Tags:
Atlas: Paris, França

Onde ficar em Paris: dicas de hotéis e melhores bairros

Decidir onde ficar em Paris pode ser tarefa complicada, especialmente se você não tem tantos euros para gastar com acomodações luxuosas. Como uma das cidades mais visitadas do mundo, Paris tem uma grande procura por hospedagem, o que faz com que os preços dos hotéis e hostels sejam bastante salgados. Já quando o assunto é localização, o difícil é errar. Paris tem tantos bairros e regiões interessantes que fica até difícil escolher a melhor. Neste post listamos sete boas escolhas de onde ficar em Paris, mas certamente caberiam mais.

Antes de mais nada, saiba que Paris está dividida em 20 arrondissements ou distritosQuanto menor o número, mais central é a regiãoOlhe a imagem abaixo: os números de 1 a 7 correspondem a parte mais turística e conhecida da cidade, boas opções de arrondissements onde ficar em Paris. Já os números de 12 a 20 são mais afastados. É possível ainda ficar fora dos arrondissements e perto de uma estação de metrô, mas nesse caso você estará definitivamente afastado dos pontos turísticos. O segredo na hora de escolher sua hospedagem é pensar em qual bairro tem a sua cara e conta com hotéis que cabem no seu bolso.

Leia também:
O que fazer em Paris: roteiro completo de 1 a 5 dias na cidade
Veja hotéis com funcionários que falam português em Paris
O que fazer de graça em Paris

Onde ficar em Paris

Imagem: Wikimedia Commons

Onde ficar em Paris: quais os melhores bairros?

Hospedando-se em qualquer uma das regiões citadas acima, você estará muito bem localizado em Paris. Todos os bairros contam com estações de metrô e transporte público, que por sinal é excelente na cidade, supermercados, bares e restaurantes.

O que muda é o estilo e o preço: as áreas mais centrais, como Marais, Champs-Elysées, Quartier Latin e Louvre são mais caras e possuem hospedagem mais sofisticada. Montmartre e Belleville são as principais opções para mochileiros e para quem quer economizar na hospedagem. Preparamos uma pequena descrição de cada um desses bairros para te ajudar na escolha de onde ficar em Paris.

  • Quartier Latin

Onde ficar em Paris: Quartier Latin

Jardim de Luxemburgo

O gueto dos universitários. Esse é o Quartier Latin, uma das mais tradicionais regiões de Paris. É lá que fica a Sorbonne, famosa universidade parisiense, além de várias outras instituições. Ou seja, é uma região jovem, animada e cheia de bistrôs. Um conjunto ideal para quem procura exatamente por essas coisas, principalmente os mais jovens, que vão se sentir em casa. Eu nunca me hospedei no Quartier Latin, mas confesso que já tive vontade. Nas minhas passagens pelo bairro, rolou uma variação daquele sentimento “eu poderia morar aqui”, comum em cidades legais do mundo: “eu bem que poderia estudar aqui”, pensei.

O Quartier Latin está no 5º  e 6º arrondissements, o que significa que tem uma localização central. A parte mais jovem e descolada está no quinto. Uma das atrações mais próximas é o Jardim de Luxemburgo, maior parque da cidade. A Catedral de Notre Dame também não está longe: uns 15 minutinhos de caminhada, dependendo do ponto do Quartier Latin onde você estiver. E ainda tem o Panteão de Paris lá perto.

Encontre hotéis em Quartier Latin

  • Etoile e Champs-Elysées

Onde ficar em Paris: Champs-Elysées

Champs-Elysées

A avenida mais famosa de Paris é mesmo um paraíso. Linda e com o Arco do Triunfo ali pertinho, é plenamente compreensível existir quem só aceite ficar por lá.  Se este for o seu caso, a região que você procura é Etoile. Uma vez ali, você estará do lado de todos os pontos turísticos mais famosos da capital francesa: a Torre Eiffel, a Praça da Concórdia, o Sena… tudo está por perto. A distância exata depende, é claro, do lugar onde você se hospedará nessa região, mas se não for possível ir caminhando pelo menos serão poucas estações de metrô.

É uma região mais agitada e cheia de turistas. Por ser mais próxima daquilo que Paris tem de mais famoso, os hotéis nessa parte da cidade podem ser mais caros.

Encontre hotéis na Champs-Elysées

  • Les Halles e Châtelet

Les Halles é o nome de um antigo mercado que ficava no primeiro arrondissement. O mercado foi demolido, mas o nome acabou designando a região onde ele ficava. De dia essa é uma das partes mais movimentas da cidade, já que a estação Châtelet é uma das mais utilizadas do sistema de transporte parisiense. Sem dúvidas é uma região muito bem localizada onde ficar em Paris.

