Tags:

Por que escolhi viver sem carro (e só ganhei com isso)

“Um homem com mais de 26 anos, dentro de um ônibus, pode se considerar um fracassado”. A autoria dessa frase é um assunto polêmico. A versão tradicional garante que a bobagem foi dita por Margaret Thatcher, então Primeira-Ministra do Reino Unido, em 1986. Outras versões contestam isso. A frase seria de alguém da nobreza e nunca teria saído da boca de Thatcher.

No fundo, saber se a Dama de Ferro disse isso ou não importa pouco. Ou melhor: não importa. Independente da autoria, a frase mostra o papel do carro, mesmo em sociedades desenvolvidas, como um símbolo de status, uma prova de que determinada pessoa é bem sucedida.

A declaração de Thatcher, apócrifa ou não, está prestes a fazer 30 anos. Assim como eu, que completo a terceira década de vida este mês. E sem carro. Thatcher, pode me chamar de fracassado. Não dou a mínima. E, ao que tudo indica, muita gente também não.

Viver sem carro

Avenida do Contorno, Belo Horizonte

Meus anos motorizados

Não foi sempre assim, confesso. Aos 18 anos eu lutei para conseguir minha carteira de motorista. “Fiquei mais tenso que no dia que fui fazer vestibular”, contei para o fiscal do Detran, assim que ele me informou que eu tinha sido aprovado.

Com a carteira em mãos, ter um carro passou a ser um dos meus principais objetivos de vida. Uma obsessão. Uma prova de que eu era adulto. E essa prova, óbvio, demorou a chegar: foi em 2008, aos 23 anos, já formado e em meu primeiro emprego, que entrei numa concessionária e comprei meu primeiro carro.

Era um carro simples. Um Celta com três anos de uso, quatro portas, vidro elétrico e promessa de muita alegria. E o carro, de fato, me deu isso. Ganhei independência, passei a me deslocar com mais facilidade e até a viajar de carro. Em pouco tempo eu não queria mais usar transporte público – me dava uma baita preguiça ir para o bar de busão, por exemplo. Voltar de táxi? Nem pensar. Doía no bolso, afinal manter o carro era tão caro que eu não queria gastar dinheiro com táxi.

Tudo mudou em 2011, quando vendi o carro, dei uma volta ao mundo e mudei meus conceitos. Hoje, vivendo novamente em Belo Horizonte, um carro é a última coisa que eu quero ter. E dou minha razões.

viver sem carro

São Paulo

Vamos calcular o custo?

Entre parcelas do financiamento, gasolina, IPVA, seguro obrigatório, seguro, manutenção e estacionamento, para não citar a depreciação normal do veículo, metade do meu salário era dedicado ao sonho de ter um veículo próprio. Metade.

A Exame tem uma caculadora online que permite ver qual seria o seu gasto mensal com um carro popular, digamos que avaliado em 25 mil reais. Só de seguro você pagaria 5% do valor do veículo, ou R$ 1250 por ano. Outros R$ 1000 são necessários para quitar o IPVA (4% do valor do carro). O DPVAT consumiria outros R$ 100, enquanto o gasto médio com manutenção e gasolina pode chegar tranquilamente nos R$ 800 por mês.

Coloque a depreciação do veículo e o valor da parcela do financiamento na conta: o custo mensal de um carro popular fica na média dos R$ 1400 por mês, ou R$ 17 mil por ano. Vale a pena? Depois de viajar o mundo por um ano com R$ 23 mil, eu concluí que não, não vale.

Veja também: Como eu economizei dinheiro ao viajar pelo mundo

viver sem carro

Foto: Shutterstock

É preciso colocar outros números nessa conta. Se você não vai se deslocar de carro, como fará isso? O gasto com transporte público entra no lugar. Ou então o gasto com o custo de vida mais caro de regiões centrais. E ainda tem o táxi da madrugada, usado tradicionalmente depois do bar. Mesmo assim, eu garanto que não ter um carro é mais barato. A diferença é absurda.

Hoje, eu uso o dinheiro que seria do carro para viajar. Foi assim que viajei praticamente uma vez por mês, ao longo de todo o ano. Lençóis Maranhenses, Maragogi, Pará e Rio Grande do Sul: o valor que gastei em cada uma dessas viagens foi menor do que eu gastaria mensalmente com um veículo próprio.

