Tags:
Atlas: Katmandu, Pokhara, Nepal

Terremoto no Nepal: como ajudar

É complicado explicar o que o Nepal representa pra mim. Visitei o país em 2012, depois de passar seis meses na Índia. Meses transformadores em todos os sentidos possíveis: se a Índia foi fantástica, também foi um desafio gigante, como já cansamos de contar aqui no 360. Amei estar lá, mas também odiei profundamente. E pulei de alegria quando o Boing 737 da JetLite deixou o solo de Nova Delhi

Poucas vezes me senti tão ansioso quanto naquele voo de menos de duas horas. Como seria o Nepal? Diferente da Índia? Um lugar ainda mais incrível? Ainda mais difícil de entender? Ou as duas coisas? Pousamos em Katmandu no começo da tarde. Uma tarde como outra qualquer, no dia 13 de maio. A primeira coisa que chamou minha atenção foi o aeroporto de Tribhuvan, um simpático prédio de tijolinhos. Gostei de cara.

Em minutos eu me apaixonei pelo Nepal, único país cuja bandeira não tem um formato retangular ou quadrado. E pelas ruas de terra, pelo trânsito caótico, pelos tuk-tuks, por um tipo de poluição visual que só a Ásia sabe fazer (e que ninguém faz melhor que o Nepal). A impressão que ficou, depois dos 10 dias que passamos no país, foi a de que o Nepal é uma espécie de Índia mais light – tem tudo que o vizinho gigante oferece de bom, mas sem os desafios e problemas que causam tanto impacto em que viaja pela terra do Gandhi.

Nos hospedamos no Thamel, um dos bairros mais incríveis que já vi, cheio de bares, restaurantes e ruelas simpáticas, onde alpinistas compram roupas e equipamentos para trekking e escalada. No dia seguinte visitamos uma das maiores atrações turísticas do Nepal, a Durbar Square de Katmandu, um lugar com séculos de história. Um lugar que hoje virou pó.

Leia também: Como agir em caso de desastre naturais durante sua viagem

Durbar Square, katmandu

Foto que tiramos em 2012, durante nossa visita ao país

Durbar Square Katmandu

Durbar Square de Katmandu hoje (Foto: @, jornalista que está no Nepal, via Twitter)

O terremoto deste sábado atingiu 7.8 na Escala Richter, o mais forte no Vale de Katmandu nos últimos 80 anos. Segundo o site Publico, o Nepal sofre um terremoto fortíssimo a cada 70 anos, mais ou menos. É a instabilidade geológica da região que explica o Himalaia, cordilheira que aumenta de tamanho a cada movimento tectônico. Ou seja, o desastre que ocorreu em 2015 já era esperado há anos. E como a população do Vale de Katmandu aumentou muito desde o último tremor forte, era quase certo que um novo terremoto fosse devastador.

terremoto nepal 2015

Antes e depois do Templo Vatsala Durga, em Bhaktapur (Imagens: The Darjeeling Chronicle)

Além da questão geológica, que não pode ser evitada, há o problema do homem: 93% dos prédios de Katmandu não têm projeto de engenharia. Por isso, a estimativa, caso ocorresse um novo terremoto, era de que até 60% de Katmandu deixasse de existir. Analistas mais drásticos chegavam a sugerir que um novo sismo na região poderia deixar até 100 mil mortos.

Por sorte – se é que se pode falar em sorte numa situação dessas – parece que o tremor do Vale de Katmandu foi bem menos devastador do que o previsto. As autoridades falam em cerca de 1600 mortos no país, incluindo oito alpinistas que subiam o Everest e foram surpreendidos por uma avalanche.

Mas isso não diminui a força das imagens que surgem do Twitter. As Praças Reais de Katmandu e de Patan, Patrimônios da Humanidade segundo a Unesco, parecem ter entrado na lista de lugares que não existem mais. A torre de Dharahara, monumento nepalês mostrado abaixo, também desabou.

Terremoto no Nepal

Montagem do @, jornalista que está no Nepal, via Twitter

Além da perda devastadora de pessoas, é estranho pensar que lugares incríveis, daqueles que estariam em qualquer seleção de “para visitar antes de morrer”, viraram pó em segundos. Lugares onde eu estive. Lugares que eu gostaria de visitar novamente. Lugares que qualquer pessoa que ama viajar iria adorar conhecer.

Alguns monumentos e templos aparentemente podem ser restaurados, como o Swayambhunath, chamado de Templo dos Macacos, e a Durbar Square de Bhaktapur, a mais incrível Praça Real do Vale de Katmandu. Outros, infelizmente, parecem estar acima de qualquer restauração, pelo menos ao observar as fotos.

O Nepal é o segundo país mais pobre da Ásia, na frente só do Afeganistão, devastado por guerras, os terremotos causados pelo homem. E os problemas do Nepal só estão começando, afinal tremores fortes são esperados para as próximas horas. Depois será preciso lidar com os problemas deixados por terremotos, que normalmente significam mais mortes.

