Grandes viajantes: Clare Hollingworth, sempre pronta para a guerra

Talvez você tenha ouvido falar de Clare Hollingworth em alguma manchete de jornal. A mulher que noticiou em primeira mão o início da Segunda Guerra Mundial morreu recentemente, aos 105 anos. Foi assim que eu descobri sua história e, no minuto em que assisti a reportagem, soube que Hollingworth era mais uma personagem maravilhosa para a série de Grandes Viajantes.

Durante os conflitos do século 20, onde quer que fossem no mundo, lá estava ela, firme na cobertura. Vale dizer que o grande furo, aquele que lhe rendeu a fama, aconteceu quando ela tinha 27 anos e apenas uma semana de contrato no jornal Daily Telegraph. Nascida em uma pequena cidade inglesa, seu primeiro emprego foi como secretária na Liga das Nações Unidas. Conseguiu uma bolsa de estudos para ir para Londres e de lá seguiu para Zagreb, na Croácia.

Grande viajantes Clare Hollingworth austria 1938

Clare Hollingworth na Áustria, em 1938. Foto: HOLLINGWORTH FAMILY/ BBC

E, depois disso, passou a fazer serviço de ajuda humanitária na Polônia, através do Comitê Inglês para Refugiados (BCRC), ajudando gente que tinha fugido da recém ocupada Checoslováquia a conseguir visto para o Reino Unido. Ela fez um trabalho tão bom, em conjunto com a embaixada local, que quase 13 mil pessoas conseguiram a documentação nesse período e até o MI5 (serviço de inteligência britânico) passou a investigar as atividades. Clare seguiu trabalhando para a organização até o verão de 1939, quando não conseguiu mais renovar o contrato.

Foi no retorno para Londres que ela conseguiu um emprego para voltar para a Polônia como correspondente. Seu objetivo seria reportar o aumento das tensões na Europa. Para conseguir cruzar as fronteiras entre Alemanha e Polônia, conseguiu convencer o cônsul britânico a emprestar seu carro diplomático. Foi nessa rota entre fronteiras, no dia 28 de agosto, que Hollingworth descobriu as tropas alemãs se organizando massivamente em direção à Polônia.

Sua história foi a manchete na capa do jornal no dia seguinte: 1,000 tanks massed on Polish border. Ten divisions reported ready for swift stroke.

Clare segunda guerra mundial

Crédito: The Daily Telegraph/PA

No dia 1° de setembro, Clare ligou para embaixada inglesa em Varsóvia para informá-los da invasão inevitável. Para convencer os oficiais da embaixada, segurou o telefone pela janela para capturar os sons das forças alemãs. “Eu contei essa história quando eu era muito, muito jovem. Eu fui lá para tentar ajudar os refugiados, os cegos, os surdos, necessitados. Enquanto eu estava lá, a guerra de repente aconteceu”, contou numa entrevista a um jornal inglês.

Announcing_state_of_war_with_Germany_cph.3c32594

Ela cobriu o front da Segunda Guerra Mundial para diferentes jornais: foi para Budapeste cobrir a renúncia forçada do Rei Carol II. Esteve no Egito, Grécia e Turquia a partir de 1940. Para evitar ser presa por estar furando a censura imposta, ficou nua e disse que o policial não poderia prendê-la sem roupas. Isso garantiu que um amigo chegasse a tempo de salvá-la.

Ela também foi proibida de continuar cobrindo o front da guerra no Egito por um general britânico que não aceitava mulheres trabalhando na guerra. Ela então passou a seguir as tropas dos Estados Unidos na Argélia, com o então general Dwight D. Eisenhower (que depois tornaria-se presidente do pais, em 1953) e fazer a cobertura para um jornal de Chicago. Foi assim que foi parar na Palestina, Iraque e Irã.

Depois do fim da guerra, Clare Hollingworth não perdeu a necessidade jornalística que a movia, de reportar sobre os conflitos do mundo de perto. Para ela, cobrir esses conflitos era “uma das atividades mais significativas que um escritor pode participar”. Guerra na Argélia, atentados em Jerusalém, guerra do Vietnã, revolução Chinesa, revolução Iraniana. Onde havia notícia, ela estava lá, não importa onde no mundo, nem os perigos.

Grande viajantes Clare Hollingworth 2

Clare no Vietnã em 1968. Crédito: Manhhai – (CC BY 2.0)

Clare não era uma excelente repórter apenas por sua paixão pelo tema e muito menos por ser vista com aquele estigma de “a única” ou a “primeira mulher”. Pelo contrário, eram várias mulheres fazendo o mesmo trabalho. Hollingworth se destacava dos colegas de qualquer gênero porque, além da boa escrita, talento para se relacionar com pessoas e fazer boas entrevistas e atenção aos fatos e detalhes, ela tinha enorme conhecimento sobre tecnologia militar, tendo inclusive aprendido a pilotar nos anos 40.

Grande viajantes Clare Hollingworth war correspondent

Crédito: DAILY TELEGRAPH / BBC

Em 1981, já aposentada, mudou-se para Hong Kong, onde frequentava quase diariamente o Clube dos Correspondentes Estrangeiros. Em 1990 publicou um livro de memórias profissionais, chamado Front Line. Em 2016, seu sobrinho-neto, Patrick Garrett publicou a biografia: Of Fortunes and War: Clare Hollingworth, First of the Female War Correspondents. Ela morreu no dia 10 de janeiro de 2017, com uma carreira de muitos prêmios e inspiração para jornalistas no mundo inteiro.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “Grandes viajantes: Clare Hollingworth, sempre pronta para a guerra

  1. Luiza!

    Parabéns pelos teus textos!

    Acompanhar o 360 é sempre uma maneira leve, porém rica em detalhes, de aprendermos mais sobre o lindo mundo no qual vivemos.

    Abraço e sucesso!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.