fbpx

O que fazer em Budapeste: roteiro e pontos turísticos

Budapeste é considerada por muita gente a cidade mais bonita da Europa, e muito disso se deve à bela arquitetura de seus prédios históricos (ainda que 75% da cidade tenha sido destruída na Segunda Guerra). Nesse roteiro com o que fazer em Budapeste, você vai encontrar todas as informações que precisa para também se apaixonar pelo lugar.

Onde fica Budapeste e um pouco da história da cidade

Budapeste fica na região central da Hungria e é a sexta maior cidade da União Europeia, com cerca de 1,7 milhão de habitantes. Está a 2h20 de trem de Viena, 7 horas de Praga e 6 horas de Belgrado, sendo ideal para combinar com qualquer uma dessas cidades em um mochilão pelo Leste Europeu.

Cortada pelo rio Danúbio, Budapeste foi, até 1871, duas cidades: Buda, de um lado do rio, e Pest, do outro. Outra pequena parte, Obuda, também fazia parte desse território unificado. Mas as primeiras povoações naquela região são muito mais antigas: os celtas estiveram ali, e, mais tarde, os romanos fundaram lá, em 106 d.C., uma pequena cidade, Aquincum (dá para visitar as ruínas romanas hoje em dia, um pouco afastadas do centro), que corresponde a região de Obuda.

Budapeste também foi dominada pelos turcos, como boa parte do leste europeu. Mais tarde, tornou-se capital, junto com Viena, do Império Austro-Húngaro. Perdeu duas guerras mundiais, foi dominada pelos soviéticos, passou por uma violenta revolução em 1956, mas somente em 1989 voltou a ser a capital de um país independente.

Esse breve resumo serve para entender melhor as construções, histórias e disposição da cidade. É muita coisa interessante, então tenha certeza que você terá tempo suficiente para conhecer tudo.

Dicas para quem vai a Budapeste a turismo

  • A moeda no país é o Florim. 1 euro equivale a cerca de 400 florins. Já R$ 1 equivale a mais ou menos 75 florins.
  • Como, em geral, as pessoas visitam Budapeste junto com outros países da Europa, a melhor moeda para levar pra lá é o Euro. Não compre florins antes de chegar, ou você vai pegar uma cotação ruim. O ideal é trocar um pouco logo no aeroporto e deixar o resto para as casas de câmbio do centro. Você também não vai encontrar problemas para pagar com cartões de crédito ou débito, uma vez que a maior parte dos estabelecimentos aceita essa forma de pagamento.
  • Embora a língua oficial da Hungria seja o húngaro, você não vai encontrar dificuldade para se comunicar em inglês em Budapeste. A maior parte das pessoas fala a língua (ainda que o básico) e está mais que acostumada com turistas por ali.
  • Se você tem pouco tempo na cidade, considere fazer um free walking tour para conhecer os principais pontos turísticos de Budapeste de uma só vez. Assim, você consegue otimizar seu tempo e depois voltar para ver só o que mais gostou. Dá para garantir seu lugar (grátis) aqui.
  • Se locomover na cidade é muito fácil e barato! A passagem do transporte público custa cerca de 1 euro e conecta a cidade inteira. Veja mais sobre isso no fim desse post.

Seguro de viagem para a Hungria

O Seguro de Viagem é obrigatório na Hungria, assim como todos os países da zona Schengen, e pode ser exigido na imigração. E não vale qualquer seguro, é preciso que tenha uma cobertura mínima de 30.000 euros.

Você pode conseguir seguro de viagem para a Europa, com desconto de até 25% para os nossos leitores. Basta usar o cupom 360MERIDIANOS05. Dá uma olhada nas ofertas abaixo. Veja como conseguir o seguro com o melhor custo/benefício.