E há mais números para provar isso. Segundo uma pesquisa encomendada pela locadora Alugue Brasil, com o dinheiro gasto anualmente com um veículo 1.0 (já quitado) é possível alugar um carro todo final de semana, durante nove meses, ou 72 diárias. O cálculo já inclui a gasolina que você usará nas viagens.

A situação também é boa para quem troca o carro pelo táxi. Segundo uma matéria do Bom Dia Brasil, é mais barato andar 15 km por dia de táxi do que ter um carro. Já essa matéria da Superinteressante sobe o número para 20 km por dia. As contas foram feitas na comparação com a compra de um carro à vista. Se você parcelar (e pagar juros), o táxi fica ainda mais econômico.

E, claro, ninguém pega táxi todo dia. Desde que vendi meu carro, passei a fazer boa parte dos meus deslocamentos a pé. Para isso, escolhi morar – tanto aqui em BH como em São Paulo, no ano que passei lá – em bairro centrais, próximos ao meu trabalho ou do transporte público.

Isso é um tendência, garante essa reportagem da Revista Época. O sonho atual da classe média, a mesma que já colocou o carro como símbolo máximo do status, é viver perto do transporte público. Segundo uma pesquisa do ramo imobiliário citada pela Época, “63% dos futuros lançamentos residenciais em São Paulo estarão a até 1 quilômetro de uma estação do metrô”.

Mas falta falar de outro ponto, algo que foi ainda mais importante para minha escolha de viver sem carro.

trânsito nas grandes cidades

Foto: Shutterstock

A tal da qualidade de vida

Eu acordava menos de uma hora antes do expediente, me aprontava e andava até o trabalho: eram 20 minutos de caminhada. Foi meu período morando em São Paulo, entre 2012 e 2013, que me fez perceber definitivamente as vantagens de não ter um carro. Era possível fazer muita coisa a pé. Com isso, eu caminhei mais, me tornei menos sedentário e tive mais contato com a cidade. Quando a distância era muito grande, a saída era simples: bastava usar o metrô ou pegar um ônibus.

O metrô passou a ser parte diária da minha vida quando passei a trabalhar numa empresa mais distante. Foram dois meses, mas dois meses que me fizeram lamentar ter trocado de trabalho. Os 20 minutos a pé se transformaram em 1h40 de trem por dia. Embora eu saiba que meu caso não é regra, o deslocamento para o trabalho se transformava num inferno quando eu, por algum motivo, tinha que ir de táxi, que tomava quase o dobro do tempo que eu gastava no metrô.

No geral, o tempo médio gasto no trânsito varia muito pouco entre quem vai de carro e quem usa transporte público. Segundo uma pesquisa recente do Ibope, o paulistano que usa carro no dia a dia gasta inacreditáveis 2h48 no trânsito. Quem vai de transporte público perde 2h56 do dia.

Números que revelam duas coisas, além do óbvio problema que é o trânsito nas grandes capitais brasileiras. A primeira é que as pessoas não chegam mais rápido em casa ou no trabalho por irem de carro, pelo menos não na média geral. E realmente vale a pena morar perto do local onde você tem sua principal atividade diária (trabalho, estudo, etc). Vale até pagar mais de aluguel ou subir seu custo de vida, já que o ganho com deslocamentos e em qualidade de vida é muito maior. Sei, claro, que isso é um privilégio, não a realidade da maioria da população. E, se você colocar na ponta do lápis, verá que esse custo de vida maior é compensado pelos gastos que você teria com um veículo próprio – e ainda sobra uma grana.

Veja também: Transporte público no Brasil é castigo? 

Hoje eu não tenho que dirigir. E só quem dirige (e se estressa) no trânsito de uma grande cidade sabe o alívio que isso representa. Dirigir para o trabalho me tornava uma pessoa pior. Uma pessoa mais nervosa, pronta para discutir com o motorista do carro ao lado e que se enfurecia facilmente – e olha que no geral eu sou um cara calmo.

Você se lembra daquele desenho do Pateta em que ele vira outra pessoa assim que entra no carro?  Eu acho que estar livre disso não tem preço.

“O homem comum é uma criatura de hábitos estranhos e peculiares”

Preocupação ambiental: cada um precisa fazer a sua parte

Não adianta fechar a cara. Sim, é hora de entramos naquele papo de ecochato. O transporte rodoviário tem um papel gigantesco na poluição das grandes cidades e no aquecimento global, fatos que refletem no seu dia a dia e na sua saúde. Segundo dados da ONU, 24% das emissões de CO2 nos Estados Unidos são causadas por esse método de transporte.