Mas essa parte da cidade tem a fama de não ser das melhores depois que anoitece, quando fica relativamente vazia e, dizem alguns, até perigosa. Só que o situação real é parecida com a de Montmartre, que explicaremos abaixo: Paris é muito mais segura do que qualquer metrópole brasileira. É preciso ter um pouco de cautela, óbvio, mas em geral não há problema algum. O Museu do Louvre está a menos de 15 minutos do Les Halles e do Châtelet.

Encontre hotéis no Les Halles / Châtelet

  • Palais Royal e Louvre

Onde ficar em Paris: Louvre

Museu do Louvre

O Louvre dispensa apresentações. Mesmo quem não curte tanto museus vai acabar passando por lá, nem que seja só para dar uma espiadinha na Monalisa (vai por mim: não deixe de visitar a ala egípcia. É muito mais legal). Por outro lado, ficar nessa região é uma vantagem óbvia para quem adora museus e pretende passar horas (talvez dias) dentro do Louvre. Ali você também não estará longe de outras atrações. A Praça da Concórdia fica a 15 minutinhos de caminhada, passando por dentro do  Jardins das Tulherias. E uma vez lá você já sabe – a Champs-Elysées está só mais um pouquinho adiante.

Já o Palais-Royal é um palácio que fica no 1º arrondissement e praticamente de frente para o Louvre. Ou seja: se você ficar perto de um, fica do ladinho do outro. E isso significa ficar bem.

Encontre hotéis na região do Louvre / Palais Royal

  • Marais e Île St-Louis

Onde ficar em Paris: Marais

Place des Vosges

Paris já é apontada por muitos como a cidade mais bonita do mundo. Isso mostra o quanto a fama do Marais é importante – há quem diga que essa é a região mais bela da cidade. Fica no 3º e no 4˚ arrondissements, portanto dentro da região central da cidade. Uma pesquisada rápida na Wikipedia e você vai descobrir que esse é o reduto dos judeus que vivem em Paris. E também da comunidade gay.

Encontre hotéis no Marais

O ponto mais conhecido do Marais é o Place des Vosges, a praça mais antiga da cidade. Construída a partir de 1605, chegou a ser residência real e também viu moradores ilustres, tipo o escritor Victor Hugo.  Mas nada disso importa. O legal mesmo é que ela é bonitona, ó:

Cruzando a Pont Marie você chegará a Île St-Louis, uma das duas ilhas do rio Sena dentro da cidade (a outra é a a Île de la Cité, que também fica pertinho e onde está Notre Dame).  Some as palavras “Sena”, “Paris” e “ilha” e você vai perceber que essa também é uma ótima opção.

  • Montmartre

Onde ficar em Paris: Montmartre

Basílica de Sacre Coeur

Quase todo mundo diz que o Montmartre fica fora de mão. Eu discordo: fiquei nessa região todas as vezes que estive em Paris. Pode não ser perto das principais atrações turísticas, mas o metrô de Paris é completíssimo e te leva aonde você quiser. Além disso, você estará pertinho da Basílica de Sacre Coeur, outro cartão-postal muito conhecido da cidade. O Moulin Rouge, tradicional cabaré parisiense, também fica nesse bairro. Desse ponto, uns 20 minutinhos de caminhada e você estará na Opera Garnier. Uma vez lá, olhe só, mais 15 minutinhos e você estará na Praça da Concórdia, com a Champs-Elysées de frente para ela! O legal de cidades como Paris é que as coisas podem até ser distantes, mas entre os pontos A e B tem tantas coisas interessantes que é possível caminhar sem notar o esforço.

Terminado o dia, no Montmartre você vai achar bares, pubs, restaurantes e, claro, cabarés. Apesar da fama nem sempre boa, é uma região segura. Em Paris, seu maior receio deve ser com os batedores de carteira, que estão por todos os lados – das estações de metrô aos pontos turísticos mais badalados (e lotados) da cidade. Quer saber outra coisa muito legal do Montmartre? Esse é o bairro do filme Amelie Poulain.

Outra vantagem do Montmartre é o bem que o bairro faz para o bolso. Lá você vai achar muitas opções econômicas de hospedagem, seja em hotéis três estrelas ou em albergues. Já percebeu meus motivos para ficar lá, né?

Encontre hotéis no Montmartre 

  • Belleville

Parc de Belleville

Já cansou de visitar Paris e queria conhecer outro lado da cidade? Então o Belleville é o seu lugar na hora de decidir onde ficar em Paris! Esse bairro fica no 20º arrondissement, portanto afastado do centro. Mas lembre-se que Paris tem um ótimo metrô e não desista de ficar por lá. A grande vantagem é que essa passa longe de ser uma opção óbvia e turística. Nas ruas do Belleville você vai encontrar verdadeiros parisienses e uma quantidade muito menor de viajantes. Isso acontece porque a grande atração turística do bairro não é tão imperdível assim: o cemitério de Père-Lachaise, onde está enterrada gente fina, elegante e famosa, tipo a a cantora Édith Piaf (que por sinal nasceu no Belleville).

