Passeio pelas vinícolas do Valle do Colchagua, no Chile

O Chile é sinônimo de duas coisas que o brasileiro adora: neve e vinhos. E se as vinícolas que ficam pertinho de Santiago já entraram no mapa turístico do brasileiro – tipo a Concha y Toro – outras, um pouco mais afastadas da capital, costumam ficar de fora do roteiro de viagem. Esse é o caso do Valle do Colchagua, a 180 km de Santiago.

E isso é uma pena. Afinal, além de ter quase três dezenas de (boas) vinícolas, essa região é linda a ponto de valer a pena gastar alguns dias por lá, relaxando com montanhas de fundo e vinícolas de cartão-postal. As fotos não me deixam mentir, né?

Vinícola Montes, Chile

Estive no Valle do Colchagua em março deste ano, durante uma viagem de seis dias pelo país. Fomos no esquema bate-volta. É cansativo, mas vale a pena. Se você tem carteira de motorista, pode ser uma boa ideia alugar um carro, seguindo pela Estrada Panamericana Sul. Se resolver não dirigir, várias agências de viagem também oferecem tours para lá. Uma alternativa é pegar o Trem do Vinho, serviço turístico que liga Santiago ao Valle do Colchagua.

O trem era um passeio concorridíssimo, até que o terremoto de 2010 atrapalhou as coisas e fechou as linhas por quase quatro anos. Reaberto no final de 2014, o Trem do Vinho sai um sábado por mês. A viagem dura cerca de três horas e o desembarque é feito na cidade de San Fernando, de onde saem vans para as vinícolas da região. O passeio custa 44 dólares. Mais informações no site oficial.

Dica Importante: Não cometa o erro de viajar para o Chile sem um seguro viagem. 

Entenda a razão e saiba como conseguir um seguro com desconto

Valle do Colchagua, Chile

Valle do Colchagua: quais vinícolas visitar?

Nós visitamos duas: a Montes e a Santa Cruz. Não sei se as outras viñas da região são mais bonitas, mas se o padrão simplesmente for mantido, então olha, você não vai ter do que reclamar.

Criada na década de 1980, a Montes fica cercada por montanhas. O tour começa com explicações sobre o processo de fabricação do vinho, como é padrão em vinícolas, não importa o país. Como estivemos lá em março, as parreiras estavam cheias, o que deixou as fotos ainda mais bonitas.

Vinícolas do Chile

Também presenciamos o processo de separação das uvas, algo que não vi em nenhuma outra vinícola que visitei. Depois da degustação (minha parte favorita em passeios assim), entramos numa caminhonete para percorrer a vinícola.

Valle do Colchagua, Chile

Eu achei a Montes mais bonita, mas não dá para negar que a Santa Cruz tem o seu charme: um teleférico e um mirante. Além de apreciar a vista, lá fica um museu que conta um pouco da história da região. E não faltou a degustação de vinhos, claro.

Valle Colchagua, Chile

A Viña Santa Cruz é mais nova, foi inaugurada em 2006. Eles oferecem seis tipos de passeios diferentes, incluindo o da vindima, que permite que o visitante participe da colheita da uva. Também há o Tour da Oliva. Eu não fiz, mas parece interessante: os visitantes podem provar as azeitonas e conhecer um pouco mais sobre a produção de azeite.

Viñas do Chile

Ficou com fome? Em quase todas as vinícolas é possível almoçar, apesar de não termos comido em nenhuma delas. A não ser que você resolva passar alguns dias no Valle do Colchagua, é provável que você consiga visitar apenas duas vinícolas. Se quiser mais alternativas, o site do projeto Rota do Vinho tem uma lista com vários dos passeios disponíveis.

*O blogueiro viajou a convite do Valle Nevado


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

10 comentários sobre o texto “Passeio pelas vinícolas do Valle do Colchagua, no Chile

  1. Olha, não sou nenhum conhecedor de vinho sou apenas um apreciador. Dizer que nossa comida é a melhor do mundo não tenho duvida. Quanto ao nossos vinhos, são iguais aos produtos que vem do outro lado do rio Parana, a qualidade é bem fraquinha mesmo. Não recomendo.

  2. Se alguém resolver ir a Colchagua, não recomendo contratar a Ruta del Vino. Demoraram três semanas para enviar o voucher, que não incluía tudo o que contratei e agendou um passeio para horário diverso ao contratado. Quando entrei em contato, somente concordaram em incluir um museu que eu havia pago, mas o horário, a ausência do teleférico e o restaurante inferior ao contratado não seriam mudados.

  3. Rafael,

    conversei com várias pessoas da cidade que me confirmaram a informação.

    Um bom lugar para almoçar é o restaurante Rayuela, que fica na vinícola Viu Manet, a poucos quilômetros do centro da cidade. É um lugar de puro prazer e com preços honestos.

  4. Cara,

    Lamento informar, mas dizer q o clima do Brasil não propicia a produção de vinhos é muito desconhecimento de causa para dizer o mínimo. Há vinhos chilenos horríveis e os q realmente valem a pena estão bem caros, inclusive em Santiago. Dê um rolé no Vale dos Vinhedos e depois conversamos. Fica a dica. Abs.

    1. Ok, Rodolfo. Vou pesquisar e corrigir a informação. 🙂

      Mas, na boa, precisa comentar nesse tom? Há formas e formas de fazer comentários, inclusive críticas.

      Você podia ter comentado assim: Há vinhos ótimos no Vale dos Vinhedos.

      Pronto. Não precisa desse tom, saca?

      Abraço.

    2. Fui uma única a Bento Gonçalves, o tal Vale dos Vinhedos é até bonitinho. mas querer comparar a qualidade dos vinhos Chilenos com os do RS é D+, vão ter que amassar muita uva.

  5. Na vinícola Santa Cruz o que realmente impressiona é a estrutura, seus museus, principalmente o do automóvel que possui um dos Deloren usados nas gravações do filme De Volta ao Futuro, mas a cozinha não é boa e seus vinhos são medíocre.

    Outra visita muito bonita é o museu na cidade de Santa Cruz, que é do mesmo dono da vinícola.

    O que pesa na visita desses dois lugares é que o dono acumulou sua fortuna vendendo armas para guerra, informação que infelizmente fiquei sabendo quando estava deixando a cidade.

    1. Oi, Claudio.

      Pois é, gostei muito da estrutura de lá. E não fazia ideia dessa informação sobre o dono da vinícola – que coisa!
      Vou até tentar saber mais sobre isso. Onde você viu essa informação?
      Abraço.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.