Nas cidades a situação piora. Segundo a Organização Mundial da Saúde, os carros são responsáveis por 90% da poluição do ar nas grandes cidades. Poluição que, ainda segundo a OMS, mata dois milhões de pessoas por ano.

mirante em São Paulo

São Paulo

Ainda assim, você pode tirar seu carro da garagem, abastecer e usá-lo todos os dias, pensando que, afinal de contas, a diferença que você faria nessa conta toda é muito pequena. E é mesmo.

Mas não fazer nada é muito pior. Para citar outra frase famosa que tem jeitão de ser apócrifa, “o mal triunfa sempre que os bons não fazem nada”. Ou, como diria Gandhi, cabe a cada um ser um pouco da mudança que queremos ver no mundo. Não adianta nada cobrar de governos, reclamar do trânsito, ficar puto com a poluição e se tornar um revoltado virtual. A mudança começa em cada um de nós.

Não é preciso eliminar o carro de uma vez da sua vida e nem eliminá-lo completamente, mas será que não é possível reduzir o uso do veículo de forma gradual até um patamar mais aceitável? Será que você não pode deixar o carro em casa e ir caminhando até a padaria? É preciso mesmo ir de carro para o trabalho todos os dias? Ir de carro na farmácia, que fica a dois quarteirões da sua casa, é a única solução possível?

Caminhar mais, principalmente dentro desses pequenos deslocamentos, já ajudaria a diminuir os males causados pelo carro. E muito. Segundo um professor de Arquitetura e Urbanismo da USP, “25% do congestionamento que temos hoje (em São Paulo) se devem a percursos curtos feitos de carro – menos de três quilômetros”. Ou seja, deixar o carro de  lado apenas nos deslocamentos curtos já ajuda a diminuir uma grande quantidade do problema. E de quebra nós deixamos de ser pessoas tão sedentárias.

E não adianta negar: a questão central é que não há outra saída. Não há. Ponto. Ou nós andamos menos de carro ou nós iremos só parar, literalmente. Você se lembra que o paulistano gasta, em média, 2h48 por dia dentro do carro? A consultoria Ernst&Young estimou o tempo que gastaremos no trânsito das grandes cidades em 2050. Se o cenário não mudar, o tempo gasto no trânsito dobrará e você ficará cinco dias inteiros do ano preso no engarrafamento. Sei lá vocês, mas eu prefiro gastar esses cinco dias na praia.

O cenário otimista, também traçado pela Ernst&Young, prevê como será 2050 caso os governos façam algo para mudar a situação da mobilidade urbana. O gasto mundial com transporte tende a cair pela metade e 180 mil vidas seriam salvas por ano, uma multidão que morre por conta de acidentes de trânsito.

Como eu disse antes, essa é uma mudança que não pode mais esperar. A questão é se você fará parte dela, ajudando o mundo a seguir em frente, ou se nadará contra a corrente da mudança, que fica cada vez mais forte.

mobilidade urbana

Foto: Shutterstock

O tal do Espírito do Tempo

Não adianta reclamar das faixas exclusivas de ônibus ou das ciclovias. Você pode até dizer que a execução delas, organizada por determinada prefeitura, não foi planejada adequadamente, mas a existência delas é tendência mundial.

Sabe aquela ideia que surge no tempo certo? É disso que nós estamos falando. É o espírito do tempo. Quase 200 cidades do mundo estão implantando os corredores exclusivos para ônibus – a mudança ocorre em Belo Horizonte, São Paulo, Chicago e Los Angeles, entre outras. Mudança que em muitos sentidos começou em Bogotá, na Colômbia.

“Uma boa cidade não é aquela em que até os pobres andam de carro, mas aquela em que até os ricos usam transporte público. Cidades assim não são uma ilusão hippie. Elas já existem”. A frase é de Enrique Peñalosa, que foi prefeito de Bogotá na década de 90. E ele completa o raciocínio, ao comentar sobre as polêmicas ciclovias, que não estão ali para substituir totalmente ônibus, metrô ou mesmo os carros, mas como ‘outra alternativa importante de transporte’.

