fbpx

O que não fazer na Tailândia: aprenda costumes, leis e traços culturais

Estrangeiro é bicho besta. Quando visitamos outro país – ainda mais um com costumes tão diferentes – quase como se a gente tivesse que aprender a viver em sociedade outra vez. É por isso que estamos aqui para te contar o que não fazer na Tailândia.

Para evitar gafes, mal-entendidos e até mesmo situações mais graves, como problemas com a polícia, é essencial se informar bem sobre o lugar que você vai visitar. Afinal, com tanto espaço para choque cultural lá do outro lado do mundo, é comum que a gente embarque sem conhecer direito as leis e os aspectos da cultura que para nós podem até soar estranhos, mas que são parte do dia a dia de alguém.

Leia também:
Dicas para planejar uma viagem para a Tailândia

Seguro Viagem: Ásia
GTA 75 EUROMAX GTA 75 EUROMAX Assistência médica USD 75.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 28/dia*
AC 60 MUNDO (Exceto EUA) AC 60 MUNDO (Exceto EUA) Assistência médica USD 60.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 20/dia*
AC 35 MUNDO (Exceto EUA) AC 35 MUNDO (Exceto EUA) Assistência médica USD 35.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 16/dia*

Dicas sobre o que não fazer na Tailândia

1. Não desrespeite o Rei e a família real

Nunca. E não apenas por uma questão de educação, mais ou menos como você não faria com a Rainha da Inglaterra. Não faça isso porque é lei. Quem ofende à família real tailandesa comete um crime e pode, como consequência, passar um tempo razoável na prisão.

Já aconteceu com estrangeiros. Em 2007, um suíço foi condenado a 10 anos de prisão por ter pichado cartazes que falavam do Rei. Há também casos de pessoas que arrumaram problema ao amarrar os sapatos e apontá-lo para uma imagem da família real ou por guardar notas de Baht – que têm a imagem do rei estampada – dentro do tênis.

Morte do rei da Tailândia

O Rei Bhumibol Adulyadej, foi o monarca há mais tempo no trono até sua morte, em 2016.

E nem pense em fazer comentários inapropriados, achando que a lei não é cumprida por lá: embora o atual monarca, filho de  Bhumibol Adulyadej não seja nem de longe tão popular quanto seu pai, os tailandeses são bastante fiéis à Família Real e respeito pela autoridade é um traço cultural.

Mesmo entre os mais jovens e descolados, críticos da monarquia, existe resistência em externar essa posição publicamente. E o respeito com a família real vai além da óbvia atitude de não sair falando mal deles. Não pise em imagens reais, não se comporte de forma mal-educada em prédios reais (tipo o Grande Palácio de Bangkok) e muito cuidado com o lugar e a direção em que você aponta seus pés.

Antes que você me pergunte, sim, você pode ofender um tailandês sem saber, ao não prestar atenção aos movimentos que você faz com o pé. Veja o próximo tópico.

2. Não coloque seus pés sobre as coisas ou aponte para locais sagrados

O que não fazer na TailândiaA sociedade tailandesa tem uma verdadeira fobia de pés, que são considerados a parte mais suja do corpo e nossa ligação direta com o mundo terreno. Nunca, jamais, em hipótese alguma coloque seus pés em lugares onde eles não deveriam estar, como mesas, por exemplo. Também lembre-se que é fundamental retirar os sapatos antes de entrar em templos e casas.

Até no hotel que ficamos, em Bangkok, era necessário fazer isso. Está na dúvida e não sabe se a convenção social exige que você esteja descalço? Na dúvida, tire os calçados. Melhor assim.

Quando visitar templos, tome cuidado para nunca apontar seus pés (mesmo que descalços) na direção das estátuas e altares. E isso também vale para imagens do Rei e da Família Real. Em Bangkok, você verá cartazes explicando qual a conduta correta e o que não fazer. Na dúvida, imite o comportamento dos tailandeses.