O Belleville é um bairro de imigrantes e trabalhadores que há uns 50 anos tinha fama de violento. Hoje tudo isso é passado – a fama do bairro é só mesmo a de charmoso. Vale dizer que essa é mais uma opção para quem quer conhecer Paris sem gastar rios de euros com hospedagem. O Beautiful City Belleville é um exemplo de hostel excelente com preços difíceis de encontrar na cidade.

Encontre hotéis perto do Belleville

Onde ficar em Paris: os hotéis e hostels que já nos hospedamos

  • Mercure Paris Alesia: hotel 4 estrelas, diárias a partir de 69 euros o quarto duplo. Apesar de fora do centro, no bairro Alesia – 14eme, fica do lado de uma estação de metrô e do tram. Excelente custo-benefício. Nos hospedamos em Julho/2018.
  • Beautiful City Belleville: hostel moderno, bonito e confortável. Quarto partilhado com duas camas e banheiro privativo por €40 euros por pessoa, incluindo café da manhã. Nos hospedamos em Maio/2018
  • Berri Apartment: apartamento do lado da Champs Elysées, localização super-privilegiada. Diária a partir de 148 euros para 4 pessoas (37 por pessoa). Pequeno, confortável e bem montado. Nos hospedamos em Dezembro/2015
  • Perfect Hotel and Hostel: hostel em Montmartre. Simples mas bem limpo – foi completamente reformado desde que estivemos lá. Ficamos no quarto triplo privado que custou na época 27 euros por pessoa, café da manhã incluído. Nos hospedamos em Outubro/2012

Onde ficar em Paris, na França

Foto: shutterstock.com

Onde ficar em Paris: outras opções

Paris não se resume a essas sete opções. Se você preferir fazer o percurso inverso, pode primeiro achar um hotel ou hostel que se adeque ao seu gosto e orçamento, para só depois pesquisar a região onde ele fica. É o caso por exemplo do Mercure Alesia na lista ali em cima, que mesmo sendo um 4 estrelas, fica muito mais barato do que diversas outras opções, só por estar fora do centro – o que não é um problema dada a facilidade do metrô.

Veja todas as opções de Paris fora do centro

Vai fazer mochilão? Então no seu caso pode ser melhor ver uma lista de hostels em Paris. E se tiver alguma dúvida basta deixar um comentário.

Vai para a França?

Paris é incrível. Tão incrível que acaba escondendo as belezas de outras cidades da França – o país vai muito além de sua capital. Você pode curtir alguns dias na cidade e incluir um bate-volta para a fofíssima Rouen, que está a apenas uma hora de ônibus ou trem.

Em seguida, dá ir para o Vale do Loire, por exemplo. Lyon, Sète, e Carcassonne –  uma cidade murada do século 13 – são outras partes lindas do país. Também vale a pena conhecer Biarritz e, olha só, de repente você estará pertinho da fronteira com a Espanha, justo na região do país basco. Saiba como montar um roteiro de viagem de 15 dias pela França (pelo menos) clicando aqui.

Também vale a pena explorar a região da Alsácia, que inclui as belas Estrasburgo e Colmar, na Rota do Vinho. Saiba tudo sobre essa viagem. 

E não se esqueça de que o seguro de viagem é obrigatório na Europa. Veja aqui como comprar seu seguro de viagem com desconto.

O 360meridianos é parceiro do Booking.com. Reservando seu hotel através dos links listados nesse post você ajuda o blog a se manter como um veículo independente e a continuar oferecendo informações e dicas de viagem de qualidade e gratuitas. E você não paga nada a mais por isso.

Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

43 comentários sobre o texto “Onde ficar em Paris: dicas de hotéis e melhores bairros

  1. Estou indo com meu marido para Paris em novembro, ficamos uma semana. Já estive em Paris outras 3 vezes então não estamos no furor dos pontos turísticos 🙂
    Queríamos nos hospedar numa área que não fosse interessante ( claro… ) e que tivesse um entorno com bares e restaurantes. Nós gostamos de sassaricar o dia todo e em geral à noite preferimos um jantar alcançável à pé…
    Será que você pode nos ajudar?
    Marais ou Montparnasse??
    Você acha que esse ap. atende essa nossa maneira de ser?
    Appartement Blanc et Gris
    rue des Vertus, 3e arr., 75003 Paris, France –

    ou esse ?
    Timhotel Odessa Montparnasse
    8, rue d’Odessa, 14th arr., 75014 Paris, France

    Se você tiver um tempinho para nos ajudar serei eternamente grata!!
    Beijos
    Katia

  2. Rafael, boa tarde!
    Olha, estarei em Paris no meio de Outubro e gostaria de uma opinião. Encontrei dois hostels q me interessaram, um é o st. Christopher Gare du Nord e o outro é o Generator Paris, ambos ficam no 10° arrondis… mas gostaria de saber pelo local, qual seria mais interessante, considerando que viajarei sozinha e pode acontecer de voltar ao hostel tarde.

