Em defesa da viagem sem pressa (e quase preguiçosa)

Toda primeira viagem ao exterior costuma ter aquele jeitão de maratona. Sofrendo da ansiedade típica de quem vai conhecer pela primeira vez outras terras, é complicado superar a tentação de colocar mil destinos num roteiro de 15 dias. Ainda mais se você para e reflete sobre o preço das passagens aéreas.

No meu primeiro mochilão pela Europa, que teve 17 dias de duração, foi complicado escolher. Londres ou Paris? Madri ou Barcelona? Roma ou Veneza? E Berlim, fica de fora? Mas como assim não vamos ao Leste Europeu?

É preciso escolher e aceitar que muita coisa ficará para depois. O problema é que esse “depois” costuma ser tão incerto que, tomada a decisão, a ansiedade só aumenta. “Ok, não vou conhecer Berlim desta vez. Mas dá próxima vai rolar. Juro. Mas e se a próxima viagem demorar anos? (tique nervoso). E se demorar décadas? (surtando). E se nunca acontecer? E se… AHHHH (explosão e ataque de nervos). Pronto: você sofre da síndrome do viajante indeciso e vai correr para repensar o planejamento e colocar mais 27 cidades no roteiro.

Veja também: Quanto custa um mochilão pela Europa?

Onde ficar em Paris: Louvre

Paris, França

Mas voltemos ao primeiro mochilão pela Europa do 360. No fim, passado o choro e o ranger de dentes, até que conseguimos ter um pouco de bom senso – passamos os 17 dias em quatro grandes cidades (Paris, Londres, Roma e Madri). O resto ficou para o temido depois. Mesmo assim, foi corrido. O ideal era ter cortando pelo menos uma das quatro cidades do roteiro. Hoje, três anos depois, fiquei ainda mais, digamos, preguiçoso na hora de mudar de cidade: cortaria duas. Ou três.

O problema é que nós nunca pensamos no monte de coisas que é necessário fazer durante as férias, mas que não são necessariamente agradáveis. Tipo arrumar as malas, pegar um táxi para o aeroporto, fazer o check-in, despachar malas, passar pela segurança, pela Polícia Federal, esperar, entrar no avião, achar seu compartimento de sardinha, esperar, tentar dormir, acordar, descer do avião, entrar no país, carimbar o passaporte, esperar, pegar a mala, lidar com o sono, com o fuso horário, chegar ao hotel, esperar a hora do check-in, entrar no quarto, jogar uma água no rosto e ir conhecer um novo país, mas com o cansaço estampado na cara. “Viajar só é glamouroso em retrospecto”, diria Paul Theroux. Em muitos sentidos ele tem razão.

Agora imagine repetir muitos desses passos toda vez que você mudar de cidade durante a viagem. Por isso, os cinco dias que você reservou para Paris ou Londres nunca serão cinco dias mesmo – o dia que você chega na cidade e o dia que você vai embora normalmente são perdidos com coisas burocráticas e que não dão a menor saudade. A coisa piora se você viaja com pouco dinheiro, já que as passagens mais baratas costumam estar nos piores horários ou envolver muitas horas de conexão e deslocamento.

Ponte da Torre de Londres

Londres, Inglaterra

Com isso, os dias de viagem mesmo, descontados os dias de chegada e saída, viram uma maratona interminável que derruba até os fortes. Afinal de contas, se tirar cidades do roteiro foi complicado, deixar de fora alguma atração turística das cidades escolhidas é ainda mais tenso. “Como assim não vai dar tempo de ver as Catacumbas de Paris? (surtando). Mas eu não posso colocar Paris de novo na próxima (prestes a explodir) viagem. E se a gente dormir só 5 horas por noite, não dá? (enlouquecendo).

No nosso mochilão, os dois primeiros dias, em Madri, foram cansativos, como contamos aqui. E no fim do período em Roma, a segunda cidade do roteiro, estávamos esgotados. Cansados num período de descanso. E com mais duas cidades pela frente.

A solução? Faça uma viagem sem pressa de ser feliz

E aí? Qual a solução? Simples: viajar devagar. É preciso assumir que nós nunca veremos todos os lugares legais do mundo. Esqueça, não vai rolar. Por isso, é melhor montar um roteiro que permita uma viagem calma, agradável e com tempo para fazer coisas necessárias, tipo dormir até mais tarde. Você não conhecerá muitas cidades durante uma mesma viagem. Mas conhecerá melhor as cidades que escolher.

Durante nosso mochilão pela Argentina, este ano, dedicamos muitos dias para cidades que a maioria dos turistas visitaria em poucas horas. Com isso, conhecemos mais a vida das pessoas que moram lá. Tivemos tempo para relaxar, tomar uma cerveja, ler um livro, ficar de bobeira no hotel e perambular pelas ruas de vilas andinas. Numa boa? Viajar nesse ritmo é muito melhor.

Purmamarca - Quebrada do Humahuaca - argentina

Purmamarca, Argentina

Não cansa. Dá para fazer coisas que não seriam possíveis no caso de uma viagem mais apressada. Tipo a aula de culinária italiana que fizemos durante nosso segundo mochilão pela Europa, que foi bem mais preguiçoso. Ou o dia na Universidade do Sorvete, em Bolonha.

E quanto mais devagar você viajar, melhor: durante as seis semanas que ficamos em Buenos Aires, fizemos trabalho voluntário, conhecemos pessoas de todas as partes do mundo, passamos dias relaxando nos espaços públicos da cidade, só vendo a vida passar, e até melhoramos nosso espanhol.

Se você acompanha o 360meridianos, sabe que nós temos um estilo de vida diferente, de nômades digitais. Por isso, podemos trabalhar de qualquer lugar do mundo, basta ter internet. Isso possibilita que nossas viagens sejam ainda mais lentas, é verdade. E como uma viagem mais lenta é também mais barata, nômades digitais costumam ficar meses na mesma cidade. Fora que nunca viajamos só por lazer. Se é necessário trabalhar durante a viagem, então o ritmo precisa mesmo ser mais lento.

Aula de culinária italiana

Aula de culinária em Bolonha, Itália

Mas viajar lentamente não é só para quem tem uma vida assim. Que tal passar seus 30 dias de férias numa única cidade, fazendo um curso? Pode ser de idioma, de culinária, de fotografia, de massagem… As opções são inúmeras e incríveis. Você terá a sensação de que viveu na cidade durante um tempo. E isso não tem preço.

Junto, vem o aprendizado de que uma viagem não precisa ser um monte de destinos cortados de uma listinha pré-definida. Afinal de contas, as melhores memórias de viagem são de experiências, não apenas uma sucessão de paisagens bonitas admiradas de relance, antes que o viajante siga apressado para outro destino.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

42 comentários sobre o texto “Em defesa da viagem sem pressa (e quase preguiçosa)

  1. Que texto excelente, Rafael! Eu estava mesmo sofrendo aqui na escolha dos destinos para primeira viagem internacional! Tô tentando ser sensata e colocar poucas cidades para poder curtir, de fato, o lugar. Isso sim é que é felicidade, viver cada momento sem pressa, não é mesmo?
    Abraço!

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.