Foto: JJ Harrison, Wikimedia Commons

3. Não toque ou desrespeite a cabeça, a parte mais pura do corpo

Se você deve evitar fazer qualquer coisa com os pés, também há uma conduta social correta para a cabeça. O bom é que essa é simples: nunca toque a cabeça de um tailandês, já que essa é considerada a parte mais pura do corpo.

Ok, é claro que você não sairia encostando na cabeça de tailandeses adultos por aí, mas essa regra tem muito valor mesmo é na hora que você tiver vontade de fazer aquele cafuné numa criança, por mais fofa que ela seja. Não faça.

4. Não grite

O maior desafio que enfrentamos na Tailândia foi saber o tom de voz exato a ser usado. Em geral eu sou uma pessoa calma e que nem gosta de falar, muito menos falar alto. Mas aquela não era uma circunstância normal – eu tinha acabado de deixar a Índia, país onde vivi por seis meses. E na Índia, se você não falar alto, não será ouvido.

Não, este texto não é a história do tremendo choque cultural que enfrentei na Índia, que também tem potencial para derrubar uma elefante

Certa vez, em Bangkok, pegamos um tuk-tuk. Na hora de descer, tivemos uma pequena dificuldade de dividir o dinheiro entre as várias pessoas que estavam no veículo. Nada de anormal, afinal na Índia nós fazíamos isso todos os dias. Só que o motorista ficou impaciente e tentou tirar a carteira da minha mão. Erro dele.

Eu fiquei impaciente e falei um pouco mais alto do que deveria com ele. Erro meu.

Pagamos o cara, não sem uma breve discussão entre as várias pessoas do grupo, provavelmente feita num tom de voz latino muito longe do adequado para uma rua da Tailândia.

O que não fazer na Tailândia - Tuk Tuk

Depois de receber o dinheiro, o motorista fez algo inesperado: me chamou pra briga. E ainda fez questão de lembrar que ele sabia Muay Thai e que os pés deles poderiam até ser impuros, mas ele não teria problemas em enfiá-los na minha cara.  Eu não curti muito a proposta, por isso pulei fora de lá.

Eu acho que esse motorista era meio esquentadinho e que ele passou dos limites ao tirar a carteira da minha mão, mas percebo hoje que o tom de voz que usávamos entre nós pode ter irritado o cara. Além disso, entendo que eu jamais deveria ter aumentado o tom de voz com ele, mesmo após o incidente da carteira.

A situação foi menos séria do que parece, mas afetou minha relação com o país. Não cometa o mesmo erro. Mesmo em situações críticas, mantenha a calma e o tom de voz. Se você é daqueles que fala naturalmente alto, redobre a atenção. Ainda que sem querer, você pode ser considerado rude.

E mesmo que tudo esteja uma merda, controle-se. É provável que os tailandeses sempre te respondam com um sorriso. Esse sorriso não é irônico e nem uma prova de que eles são um povo zen, só uma marca cultural. Faça o mesmo: coloque um sorriso na cara na hora de tentar resolver problemas. Esse texto aqui, em inglês, dá mais explicações sobre o assunto. A Tailândia é a terra do sorriso. Na dúvida, sorria.

5. Não desrespeite o Buda, os monges e a religião

Você pode até ter visto Se Beber Não Case. Pode até ser que meio mundo ache que a Tailândia é um país louco onde coisas loucas acontecem. E pode até ser que, numa pequena medida que não reflete o todo, coisas loucas aconteçam na Tailândia. Mas não se esqueça que esse é um país conservador e muito religioso. Segundo a Wikipédia, 85% da população é budista.

Dicas de viagem para a Tailândia

Para você imagens de Buda podem ser só lembrancinhas, mas não se esqueça que para eles aquilo é motivo de adoração. Você pode até encarar templos como pontos turísticos e estátuas como cartões-postais. Só não se esqueça de que aquele é um local de fé. Por falar nisso, lembre-se que para levar antiguidades e algumas imagens com perfil religioso para fora do país é necessário pedir autorização legal – não basta embarcar no avião. Caso contrário, você pode ter a mercadoria apreendida e até pagar multa. Para mais detalhes, veja esse fórum do TripAdvisor.