  3. Olá. estou entre dúvida em ficar em um hotel proximo ao metrô Pernety ou próximo ao metrô da bibilioteca françois mitterrand. São lugares seguros?
    Obrigado pela atenção

  4. Boa tarde,

    Talvez não seja o post adequado para a minha pergunta, mas acho que é uma duvida geral. Depois dos atentatos, qual a real situação para o turista? Imagino que as tensões sociais se exacerbaram … Fiquei impressionado com as noticias da Belgica tambem …estou com medo de ir para Europa!

  5. Rafael, boa tarde, a muito venho num grande conflito, eu e meu esposo. Viajantes de primeira viagem, vamos passar por Paris, não que esse fosse nosso destino. Na verdade vamos a Lisieux, terra de Santa Teresinha do Menino Jesus,(hj é o dia dedicado a ela). Então porque não aproveitar e conhecer a cidade. Vc explicou td que nós passamos, dinheiro curto, cidade cara e onde ficar. Reservamos um hotel no 9arr. Pronto, qdo amigos souberam, falaram que lá é perigoso, alguem foi assaltado,que tem boemios e prostituição. Pronto, ficamos preocupados. Com dinheiro curto, já que vamos passar um mês passeando, precisamos economizar. Mais ao ler seu comentario sobre a região, acalmei meu coração e vou aproveitar o que essa região tem a nos oferecer, tomando os cuidados que devemos ter em lugares que não conhecemos. Além do mais, somos cariocas e sobreviventes dessa linda porém violenta cidade. Tenho lido mto o blog e hj resolvi escrever. Tivemos essa mesma situação qdo fomos ao Pelourinho, mta informação negativa, que era perigoso, com ladrões e td mais. Ficamos 4 dias lá,hospedados num flat, proximo ao Farol. Adoramos o Pelourinho, fomos tds os dias pra lá, em alguns até 2 vezes.
    E não vi tanto perigo. E algo que me chamou a atenção, qdo chegamos para tomar o Elevador Lacerda, um rapaz nos abordou para tomar conta do nosso carro, queria que pagassemos adiantado, mas meu esposo disse que pagaria qdo voltasse.Pensei logo, que na volta ou o carro não estaria lá, ou estaria danificado; PASMEM,qdo voltamos, bem tarde por sinal, o rapaz estava lá, sentado, esperando. Não sei se foi sorte. Amei o Pelourinho e meu preconceito joguei no lixo. Quero um dia voltar, de tanto que gostei. Parabéns pelo blog. E qdo me perguntam sempre digo que é mto bom. Ano que vem, na volta das ferias, vou postar minha opinião sobre essa região de Paris.

    1. Ótimo seu relato, Derli, Obrigado!

      E volte sim, por favor, com suas impressões de lá. Vai ser muito bom pra gente e para outros leitores.

      Abraço.

      1. Rafael, boa tarde. Estou voltando para deixar aqui meu relato como prometido. Ano passado pedi informações aqui sobre o 9arr em Paris e suas orientações acalmaram meu coração. A viagem foi maravilhosa. Passamos 31 dias, entre Portugal, Italia e Franca. Com relaçao a essa região de Paris não temos nada a reclamar. Ficamos hospedados próximo a estação de metro de Pigalle, da rua do nosso Hotel víamos a imponente cúpula da Sacrecouer. Confesso que me assustei um pouco assim que cheguei, porém acho que foi ainda reflexo do medo que trazia. Essa região estava um pouco suja, acredito eu que o serviço de limpeza estava em greve, assim como o de trens, reivindicando melhores condições. Mas nada disso nos atrapalhou. A região é bem calma, e nada do que eu li nos blogs presenciei. Sim, na Sacrecouer tinham mtos vendedores mas não fomos importunados em nada. A unica coisa que nos ofereceram foi cerveja e com o nosso não o vendedor foi embora. A região é bonita, tem um charme com prédios antigos e bem animada. Chegávamos no hotel por volta de meia noite, e a noite estava sempre agitada, com bares e supermercados abertos. Não fomos importunados em nada. E como Paris foi msm uma base para irmos a Lisiuex e Nevers, essa localização foi perfeita por ficar perto da Gare Saint Lazare e tbm caminho pra Bercy. Adorei td e se um dia voltar ficaria lá novamente. Obrigada por suas informações pois foram baseadas nelas que eu e meu esposo continuamos com a reserva neste local e que bom que não trocamos. Foi td perfeito.

  6. Adorei todas as dicas, mas gostaria de saber na sua opnião qual melhor região (das econômicas) para eu ir com meu marido e minha filha de 1ano e meio. Gostaria de uma região que tivesse algumas opções para um jantar (econômico) a noite perto do hotel e que fosse segura de sair com uma bebê de 1 ano e meio retornando no máximo às 22h para o hotel. Vi em um blog uma indicação do Aparthotel Adagio Paris Ópera. Eu pretendo dividir meus dia em passeios na parte da manhã, voltando para o hotel depois do almoço para minha filha descançar, depois passear mais um pouco até umas 17/18h para ela tirar outra soneca no hotel e, por fim, sair por volta das 20h para comer algo voltando às 22h. O que você me sugere? Você acha que esta indicação e região seria muito distante dos pontos turisticos, dificultando minhas idas e vindas ao hotel? Também estou pensando em ver algo no Airbn, mas já tendo uma região em mente fica mais fácil.

