Onde ficar na Cidade do México: dicas de hotéis e bairros

Onde ficar na Cidade do México: dicas de hotéis e bairros

Foram 17 dias no país, que incluíram três voos internos e sete hotéis, mas uma das partes mais complicadas do planejamento foi a hora de definir onde ficar na Cidade do México. Como foram três passagens pela capital do país – no começo, no meio e no fim da viagem – foi necessário pesquisar esse assunto e decidir em qual hotel ficar em todas essas ocasiões. Disso, concluí que muita coisa que é dita sobre hospedagem na Cidade do México não passa de mito.

O primeiro deles envolve o preço: hospedagem por ali não é tão baratinha como dizem, não. Na realidade, foram os hotéis mais caros que encontramos no país – até mesmo na comparação com Playa del Carmen e a Riviera Maya. Não é nada que assuste no padrão Nova York, veja bem, mas achei que os hotéis eram, em geral, mais caros na Cidade do México do que em São Paulo. Por outro lado comida, transporte e afins são bem mais baratos por lá.

Uma das coisas importantes é entender que em geral os preços mostrados pelos sites de reserva não incluem 19% de impostos cobrados pelo governo mexicano. Além disso, há aquela tradicional pegadinha do câmbio. Você faz a cotação em real, mas o preço, óbvio, será em pesos mexicanos, e essa cotação pode ter se alterado entre a reserva e o pagamento. Por isso, o ideal é orçar sempre na moeda local, tendo uma ideia básica da cotação.

Na minha experiência notei que, por conta dos impostos e variação cambial, os hotéis ficaram, em média, 30% mais caros do que eu esperava na hora da reserva. De novo, não é nada que assuste. Em média pagamos R$ 250 por noite, no quarto duplo, em três hotéis no centro histórico da Cidade do México. É comum que o café da manhã não esteja incluído na diária.

Por falar nisso, vamos a outro ponto importante: qual o melhor bairro para se hospedar na Cidade do México?

Veja também: Luta Livre Mexicana: esporte e espetáculo na Cidade do México

Onde ficar na Cidade do México: melhores bairros

Centro Histórico (Zócalo)

Li em vários lugares que não valeria a pena ficar no Centro Histórico da Cidade do México, o Zócalo. O argumento é o mesmo usado para falar, por exemplo, do Centro Velho de São Paulo ou o de Porto Alegre: são lugares movimentados durante o dia, mas vazios (e perigosos) durante a noite. O problema é que a comparação não é justa.

Os três hotéis em que me hospedei na Cidade do México estão no Centro Histórico, perto do Zócalo e do Palácio de Bellas Artes. E embora eu não recomende a localização de um deles, gostei bastante da dos outros dois. Ali você está perto de algumas das atrações mais importantes, de bons restaurantes e pode ir caminhando para vários lugares. Quando o pé falhar, não faltam estações do metrô – as linhas são amplas e o ticket custa o equivalente a R$ 1! Além disso, os hotéis no centro histórico são mais baratos que os que ficam ao longo da Avenida de la Reforma, uma das principais da cidade.

Durante o dia o lugar é movimentadíssimo e tem grande concentração de policiais. Durante a noite depende: algumas partes do centro histórico ficam mais vazias, enquanto outras mantém o movimento. Há uber/cabify, (basta usar o app, do mesmo jeito que você usaria no Brasil), o que facilita a volta para casa de quem ficar por ali. Dito isso, a dica importante é: se você resolver ficar no Centro Histórico, verifique, nas avaliações do hotel escolhido, se aquela região pareceu tranquila para os hóspedes ou se o estabelecimento fica numa área mais decadente.

Onde ficar na Cidade do México

Calle Madero, no Centro Histórico da Cidade do México

O Chillout Flat B&B é uma pensão familiar que fica num prédio residencial. Está a dois quarteirões do Bellas Artes e 10 minutinhos de caminhada do Zócalo. A Calle Madero também está a dois quarteirões. Os quartos são limpos e bons, mas não havia ar-condicionado. O café da manhã é bom, principalmente se você considerar que o serviço nem sempre está incluído na diária dos hotéis mexicanos. Se pretende voltar muito tarde, convém pegar um uber/cabify (ou táxi, se preferir), mas só por precaução mesmo. Como se trata de uma pensão, não há recepção 24 horas do estabelecimento. Apenas a portaria do prédio, que já está acostumada a lidar com hóspedes. Convém mandar um e-mail caso você pretenda fazer check-in de madrugada. Pagamos R$ 250, já com as taxas inclusas e no quarto duplo, mas já vi que em outras datas o preço fica bem mais interessante. Reserve aqui.

O Hotel Ritz Ciudad de Mexico foi o que teve a melhor localização dentre os três hotéis em que me hospedei. Fica na Calle Madero, a principal rua de pedestres da Cidade do México e que tem movimento intenso até altas horas. Vi muitos policiais por ali, o que reforçou a sensação de segurança. O custo/benefício é bom, os quartos foram reformados recentemente, mas tenha em mente que não se trata de um Hotel da marca Ritz, mas de um homônimo mexicano. O café da manhã não está incluído nas diárias mais baratas, mas, francamente, isso é até bom, porque não faltam bons lugares para começar o dia nos arredores (anote o nome de dois: o famoso El Cardenal e a Padaria Esperanza, ambos com unidades a poucos metros da Calle Madero). Por fim, os quartos mais baratos não têm ar-condicionado, o que só é um problema no verão, e a reforma seguiu aquela lógica louca de colocar portas de banheiro semitransparentes, o que pode ser um problema para algumas pessoas. Pagamos R$ 243 na diária, no quarto duplo. Reserve aqui.

