phuket, que por sinal fica próxima às ilhas de Koh Phi Phi, aquelas famosas desde que o Leonardo DiCaprio resolveu pegar uma praia por lá. Outras ilhas badaladas são Ko Samui e Ko Pha Ngan, a última conhecida internacionalmente por causa da Full Moon Party. No norte, a maior atração é Chiang Mai, que recebe milhões de turistas estrangeiros todos os anos. E há muito mais para ver e visitar, claro, só depende do seu tempo e de seus interesses.

Quem quiser curtir as praias paradisíacas no país, mas prefere se manter longe das baladas sem fim, pode experimentar o paraíso desconhecido de Trang, uma província ao sul de Pukhet e Krabi. Outra opção é a ilha de Ko Kood. Longe do agito turístico e praticamente parada no tempo, o lugar é para quem não liga de abrir mão de boa infraestrutura para ter contato íntimo com a natureza. Ko Kood é parte do arquipélago que forma o Parque Nacional de Ko Chang e, além dela, há também outras ilhas maravilhosas para quem quer explorar as praias do sudeste asiático sem cair na fritação dos lugares mais balados. Um bom exemplo é a própria Ko Chang, “capital” do arquipélago.

Assim como Ko Chang e Ko Kood, as demais ilhas do Golfo da Tailândia são uma ótima opção de destino para quem quer praias um pouco menos apinhadas de turistas, mas não abre mão de um cartão postal paradisíaco.

Veja também:
Dicas de roteiros de viagem pela Tailândia
Roteiros de viagem pelo sudeste asiático

11. Hospedagem na Tailândia

Dicas de viagem para a Tailandia

Para a felicidade dos viajantes, o preço da hospedagem na Tailândia é bastante baixo, principalmente se comparado a outros grandes destinos turísticos mundiais. É possível reservar um quarto duplo em uma pousada simples, mas com boa avaliação, por a partir de R$50 em Bangkok. O preço cai ainda mais nas cidades menores, e dá para alugar um bangalô na beira de algumas praias por não muito mais que isso.

Quem for no esquema mochilão tira ainda mais proveito dos bons preços: camas em quartos coletivos podem sair por cerca de R$15. O CHERN Hostel, por exemplo, é uma boa a opção para viajantes econômicos em Bangkok: um hostel muito bom e que tem também quartos privativos. Não deixe de ler nosso post detalhado de quatro regiões de Bangkok – Khao San Road, Riverside, Sukhumvit e Silom Road -, para que você consiga se encontrar na cidade e descubra quais as vantagens de ficar em cada uma delas.

Encontre hotéis em Bangkok

Outro importante destino tailandês é Chiang Mai, a capital espiritual do país. Nós também temos um guia com dicas de onde se hospedar por lá, mas como a cidade é pequena, a decisão é bem mais simples: fique no centro histórico e arredores. Para mochileiros e econômicos, um dos campeões de vendas é o Your Space Chiang Mai, com quartos coletivos e privados. Outra boa opção, um pouco mais cara, é o Rainforest Boutique Hotel.

Encontre hotéis em Chiang Mai

Para hospedagem em outras cidades, procure direto na caixa do Booking, empresa holandesa de reservas online que tem uma parceria com o 360meridianos.

12. Precauções em uma viagem para a Tailândia

Atentados terroristas não são incomuns no país. A situação política instável não deve ser motivo para afastar nenhum turista interessado em uma viagem para a Tailândia (afinal também há risco de ataque nos Estados Unidos e na Europa e nem por isso você deixaria de ir pra lá), mas certamente algumas precauções devem ser tomadas. O conselho da Embaixada Brasileira em Bangkok é que o turista sempre conheça a situação  do país no momento. Para isso, é bom ler sites locais de notícias em inglês, como o Bangkok Post, por exemplo.

Além disso, a Embaixada “desaconselha fortemente viagens às províncias de Narathiwat, Pattani, Songkhla e Yala, de população islâmica, no extremo sul da Tailândia”. A fronteira entre a Tailândia e o Camboja é outro lugar a ser evitado por causa de tensões políticas.

Desde o tsunami de 2004, parte do sudeste asiático conta com um sistema de alerta e pontos de refúgio em caso de um desastre natural semelhante. A orientação da Embaixada para quem estiver nas praias ao sul da Tailândia é conhecer de antemão a rota de fuga caso haja alguma ameaça de tsunami.

insetos na tailândia

Crédito: CC BY-SA 3.0 – An-d

13. Respeite os costumes e leis locais

Em primeiro lugar, lembre-se que o tráfico e o porte de drogas são punidos com pena de morte no país. Além disso, não desrespeite a família real, já que isso é crime. A regra inclui respeitar não só o Rei e sua família, mas também qualquer imagem deles. Há casos de estrangeiros sentenciados a prisão por destruírem cartazes e fotos da família real num momento de ira. E lembre-se que a imagem do Rei está gravada nas moedas, então é apropriado não sair escondendo seus Baths dentro do sapato, já que os pés são considerados impuros na cultura local.