        1. Os arrondissements de 1 a 7, Suely. Paris é uma cidade muito grande, então é impossível ficar perto de tudo. Mas nessas regiões em geral você está bem.

          Abraço.

  7. Boa noite !!! Gostei muito do blog e também da página de vocês no facebook. Estou indo a Paris em novembro, ficarei 9 dias, e depois de consultar muitos aplicativos de hotéis e apartamentos, selecionei dois através do booking, e gostaria de saber a opinião de vocês. São dois hotéis da rede Citadines, um fica em Les Halles, e o outro no 16º arrondissement (este, quase ao lado da praça do Trocadéro). Os dois hotéis são bons, a minha dúvida é quanto à localização, os prós e os contras de cada bairro. Ao que parece, Les Halles é bem mais central e praticamente ao lado do Louvre, e pertinho de outras atrações. Por outro lado, pelo que entendi, seria um bairro bem movimentado durante o dia e um tanto inseguro à noite. Já sobre o 16º arrondissement, não consegui maiores informações, gostaria de saber se é um bairro legal e agradável para caminhar,enfim, a opinião de vocês sobre esses dois bairros. É muito longe para ir a pé da praça do Trocadéro ao Louvre, por exemplo ? Obrigado.

    1. Oi, Marcos. Olha, o Les Halles é bem mais central que o 16. Mas a Praça do Trocadéro é um ponto muito conhecido também. Fica em frente à Torre Eiffel. O Arco do Triunfo está a uns 20 minutos de caminhada da Praça (1.5 km, para ter a exatidão do Google Maps). E há restaurantes e cafés por lá, embora a presença da torre, tão pertinho dali, possa aumentar os preços – alguns estabelecimentos têm vista pra torre e são bem turísticos.

      São dois lugares agradáveis de caminhar sim. A questão da insegurança: o importante é não dar bobeira. Paris sabe ser violenta, assim como qualquer cidade do mundo. Fica esperto, não dê muita bandeira de turistão, principalmente de noite. Mas alguns cuidados básicos, que a gente costuma ter no Brasil, já devem bastar. Não é preciso ter pânico.

      Abraço.

      1. Muito obrigado, Rafael ! Acho que vou ficar em Les Halles, porque o 16º, apesar de pertinho da Torre Eiffel, fica muito longe dos demais locais de interesse. Valeu pelas dicas, um grande abraço !

  8. Bom dia!!!
    Estou indo a Paris dia 21 de dezembro.
    Estava lendo o post e procurando no booking hospedagem para 6 diárias.
    Tudo muito caro.
    A única exigencia do meu esposo é banheiro privativo. Ai já aumenta muito o preço.
    Achei o Studio Mozart que fica: (11 avenue Mozart, 16º arr., 75016 Paris, França).

    Você pode me dá alguma dica sobre este bairro?
    Estou muito louca procurando um local barato com essa exigência. Queria ficar perto das atrações turísticas.
    Não consegui me localizar com o nome dos bairros olhando aquele mapa central. A Torre Eiffel fica no 7 né?

    Agradeço muito

    1. Olha, falo ou não falo? (rs) … Bom se falar bobagem o Rafael colunista do blog me corrige! Trata-se do 16º distrito, fica bem proximo aos limites da cidade, não espera o mesmo “clima” do 5º por exemplo. E um bairro residencial, escolas, embaixadas. Agora, estara bem perto da estação La Muette, a linha 09 é relativamente tranquila (cheia em dias de jogos do PSG) e a estação calma, estara perto de varias atrações (destaque para o museu de Monet e a Eiffel fica perto, em torno de 2 KM). Para curtir a noite, sugiro usar os raros taxis e ter um mapa em maõs para indicar a localização ao motorista. Paris dorme cedo!!

      1. Rafael obrigada!

        Estou tentando procurar uma hospedagem mais no centro mesmo. Mas se não encontrar acho que vou ficar com essa mesmo.

        Os valores estão pelo preço da morte. kkkkkk
        Olha que ainda nem olhei de Londres. 🙁

        1. Vou tentar te ajudar, mas tenha em mente que tudo que vou dizer abaixo é uma opinião pessoal minha e que nem todo mundo concorda.