O Casa San Idelfonso é um hostel que funciona num casarão colonial lindo, a 10 minutos de caminhada do Bellas Artes e ainda mais perto do Zócalo. É a pior localização dos três em que me hospedei e a única onde realmente me senti inseguro à noite. Fica numa rua de pedestres movimentada durante o dia, mas que morre depois que escurece. Se ficar lá, volte de uber/cabify à noite. Além disso, me parece uma ótima opção de hostel, mas não recomendo os quartos privativos – há opções com custo/benefício bem melhor para esses casos. Pagamos R$ 180 num quarto duplo e privativo. Reserve aqui.

onde se hospedar na Cidade do México

O Zócalo, coração da Cidade do México

Uma alternativa econômica e bem localizada, mas que não testei, é o Hotel Principal, que é muito elogiado pelo custo/benefício. Se você puder pagar um pouco mais e quiser se hospedar no Centro Histórico, o Hotel Zocalo Central é um dos mais tradicionais da Cidade do México. Tem vista espetacular para a Catedral Nacional, café da manhã incluído e avaliação muito boa dos hóspedes – não me hospedei lá, mas visitei o restaurante do hotel, o Balcon del Zocalo.

Já o Downtown fica num casarão colonial lindo e que eu visitei duas vezes por conta do Azul Histórico, um restaurante. Os quartos são ótimos e a localização também, a poucos metros da Calle Madero e cinco minutos de caminhada de vários pontos turísticos. Os preços das duas opções anteriores, porém, se comparam com algumas ao longo da Avenida de la Reforma.

Ache mais opções de hospedagem no Centro Histórico

Avenida de La Reforma

São duas cidades diferentes. A do Zócalo está cheia de prédios históricos, mas, por ser o centro, é mais caótica. Já ao longo do Paseo de La Reforma está o México dos arranha-céus, dos prédios espelhados, dos bares e restaurantes descolados. Não é por acaso que muita gente garante que as melhores opções de hospedagem da Cidade do México estão em bairros como Condessa, Polanco, Juarez e Roma, todos ao longo de La Reforma. E são boas escolhas mesmo, embora em geral mais caras que o Centro Histórico e com algumas diferenças óbvias.

Ache opções de hospedagem no Paseo de la Reforma

Criada por ordem do Imperador Maximiliano, alçado ao poder por conta de uma intervenção francesa, no século 18, o Paseo de La Reforma lembra os grandes boulevards europeus, como a Champs-Élysées. Ele vai do Castelo de Chapultepec, residência do monarca, até o centro da cidade. O trecho entre o Bosque de Chapultepec, o parque mais bonitão da cidade, e o Palácio de Bellas Artes, tem uma altíssima concentração de hotéis. E em geral todos são boas opções no quesito localização. Mas vamos lá, bairro a bairro, começando dos arredores do Chapultepec.

Hospedagem na Cidade do México

Bosque de Chapultepec

Polanco

Aos fundos do Museu de Antropologia e do Paseo de La Reforma, Polanco é o bairro mais chique da Cidade do México. Uma região linda, segura e, óbvio, cara – o endereço dos hotéis de luxo. Há apenas uma estação de metrô, que leva o nome do bairro. Por ali, destaque para o Las Suites Campos Eliseos, o InterContinental Presidente Mexico City e o Camino Real Polanco Mexico, que me pareceu ter um ótimo custo/benefício nessa área.

Ache mais opções de hospedagem em Polanco 

Condesa e Roma

Na ponta oposta, do outro lado do Bosque de Chapultepec e La Reforma, fica o Condesa, um bairro repleto de bares e com vida cultural agitada, O bairro vizinho é o Roma, outro queridinho no quesito hospedagem. Por ali, destaque para o Maria Condesa Boutique Hotel e o Casa Condesa Amatlan 84.

Ache mais opções de hospedagem nos bairros Condessa e Roma

Juarez e Zona Rosa

No meio do caminho entre o centro histórico e o Bosque de Chapultepec e ao longo de La Reforma, Juarez é uma opção um pouco mais econômica que as duas anteriores. Um meio-termo para quem não quer ficar no centro histórico, mas também não quer se hospedar longe dele e precisa economizar. Já a Zona Rosa é uma parte do bairro Juarez que se tornou conhecida pela vida noturna e por ser um reduto LGBT. Essa talvez seja a região com melhor custo/benefício, pensando na qualidade dos hotéis, localização e, claro, preço.

Por ali, o Galeria Plaza Reforma tem ótima avaliação e preços interessantes. Na mesma faixa de preço está o NH Collection Mexico City Reforma, enquanto o Exe Cities Reforma e o Eurostars Zona Rosa Suites costumam ser mais econômicos.

Ache mais opções de hospedagem no Juarez e na Zona Rosa

Como economizar na hospedagem: apartamentos e hostels

Se você pretende se hospedar ao longo do Paseo de la Reforma, mas não está gostando dos preços dos hotéis, procure por um apartamento: pode ficar bem mais barato, sobretudo para quem viaja em grupo. Neste link aqui eu filtrei apenas por apartamentos com bom preço ao longo da Avenida de la Reforma.

Se sua procura for por hostels, além do Casa San Idelfonso, sobre o qual já falei acima e onde me hospedei, destaque para  o Hostel Mundo Joven Catedral e o Mexico City Hostel, ambos no Centro Histórico.

Ache mais opções de hostels na Cidade do México

Ao reservar sua hospedagem por meio dos links listados neste texto o blog ganha uma pequena comissão, mas você não paga nada a mais por isso. É uma forma de ajudar o 360meridianos a permanecer como um veículo independente (e até economizar). 

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

Deixe um comentário

RBBV - Rede Brasileira de Blogueiros de Viagem
ABBV - Associação Brasileira de Blogs de Viagem

Parceiros: