Pau de Índio e Axé de Fala: as bebidas oficiais das noites de Olinda

Em duas casas no meio da Rua do Amparo, uma de frente para a outra, mora o espírito das noites e do carnaval de Olinda. De um lado, o ponto oficial de venda do Pau de Índio do Cardoso. De outro, o Axé de Fala. Em comum, elas têm a fabricação independente, familiar e artesanal, receita secreta, teor alcoólico alto e preços baixos.

Parte inerente da festa de quem sobe e desce as ladeiras da cidade atrás dos blocos de carnaval, as bebidas ganharam os corações dos foliões por serem baratas, não ser preciso ingerir grandes quantidades para deixar alguém bêbado (por isso, evita aquela vontade de ir ao banheiro toda hora da cerveja) e terem em sua fórmula ingredientes que dão mais energia para aguentar a maratona de quatro dias de folia.

Leia também:
Bares para curtir a noite de Olinda
Guia do Carnaval de Recife e Olinda
Todos os textos da nossa série Happy Hour

Pau do Índio ou Axé de Fala, pra mim tanto faz

 (♪ cada vez eu quero maaais)

Embora cada uma tenha uma fórmula exclusiva, Pau de Índio e Axé se assemelham em gosto e história. Acredita-se que as versões preliminares da receita, envolvendo cachaça de cabeça e ervas rústicas, tenham chegado da África e seguiram sendo preparadas de forma artesanal pelas pessoas escravizadas ali desde o século 19, incorporando a elas ingredientes nativos do Brasil, como o Guaraná.

Pau de Índio

O primeiro a começar a produzir e vender a bebida de forma sistemática foi o seu Cardoso. Segundo seu filho, ele costumava preparar uma bebida na hora com cachaça e raspas do bastão de guaraná para os clientes de seu bar. Um dia, teve um sonho com um índio que lhe dizia para acrescentar outros ingrediente à mistura. Depois de alguns experimentos, chegou a receita final, que tem mais de 32 ingredientes e é mantida em segredo absoluto. O Pau de Índio do Cardoso está há quase quarenta anos nas ruas de Olinda e é o único oficial da cidade e com atestado de origem, garante a família – fique atento, porque há imitadores. Seu Cardoso morreu em 1995, mas os filhos continuaram seu legado no número 91 da Rua do Amparo.

O Axé de Fala tem história parecida, mas veio anos depois, no início do anos 1990. A receita, que leva 25 ingredientes, foi criada por Carmem Lúcia Castro e passada adiante para a família após sua morte. Logo angariou clientes fiéis em Olinda e se juntou à festança na qual se transforma a cidade durante os fins de semana e carnavais.

Axé de fala, Olinda

Estima-se que mais de 20 mil garrafas de Axé de Fala sejam vendidas por mês. No carnaval, a saída mais que triplica. O Pau de Índio chega a vendar 5 mil garrafas por dia de folia. Os bebedores do Axé ou do Pau de Índio são fiéis e há quem defenda com unhas e dentes sua marca favorita. A localização dos pontos de venda, um de frente para o outro, soou até como uma provocação, mas hoje alimenta a competição saudável.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.