Comida mineira: 7 pratos típicos do estado

Não é que seja impossível achar um bom pão de queijo fora de Minas Gerais. Só é muito mais difícil – e mais caro. Mas a comida mineira, que, sem modéstia, é uma das melhores do Brasil, vai muito além disso. Basta eu passar alguns dias longe do estado para voltar para casa morrendo de saudades. É saudade do tropeiro, do frango com quiabo, do angu, da couve e de todos os ingredientes e pratos típicos da culinária mineira.

Nesse post, você descobre não só uma lista com as comidas típicas de Minas Gerais, mas também as receitas para essas deliciosas comidas mineiras.

Se você vai passar por Belo Horizonte, já fica a dica: corra para o Mercado Central, que reúne a maior quantidade de pratos típicos de Minas por metro quadrado. Do Casa Cheia aos pratos feitos do Restaurante do Jorge Americano, do fígado com jiló dos bares aos queijos e doce de leite das lojas do mercado – não faltam boas opções por lá.

Veja também:
O que fazer em Belo Horizonte
• Onde ficar em Belo Horizonte: nossas dicas de hospedagem
• Pampulha: visita ao patrimônio da humanidade, em Belo Horizonte
• Mercado Central de BH: ponto de encontro mineiro

comida mineira pratos típicos

Neste texto, listo alguns dos meus pratos favoritos da comida mineira. E não fecha a cara. Eu sei que tudo parece muito gordo, eu sei que tem coisa que parece esquisita. Mas você precisa testar para saber se gosta, né?

Comidas típicas de Minas Gerais:

  • Feijão Tropeiro

Eu sei que o feijão tropeiro é comum também em Goiás e em partes do estado de São Paulo, até pela origem histórica do prato, ligada aos tropeiros, mas é Minas Gerais que ele chama de casa. Feijão misturado com farinha de mandioca, torresmo, linguiça, bacon, cebola e temperos em geral, tudo com um ovo frito (de gema mole!) por cima, embora tem que prefira as versões com ovo cozido. Também pode ser acompanhado por um bife, em geral de porco. Olha, pode até ter comida mais saudável, mas é difícil ter coisa melhor, viu. Veja a receita aqui.

Prato mineiro por excelência, o tropeiro é tão tradicional que está presente até nos estádios de futebol: vá ao Mineirão ou ao Independência com fome. Chegue um pouco pouco antes do jogo e peça um tropeiro num dos bares ao redor do estádio – custa cerca de R$ 10. E vai matar sua fome.

pratos típicos de minas

Tropeiro de um dos bares ao redor do Independência

O tropeiro é vendido há décadas também dentro do Mineirão, comida de arquibancada mesmo, mas após a reforma e a gourmetização dos estádios brasileiros, o tropeiro chegou a ficar de fora do menu. Depois, foi liberado, mas sem ovo frito. A pressão foi tanta que o tropeiro, com ovo, logo voltou ao cardápio.

  • Frango com quiabo e angu

Frango, quiabo e angu – tá aí outro almoço que não consigo recusar. Essencial ao prato, o quiabo é uma herança da culinária africana, mas a receita também teve influência indígena e portuguesa. É tradição em Minas Gerais desde o século 19 e logo migrou para as mesas das famílias ricas, assim como ocorreu com mais comidas brasileiras. O angu, outra iguaria de origem africana, completa a refeição. Veja a receita do frango com quiabo e angu aqui.

Não faltam opções de frango com quiabo no Mercado Central. Outro lugar onde o prato é tradição é o Maria das Tranças, restaurante tradicionalíssimo de BH. Se passar por lá, aproveite para provar também os pastéis de angu. Ou o prato a seguir.

  • Frango ao molho pardo

Meu avô materno adorava frango ao molho pardo. Ele, Juscelino Kubitschek e mais um monte de gente, famosos ou não, mineiros ou não. O endereço mais famoso do Frango ao Molho Pardo em BH é o Maria das Tranças, que garante fazer o melhor do Brasil, mas o prato está presente em muitas mesas mineiras.

comida mineira

Foto: Divulgação/Maria das Tranças

O prato tem origem portuguesa e chegou ao Brasil no século 16. Por conta disso, há variantes da receita espalhadas pelo mundo, sempre em lugares onde ocorreu colonização portuguesa – existe um prato parecido até em Macau, na China, e no nordeste brasileiro é servido a Galinha à cabidela, que tem suas semelhanças.

Em geral, a ave é abatida na hora – ou pouco antes da refeição – e o sangue é coletado e guardado numa vasilha. Sangue? Sim. E não feche a boca, porque é estranho, mas o o sabor é ótimo. Junto com um copo de vinagre, o sangue é cozinhado por meia hora e depois usado, com outros temperos, como molho. Veja a receita aqui.

Angu, couve, farinha de ovos na manteiga e quiabo são alguns dos acompanhamentos mais tradicionais.

  • Arroz com pequi

Eu sei que o arroz com pequi é muito comum no Centro-Oeste. Por falar nisso, se tem outro estado com culinária incrível e cheia de semelhanças com a mineira, esse estado é Goiás. Vai para lá? Prepare-se para comer bem. E muito.

Dito isso, é inegável que o arroz com pequi também faz parte do dia a dia dos lares mineiros, em especial no norte do estado. O pequi, fruto muito comum no cerrado, é consumido cozido, junto com arroz e frango. O fruto, amarelo, tem gosto peculiar e não agrada certos paladares.

Gostou? Ótimo, mas tome cuidado, pois o caroço do pequi é cheio de espinhos e o fruto precisa ser comido com cautela – nada de cravar os dentes. Não são raros os casos de gente que, sem saber disso, dá uma baita mordida no pequi e acaba com a boca cheia de espinhos. Receita aqui.

  • Mexido

Descobri escrevendo este texto que existe uma coisa chamada mexido à mineira – que é basicamente qualquer mexido comido pelas bandas de cá, o que torna a expressão redundante. Mas beleza, tudo bem, não vamos polemizar: o que importa é que é bom.

Só que o prato muitas vezes vai além da lógica “junta tudo que sobrou de outras refeições e joga na panela”, que sim, não deixa também de ser verdadeira. Em Minas, o mexido não só está presente nas mesas das famílias, mas é frequente nos cardápios de bares e restaurantes. O do Casa Cheia, que tem unidade no Mercado Central e na Savassi, é imperdível. Outro famoso na noite belo-horizontina é o Mexidão do Chopp da Fábrica.

pratos da comida mineira

Foto: Divulgação/ Chopp da Fábrica

Os ingredientes são os mesmos, aqueles que são quase onipresentes nos pratos listados neste texto: arroz, couve, ovo, linguiça, torresmo, carne de boi, alho, cebola e um pouco de feijão, tudo junto e misturado.  Eu apoiaria se tivesse jiló também, mas tem gente que diz que aí vira bagunça. Receita aqui.

  • Fígado com jiló

Inicialmente consumido por operários, justamente por ser um prato barato, logo ele virou a iguaria máxima do Mercado Central de Belo Horizonte – o figado com jiló é consumido aos montes em todos os botecos do lugar. Os comensais, geralmente em pé, dividem o fígado acebolado e saboreiam o jiló enquanto tomam cerveja ou uma cachacinha.

Eu sei, você vai dizer que fígado é ruim e que jiló é comida de passarinho. Muita gente já me disse isso. Eu já disse isso – e odiei jiló por anos. Até que comecei a frequentar o Mercado Central e, olha só, me apaixonei pelo prato. Receita aqui, mas o melhor mesmo é ir ao Mercado para conhecer o original.

Por falar em pratos típicos de Belo Horizonte, faço um parenteses para destacar também o Kaol, desenvolvido pelo tradicional Café Palhares, que funciona há mais de três décadas no centro da cidade. A primeira letra é para cachaça ( sim, com K) e as seguintes são para arroz, ovo e linguiça. Além disso, hoje a receita leva também couve e torresmo.

  • Doces e geleias diversas

Eu sei, faltou falar do tutu, da costelinha, da vaca atolada, do leitão, mas não quero causar uma overdose gastronômica em ninguém, então encerro a lista como toda boa refeição: com a sobremesa. Doce de leite para ninguém reclamar, goiabada com queijo, doce de abóbora, de queijo, ambrosia e as mais diversas geleias. Tem tudo isso no Mercado Central, então corre para lá.

Por falar nisso, fica aqui outra dica de restaurante para conhecer em BH: tem tempo (e lugar no estômago) de sobra? Dá uma passadinha no Xapuri, que fica na Pampulha. Você não vai se arrepender.

Clube Grandes Viajantes

Gostou deste texto? O 360meridianos faz jornalismo de viagem profissional, completo e de qualidade. Com a pandemia, vimos o site entrar em risco. É que produzir conteúdo bem-feito dá trabalho – e custa caro. Infelizmente, não conseguimos escrever reportagens especiais, dicas de viagem completíssimas e histórias cativantes sem dinheiro.

Foi por isso que criamos o Clube de Assinaturas Grandes Viajantes, um espaço para apaixonados pelo 360meridianos, por viagens e por leitura. As contribuições de 9 ou 19 Reais garantem não só que consigamos continuar produzindo textos como este, mas também te prometemos diversas recompensas exclusivas: ebooks, lives, um grupo de discussão, um minicurso de escrita e muito mais! Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







Quer nosso kit de Planejamento de Viagens?
Contém um Ebook, tabelas de orçamento,
roteiro e check-list (DE GRAÇA!)




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

28 comentários sobre o texto “Comida mineira: 7 pratos típicos do estado

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.