Estrada Real: 7 roteiros pelas cidades históricas mineiras

Nem só de Ouro Preto vive o turismo de Minas Gerais. O estado está repleto de cidades históricas – são tantas que dá para montar vários roteiros, viagens que incluiriam não só as famosas Ouro Preto e Tiradentes, mas também lugarejos bem menos conhecidos. Região que tem até nome garboso: Estrada Real, apelido para as vias criadas no tempo da colônia, para escoar ouro e pedras preciosas até o porto de Paraty, no Rio de janeiro.

Neste texto você terá sete opções de roteiros por cidades históricas da Estrada Real, todos focados em Minas Gerais e pensados para quem sai de Belo Horizonte. Tem viagem que pode ser feita em três dias; há outras que exigiram duas semanas. Vamos lá?

Roteiro 1: Ouro Preto, Mariana e Congonhas (três dias)

O roteiro mais básico e fácil de fazer. O que é ótimo, porque Ouro Preto é, sem dúvida, a cidade histórica mineira que mais merece uma visita. É a antiga capital do estado, uma cidade que chegou a ser o maior aglomerado humano na América do Sul durante o século 18. E que esteve envolvida numa das maiores migrações em massa que o Brasil já viu – muita gente foi atrás das minas e suas riquezas. Não bastasse isso, Ouro Preto está a apenas 90 quilômetros de Belo Horizonte, pela BR-356. E colada com outra cidade histórica fantástica: Mariana.

O que fazer em Mariana

Mariana

É possível fazer esse roteiro em um final de semana, embora eu ache que três dias seria o tempo mais indicado. Como em todos os roteiros citados no texto, o jeito mais fácil é ir de carro, mas também dá para fazer de ônibus. Caso opte por alugar um veículo, leia aqui como fazer isso garantindo o melhor preço.

Se for de ônibus, a Viação Pássaro Verde faz o trecho entre BH e Ouro Preto, com saídas da rodoviária da capital mineira – não há ônibus a partir do aeroporto de Confins.

A dica é que você durma em Ouro Preto e conheça Mariana no esquema bate-volta – as cidades são vizinhas, estão a apenas 15 minutos uma da outra. Também dá para visitar Lavras Novas, um distrito de Ouro Preto a menos de 20 km da Praça Tiradentes, que tem clima bucólico e romântico.

Em Ouro Preto, já fiquei e recomendo a Pousada Colonial e a Pousada Mezanino. Outras opções confortáveis são o Grande Hotel de Ouro Preto, a Pousada do Mondego e o Hotel do Teatro.

roteiro pelas cidades históricas mineiras

Ouro Preto

Cerca de 60 km, via MG 129, separam Ouro Preto de Congonhas, cidade histórica onde estão os profetas de Aleijadinho e que é, assim como Ouro Preto, Patrimônio da Humanidade segundo a Unesco. Se estiver de carro, saia depois do almoço de Ouro Preto, para chegar em Congonhas na metade da tarde. Duas ou três horas é tempo mais que suficiente para conhecer o Santuário do Bom Jesus de Matosinhos e o Museu de Congonhas, inaugurado em 2015. No fim do dia volte para Belo Horizonte, que está a 80 km de Congonhas.

Se não estiver de carro, o trecho entre Ouro Preto e Congonhas envolverá uma baldeação: pegue o ônibus para Ouro Branco e de lá outro para a cidade dos profetas.

Veja também: Como planejar sua viagem para Ouro Preto, MG
Congonhas, a cidade dos profetas do Aleijadinho

profetas aleijadinho, Congonhas

Congonhas

Roteiro 2: Congonhas, Tiradentes e São João del-Rei (três dias)

Outro roteiro fácil de fazer e que pode ser feito em três dias, embora envolva distâncias um pouco maiores. Partindo da capital mineira, Tiradentes está a 190 km. Assim como no roteiro anterior, a minha dica é que você monte sua base em Tiradentes e visite São João del-Rei no esquema bate-volta – as cidades estão separadas por apenas 10 km.

Já Congonhas está convenientemente no meio do caminho entre BH e Tiradentes. Por isso, eu faria assim: de carro, siga pela BR-040. Congonhas estará a 80 km de BH. Pare lá por duas ou três horas e depois siga viagem até Tiradentes, que é pequenina, super simpática e está cheia de restaurantes e bares de alto nível.