Seguro Viagem: Europa
AC 35 EUROPA AC 35 EUROPA Assistência médica EUR 35.000 Bagagem extraviada EUR 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 25/dia*
AC 60 MUNDO COVID-19 QUARENTENA (EXCETO EUA) AC 60 MUNDO COVID-19 QUARENTENA (EXCETO EUA) Assistência médica USD 60.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (COMPLEMENTAR) R$ 75/dia*
Affinity 30 EUROPA COVID-19 QUARENTENA Affinity 30 EUROPA COVID-19 QUARENTENA Assistência médica EUR 30.000 Bagagem extraviada USD 1.200 (SUPLEMENTAR) R$ 63/dia*

20 sugestões do que fazer em Budapeste: conheça os pontos turísticos da cidade

Uma boa ideia para dividir as atrações da cidade é fazendo as atrações do lado Buda num dia e do lado Peste (que tem mais coisa para ver) no resto do tempo.

Para facilitar o planejamento, já dividimos o post dessa forma e vamos começar com as atrações do lado Buda:

1. Castelo de Buda

castelo de buda budapeste hungria destacada

A região de Buda é mais residencial e tem menos atrações, restaurantes e opções de hospedagem. Porém ali fica um dos passeios imperdíveis, a Colina do Castelo. São as principais construções que sobreviveram ao período medieval.

Há um funicular que leva até o topo, mas, sinceramente, não vale a pena, a não ser que você tenha dificuldades de locomoção. Há escadarias ao redor de toda a colina. Saiba mais sobre a história e as atrações da Castelo de Budapeste

Lá no alto, a maior construção é o Palácio Real. Começou a ser feito em 1308, mas ao longo das mudanças na monarquia foi sendo remodelado, destruído e reconstruído – foram seis vezes no total.

A versão atual é de 1896, que foi dividida em dois museus: a Galeria Nacional Húngara (1800 ft de entrada – mais ou menos 5 euros) e o Museu de História de Budapeste (2000 ft – mais ou menos 6,50 euros). Se você gosta de museus de história, esse tem muitas informações legais que ajudam a ter uma noção melhor do que aconteceu na Hungria nos últimos séculos. E toda a parte do subsolo ainda preserva a construção medieval.

Se você não quiser entrar num dos museus, e consequentemente no Palácio, pode visitar gratuitamente as áreas externas, onde você encontra pátios e jardins com esculturas, como o Pátio dos Leões, e fontes como a do Jardim Hunyadi.

E, claro, não deixe de ir ao Savoyai Terrace, um longo terraço que fica para o lado do Danúbio e de onde se vê praticamente toda a cidade. Ali fica sempre apinhado de turistas, porque realmente é uma das melhores vistas de Budapeste. Ainda assim, eu consegui almoçar num café lá por 800 forints (cerca de 2,60€).

2. Fisherman’s Bastion

Fachada do Fishermen Bastion - atração turística em Budapeste

Você vai precisar andar alguns metros para o outro lado da Colina do Castelo para chegar em outro lugar muito famoso para fotos em Budapeste: o Fisherman’s Bastion, ou Bastião do Pescador. A construção de 1905 inclui sete torres simbolizando os sete líderes fundadores da cidade.

Ali também fica a imponente Igreja Matias, com seu telhado todo colorido. A entrada na igreja é paga.

3. Citadella

Ainda há outra atração em Buda, além do castelo, que é a Citadella. No alto da Colina Gellért, esse lugar foi construído como estrutura de defesa da cidade durante o Império Austro-Húngaro e acabou servindo de bunker durante a Segunda Guerra Mundial.

Hoje, a estrutura está temporariamente fechada, mas é possível chegar pertinho do Monumento à Liberdade, uma estátua de 14 metros de uma moça segurando uma folha de palmeira, erguida em 1947, em homenagem aos soldados soviéticos.

A estátua é ironicamente chamada pelos habitantes da cidade de “abridor de garrafa”. O mais legal de subir a colina não é ver a estátua ou a Citadella, mas sim ver a vista de Budapeste. Eu fui lá à noite, para ver as luzes da cidade. Vale a pena também ir no pôr do sol, mas se prepare para trombar com uma multidão de turistas que vão lá fazer a mesma coisa.