          A definição de uma boa localização depende muito do seu perfil de turismo. Há quem levante-se pela manha e passe o dia perambulando pela rua retornando no inicio da noite (20:00) para descansar no hotel, para este perfil não vejo muito problema em ficar em locais fora do centro turistico e dar uma economizada. Porem, há quem não abra mão da vida noturna (Bares, boates, jantares, concertos) o que além de mais caro exige uma localização mais proxima da vida noturna ou um capital extra para taxi (que são caros e não muito fáceis de pegar em Paris após a 01:00 a.m.)… O transporte publico para alguns lugares à noite tambem não é muito eficiente e seguro a depender do local onde se hospedara.

          Uma alternativa para diminuir os custos e investir em uma hospedagem mais central e/ou com mais conforto é reduzir os dias. Já esquematizou as atrações que realmente desejam visitar? É um bom começo para dimensionar seus custos e ver quanto sobra para investir em uma localização proxima ao que quer visitar. Se não pretende entrar em todas as atrações e gostaria apenas de passar pelos pontos turisticos (fazer a selfie, dar uma caminhada…etc.) uma grande sacada são os walking tours (passeios a pé pelos principais pontos turisticos), pois em poucas horas tera a oportunidade de visitar diversos pontos turisticos ( A sandemans inclusive oferece passeios com guias em ingles e espanhol de graça: http://www.newparistours.com)… permitindo reduzir alguns dias em cidades caras como Paris, pois, depois de fazer uma visita geral, voce ira direcionar seus passeios entrando nas atrações que realmente te interessam visitar (01 casal ficando 06 noites em Paris contabilizando transporte, hospedagem, refeições e atrações da uma bela grana rs).

          Por fim, vai uma opinião altamente pessoal: Indo além do marketing da Cidade Luz… Paris é linda? Sim, delumbrante … Gastronomia? Maravilhosa … Mas para por ai o céu de brigadeiros. É uma cidade grande com todos os problemas de qualquer outra (Toma por exemplo o nosso Rio de Janeiro!) Transito, batedores de carteira, pedintes, uma população sem teto que se revela ao cair da noite e fortes tensões socias (negros X brancos / imigrantes X nativos / mulçumanos x catolicos / ricos x pobres => e os turistas em meio a essa confusão) que são nitidamente percebidas nas ruas, estações e composições de metro, algumas linhas são cheias e tensas, bem como algumas estações a depender do horario são perigosas sim. O Frances nativo NÃO é mal educado, mas anda saturado da invasão de milhares de turistas e imigrantes em sua cidade o que os leva a uma postura mais fechada, portanto mesmo com um bom ingles tera dificuldades com a comunicação … Por que estou dizendo tudo isso? Voce fala que Paris é cara e eu concordo! Sob a ótica de que caro não é aquilo que possui um custo elevado e sim aquilo que possui uma relaçao custo X benefício desfavoravel. Estou indo para lá em 2016 porque minha namorada quer conhecer, mas sinceramente preferia a simpática Nice ou Marselha… Mas teu sonho é conhecer Paris? Vá a Paris, mas pensa se realmente precisa ficar 06 noites por lá!

          Para ficar no 7º ou 5º, acho dificil encontrar algo muito abaixo de R$ 500,00 / casal / noite.

          P.S. Sou apenas um leitor do site. O Rafael que é colunista do blog poderá te ajudar melhor por conhecer mais a cidade!!

          1. Gente!!! Estão me ajudando muito.

            Um dos meus sonhos é conhecer Paris, mas os dias ainda não estão fechados. Eu e meu esposo gostamos de bater perna. 😀
            Coloquei 5 dias completos pq já li em muitos lugares que não tinha como aproveitar e conhecer Paris com menos. E assim, não pretendemos voltar lá nem tão cedo. kkkkkkk
            Tenho consciência que é uma cidade com valores mais altos. Achei um hotel no 11, o Hotel Voltaire République. Queria saber se o bairro é tranquilo. 😀
            E tem o hotel: Hôtel du Commerce que fica na 5.

            Queria ficar num bairro legal, que pudéssemos sair a noite também. Não sei.

            Agradeço muito.

          2. Hôtel du Commerce, muito boa localização. Perto do agitado Quartie Latin. Tenha apenas atenção para o quarto que vai comprar se REALMENTE tem banheiro privativo(esses sites vendem varios tipos de quarto mas na busca inicial aparece o valor do quarto mais barato) e se o cafe da manha esta incluso (tem habito de tomar cafe da manha? acordada nos horarios?) …faz as contas …um cafe da manha em Paris custa entre 10 e 15 eur / pers.

          3. Com o euro no valor que está, dá até calafrios pensar num café da manhã de 15 euros. Eita, Paris. Cidade linda, mas cara…

          4. Hahaha …Regra nº 1: Tem coisas que é melhor nem converter.

            Como fazer? Tenho em mente que breakfast é a principal refeição no velho mundo e por volta das 09:00 CAPRICHO (Dai a importancia de pergar um hotel bacana com um pequeno-almoço bem servido já incluso no preço). Na rua gasto apenas com um menu por volta das 14:00 p.m. (20 a 25 eur) e ao cair da tarde lá pelas 18:00 o velho café ou chá acompanhado de uma torta e a noite vem a dica: lembre-se que no hotel há um frigobar e em toda cidade tem supermercado … lá um belo dia, em que não va curtir vida noturna, faço uma extravagancia e encaro o dinner com um bom vinho …

    1. Oi, Chirstiana.

      Nunca fiquei nessa região, mas conheço quem não tenha gostado, principalmente por conta da proximidade com a estação de trem.