Vídeo feito do Swayambhunath, um templo com vista para todo o Vale de Katmandu

E ainda tem a questão econômica: o Nepal recebe tantos turistas estrangeiros quanto Brasil, que é muitas vezes maior. A economia nepalesa depende do turismo. E o fluxo de turistas ao país já está interrompido – não há voos para Katmandu neste momento. A situação deve permanecer assim por um bom tempo, em breve por vontade dos turistas, que logicamente evitam áreas de crise.

Foi o dono de uma pousada em Pokhara, também atingida pelo terremoto, que nos tirou rapidamente da cidade, quando protestos violentos tornaram a presença de turistas desaconselhável. Ele chegou a oferecer as próprias milhas áreas para que pudêssemos voltar para Katmandu e pegar nosso voo para Hong Kong. Fica o nosso pensamento positivo por ele e pelo povo nepalês, que nos ajudou de forma inesquecível.

Como ajudar o Nepal?

Estados Unidos e Índia já anunciaram que enviarão ajuda ao Nepal. A União Europeia estuda fazer o mesmo. Algumas ONGs já pedem doações para enviar ao país:

Unicef – Permite doações a partir de 50 dólares

AmmadoOrganização levanta fundos para a Cruz Vermelha

World VisionPágina de doações aqui, com valores entre 50 e 250 dólares

Care – Organização humanitária que também tem ações na região. Já permite doações por esse link

Save the Children – Organização de amparo às crianças também já tem página de doações para o Nepal

Fora isso, embora o turismo não seja possível no Nepal desse momento, é importante não deixar o país cair no esquecimento. Superada a tragédia, não deixe de visitar o Nepal por conta da destruição de alguns de seus cartões-postais. O Nepal, teto do mundo, ainda tem incontáveis atrações e coisas fantásticas. Incluindo na conta a simpatia do povo nepalês.

Vale lembrar que outros países do subcontinente também foram afetados, como Índia e Bangladesh. Até a China sentiu os efeitos dos tremores, mas a situação é grave mesmo no Nepal, que foi o epicentro do terremoto.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

18 comentários sobre o texto “Terremoto no Nepal: como ajudar

  1. Gostei do que disse sobre o Nepal. Estamos todos solidários com esse povo simples e bom. Tenho muita roupa de frio para enviar para la, saberia me informar como fazê-lo? Sds Elisabeth

    1. Oi, Elisabeth.

      Até agora vi muitas organizações trabalhando com a ajuda ao Nepal, mas mais na base de doações em dinheiro.

      Abraço.

  2. Tô bem triste, desde sempre o Nepal esteve nos meus planos de viagem. Mesmo com o ocorrido, com a morte de várias pessoas e destruição de prédios e monumentos, pretendo ir para lá em janeiro e admirar esse país com pessoas incríveis. Mais alguém querendo ir para lá ano que vem?

  3. Fizemos um grupo no facebook “Ajuda Nepal”,onde estamos localizando e tentando localizar os que estão no Nepal e arredores e nos unimos pra ajudar como pudermos.Quem se interessar entre lá

  4. Eu pressenti uma gde tragédia dois dias antes. Falei para os meus familiares. Que eu não sabia se era um furacão tsuname ou terremoto. Mas q era a nivel mundial e muito terrível. Eu sei que vamos passar por mais uma grande tsuname. Não sou vidente. Não sei de onde veio o sentir. Mas é real.

  5. É tão triste pensar em quantas pessoas pereceram e nas dificuldades que os vivos vão ter de enfrentar agora… sem contar os pontos turísticos, lugares que sobreviveram a tanta coisa, deixarem de existir para sempre. Sem dúvidas ainda pretendo conhecer o Nepal e estou enviando minhas boas energias, orações e pensamentos ao povo de lá. Que eles sejam fortes!

  6. Triste demais com essas notícias. Estive em todos esses lugares há seis meses e mal consigo acreditar que ficaram desse jeito, uma lástima mesmo. 🙁

    1. Outro dia apareceu alguém aqui no blog que tinha estado lá uma semana antes do terremoto. Imagina isso: ver tudo de pé, em paz, voltar pra casa e descobrir a tragédia.

      Uma pena.

  7. Eu Edmilson Carvalho, sou funcionário publico efetivo da área da saúde, tenho muita pratica na condução de ambulância e de lidar com pessoas doente, além de ser Missionário Evangélico, estou acompanhado com pesar, a catástrofe que está castigando os nossos irmãos do Nepal e no mundo. Por isso, eu mim coloco a disposição dessa prestativa e honrada entidade, para dentro do possível, colaborar com os senhores nesse momento de sofrimento e dor dos nossos irmãos do Nepal, Eu já estou com o meu Passaporte na mão. Que o Deus de Misericórdia continue abençoando essa Divina organização.

  8. Estivemos no Nepal ha quatro meses e pretendíamos voltar em breve. Foi muito triste ver as Durbar Squares destruídas, lugares que me fizeram chorar de emoção quando conheci. E o povo, tão pobre, agora precisa sobreviver a essa calamidade. O país ficar sem turistas é a pior coisa que pode acontecer. Não tirem Nepal do seus roteiros de viagem!!!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.