4. Gellért Hill Cave (Igreja de pedra)

Uma igreja totalmente esculpida em uma pedra – Sim, as paredes e tudo -, localizada dentro de uma gruta da Colina Gellért. Também conhecida como a “Caverna de São Ivan”, em referência a um eremita que viveu lá e que, segundo a crença local, teria usado a água termal de um lago próximo à caverna para curar os doentes. Todas as formas da igreja aproveitam as formas. naturais das grutas.

O local chegou a ser fechado durante o período soviético, mas hoje está aberto e é um local de culto de verdade. Por isso, mantenha a voz baixa quando estiver lá dentro. Também é preciso cobrir os ombros para entrar, mas eles oferecem umas peças. grátis se você for parar lá desprevenida.

Vale a pena pegar o audioguide na entrada para acompanhar a visita. A igreja fecha para visitação aos domingos.

Pronto para cruzar o rio? Veja agora as atrações do Danúbio, entre Buda e Peste. 

5. As pontes do Danúbio

Vista de cima de uma das Pontes do Danubio, em Budapeste

Entre Buda e Pest fica o rio Danúbio e ele sem dúvida é uma atração por si só. A primeira ponte erguida para cruzar o rio foi a maravilhosa Chain Bridge. Sugiro que você cruze ela a pé, durante o dia e à noite. Há outras cinco pontes só na região do centro, uma mais bonita que a outra.

6. Ilha Margarida

Outro lugar que vale a pena conhecer entre Buda e Peste é a Ilha Margarida. O espaço verde e tranquilo no meio da cidade é um lugar que fica cheio nos dias de verão, com o pessoal que vai praticar esportes, passear com crianças e cachorros ou só tomar um sorvete.

Dá também para alugar uma bicicleta para explorar o parque. E não deixe de ver o show de luzes e água da fonte no centro da ilha. Durante o dia é tranquilo e movimentado, mas é bom evitar a ilha de noite.

Cruzando qualquer uma das pontes você chega em Peste, a parte mais turística e movimentada da cidade. Vamos lá?

7. Parlamento Húngaro

Foto do Parlamento Húngaro, em Budapeste

A primeira construção em Peste, logo na beira do Rio, é o Parlamento Húngaro. Um imponente prédio branco, o mais alto da cidade, foi concluído em 1902.

O prédio é lindo por si só e vale a pena ir só para ver o lado externo, mas se você curte política e história, é possível fazer uma visita guiada que te leva a algumas salas do prédio, incluindo o local onde ficam as joias da antiga monarquia húngara. O passeio é interessante e repleto de informação, mas dura apenas duas horas e é meio caro para estrangeiros. É necessário comprar com antecedência se você for na alta temporada, porque esgota rápido. Você pode fazer isso por aqui.

A gente dá mais detalhes no post como comprar o tour pelo Parlamento de Budapeste.

8. Os sapatos à beira do Danúbio

Fotografia de uma escultura de sapata no Shoes on the Danube Bank, monumento em memória aos judeus vítimas do holocausto

Nos arredores do Parlamento, há marcas da história do país que valem a pena a visita. Em frente ao prédio, ao lado do rio, fica um memorial às vítimas do nazismo que é tocante.

O “Shoes on the Danube Bank” consiste numa linha de 40 metros de sapatos esculpidos em ferro, que simbolizam os judeus assassinados na cidade durante a Segunda Guerra Mundial. Eles eram obrigados a tirar seus sapatos (que eram seus bens mais valiosos no momento) e então eram alvejados na beira da água. Eles caiam no rio gelado e seus corpos eram levados pela correnteza, deixando só os sapatos para trás.

9. Museu Etnográfico

Já do outro lado do prédio do Parlamento, há uma praça onde fica o Museu Etnográfico e um importante prédio do governo. Nas paredes desses prédios há bolas de ferro que marcam onde estavam os buracos das balas que foram disparadas contra os grupos de estudantes que se reuniam ali em 1956, em um levante contra o governo soviético.