São João del-Rei

Em Tiradentes, já fiquei e recomendo a  Pousada do Laurito, que é simples, mas funciona num casarão colonial e é muito bem localizada. A Pousada Mãe D’Água é outra boa opção. E uma dica: não cometa o erro de passar apenas uma ou duas horas em São João del-Rei. O centro histórico da cidade é grande e merece pelo menos um dia de passeio.

Passados os três dias, retorne para BH. Se sobrar tempo, você pode incluir outra cidade histórica no roteiro. É Prados, que fica a 20 quilômetros de Tiradentes. E mesmo quem não vai de carro ainda consegue fazer esse roteiro com facilidade, já que os ônibus que ligam BH e São João del-Rei, da Viação Sandra, param em Congonhas. É só comprar passagem pra lá e pegar outro ônibus, algumas horas depois. Já Tiradentes e São João del-Rei estão ligadas por linhas de ônibus urbanas.

Veja também: Tiradentes, em Minas Gerais: como planejar sua viagem
Igrejas, casarões e história em São João del-Rei

passeios em Tiradentes

Tiradentes

Roteiro 3: Ouro Preto, Mariana, Congonhas, Tiradentes e São João del-Rei (7 dias)

A junção dos dois roteiros anteriores. Se você tiver uma semana disponível, dá para fazer uma viagem envolvendo todas as cidades citadas acima. É simples, seja de carro ou de ônibus, Vá primeiro para Ouro Preto e passe três dias lá, aproveitando para conhecer Mariana no esquema bate-volta. Em seguida, siga para Congonhas – se estiver sem carro terá que fazer aquela baldeação em Ouro Branco.

Passe algumas horas em Congonhas e vá então para Tiradentes, onde você pode se hospedar por mais três dias, aproveitando para conhecer São João del-Rei. Simples, né? Essa rota é parte do Caminho Velho da Estrada Real, que tem mais de 700 km e foi criado no século 17, quando os tropeiros percorriam a estrada do Rei em até 60 dias. De Tiradentes, para completá-lo seria preciso seguir em direção à Paraty (mais 400 km), onde as mercadorias eram colocadas em navios.

Roteiro 4: Sabará, Caeté, Catas Altas, Ouro Preto e Mariana (7 dias)

A cidade histórica mais próxima de BH está a uma corrida de uber – ou de ônibus urbano – de distância. Fundada em 1675, Sabará tem igrejas, casarões coloniais, bons restaurantes e atrações para um dia inteiro. Por isso, a cidade costuma ser um bate-volta a partir de Belo Horizonte. Mas dá para fazer mais: é possível combinar a viagem com outros destinos lindos, mas pouco conhecidos, nos arredores.

igrejas de sabará, mg

Sabará

Se nos outros roteiros o carro é um facilitador, mas não imprescindível, nesse caso, não estar motorizado complicaria bastante as coisas. Sabará está a menos de 15 quilômetros do centro de BH, seja pelas BR-262/381, seja pela Via Borba Gato. Nesse roteiro, eu não acho que seja necessário dormir em Sabará, mas sair cedo para passar o dia lá. Depois de perambular pelas ruelas, entrar em igrejas barrocas com elementos orientais e almoçar frango com ora-pro-nobis, siga viagem: a próxima parada é o Santuário de Nossa Senhora da Piedade.

Para isso, saia de Sabará no meio da tarde. O Santuário de Nossa Senhora da Piedade fica em Caeté, a 60 quilômetros de Sabará. A construção da capela no topo da Serra da Piedade começou em 1704. Além da igreja, o destaque ali é a vista, já que as montanhas têm quase 1800 metros – de lá dá para ver várias cidades, incluindo Belo Horizonte.

roteiro estrada real

Serra da Piedade (Foto: Júlio César de Jesus, Wikimedia Commons)

Há vários hotéis e pousadas em Caeté, incluindo o Tauá, que é uma atração por si só e funciona no esquema pensão completa, mas, se você não estiver cansado da estrada, a dica é para seguir viagem por mais 70 quilômetros, até o Santuário do Caraça, uma das maravilhas da Estrada Real.

