Tags:
Atlas: Índia

Pimenta e massala na comida indiana: como lidar

No salt, no massala, no chili. Há um mês e meio na Índia, esse foi o único mantra que aprendi até agora. Eu, que não como nem ketchup picante e não entendo como as pessoas podem gostar de uma comida que MACHUCA, vim parar na terra das especiarias, onde as pessoas comem pimenta como se fosse açúcar.

Eu não estou brincando. Nas barraquinhas de comida que ficam próximas ao meu trabalho, precisamos pedir aos vendedores para não colocarem massala – uma mistura de temperos que pode ser bem picante – nos sucos e nas saladas de frutas.

Comida indiana

Foto: Marco Abundo, Wikimedia Commons

A tal da massala, inclusive, está em todo lugar. Nas prateleiras dos supermercados é difícil encontrar chips, macarrão instantâneo ou sopas que não estampem nas embalagens sabores como o Super Spicey Massala, Cheese Massala ou o temido Massala Tomato. E se com as pimentas podemos simplesmente ignorar o ardor e tentar tomar uma água, com a massala é impossível. Ela deixa sua marca registrada, aquele gosto característico que faz você ter certeza que aquela é uma típica comida indiana.

mercado especiarias india

Há quem goste. Na verdade, há no mínimo 1 bilhão e 200 milhões de pessoas que gostam. Mas eu, com meu paladar infantil, confesso já ter me rendido à pizza há algumas semanas.

Leia também: Isso é o que eles chamam de paladar infantil

Nem tudo está perdido!

Na rua onde os trainees da empresa onde estamos trabalhando costumam almoçar, é possível encontrar uma variedade de comidas indianas feitas para indianos. Isso quer dizer que você pode esquecer os padrões de higiene internacionais adotados por alguns restaurantes bacanas de olho em turistas. Do cara do café ao dono da empresa, tudo mundo aqui almoça no podrão ali de baixo. Anticorpo na Índia é adquirido na marra.

Vendedor fazendo paranta na Índia

A paranta (essa aí da foto) é talvez o prato mais comum e o primeiro que eu tive vontade de comer. Uma espécie de pão com panner (um queijo parecido com o cottage) ou batata dentro que é servido acompanhado de uma variedade de molhos. O pão é bem gostoso e fica ainda melhor quando você joga manteiga derretida em cima, mas eu preferi ignorar os molhos.

Com uma ajuda dos nossos amigos tibetanos, encontrei outra opção plenamente aceitável para meu paladar infantil: os momos, uma massa recheada de frango ou vegetais que pode ser servida frita ou cozida. A comida tibetana é bem comum no norte da Índia e é mais leve e menos temperada. Uma delícia!

momos_nepal

Mas e aí, comida indiana não tem churrasco?

Não sei se é porque estou no norte e em uma das cidades mais ocidentalizadas da Índia, mas não conheci nenhum indiano totalmente vegetariano e muitos deles me confessaram já ter provado carne de boi alguma vez na vida. Mas realmente esse é um artigo raro por aqui, embora seja possível encontrá-la em cidades grandes como Delhi e Mumbai, em Goa e em lugares com forte presença muçulmana, como Calcutá e Agra.

Tali-refeição-típica-do-sul-da-Índia

E os franguinhos, coitados, ninguém defende…

Mas como a venda de carne bovina ofende os hindus e de carne de porco ofende os muçulmanos, quem vira ensopado são os frangos. Aliás, não apenas ensopado, os galináceos aqui viram frango frito, assado, no espeto, frango tikka, presunto de frango… Antes de chegar aqui nunca achei que havia tantas formas de preparar uma galinha.

E tenho que agradecer tanto a Ganesha quanto a Alá pelo fato de que nenhum deles cismou que os frangos são sagrados ou impuros. Desde que cheguei aqui essa tem sido minha única fonte de proteína.

Refeição-com-frango-no-Índia

Vai viajar? O seguro de viagem é obrigatório em dezenas de países e indispensável nas férias. Não fique desprotegido na Índia. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício para o país – e com cupom de desconto.

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Um comentário sobre o texto “Pimenta e massala na comida indiana: como lidar

  1. Isso é engraçado… com o perdão das desinterias por aí. Eu comentei com o Rafa no Face que fui a um restaurante indiano aqui em BH e ele falou da saudade do feijão tropeirão. Comi tudo que podia com o máximo de pimenta possível e suei como azulejo de sauna. A gente se diverte com o que é diferente ou está longe. Parabéns pelo blog. Abraços!

    Marco Antônio Astoni

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.