10. Basílica de Santo Estevão

Rua histórica em Budapeste com a Basílica de Santo Estevão ao fundo

Da região do Parlamento dá para ir caminhando até a Basílica de Santo Estevão, uma igreja que tem a mesma altura do parlamento e é muito bonita por dentro. São Estevão foi um dos reis húngaros, de 1000 a 1038.

Se você entrar, não deixe de procurar pela Capela da Sagrada Mão Direita, onde fica a mão do santo, mumificada numa caixa de vidro. Vale a pena pagar para subir até o topo da Basílica, de onde se tem uma vista 360 graus da cidade.

Logo que você sair da igreja, na rua procure pela Gelarto Rosa, que fica logo em frente. É uma gelateria muito boa, com sorvetes artesanais, colocados no cone em formato de flor. Costuma ter fila no verão.

10. Praça Deak Ferenc

E seguindo a rua da sorveteria você chega na praça principal da cidade, a Deak Ferenc. Ali é o ponto de encontro do pessoal de Budapeste. Em volta, há diversos bares e quiosques que ficam movimentados durante o dia e são boas escolhas para comer algo ou tomar um drink refrescante.

Embaixo da grande fonte da praça fica uma balada famosa chamada Club Heaven. Se você quiser pegar ônibus ou metrô, se juntar a um Free Walking Tour, ou encontrar um amigo húngaro, essa praça é o local.

Dali também é o ponto de partida para chegar aos outros pontos turísticos da cidade. Por exemplo, se você seguir a elegante avenida Andrassy, vai passar por belas construções e lojas, visto que essa é uma das regiões mais chiques da cidade.

Da Deak Ferenc até o prédio da Ópera Nacional da Hungria é um pulinho. É possível visitar o prédio ou ir numa das apresentações, consulte aqui o programa.

11. Casa do Terror

Imagem da fachada da Casa do Terror, em Budapeste

Uma visita pra lá de polêmica em Budapeste é a Casa do Terror (Terror Háza). O espaço foi, no passado, sede das duas polícias de execução: a nazista, em 1944, e a comunista, de 1945 a 1956. Hoje, abriga um museu dedicado ao terror imposto pelos dois regimes. Ou, pelo menos, é isso que tentam nos convencer.

Na realidade, a exposição da Casa do Terror é considerada por muitos estudiosos da área uma baita de uma falsificação histórica alinhada aos valores do governo de Viktor Orbán. O historiador húngaro Andras Mink, classificou o lugar como uma repulsiva propaganda política.

A exposição chega ao cúmulo de deixar passar desapercebido que um terço dos mortos em Auschwitz eram judeus húngaros e têm dog whistles neo nazistas ao, por exemplo, introduzir a informação de que os comunistas “vitimizadores” eram de origem judaica: uma forma de reforçar a teoria da conspiração de que a ocupação soviética foi uma vingança pelo holocausto.

Nós aprofundamos essa discussão aqui. Não recomendo essa experiência para não cair na manipulação do governo húngaro. Mas se você fizer questão, a entrada custa 2000 ft (cerca de 6,50 euros). Mais informações sobre o horário de funcionamento no site oficial.

11. Praça dos Heróis

Foto das esculturas na Praça dos Heróis, em Budapeste, com um obelisco no centro e pilastras formando um arco ao redor dele

Pegue o metrô Vörösmarty utca e desça na estação Hősök tere. Pronto, você estará na praça que é cartão-postal de Budapeste, a Praça dos Heróis.

Nessa praça ficam monumentos em homenagem aos líderes das sete tribos que fundaram o país e também de todos os reis do início da monarquia. Os dois prédios que ficam nas laterais são museus: o Museu de Belas Artes e o Kunsthalle, focado em arte contemporânea.

12. Parque da Cidade

Foto de um lago com pedalinhos e um castelo no fundo no Parque da Cidade, Budapeste

Logo atrás da Praça dos Heróis está o gigante Parque da Cidade. Ali dentro, além da área verde, ficam lagos, um pequeno castelo e alguns museus.

