Tags:
Atlas: Paris, França

Paris é uma Festa: a cidade aos olhos de Hemingway

Eu não sei se foi porque eu li esse livro poucos dias antes de desembarcar na França ou se porque eu mergulhei nele apenas depois de ter assistido Meia Noite em Paris três vezes, mas o fato é que Paris é uma Festa fez com que eu me apaixonasse por Ernest Hemingway.

Eu já tinha lido O Velho e o Mar, outro romance do escritor, e confesso que não me empolguei muito. Essa experiência não tão satisfatória fez com que eu demorasse alguns meses para tirar Paris é uma Festa da estante. Grande erro! Publicada em 1964, três anos após sua morte, a obra traz as memórias da época em que Hemingway viveu na cidade-luz. Cheia de jovens artistas – que vieram a se tornar grandes -, cafés, festas e jazz, a Paris dos anos 20 é retratada com toda a sua atmosfera viva e boêmia.

paris festa

Se você assistiu ao filme Meia Noite em Paris, de Woody Allen, vai encontrar muitas coisas em comum entre as duas obras. Os personagens, cenários e o encanto com a cidade são os mesmos. Como Hemingway não é tão descritivo e está mais focado em seus pensamentos e emoções, o filme consegue dar uma visão mais ampla do que foi a Paris do início do século, ajudando você a absorver e entender melhor a atmosfera na qual Hemingway criou suas memórias.

A obra pode ser lida como um guia para explorar a cidade para além dos monumentos e cartões-postais. Muitos dos bares, cafés, restaurantes e livrarias frequentadas pelo escritor e seus amigos famosos, como Scott Fritzgerald, James Joyce, Ezra Pound e outros integrantes da geração perdida, ainda estão abertos e podem ser visitados. Por meio das memórias do escritor, também conseguimos enxergar a capital francesa não com olhos de turista, mas de um apaixonado.

Leia também:  As tentadoras vitrines de Paris

Paris de Hemingway

Hemingway escreveu Paris é uma Festa pouco antes de se matar. A obra possui um tom de desistência e desencanto que ele provavelmente sentia no fim de sua vida. A juventude em Paris é retratada no livro como a única época em que ele foi realmente feliz, apesar da pobreza que o obrigava a pular refeições para garantir o vinho da noite. Até o romance com sua primeira esposa é descrito de forma terna e doce, o que nos leva a  questionar se as memórias dele não estavam afetadas pela nostalgia.

É difícil culpá-lo por isso. Qualquer pessoa que tenha passado por Paris provavelmente guarda algumas das melhores lembranças da vida. De acordo com o próprio escritor: “Se você teve a sorte de viver em Paris quando jovem,  sua  presença  continuará  a  acompanhá-lo pelo resto da vida, onde quer que você esteja, porque Paris é uma festa ambulante”.

Ainda não leu esse livro? Pesquise o preço dele na Amazon (link afiliado)

Paris é uma Festa


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “Paris é uma Festa: a cidade aos olhos de Hemingway

  1. – olá Mari fico contente por falares assim de Paris…Eu vivo em Paris há 1 ano e devo dizer-te que de todos os países onde vivi paris é o pior lugar onde alguma vez estive.
    QUEM ME DÉRA TER CÁ PASSADO APENAS 48 HORAS…

  2. Quem não se contagia por “Paris é uma festa” só pode ser ruim da cabeça. Já li umas três vezes e a cada vez fico mais encantada com as histórias de Hemingway pela cidade, quando tinha que driblar a falta de grana e de reconhecimento, mas levava uma vida leve e feliz ao lado da esposa e dos amigos. Acho que as memórias dele conquistam de um jeito que, quando a gente lê, se sente com saudades de algo que não viveu. E dá uma vontade de largar tudo pra fazer um piquenique às margens do Sena com um vinho gostoso… 😉

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.