Existe uma razão para os jovens serem os maiores apoiadores das ciclovias e de investimentos no transporte de massa. Somos nós que pagaremos a conta, quando 2050 chegar. As cidades do futuro precisam ser construídas para essa geração, uma geração que já percebeu que carro não é mais símbolo de status. Uma geração que tira carteira de motorista mais tarde e que não coloca montadoras de veículos nas listas de empresas favoritas.

Jim Lentz, representante da Toyota nos Estados Unidos, chegou a escancarar o óbvio: “Temos de encarar a realidade crescente de que os jovens não parecem interessados em automóveis, como eram as gerações anteriores”. Até as fabricantes já perceberam isso e passaram a criar estratégias para contornar a situação.

ciclovias em bogotá

Foto: Ivan_Sabo / Shutterstock.com

O carro, veja bem, não é o vilão. Eu não acho que seja e, embora não dirija no dia a dia e não tenha um veículo, pego o volante ocasionalmente, quando o carro é mesmo a única alternativa. Eu fui de carro para Macacos, cidade que fica ao redor de Belo Horizonte, no feriado. E costumo pegar um carro emprestado sempre que preciso levar ou trazer algo grande para casa. Além disso, há pessoas que precisam do carro e ponto final, muitas vezes por questão de saúde, como os idosos. A questão toda é o uso impensado e exagerado do veículo.

Mas se não é para usar o tempo todo, vale a pena ter um carro? A minha resposta você já sabe: não. Mas isso depende de você. Eu vejo com alegria a criação de sistemas que permitem o compartilhamento de veículos, nos moldes daquilo que já existe em cidades como Amsterdam. Funciona assim: um veículo fica disponível para aluguel e pode ser usado justamente no período que você precisa (e por um preço interessante).

É mais ou menos a lógica das bikes para aluguel, que invadiram o Brasil. Belo Horizonte deve ter um sistema de carros elétricos compartilhados em breve. E em São paulo um site para compartilhamentos de veículos da vizinhança foi lançado este ano. Existem sistemas assim até para viagens longas, como o BlaBlaCar, usado por muita gente que viaja pela Europa.

E você? Deixaria o carro de lado em alguma situação? O que acha dessas mudanças que estão tomando conta do mundo e mudando a forma como vemos a mobilidade urbana? O debate (educado e saudável) começa nos comentários. 🙂

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

118 comentários sobre o texto “Por que escolhi viver sem carro (e só ganhei com isso)

  1. Boa noite, Rafael.
    Eu já havia lido este seu texto um tempo atrás, mas só agora resolvi comentar.
    Nunca tive carro. Nunca senti falta de ter um carro, e vivo minha vida de maneira a não necessitar de um. Respeito aqueles que realmente precisam ter um carro, por qualquer razão que seja (filhos pequenos, doença, visita a clientes etc), mas me sinto muito privilegiado por não precisar arcar com os infindáveis custos de ter um automóvel (que você tão bem elencou no texto).
    Você disse que embora não tenha mais carro pode dirigir um se precisar, a depender das circunstâncias. Não nego que seja conveniente saber e poder dirigir quando necessário, mas claro, isso depende de como é a vida de cada um. No meu caso, não preciso, mesmo.
    Não tenho nada contra o carro em si. É literalmente uma mão na roda poder deslocar-se mais rapidamente para lá e para cá, e se um familiar ou amigo me oferecer uma carona vou aceitar, claro, mas o ônus de possuir e manter um automóvel é muito grande.
    Eu tenho a sorte de morar em Curitiba, que tem um sistema de transporte muito eficiente, embora não seja perfeito, claro. Já morei em São Paulo quando criança e lembro como era. A diferença é enorme. Embora Curitiba já devesse ter um metrô ou ao menos um trem suburbano nos moldes da CPTM (pois os ônibus já estão saturados), ainda assim acho confortável andar de transporte coletivo aqui. Problemas eventualmente ocorrem, mas em geral estou satisfeito.

    Um grande abraço, e feliz 2020!

    1. Pois é, Lourival. Acho que esse texto tem cinco anos – foi escrito antes da era Uber. Se ter carro não tinha sentido pra mim naquela época, hoje tem menos ainda. Me locomovo de ônibus de dia; se vou voltar tarde pra casa à noite ou tenho alguma outra necessidade, vou de aplicativo e pronto. O que gasto com transporte é 3 ou até 4 vezes menos do que gastaria com um carro. Se vou viajar para o interior e preciso de um veículo, alugo. Compensa bem mais.