      Por outro lado, esse hotel específico não está colado na estação e essa região tem melhorado nos últimos anos, com o surgimento de bares e alguns restaurantes. Os preços também devem ser mais em conta, o que é outra vantagem.

      Dê uma olhada nos comentários de hóspedes sobre a localização do hotel, tanto no Booking quanto no tripadvisor. Pode te ajudar a decidir.

      Abraço.

  9. Não me leva a mal, mas dizer que Montmartre é seguro e legal para se hospedar só pode ser brincadeira de mal gosto! Seguindo tua linha faltou incluir o distrito 19 … O 5º, que é o 5º, tem lugares não recomendados… brincadeira isso cara…numa boa mesmo

    1. Eu sempre fico em Montmartre, Rafael. Nunca tive problemas e gosto mesmo – continuarei ficando lá toda vez que estiver em Paris. 🙂

      Não levo a mal sua crítica, mas a forma como você colocou ela aqui foi um pouco agressiva. E desnecessariamente. Veja como você poderia ter comentado:

      “Discordo de você. Montmartre não é um lugar seguro e nem legal. Opções melhores são X, Y, Z. Já tive problemas em Montmartre, mas também nos lugares W, Y, X”.

      Enfim, você poderia ter feito um comentário menos agressivo e que contribuísse de alguma forma para a discussão, mesmo discordando. A discordância tende a render bons frutos e ajudar outros viajantes.

      Abraço.

      1. Amigo,

        Não quis ser agressivo. Peço desculpas.

        Mas a palavra “sempre” faz toda diferença neste caso!! Parece-me um Habitué na cidade, de tal sorte, que conheces os atalhos. Se imagina num final de semana qualquer, sem “querer”, perdido na Marché des Biffins??? Ou quem sabe subindo as escadarias da Sacre coeur em horário improprio? O turista de primeira viagem, le o post, acha os preços bacanas em relação ao 6º ou 7º, por exemplo, e entra numa silada bonitinho cara.

        Me desculpa mais uma vez, mas fiquei indignado. Sem querer ofender ou fazer uma critica dura, mas a responsabilidade de prestar informações a pessoas que estarão fora dos seus países, muitas vezes sem um domínio perfeito do idioma local, muitas vezes marinheiros de primeira viagem, é muito grande. Por muito pouco, não arrasei uma viagem que fiz a Barcelona, no bairro do Raval, por conta de um post em outro blog muito parecido com este. Então me senti na obrigação de deixar o alerta…

        Moro em cidade turística, Salvador-Ba. É semelhante eu falar em um blog que o Pelourinho é muito bom, tem artesanato, restaurante famoso, show do Olodum, Centro histórico e mandar um gringo se hospedar por lá… Eu ando no pelo qualquer hora do dia ou da noite e saio safo, mas um gringo de bobeira se torna presa fácil e vítima certa, as vizinhanças do local é um barril de pólvora. Sacou??

        1. Ok, Rafael. O seu segundo comentário foi muito educado, coerente e contribuiu para a discussão, mesmo que discordando de mim. Você podia simplesmente ter deixado pra lá, mas voltou aqui pra conversar e pedir desculpas. Agradeço por isso. 🙂

          Entendo e respeito o seu ponto, francamente. Mas deixa eu te explicar um pouco mais o meu: quando eu estive na França pela primeira vez, em 2011, eu quase chorei de pânico enquanto pesquisava por hospedagens em Paris. É tudo muito caro. E em todo lugar me diziam para ficar nos distritos mais centrais, perto de Notre Dame ou do Arco, evitando o Montmartre ou qualquer área um pouco mais afastada. Mas eu simplesmente não conseguia pagar por esses hotéis. Pesquisei com amigos, gente que ia com frequência ou morava lá, que me aconselharam a ficar no Montmartre – e garantiram que eu ia adorar, que o bairro tinha a minha cara. De fato, adorei.

          A questão é que há tipos e tipos de viajantes. E o 360meridianos tem foco no turismo econômico. Quando viajamos, muitas vezes ficamos em hostels, procuramos por bairros onde a vida noturna seja agitada, barata e existam muitos bares. Mas sempre pensamos no preço da hospedagem também.

