fbpx

Como viajar pelo mundo durante um ano

Minha mãe sonhou que eu ia viajar o mundo inteiro. Como eu só fui entrar num avião aos 23 anos, é óbvio que não acreditei nas premonições dela. Até que eu trombei com uma viagem de volta ao mundo, algo que eu não achava ser uma possibilidade real antes de agosto de 2011. Primeiro como brincadeira, depois levando a sério, eu, Naty e Lu cogitamos comprar uma dessas passagens de volta ao mundo e largar tudo para viajar durante um ano.

Alguns dias depois que uma mesa de bar testemunhou essa conversa, compramos a passagem. Eu só tinha dinheiro para pagar metade do valor dela e nada para pagar os outros gastos de um ano sabático inteiro. Só compramos as passagens. Ponto. Inconsequente? Muito. Mas esse ato irresponsável mudou nossas vidas para sempre. Neste post eu vou te contar como é possível viajar ao redor do mundo por um ano, uma experiência que eu sinceramente desejo que você tenha.

Como conseguir o dinheiro?

Eu resolvi fazer um empréstimo para pagar a viagem. Antes que você torça o nariz para isso, pare e pense em todos que financiam carros, casas e produtos que eles não necessariamente precisam para levar um estilo de vida que eles não necessariamente querem.

Eu escolhi financiar um sonho e não me arrependo disso. Numa sexta-feira, assinei o empréstimo no banco e recebi a certeza de que o dinheiro chegaria na segunda. Com o dólar começando sua escalada, optei por comprar a passagem antes do empréstimo chegar. Na semana seguinte o banco tinha cancelado o empréstimo e o dólar tinha subido de forma absurda.

Não perca: Baixe agora o ebook “Como viajar pelo mundo por um ano”

Foram dias tensos: fizemos loucura? E agora? Outro empréstimo surgiu, eu adquiri ódio eterno pelo tal banco e o problema foi resolvido. Para minha sorte, no confronto juros do cheque especial x aumento do dólar eu levei uma baita vantagem.  Mais tarde, vendi meu carro. Ou melhor, a parte dele que eu já tinha quitado. Nos dois meses antes de viajar, trabalhei em dois empregos. Houve momentos em que eu tive os dois empregos junto com frilas.

Esse é meu relato, minha história. Não estou dizendo para você pegar um empréstimo, vender alguma coisa ou se matar de tanto trabalhar para juntar grana. Meu único ponto aqui é que não é preciso ser rico para viajar um ano inteiro ao redor do mundo.

religião na Tailândia

Vamos falar de dinheiro? Eu viajei durante 10 meses, visitei 14 países e gastei cerca de R$ 25 mil. Não, eu nunca vi um valor desses na minha frente. Antes da viagem isso era muito dinheiro para mim. Hoje eu duvido que você ache alguém que tenha feito uma viagem tão longa com tão pouco.

Esse não precisa ser o seu orçamento, afinal tem quem queira coisas que eu não fiz muita questão, tipo conforto. Mas saiba que é possível – eu estou aqui para provar. Vale dizer ainda que o preço do dólar mudou de lá para cá, o que pode aumentar um pouco o custo de uma viagem assim. Eu disse um pouco: ainda é possível viajar o mundo com um valor bem parecido.

E voltamos para a pergunta inicial: como conseguir o dinheiro? Essa resposta quem vai dar é você. Pense em tudo que você gasta com coisas desnecessárias. No meu caso, por exemplo, eu gastava cerca de mil reais por mês com um carro, entre prestações do financiamento, gasolina e manutenção. Desde que me desfiz dele, nunca senti falta.

Faça um orçamento de viagem. Pense em quanto você precisa e corra atrás. Uma coisa boa: quem pretende viajar por um ano provavelmente vai ter que ficar desempregado antes de entrar no avião. Ao conseguir tempo, você pode garantir também algum dinheiro na sua rescisão contratual.

Como conseguir tempo para um ano sabático?

Nós chutamos o balde. A Naty e a Luiza simplesmente pediram demissão e se jogaram no mundo. Eu trabalhava numa empresa que tem a política de ceder licenças não remuneradas. A parte boa disso foi que eu voltei empregado – coloquei os pés no Brasil e uma semana depois já estava de volta ao trabalho, pronto para pagar dívidas. A parte ruim foi que eu não tive o dinheiro do acerto para viajar, justamente o que me fez adquirir as dívidas.

Se você é jovem, sem filhos e sem grandes responsabilidades familiares, o que te impede de tirar um ano sabático? Nos ensinam que o trabalho de nove às seis é a única vida possível para uma pessoa séria e responsável. Eu tinha um trabalho desses, um que muita gente consideraria bom, numa puta empresa. Mas eu era um profissional completamente infeliz. Qual era o ponto de simplesmente deixar a vida seguir seu fluxo natural?

Corremos o nosso risco e valeu a pena. Voltamos ao Brasil e o fantasma do desemprego  não nos pegou. Semanas depois nós três estávamos empregados – três meses depois eu larguei aquela empresa e me mudei para São Paulo, onde arrumei outro trampo.

Fazer uma viagem de volta ao mundo pode ser também um grande diferencial no seu currículo. Hoje, quando vou fazer uma entrevista de emprego, minha experiência no exterior e minha viagem de volta ao mundo muitas vezes chamam mais atenção do que aquela empresa fodona onde já trabalhei.

Como viajar pelo mundo durante um ano

No Peru

“Tudo bem, eu acredito que tirar um ano sabático traz benefícios. Mas eu tenho filhos para criar, tenho família, um cachorro… não posso largar tudo”. Eu jamais incentivaria um pai abandonar um filho ou um dono abandonar seu cão. O fato é que essa não era minha situação, o que facilitou a decisão para mim. Mas acredito que não podemos achar que uma responsabilidade maior é necessariamente um obstáculo intransponível.