      Enfim, entendo que para algumas pessoas o carro é, sim, necessário. Mas é preciso fazer a conta.

      Atualmente ainda levanto um dinheiro alugando a vaga de garagem do apto.

  2. Olá Rafael, gostei muito do seu texto. É isso que estou pensando algum tempo. Fiz as contas e gasto um absurdo pra manter o carro. Se eu gastar com uber 1/3 do valor gasto com carro vai dar pra andar muuuuito de uber. O problema é abrir mão do conforto, pois tem as compras de casa, feira, etc. mas tudo é questão de querer abrir mão.

  3. Cara, esses dias fiz uma conta pra ver se realmente vale a pena eu continuar com meu carro. E o resultado foi absurdo. Os gastos que tenho chegam a ser surreais, e moro em uma cidade até fácil no quesito mobilidade. Estou decidido a me desfazer dele. Consigo ir pro trabalho com transporte público numa boa, andar de Uber também não vai ser problema. Texto muito bom, me ajudou ainda mais a tomar a decisão correta no momento.

    Abraços

    1. Fico feliz, Daniel. 🙂

      O detalhe é que esse texto foi feito anos antes da chegada de Uber/99/cabify. Se ter carro não compensava antes, hoje acho muito difícil achar situação que compense. Mesmo para quem depende muito de veículo.

      Abraço.

  4. Olá Rafael, há anos decidi viver sem carro e me sinto um peixe fira d’água. A maioria dos meus amigos é daqueles que você citou, que vai à padaria a dois quarteirões de carro. Me parecem escravos do carro.

    Eu já coloquei na ponta do lápis há muito tempo todos estes gastos com carro, e hoje com 99/uber me sinto mais ainda desobrigado de ter carro. Não moro em um bairro central mas é farto de condução, e vivo muito bem com isso. Obrigado por fazer eu me sentir melhor lendo esse texto.

  5. Os custos envolvidos para com o “manter” um carro na garagem é o fato que me incomoda muito, mas como faz quando, no meu caso se tem um gosto grande por carro e dirigir é um dos maiores hobbies? Considerando que minha cidade é uma cidade média e não tem grandes problemas com trânsito.

  6. Eu também não preciso de carro. Moro no centro, solteira e sem filhos, jovem e com saúde, trabalho fora do horário de pico e vou sentada para o trabalho (tenho até um certo conforto dentro do transporte público, rs). Pra quê carro?

    1. Pois é, minha situação. Pode ser que um dia mude, mas sigo sem precisar de carro.

      Abraço e obrigado pelo comentário.

  7. Tudo bem Rafael. Muito legal e completo o post. EStou considerando me disvencilhar do carro, mas topo com alguns dos desafios que você falou. Moro na periferia de uma cidade da grande SP. O trabalho não é um grande problema uma vez que uso fretado da empresa. Apesar do tempo de ida e volta somado dar 3 horas e me obrigar a acordar muito cedo tento aproveitra o tempo estudando e colocando a leitura em dia. Minha maior preocupação é qeu morando na periferia muitas coisas ficam um pouco distantes e morar mais no centro está fora do meu orçamento. Fico preocupado por exemplo no caso de uma emergência médica. O Carro dá muito mais agilidade.
    Além disso, tenho dois amigos de 4 patas que com a idade precisam de mais idas ao VET de confiança e não consigo pensar em uma maneira de levá-los sem meu carro. Mas acredita que isso é uma coisa que tem consumido meu pensamento constantemente. Fora essas preocupações não consigo ver necessidades inescapáveis de um carro.

    1. Oi, Wellington. Obrigado pelo comentário!

      Cada caso é um caso e só você pode dizer se precisa mesmo do carro ou não – tem gente que precisa e ponto, não cabe a outro questionar isso. 🙂

      Se um dia você concluir que é melhor viver sem, vem cá e conta pra gente qual foi o resultado.

      Abração.

  8. Sou de bh também, foda mano e para quem e solteiro sem carro e complicado,muitas mulheres procuram não vai querer ir de busão…eu nao me importo com carro…mas to sendo obrigado…ainda não tenho 25 anos…

    1. Mas será que uber/99, ocasionalmente, não fica mais barato que ter um carro, Carlos? Tem que colocar no papel e fazer as contas. 🙂

      Abraço e obrigado pelo comentário.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.