          Coisas parecidas acontecem em Roma, por exemplo. Muita gente diz que não vale a pena ficar perto da estação termini. E eu concordo em parte, já que essa região realmente tem uma sensação de insegurança em alguns pontos e passa longe de ter o charme ou a vida noturna do Montmartre. Em outras palavras: acho a região da Termini ruim. Ponto. Mesmo assim, é lá que fica a maioria dos hostels, albergues e opções de hospedagem econômica em Roma. É por isso que, toda que vez que perguntam, eu digo: se você tem condições, não fique lá. Tem lugares bem melhores em Roma. Se você não tem, bem, não vai ser o fim do mundo. Fique por lá, permaneça atento e curta a cidade. Eu fiquei, muita gente fica, e a maioria não tem problemas.

          Acho que tem outra coisa nessa história também: nós, brasileiros, vamos para o exterior e temos uma quebra de expectativa. Assim como você em Salvador, eu estou acostumado a andar por Belo Horizonte, inclusive por áreas que muita gente diz que são perigosas. Mas eu me viro, sei quando entrar numa rua é cilada e sei como evitar problemas.

          Mas a gente, muitas vezes, vai pra Europa achando que é o primeiro mundo, que tudo lá é as mil maravilhas, e acaba pagando por isso. Barcelona, por exemplo, é uma cidade relativamente perigosa. Até o Dom Quixote foi assaltado lá, quando chegou na cidade, segundo nos conta a obra do Cervantes. É preciso ficar esperto, sempre. 🙂

          Pra complicar ainda mais a equação: acho que as áreas mais arriscadas para os turistas, em boa parte da Europa, são justamente as mais turísticas. A quantidade de batedores de carteira e golpistas nos arredores da Torre Eiffel, do Louvre ou do Sena, por exemplo, é assustadora. Tem batedor de carteira até dentro de Versailles.

          Enfim, entendeu meu ponto? Não pergunto se concordou, veja bem. E vamos continuar a conversa, porque acho que pode produzir bons frutos sim. Se tiver hotéis para indicar em Paris, só colocar aqui.

          Abraço.

          1. Rafael,

            Para te falar a mais pura verdade(rs), não sou lá essa fan da Cidade Luz! Talvez a origem da minha acidez nas criticas. Inclui no meu roteiro 2016 por imposição da minha namorada, preferiria muito mais Marselha por exemplo, apertei 04 noites no roteiro (o dia da chegada e mais 03), rapidinho … e estava navegando para me atualizar a respeito de como as coisas andam em Paris: Tensões sociais, religiosas, raciais; a evolução dos Bairros, etc..

            Achei curioso citar minha amada, intensa, louca e liberal Barça, te digo que curti muita praia em Barceloneta (sem desgrudar 01 minuto da minha mochila), madrugadas em Barri Gotic e Port Olimpic, Razzmatazz, e não me senti inseguro como em Paris. Talvez uma mera questão de afinidade pela cidade.

            Não sou do perfil 5 estrelas, mas prezo um pouco de conforto e economizar no taxi, afinal a night life é prioridade em minhas viagens.

            Passado o susto(rs), olhei o blog com mais carinho e vou usar muitas dicas. Ainda mais sabendo dessa inclinação “pocket-friendly”!! Brincadeiras a parte, mais uma vez desculpa esse impeto latino, o sangue quente aflorando, que alias nada combina com Paris, não é mesmo??? kkkk… Mas Montmartre vai ficar de stand by, minha namorada não quer nem ouvir falar do tal do Moulin Rouge!!

            abraço,

          2. haha! Relaxa, está tranquilo. E olha: é claro que tem coisas no blog que merecem críticas. Eu sei disso – críticas tendem a tornar qualquer coisa melhor, a fazer a gente crescer, refletir. Não pense que a sua crítica não serviu pra nada. Serviu sim. 🙂

            Eu gosto de Barcelona e em breve o 360meridianos vai ter até uma blogueira morando lá. Ou seja, muitas dicas virão. Mas, já que nossa conversa começou com uma polêmica, vou deixar outra: gosto mais de Madrid que de Barcelona. E muita gente acha que estou doido por falar isso.

            Gostos e preferências, como entendê-los?

            Abraço e seja bem-vindo ao 360. 🙂

  10. Oi Rafael! eu achei um hostel muito bom aparentemente e com o preço bem acessível.. mas ele fica na região da Bastilha.. vi que você não falou sobre ela.. o que você acha de lá? já fui uma vez e gostei da região..mas nunca passei a noite por lá..
    obrigada!

    1. Acho que é uma boa região sim, Julia. Central, metrô por perto, histórica. Nunca fiquei lá, mas já passei algumas vezes.

      Abraço.

      1. obrigada!! e não liga pra essa galera grossa não hahaha todo mundo tem um dia ruim e não sabe aonde descontar..o blog de vcs é excelente e pra mim o melhor para viajantes 😉

    1. Todas as opções são boas, mas a coisa muda um pouco quando a viagem é por tanto tempo assim. Pode ficar caro pagar por hospedagem nas áreas mais centrais, por exemplo.

      Se esse for o caso, opções como o Belleville ficam ainda mais interessantes. E leve em consideração também a proximidade com o local onde você vai estudar.

      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.