Veja também: Sabará, o que fazer na cidade histórica mais próxima de BH

Não tem erro: se hospede no hotel que funciona dentro do Santuário, que está numa área de reserva ambiental. É um prédio do século 18 e, como tal, não tem muito conforto. Funciona no esquema pensão completa, com café da manhã, almoço e jantar, e as diárias têm preços bem interessantes. Monte base ali por duas noites e aproveite para fazer trilhas e explorar cachoeiras.

roteiro por Minas Gerais

Santuário do Caraça (Foto: Dabiene Soutto)

Siga para Catas Altas, cidade histórica cujo centro está a cerca de 30 km do Santuário e que está, aos poucos, entrando na rota turística – a Globo gravou ali a minissérie Se Eu Fechar os Olhos Agora. Pode ser uma boa ideia passar uma noite por ali, com tempo para curtir a beleza da Praça Monsenhor Mendes ou as cachoeiras, como a do Vale das Borboletas.

cidades históricas de minas

Catas Altas: (Foto: Lucia Coelho, Wikimédia Commons)

Depois, basta seguir por mais 50 quilômetros, pela MG-129, e você chegará em Mariana. E aí você já sabe: Ouro Preto é do ladinho. Faça como nos roteiros anteriores e passe três dias na antiga capital de Minas. Na hora de voltar para BH, inclua antes uma parada rápida em Congonhas, como explicado antes, e retorne para a capital mineira pela BR-356. No final de uma semana você terá passado por sete cidades históricas, mas percorrido apenas 370 quilômetros: o Caminho de Sabarabuçu da Estrada Real, criado por viajantes que acharam que o brilho da Serra da Piedade era ouro – na realidade era minério de ferro.

E o melhor é que o roteiro é quase um círculo, ó:

Roteiro 5: junte os anteriores (10 dias)

Você certamente percebeu que é fácil acrescentar Tiradentes e São João del-Rei ao roteiro quatro – basta que você tenha mais três dias. Para isso, siga a ordem do roteiro anterior até Congonhas. Aí, ao invés de retornar para BH, tome o sentido contrário, por mais 117 km, via BR-383, até Tiradentes. Pronto!

Roteiro 6: Conceição do Mato Dentro, Diamantina e Serro (4 dias)

Só a distância explica porque Diamantina não ocupa um lugar no imaginário turístico nacional equivalente ao de Ouro Preto e Tiradentes. Se a primeira está a apenas 90 km de BH e a segunda a menos de 200, para chegar em Diamantina é preciso rodar um pouco mais: são 300 km. Além disso, a cidade de Juscelino Kubitschek está no outro sentido, sendo mais difícil encaixá-la com os destinos anteriores. De Ouro Preto para Diamantina, por exemplo, são quase 400 quilômetros, enquanto entre a terra dos Diamantes e Tiradentes a distância é de quase 500 km.

Para diluir as distâncias percorridas, minha dica é que você siga de BH para Conceição do Mato Dentro, numa viagem de 160 km a partir da capital mineira, pela MG-010. Outra opção, que pode ser uma boa para quem chega no aeroporto de Confins, é alugar um carro lá e seguir viagem diretamente, sem passar por BH. Nesse caso serão apenas 135 km de estrada.

Você vai encontrar uma cidade de nome simpático, muita história e que tem um centro histórico preservado, mas que é conhecida mesmo por ser uma espécie de capital do ecoturismo mineiro. É em Conceição do Mato Dentro que fica a Cachoeira do Tabuleiro, a terceira maior do Brasil, com 273 metros. Passe uma noite na cidade e aproveite para conhecer os arredores. Por ali, duas boas opções de hospedagem são a Pousada Pôr do Sol, que tem vista espetacular para as montanhas, e a Pousada Alto do Bau.

turismo minas gerais

Cachoeira do Tabuleiro (Foto: José Maria Ferreira Júnior, Wikimédia Commons)

De Conceição do Mato Dentro siga para Diamantina, pelas rodovias MG-010 e BR-259. Em 140 km você chegará em uma das cidades históricas mais bonitas de Minas, um marco na Estrada Real. Diamantina é outra que nasceu no ciclo do ouro, mas, como o nome indica, o forte por ali eram os diamantes. Além do centro histórico, cachoeiras e povoados, como Biribiri, recebem os turistas. O cartão-postal da cidade é a Casa da Glória, com seu passadiço inconfundível.

roteiro pelas cidades históricas de minas

Casa da Glória, em Diamantina (Foto: Jeff britto, Wikimédia Commons)

Passe três dias ali e aproveite para conhecer alguns lugares nos arredores, como Serro, uma cidade vizinha e que tem um centro histórico pra turista nenhum reclamar. Como Serro está a 90 km de Diamantina, pode ser uma boa passar lá na volta, depois de deixar a terra dos diamantes. Outro endereço para colocar no radar é Milho Verde, um distrito de Serro.

