Jericoacoara: o que fazer, as 6 melhores praias e guia completo

A culpa é do vento. Ele é o responsável por ter transformado Jericoacoara num dos destinos turísticos mais desejados do litoral brasileiro. Vento que forma dunas e colore o mar das mais diversas cores, ao atrair para Jeri as velas de milhares de kitesurfitas e winsurfistas. E para turistas, digamos, mais sedentários, o vento também tem seu valor, ao empurrar as redes que preguiçosamente balançam dentro das águas da região. A cidade tem atrações de todos os tipos. Embora seja uma vila de ruas de areia e com poucos habitantes, não falta o que fazer em Jericoacoara, que está dentro da área de um Parque Nacional.

Para organizar seu roteiro, falaremos com detalhes dos principais passeios da região. Há as praias de Jericoacoara, que podem ser de mar ou de lagoa – e não se espante ao descobrir que as praias de água salgada são mesmo lindas, mas o cartão-postal de Jeri envolve banho de água doce.

  • Para banhos de mar: Tem a Praia de Jericoacoara, a Praia da Malhada e a Praia do Preá
  • Para banhos de água doce: As Lagoas Azul, Paraíso e da Torta, para balançar na rede

Além das praias, Jeri tem uma série de atrações que combinam com o clima de litoral, de dunas a árvores moldadas pelo vento. Falaremos com detalhes de todas elas abaixo, com uma sugestão de roteiro.

O que fazer em Jericoacoara: praias e passeios

As praias de mar

A maior parte dos turistas fica na Vila de Jericoacoara, pertinho da praia de mesmo nome. Basta descer a Rua Principal ou a do Forró para dar de cara com a areia. A Praia de Jericoacoara tem barracas com boa estrutura turística, algumas pousadas com vista e espreguiçadeiras de frente para o mar e uma duna à direita.

O que fazer em Jericoacoara em cinco dias

Perto da Praia de Jericoacoara fica a Praia da Malhada, outra opção para um banho de sol e mar, embora tenha menos estrutura turística. Outra faixa de areia, um pouco mais afastada e frequentada por kitesurfistas e winsurfistas, é a Praia do Preá.

Duna do Pôr do Sol

Gaste seu primeiro dia nas praias que ficam perto da vila. Depois de tomar umas cervejinhas, pedir um peixe frito e relaxar, termine o dia na Duna do Pôr do Sol, que fica ali, pertinho da praia. Peça a conta na barraca por volta das 17h e comece e subir a duna – muitos viajantes farão o mesmo. É comum encontrar vendedores ambulantes por lá, mas não custa levar uma garrafinha d’água, por mais que a subida não seja das mais complicadas.

Trilha da Pedra Furada

Outro passeio que pode ser combinado com um dia de praia e com o pôr do sol é a Pedra Furada. Nesse caso, deixe a barraca um pouco mais cedo, por volta das 16h, caso pretenda fazer todo o percurso a pé. A trilha que leva até a Pedra Furada tem três quilômetros, incluindo uma subida (que não é das mais complicadas) pelo Morro do Serrote, que tem em seu topo um farol. Charretes também levam turistas até o topo da trilha, mas é preciso descer para a praia a pé.

O que fazer em Jeri

Trilha para Pedra Furada

Na maré baixa é possível chegar até a Pedra Furada pela areia mesmo, seguindo a Praia da Malhada. Além disso, um dos passeios tradicionais de Jeri, que leva para as Lagoas Azul e Paraíso, para na Pedra Furada, mas a parada é rápida e não é na hora do pôr do sol.

Jericoacoara, Ceará

As lagoas de Jijoca

Lagoas que, na prática, são uma só – a Lagoa de Jijoca – mas que ganham nomes diferentes em cada trecho. Ela é formada pela água das chuvas, pode ter cor azul-Caribe (ou, por que não, verde-Jeri), tem partes em municípios vizinhos e conta com restaurantes, espreguiçadeiras e as tão desejadas redes mergulhadas na água doce que tornaram esse pedaço do Brasil famoso até no exterior.

Você pode chegar nessas lagoas por conta própria, com o transporte público fornecido por jardineiras, veículos adaptados para enfrentar a areia da região e que cobram entre R$ 10 e R$ 20 pela viagem. A maioria dos turistas, no entanto, prefere comprar pacotes que incluem outros pontos de interesse nos arredores de Jeri. Foi isso que eu fiz. Contratei meu passeio com a Jumentour. Com duração de cerca de 5 horas, o tour é feito de buggy, para até quatro passageiros (e o motorista). Outra alternativa é fazer o orçamento com a Cooperativa de Bugueiros de Jericoacoara.

Eu viajei com uma amiga e nós estávamos com o modo econômico ligado, por isso preferimos dividir o valor do buggy com outros turistas, para diminuir o preço por passageiro. Com isso, fomos com um casal de turistas – a própria agência procura viajantes interessados em dividir o passeio com você. No fim, o investimento foi de R$ 120 por pessoa.