13. Banhos termais de Budapeste

Mas a melhor coisa a se fazer ali no Parque da Cidade é ir atrás de um dos banhos públicos termais mais tradicionais de Budapeste, o Széchenyi. O espaço é simplesmente gigantesco e inclui banheiras, jacuzzis e piscinas fechadas e ao ar livre, com diferentes temperaturas d’água. Convém levar a própria toalha, chinelo e, claro, roupa de banho.

Veja no site oficial preços e horários de funcionamento. E leia nosso post contando como é a experiência.

14. O Distrito Judeu de Budapeste

Rua no distrito judeu de Budapeste, cheia de prédios de coloração escura e com aparência de antigos

Uma das áreas mais legais de Budapeste é sem dúvidas o Distrito Judeu. Em 1944, último ano da guerra, quando começou a ocupação nazista ali, foi estabelecido em Budapeste um gueto, na área que fica entre as avenidas Erzsébet, Dohány e Király.

Toda a área do distrito foi, no passado, cercada com um muro de pedra e cerca de arame, para impedir as pessoas de saírem. Era um espaço isolado e lotado, com pouco ou nenhum acesso a comida, combustível para aquecimento no inverno e remédios.

E era do gueto que eram selecionadas as pessoas que seriam deportados para os campos de concentração. Em oito meses, a população de judeus em Budapeste caiu de 200 mil para 70 mil pessoas, por conta das mortes e das deportações para Auschwitz. Saiba mais sobre a história e a vida do Bairro Judeu de Budapeste

Hoje, essa triste história deu lugar a uma vizinhança jovem e alegre, cheia de graffitis, bares e casas noturnas.

É ali também ali, na rua Dohány, que fica a Grande Sinagoga, fundada em 1859. Essa é a maior sinagoga da Europa, com capacidade para três mil pessoas. Dentro do terreno ficam também o Museu Judaico da Hungria e o Memorial do Holocausto, erguido no local onde ficavam as covas coletivas os judeus assassinados em 1944. Ali também foi construída uma escultura chamada “Árvore da Vida”, com nomes das famílias das vítimas.

15. Szympla e outros pubs ruínas

fachada do Szympla, o primeiro pub ruína de budapeste

Já o resto do distrito judeu foi se transformando com o tempo e hoje fica entre a força da gentrificação e a criatividade de jovens de Budapeste. É que dentro dos quarteirões do distrito judeu há centenas de prédios abandonados e terrenos baldios. Enquanto a especulação imobiliária tenta tomar o espaço, a população local começou a construir bares e centros culturais nos prédios abandonados.

Hoje, há diversos pubs ruínas (a gente até tem um post só sobre eles) espalhados por lá. Também é a região com maior concentração de hostels. Eles vão abrindo e fechando de acordo com a compra e venda dos edifícios.

Veja algumas dicas de bares ruínas (e outros) em Budapeste:

  • Não deixe de visitar o Sizmpla Kert (Kazinczy u. 14), o mais antigo deles. O local tem dois bares e um centro cultural que recebe eventos no segundo andar. Aos domingos, há também um mercado de pulgas.
  • Na mesma rua, logo ao. lado do Szympla, fica o Caravan, meu lugar favorito da cidade. Ali funciona um espaço de food trucks onde você pode comer comida local e de outras partes do mundo, tomar um sorvete ou uma cerveja artesanal.
  • Outro lugar legal de visitar é a Gozsdu Court, uma passagem entre prédios cheia de bares. E também sugiro que você coma um hambúrguer com cerveja na Zing Burger (Kazinczy u. 18).
  • Nesse ponto, talvez você já tenha achado essa região central muito cheia de turistas. É verdade, Budapeste passa por um processo de overturism de um público muito específico: europeus jovens procurando um lugar barato para ficar bêbados (você vai notar o número de despedidas de solteiro por ali).
  • Isso estraga bastante a vida noturna da cidade, então o jeito é descobrir onde as pessoas dali saem para se divertir. Um local que eu gostei muito foi o Gólya, um bar ruína um pouco mais afastado dessa parte turística do distrito judeu. Localizado na Orczy út 46-48, o lugar funciona em um prédio de três andares totalmente reformado com ajuda de financiamento coletivo e trabalho voluntário.