A estrutura turística de Diamantina não é tão boa quanto a de Ouro Preto, mas há algumas opções de boas pousadas por lá. Destaque para o Pouso da Chica e o Hotel Jardim do Vale. Esse é o chamado Caminho dos Diamantes da Estrada Real.

cidades históricas de Minas Gerais

Serro, Minas Gerais (Foto: Ary Attab, Wikimedia Commons)

Roteiro 7: Mega road trip pelas cidades históricas mineiras (15 dias)

Duas semanas. Esse é o tempo que você precisa para fazer uma road trip inesquecível por algumas das mais importantes (e bonitas) cidades históricas mineiras. Você vai conhecer muitas das atrações da Estrada Real, incluindo três Patrimônios da Humanidade: Ouro Preto, Congonhas e Dimantina. Dê uma passadinha no Conjunto Moderno da Pampulha, em BH, e serão quatro.

Para fazer essa road trip não tem muito segredo: basta juntar os roteiros cinco e seis. A ordem você escolhe, mas eu acho que começaria fazendo o trecho BH Tiradentes/São João Del-Rei, indo depois para Congonhas, Ouro Preto e Mariana. Aí eu faria o roteiro quatro, mas no sentido inverso: Catas Altas, Caraça, Serra da Piedade, Sabará e, enfim, Conceição do Mato Dentro, Diamantina e Serro. E eu garanto que igrejas, ladeiras e comida boa não irão faltar.

Leia também: Pratos deliciosos e típicos da comida mineira

Outros roteiros pela Estrada Real

Seguir a Estrada Real, das cidades históricas mineiras até Paraty ou o Rio de Janeiro, seria uma baita viagem. No meio do caminho há várias paradas possíveis, um roteiro que muita gente faz de bike e alguns encaram até a pé. O mais importante é estar atento a cada parada possível. Tem muito lugar pouco conhecido, mas incrível, na Estrada Real.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014 voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura. Siga minhas viagens também no instagram, no perfil @rafael7camara no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

55 comentários sobre o texto “Estrada Real: 7 roteiros pelas cidades históricas mineiras

  1. Olá rafael! Gostaria de sua ajuda. Quero fazer todas as cidades adaptando o roteiro 7 adaptando-a ao retorno ao rj (onde moro) de ônibus. Gostaria de seu conselho: chegar a BH, conhecer a cidade em dois dias (uma pernoite). Subir direito para diamantina e ir descendo de ônibus seguindo os conjuntos de cidades que vc recomenda. Descer até são joao del rey (comprimindo o roteiro em doze dias) e passar em sao tomé das letras para conhecer pernoitando três dias. Viajaria no dia 12 de janeiro e voltaria ao rio dia 26, mas de õnibus. O que vc acha e/ou me recomenda?

    1. Oi, Ju.

      Você vai alugar um carro? Ou pretende fazer tudo de ônibus. Alugar um carro facilita bastante nesse caso.

      No mais, essa ordem que você falou funciona bem também – Diamantina, Serro, Conceição, depois Ouro Preto, Tiradentes, etc.

  2. bom dia, estamos indo de moto home (onibus de 4,15 m altura ) queremos visitar as cidades POCOS DE CALDAS – DIVINOPOLIS – CARRANCAS – AIURUOCA – MONDE VERDE – CAXAMBU – SAO LOURENCO – ARAXA – SAO JOAO DEL REI – TIRADENTES – MARIANA E ITACARAMBI… Pode nos orientar se nosso carro chega bem nessas cidades e nos ajudar num roteiro legal para seguirmos agora dia 22 de dezembro de 2019. queremos aproveitar uns 10 dias nessas cidades. qual as suas sugestoes?

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.