O passeio começou por volta das 9h, quando o motorista nos buscou no hotel. Depois de uma rápida parada em outra pousada, para buscar os dois turistas que dividiriam o buggy conosco, seguimos para o primeiro local do roteiro, que foi justamente a Pedra Furada. A parada seguinte foi na Árvore da Preguiça, na Praia do Preá. O formato preguiçoso da árvore – mostrada na foto que abre este texto –  é uma consequência dos ventos da região. Em seguida fomos para a Lagoa Azul, que naquele dia tinha água um pouco turva, e depois na  Lagoa Paraíso, onde almoçamos no The Alchymist Beach Club, uma enorme barraca de praia.

Depois de algumas horas na Lagoa Paraíso, voltamos para Jeri. No meio do caminho o motorista passou por dunas enormes – e percorreu aquela imensidão amarela em alta velocidade, subindo e descendo as dunas, na parte mais radical do tour.

jericoacoara, Ceará

Mangue Seco, a Lagoa da Torta e a Vila de Tatajuba

Esse foi meu passeio favorito por lá. O tour dura cerca de cinco horas e custa pouco mais de R$ 100 por pessoa. É feito num buggy, com motorista, que também leva até quatro passageiros.

Jeri é um berçário de cavalos marinhos, espécie ameaçada em todo o mundo. Um braço de mar que entra no rio Guriú é o local para encontrar os bichos, na comunidade de Mangue Seco. Moradores levam turistas até o berçário dos cavalos marinhos, que podem ter até 500 filhotes de uma vez. Poucos sobrevivem e alcançam a vida adulta.

Jericoacoara, ceará

Coloridos, monogâmicos e diferentes, os cavalos marinhos de Jeri foram alvo de tráfico durante décadas. Segundo essa reportagem do Diário do Nordeste, cada bicho valia R$ 1. Eles eram vendidos vivos, para ocupar aquários mundo afora, ou mortos, como amuletos. Prática que o Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade lutou para coibir. Hoje, a atividade turística é fiscalizada pelo instituto, que treinou pessoas da comunidade, mostrando a importância da preservação ambiental.

Jericoacoara, Ceará

Os visitantes pagam uma taxa comunitária de R$ 10, entram numa canoa e são levados até onde estão os animais. Depois da explicação, um cavalo marinho é retirado da água, sempre com um recipiente de vidro (jamais com as mãos). Minutos depois o bicho é devolvido para o mesmo lugar. É tudo rápido, mas vale a pena, ajuda a comunidade e os cavalos marinhos são preservados. Se resolver nadar, não esteja de protetor solar, já que o produto pode ficar na água e fazer mal aos animais.

Deixamos os cavalos marinhos para trás, entramos numa balsa e cruzamos o rio Guriú. A próxima parada foi no cenário que dá nome para essa comunidade: o Mangue Seco. O local é lindo. Vendedores ambulantes oferecem água de coco e não faltam redes para relaxar.

Mangue seco em Jeri

O vento, sempre ele, tem um papel enorme também ali. Foi o vento que empurrou dunas para cima da vila de Tatajuba, que foi soterrada na década de 1980.

O que fazer em Jericoacoara

Dona Delmira

É possível ver as ruínas e conversar com uma moradora local que testemunhou o dia em que a areia venceu o homem. A Dona Delmira passa o dia num quiosque onde ficava a antiga vila, contando suas histórias para visitantes interessados.

Saímos da antiga Tatajuba para conhecer outro lado das montanhas de areia que tomam conta da região. Seguimos para a Duna do Funil, escolhida para sediar a iniciação na arte do esquibunda. Você leva segundos para descer areia abaixo. E precisará de alguns minutos para fazer o caminho de volta, com ajuda de uma corda.

O que fazer em Jericoacoara

Duna do Funil

Os mais preguiçosos (ou seriam sábios?) pagarão pelo serviço de buggy-táxi mais importante de Jeri. Um motorista te pega no pé da duna e te leva de volta ao topo, onde seu grupo está aguardando. A descida também é paga separadamente, mas o preço é baixo (entre R$ 5 e R$ 10).

A última etapa do passeio é na Lagoa da Torta. Ela não é tão bonita quanto as lagoas do litoral leste de Jeri, mas mesmo assim foi minha favorita. As famosas redes mergulhadas na água estão lá. O preço da comida e da bebida é honesto, o vento sopra forte e a vontade de ficar é enorme, mas infelizmente é vencida. O passeio termina ali, depois de uma pausa para almoço. Quem tem tempo volta por conta própria nos dias seguintes.

O que fazer em Jericoacoara à noite

Pouca luz elétrica, ruas de areia e um monte de restaurantes e bares interessantes. A vida noturna de Jericoacoara chega até a praia, onde barraquinhas vendem os mais diversos drinques. O forró é a balada típica da região, com restaurantes como o Dona Amélia e o Maloka se revezando nas noites de dança.