A questão dos pés é uma diferença cultural importante que deve ser respeitada caso você queria gostar da Tailândia – e, principalmente, caso você queria que os tailandeses gostem de você. Não entre com calçados em templos e casas e não aponte seus pés no sentido de nenhuma imagem religiosa.

Se os pés são impuros, a cabeça é a parte sagrada do corpo, então não encoste nas cabeças de crianças que encontrar pelas ruas. E lembre-se de usar roupas respeitosas quando for visitar templos e palácios reais. Bermudas, pernas e ombros de fora não são bem-vistos nos templos e costumam ser até mesmo proibidos em alguns deles, em especial no Palácio Real, que tem códigos mais rígidos de vestimenta. Levar um lenço na mochila ajuda bastante nessas situações. Socialmente, não há problema algum em usar vestidos e shorts durante a sua viagem para a Tailândia. Leia mais sobre o assunto aqui.

As imagens de Buda são extremamente sagradas na Tailândia. Embora essa versão do turismo vendido no ocidente seja explorada no país como forma de atrair e agradar os turistas, em alguns locais, em especial nos mais religiosos, é possível que tatuagens e camisetas de Buda sejam vistas como ofensivas (para a fé deles, o único local respeituoso no qual podemos colocar Buda é sempre acima de nossas cabeças).

Nos lugares onde a exploração turísticas é mais intensa, como praias badaladas, é provável que isso não seja um problema, mas evite mostrar tatuagens em templos, por exemplo. Leia aqui um post completo sobre o tema.

Salve essas dicas no seu board do Pinterest:

tailandia dia claro barco mar


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

77 comentários sobre o texto “13 dicas de viagem para a Tailândia: tudo que você precisa saber

  1. Olá, td bem?
    Me tira uma dúvida, bem complicada rsrs, ouvi falar que eles são preconceituosos e racistas, é isso mesmo? A grande maioria é assim?

    1. Olá Tainara,

      Eu não tive nem presenciei nenhuma experiência do tipo, mas como não sou negra não sou a pessoa mais recomendada para te falar de racismo em viagens. É possível que sim, que existam pessoas preconceituosas e racistas na Tailândia, mas não acredito que por lá esse seja um problema maior do que o experimentado em diversos países europeus, por exemplo, onde a xenofobia é cada vez mais comum e explicita.

      Em geral, a Tailândia é sempre descrita como um país de pessoas amáveis e sorridentes. No entanto, se você quiser saber mais especificamente sobre racismo, recomendo o blog No Mundo da Paula (https://nomundodapaula.com), da Paula Augot.

      Abraços!

  2. Ficarei 10 meses na Ásia visitarei alguns países, porém pelo meu roteiro, minha base será a Tailândia, que onde chegarei primeiro e sairei no final dos 10 meses, acredito que farei 2 novas entradas na Tailândia neste período de 10 meses.
    Existe um tempo mínimo de intervalo para entrar e sair da Tailândia sem ter problemas?
    Não me atentei para este visto múltiplas entradas, o que faço? Cancelo tudo? Obrigado por ajudar

  3. Oi!
    Pretendo viajar para a Tailândia em novembro por conta dos festivais que costumam acontecer nessa época. Vocês já vivenciaram esse tipo de experiência? Sabem me dizer algum lugar para ler mais sobre os festivais que acontecem no país?
    Outra coisa, dizem que muitos dos tailandeses não entendem inglês e que a comunicação basicamente dá-se pela paciência é boa vontade das pessoas do país, é isso mesmo? Vocês conhecem casos de pessoas que viajaram sem saber falar inglês e a língua nativa? Poderiam compartilhar?

  4. ola! Estou inclinada a fechar no mês de setembro, porem receosa pelos mönsoes… vou co meus pais com mais de 65 anos. Adoramos praia…
    só tenho mês de setembro para viajar.
    O que você aconselha

  5. Boa noite. Estou olhando para ir para Tailandia em julho de 2016, li que devido ao clima de monçôes não é uma época muito aconselhada, porém é o unico mes que posso tirar ferias. Gostaria de saber sua opinião devido a experiência que já possui.
    Desde já muito obrigada, aguardo resposta

  6. Boa Noite Rafael!
    Eu e meu marido estamos fechando uma viagem em Abril, para Tailândia.
    Li que normalmente é o período de início das chuvas.
    Você acha realmente uma época muito ruim?
    Estou fechando uma pacote em uma agência de turismo, porque apesar de já viajar bastante pelo mundo a fora, não ficamos muito seguros de ir para um país tão diferente, fechando tudo por nossa conta e risco.
    Qual sua opinião ?

    Obrigada pelas dicas

    Atenciosamente

    Natalia

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.