Monges na TailândiaPor fim, o respeito pela religião envolve se vestir da forma adequada quando for visitar locais religiosos. Mulheres devem evitar mostrar os ombros e usar roupas decotadas. Sandálias de dedo e chinelos também não são apropriados. Homens também devem estar atentos, já que bermudas não são aceitas em muitos templos. Caso contrário, você pode ser barrado de entrar em algum templo.

Também mantenha a distância necessária de monges, já que muitos deles são amigáveis, mas não podem tocar em outras pessoas. Algumas áreas públicas têm espaças reservados apenas para o uso deles, como estações de trem. Respeite essas demarcações.

E lembre-se de controlar as expressões públicas de afeto, mesmo entre outros viajantes, já que esse comportamento não é comum por lá.

6. Não alugue um carro na Tailândia

Está pensando em alugar um carro e dirigir pela Tailândia? Pois pense outra vez! A lei local proíbe qualquer estrangeiros de dirigir no país, mesmo portando a carteira de motorista internacional.

Abro aspas para a Embaixada Brasileira em Bangkok, que entende mais desse assunto do que eu:

“Segundo as leis tailandesas, os motoristas, para dirigir na Tailândia, devem portar carteira de motorista tailandesa. Carteiras de motorista estrangeiras ou carteiras internacionais não são aceitas para dirigir no país, nem mesmo no caso de turistas de passagem”.

Então quer dizer que turistas não podem dirigir na Tailândia? Exato! Para dirigir lá, só mesmo sendo residente no país. É claro que é possível burlar essa lei e achar uma empresa que alugue um carro para você. Esse, inclusive, é o receio da Embaixada, que lembra duas coisas:

  1. O seu seguro de viagem pode se recusar a cobrir valores de um eventual acidente
  2. Você pode ser processado por direção ilegal

7. Não use drogas ou porte substâncias ilícitas na Tailândia

Por fim, o conselho mais básico sobre a Tailândia que alguém pode dar: lembre-se que a posse e o uso de drogas, em qualquer quantidade, é punida com muita severidade pelas leis da Tailândia.

Quem é pego usando drogas ou portando qualquer quantidade de substâncias ilícitas no país pode ganhar permanência eterna por ali. Mas numa cela lotada de presos, não numa praia paradisíaca. Melhor evitar.

O que não fazer na Tailândia: outras dicas

Além de todas as questões culturais, observar o contexto histórico pode te ajudar a evitar problemas.  Já pesquisou como anda o contexto político no país? Em 2014, por exemplo, Bangkok foi palco de uma série de protestos violentos, muitos deles em locais turísticos.

A situação foi controlada rapidamente, mas instabilidades não são assim tão incomuns por lá. A Embaixada Brasileira no país emite alertas constantes sobre a situação. Monitore o problema pelo site da Embaixada.

A própria Embaixada aconselha o turista a ler notícias de veículos de comunicação locais, de forma a saber tudo que acontece por lá. Para isso, entre nos sites do Bangkok Post e do The Nation, que têm conteúdo em inglês. Tenha em mente também o seguinte aviso, disponível na íntegra aqui:

“A Embaixada desaconselha fortemente viagens às províncias de Narathiwat, Pattani, Songkhla e Yala, de população islâmica, no extremo sul da Tailândia, em razão de frequentes atentados terroristas, situação que perdura há vários anos e que, até agora, não se estendeu ao resto do país, nem mesmo a províncias vizinhas”.


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

81 comentários sobre o texto “O que não fazer na Tailândia: aprenda costumes, leis e traços culturais

  1. Estive em Bangkok por 12 dias. Adorei! Povo amigável e tranquilo. Educado mesmo. Apenas não gostei do assédio dos motoristas de Tuk Tuk, muito chatos mesmos e dos vendedores de pacotes de turismo que ficam na porta dos hotéis. Outro ponto negativo. Vida noturna até 2 ou uma hora só. Tem que sair cedo para aproveitar. No meu caso que sou bem da noite tenho dificuldade com os horários deles. Super recomendo. País incrível. Se tiver oportunidade volto!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.