Já li histórias de gente que viaja o mundo inteiro e leva o cachorro. Sei de casais que embarcam numa viagem sem previsão de fim. Já ouvi vários casos de pais que levam os três filhos na jornada, de uma mãe que deu à luz enquanto viajava e de uma família com CINCO filhos que viajam com os pais. Tem quem rode o mundo numa cadeira de rodas. Você até pode achar que isso não é para você, só não diga que é impossível. Só não diga que você não faz porque não tem tempo.

Como diabos eu planejo uma viagem dessas?

A questão da logística também depende do viajante. A forma mais fácil de rodar o mundo é, obviamente, de avião, a não ser que você encontre alguma chave de portal por aí. E se você resolver ir de avião, a forma mais simples é comprando uma passagem de volta ao mundo, ou RTW ticket, nas iniciais em inglês. Foi essa a nossa opção. Gastamos US$ 3,7 mil com passagens para 13 países. Na Ásia, optamos por comprar algumas passagens por fora da tarifa, o que custou uns mil reais.

Mas essa não é a única saída. Também é possível fazer uma longa viagem de carro, de moto, de navio, de trem, de ônibus, de bicicleta e até mesmo a pé. Muitos viajantes já rodaram o globo de todas essas formas, e não faltam relatos na internet para mostrar como é possível realizar o sonho de viajar durante longos meses, independente de qual seja o transporte escolhido.

 Nova Zelândia: Como viajar pelo mundo durante um ano

Na Nova Zelândia

Além do transporte, é necessário se preocupar com as questões burocráticas, tipo tirar os vistos dos países que exigem isso, tomar as vacinas necessárias e separar os documentos exigidos. Como nós tivemos menos de dois meses para planejar nossa viagem de volta ao mundo, escolhemos visitar apenas países que não exigem visto para brasileiros ou que só demandam visto de fronteira, aquele que pode ser tirado na hora da chegada no aeroporto. A única exceção ficou por conta da Índia, país onde moramos durante alguns meses.

Mas não é perigoso?

Nunca foi tão seguro viajar ao redor do mundo, mas isso não significa que seja uma aventura sem riscos. Desde que os brasileiros invadiram o mundo, nós passamos a receber notícias constantes de gente que se perde, fica ferida ou morre no exterior. Como em qualquer outra situação da vida, é simplesmente impossível prever o futuro.

Uma pessoa pode optar por nunca sair do próprio bairro e morrer por causa de um tombo durante o banho ou outro acidente estúpido. Por outro lado, todos os dias milhões de pessoas  viajam e a maioria esmagadora delas volta em segurança para casa. O resto do mundo, em geral, não é mais perigoso que o lugar onde você mora, ainda mais se você mora no Brasil.

Paris, França

Isso não significa que você deva se expor a situações de risco real. Eu jamais iria para um país em guerra, ou com situação política complicada, ou onde a visita seja desaconselhada pela ONU e pelo governo brasileiro.  Já nos recusamos a entrar num avião, no Nepal, quando uma família cheia de boas intenções tentou nos oferecer as milhas aéreas deles numa companhia de qualidade duvidosa para nos ajudar a fugir de uma manifestação política. Já me recusei a entrar em um ônibus em péssimo estado de conservação. Não andei durante a noite por lugares ermos e em becos escuros. Enfim, fui cuidadoso, exatamente como eu seria aqui no Brasil. Por outro lado, não tenho preconceitos para visitar um país seguro, mas que a maioria prefere nem passar perto simplesmente porque não é um destino cool.

Podemos tomar algumas medidas para diminuir ainda mais os riscos. É simplesmente impensável sair do país sem contratar um seguro de viagem, por exemplo. A Luíza acionou o dela quando estávamos na Índia. Eu acionei o meu durante minha viagem para a África do Sul. Além disso, conhecer as  leis de cada país pode evitar muitos problemas.

Cingapura, Ásia

Em Cingapura

Devo viajar pelo mundo durante um ano?

Se você é do tipo que sonha com a possibilidade de tirar um ano sabático e decidir que isso é algo que precisa fazer na vida, simplesmente acorde e vá. E não pense que isso significa que você não tem raízes ou é algum tipo de vagabundo irresponsável. Nunca deixe de observar suas próprias circunstâncias, claro, mas não fique intimidado por supostos obstáculos. Minha experiência me mostrou que muitas vezes criamos impedimentos que não existem simplesmente porque temos medo de realizar os nossos sonhos.

Nosso tempo nesse mundo é limitado a algumas décadas, isso quando temos sorte. Não sei você, mas eu optei por não perder anos valiosos vivendo uma vida que eu não gosto ou que outras pessoas disseram que seria boa para mim. Hoje, nada me dá mais medo do que a jaula representada pelo estilo de vida dito “normal”. Hoje, percebi que viajar virou sinônimo de liberdade.


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

268 comentários sobre o texto “Como viajar pelo mundo durante um ano

  1. olá gente, nao é mais possivel adquirir
    o ebook “Como viajar pelo mundo por um ano” ??

    eu tinha visto ele num artigo do papo de homem
    parabéns pelo site
    informações de alto valor
    Abraços
    doug

  2. Olá!! Estou planejando uma viagem de um ano pela Europa, mas pretendo continuar trabalhando, já que trabalho on-line, gostaria de dicas e detalhes sobre a entrada nesses países, se terei que comprar passagens pra comprovar a volta e tal. Obrigada. Bjus.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.