Tags:
Atlas: Brasil, Irlanda

Hy-Brasil, a fantástica ilha mitológica perdida no Atlântico

:A história oficial todo mundo ouviu na escola: nosso país foi batizado graças à grande quantidade de pau-brasil que era retirada da costa nos primeiros anos de colonização. Antes disso, se chamava Terra de Santa Cruz e, antes ainda, Ilha de Vera Cruz, porque os portugueses não faziam ideia do pedaço de continente que eles estavam invadindo quando chegaram aqui. Mas provavelmente você nunca aprendeu sobre a Hy-Brasil.

A versão é coerente, é claro, mas há um pequeno detalhe que nem sempre é mencionado: o nosso nome já existia muito antes das Grandes Navegações botarem os pés nas Américas e era, com frequência, usado para designar uma ilha fantástica e inalcançável que flutuava ao léu pelo Atlântico – e pela imaginação dos povos europeus.

A história tem origem entre os povos celtas que habitavam a Irlanda na Idade Média. Segundo a crença, havia, a oeste do país, uma ilha em formato perfeitamente circular que vagava pelo oceano e era completamente coberta em brumas. A cada sete anos, as brumas se dissipavam e a terra podia ser avistada por olhos humanos, mas nunca alcançada.

A lenda se espalhou para outras culturas da Europa e foi muitas vezes recontada e adaptada, virando sinônimo para terras encantadas que existiam além do limiar conhecido do Atlântico. Chegou a ser incluída em trabalhos cartográficos até o início do século 19, tendo aparecido pela primeira vez em um mapa genovês em 1325 e, em 1375, em um atlas catalão.

Saiba mais sobre outros lugares mitológicos:
A verdadeira história por trás da lenda de El Dorado
Z, a cidade perdida do Coronal Fawcett

Mapa catalão da Europa que incliu a Hy Brasil

Mapa catalão que inclui a Hy-Brasil à oeste da Irlanda, uma ilha perfeitamente circular. Fonte: Wikimedia Commons.

Ninguém sabe muito bem o motivo pelo qual os celtas batizaram a ilha mitológica de Hy-Brasil, ou Hy-Breasal, para ser mais exata. Sabe-se que, no antigo idioma céltico, a expressão Uí Breasail teria evoluído para o gaélico O’Brazil e significa “descendentes do vermelho”, mas ninguém sabe direito quem ou o que era o vermelho em questão ou se o nome chegou a influenciar o batismo do pau-brasil, que também remete ao vermelho da árvore, mas cuja etimologia mais aceita é que venha de um adjetivo derivado da palavra brasa.

Uma teoria que explicaria a questão é a de que, em tempos antigos, os egípcios chegaram a aportar na Irlanda para comprar e vender produtos. Um dia, a rota comercial parou de ser lucrativa e eles, “os ricos vermelhos”, desapareceram para sempre em sua terra além-mar.

Mas tanta indefinição na origem do nome ou na localização exata da ilha não se reflete na lenda por trás dela, que tem elementos bastante consistentes. De acordo com os celtas, o lugar seria a casa de uma população abastada e tecnologicamente avançada, com torres de telhado de ouro, domos gigantescos e criações de animais perfeitamente saudáveis.

Em algumas versões, o lugar seria casa dos deuses do panteão irlandês. Em outras, habitada por padres ou monges que eram guardiões de um conhecimento ancestral, o que os permitiu criar uma civilização extremamente avançada. Nos mapas, era retratada como um círculo perfeito com um canal semi-circular cortando o centro. Qualquer semelhança com o círculo da bandeira do Brasil é mera coincidência (ou não).

Em busca da ilha perdida de Hy-Brasil

A tal ilha Brasil foi vastamente procurada, e há diversos relatos de viajantes que afirmam tê-la encontrado. O relato mais famoso é o do capitão irlandês John Nisbet of Killybegs. Segundo ele, sua embarcação navegava em águas próximas à costa da Irlanda quando foram surpreendidos por uma densa neblina. Quando ela se dissipou, o navio estava perigosamente próximo a um conjunto de rochas que ele desconhecia.

Buscando se orientar, ele resolveu ancorar a embarcação e os tripulantes desceram na ilha. Eles supostamente passaram um dia inteiro em Hy-Brasil e retornaram para a Irlanda levando ouro, prata e um velho habitante da ilha. Os relatos incluem a descrição de tocas de coelho gigantes e de um mago que vivia em uma torre, mas acredita-se que tudo não passe de uma obra de ficção de um escritor chamado Richard Head.

A última visão registrada da ilha ocorreu em 1872, quando o escritor T. J. Westropp e diversas outras testemunhas que o acompanhavam viram uma ilha aparecer e desaparecer completamente no oceano Atlântico. O autor afirma que essa foi sua terceira visão do que supostamente seria a Hy-Brasil e, nessa viagem, ele resolveu levar sua mãe e alguns amigos para comprovar a veracidade de seu relato.

Mapa Europa Ilha Brazil

Uma pequena ilha chamada Brazil é colocada à oeste da Irlanda nesse mapa. Fonte: Wikimedia Commons.

Há, ainda, suspeitas que ligam as viagens de São Brandão em busca da “Terra Prometida” à lenda de Hy-Brasil. O monge irlandês teria se lançado em viagens incansáveis pelo Atlântico e, em uma delas, encontrou uma terra abundante e repleta de animais exóticos, descrita como uma ilha, que estava fora mundo conhecido pelos europeus no século 10 ou 11.

Estudos geológicos evidenciam a existência de bancos de areia na região apontada como a provável localização da Hy-Brasil, o que pode ser um sinal de que havia, de fato, uma ou mais ilhas por ali no passado. No entanto, nunca foram encontrados vestígios de que uma antiga civilização pudesse haver habitado o local. Antes de aportar por essas bandas, os portugueses chegaram a batizar de “Brasil” a ilha que hoje é conhecida como Ilha Terceira dos Açores. Ainda há, no local, um monte chamado Monte Brasil.

Saiba mais sobre o tema

Ilhas não descobertas: um arquipélago de mitos e mistérios, fantasmas e mentiras (Capa Comum – Em Inglês) – https://amzn.to/2MVARJ5

Prepare-se para ser conquistado por contos fantásticos sobre diversas de ilhas que um dia já acreditou-se serem reais, mas que já não constam nos mapas. Lugares que são produto da imaginação, enganos e erros humanos: um arquipélago de ex-ilhas e ilhas esquecidas. Saiba mais: https://amzn.to/2MVARJ5

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Natália Becattini

Jornalista, escritora e mochileira. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Já chamei muito lugar de casa, mas é pra BH que eu sempre volto. Além do 360, mantenho uma newsletter inconstante, a Vírgulas Rebeldes, na qual publico crônicas e contos . Siga também no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.