Quanto tempo ficar em Jericoacoara

Se você quer relaxar, fique pelo menos cinco dias. Assim você terá tempo para fazer os dois passeios principais, encarar aulas de windsurf e curtir as praias, sem pressa para voltar ao hotel. Com três dias também dá para aproveitar Jeri, principalmente se você chegar de avião. Evite a vontade de fazer um bate-volta de Fortaleza, a não ser que sua conta bancária permita ir de helicóptero. Quem vai por terra gasta entre 4 e 7 horas para chegar em Jeri a partir da capital do Ceará.

Veja também: Quando ir a Jericoacoara: melhor época

jericoacoara, no ceara

Dicas de hotéis e pousadas

Eu fiquei na Pousada Senzala dos Amigos, a 150 metros da praia e perto de bares e restaurantes. O preço é bom, com café da manhã incluído. Redes tomam conta da área de convivência da pousada, que não tem piscina. Não é de frente para o mar, mas em cinco minutinhos de caminhada você está com o pé na areia. Recomendo.

Outras boas alternativas são:

Não deixe de ler nosso guia completo: Onde ficar em Jericoacoara melhores hotéis e pousadas

A polêmica taxa de turismo de Jeri

Desde setembro de 2017 é preciso pagar para a prefeitura uma taxa de visitação, algo parecido com o que ocorre em Fernando de Noronha. A medida, que criou uma polêmica enorme e gerou reclamações revoltadas nas redes sociais, ajuda na preservação da cidade, garante benefícios do turismo para os moradores locais e pouco pesa no bolso do viajante – a taxa é baratinha. São R$ 5 por dia de viagem, então mesmo quem fica uma semana em Jeri vai pagar pouco, R$ 35. Maiores de 60 anos e menores de 12 são isentos, assim como portadores de deficiência.

É possível fazer o pagamento na chegada na vila, em postos da prefeitura, mas isso pode envolver enfrentar filas, principalmente se você viajar em feriados ou na alta temporada. Por isso, o recomendado é pagar pelo site da prefeitura. O passo a passo é simples: é só preencher o formulário, gerar o boleto, pagar e levar o voucher com você. Você precisa apresentá-lo na hora do check-in no hotel. Após a estadia o estabelecimento te devolverá um canhoto, que você precisa preencher e entregar no posto, na entrada de Jeri.

Estendeu a estadia? É só emitir um novo boleto e efetuar o pagamento.

Dicas práticas para visitar Jeri

  • É uma boa ideia levar alguma quantia de dinheiro em espécie. Não há bancos na Vila de Jericoacoara, apenas em Jijoca, a 25 km dali, onde há agências do Bradesco e do Banco do Brasil. Quem precisa de moeda em Jeri acaba pegando num mercadinho local, que passa o cartão dos clientes e entrega em espécie, mas, claro, tudo mediante uma taxa. A maior parte dos hotéis, agências e restaurantes da vila aceita cartões, mas é bom estar preparado para qualquer eventualidade.

E já que estamos falando de dinheiro, não deixe de ler nosso post com dicas de quanto custa viajar para Jericoacoara, real a real.

  • Evite deixar para comprar coisas lá – leve bastante protetor solar, repelente e roupas leves.
  • A vila tem poucas ruas, todas de areia, e carros particulares são proibidos dentro da cidade. O jeito é caminhar, mas por sorte o cenário ajuda.
  • Ande sempre com uma garrafinha d’água e lembre-se que essa é uma área de preservação ambiental. Por isso, recolha seu lixo e ajude a cuidar da natureza.
  • Por estar no meio de um Parque Nacional, não faltam animais por ali. E alguns dos moradores mais famosos de Jeri são os sapos, que podem ser avistados aos montes, principalmente à noite e na temporada de chuvas, de dezembro a abril. Desnecessário dizer nunca é, tanto que o ICMBio já orientou viajantes nesse assunto: não toque ou persiga os animais. E se a possível a presença de sapos for o tipo de coisa que te incomoda, reserve quartos em andares superiores.

Quanto custa viajar para Jericoacoara

Novo Aeroporto de Jeri e deslocamento de Fortaleza

Não só a taxa de turismo foi inaugurada em 2017: naquele ano Jeri ganhou também seu aeroporto, encurtando – e muito – o caminho até lá. Se antes a viagem envolvia várias horas de estrada, a partir de Fortaleza, agora o turista já desce bem mais perto da praia (são mais ou menos 40 km).

Do aeroporto para a vila é necessário escolher entre ir de táxi, e aí você chegará até a entrada de Jeri e de lá terá que avaliar se segue em outro transporte até o hotel, ou de transfer 4×4. Essa opção te deixa na porta da pousada e custa em torno de R$ 200 pelo veículo, independente do número de pessoas.

Duas empresas aéreas operam em Jericoacoara: Gol e Azul. Há voos diretos para São Paulo e Belo Horizonte. Por conta dos preços mais baixos dos voos, ainda pode compensar ir para Fortaleza e de lá seguir por terra até Jeri. Se essa for sua escolha, leia o texto em que explico como chegar em Jericoacoara a partir de Fortaleza.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

4 comentários sobre o texto “Jericoacoara: o que fazer, as 6 melhores praias e guia completo

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.