Além do bar no terraço, bom para ver o por do sol, o local também funciona como um centro comunitário e recebe eventos ao longo do ano.

16. Central Market Hall

Vista de cima de um corredor do Mercado Central de Budapeste, o Central Market Hall

Minha sugestão final é que você visite pelo menos um mercado de Budapeste. O maior deles é o Central Market Hall, que fica na av. Vámház, pertinho da ponte da Liberdade (Szabadság).

Depois de circular pelo primeiro andar, suba as escadas para a Praça de Alimentação. Ali, você pode comer um autêntico langos ou um goulash, dependendo do clima e da sua fome.

17. Parque Memento

Se tiver tempo, você também pode sair do centro e visitar o Parque Memento. O local foi construído depois da saída dos soviéticos, como uma forma de retirar os símbolos da ocupação comunista na cidade, mas sem destruir completamente a história: só deixando ela ali, de longe.

Há um passeio guiado no local que conta algumas curiosidades do período comunista e custa 5900 ft (15 euros), e deve ser reservado pelo email info@mementopark.hu. A entrada comum, sem guia, custa 3000 ft (7,50 euros). Abre todos os dias.

18. Museu Aquincum

Aquincum era o nome de uma importante cidade romana construída onde hoje fica Budapeste. Ainda é possível ver alguns resquícios dessa cidade, com ruínas históricas que foram desenterradas no final do século 19.

O Museu Aquincum, é considerado um dos maiores parques arqueológicos da Hungria e conta com uma parte com o que restou das ruínas e um museu com algumas peças resgatadas. No inverno, as ruínas fecham para visitação, então tenha isso em mente.

A entra custa 2200 ft (5,9 euros). Para chegar lá, basta pegar o trem regional HEV para Szentendre e descer na Parada Aquincum, saída da Praça Batthány. As linhas de ônibus 34, 134 e 106 também passam lá perto.

19. Római Part: uma praia no Danúbio

Imagem de uma cerveja com um hekk (merluza frita) em uma mesa de restaurante à beira rio na Romai Part, praia do Danúbio, em Budapeste

Se sua viagem for no verão, não deixe de conhecer a Római Part, uma praia do Rio Danúbio. Essa é uma praia fluvial que fica no terceiro distrito de Budapeste, ao longo das margens do Danúbio e perto do Museu Aquincum, então dá para juntar os dois passeios.

O local conta com um promenade repleto de bares e restaurantes nos quais o prato principal é sempre o hekk, ou a nossa merluza, em bom português. Mais para o final do promenade, há também alguns quiosques de praia nos quais você pode pegar uma cadeira relaxante e passar o dia.

Dá para chegar na Romái Part de bicicleta, ônibus ou de trem (HÉV) e com uma caminhada agradável na beira do rio. A água ali não é das mais próprias para banho, mas muita gente arrisca um mergulho.

20. Lago Balaton

Você também pode fazer um bate-volta para o Lago Balaton, um dos maiores lagos da Europa, com 600 km². O lago é a praia do pessoal da cidade, que nada, pratica esportes ou só fica lá na beira tomando sol e bebendo.

Também vale a pena reservar um tempo para conhecer as charmosas cidades e vilas em torno do lago. Uma delas é Balatonfüred, na margem norte, com seus museus e casarões antigos. Outra opção é Tihany, que conta com uma abadia medieval.

A melhor forma de chegar lá é alugando um carro, mas também há trens saindo da estação central para vários destinos localizados ao redor do Balaton. O lago fica a duas horas de estrada de Budapeste, dependendo de onde você for.

Se você resolver alugar um carro na Europa, a dica número um é pesquisar e pré-reservar pela internet, porque sempre sai mais barato. Para isso, usamos um comparador de locadoras, a Rent Cars. Você insere o local de retirada do veículo, as suas datas e horários e o site vai te fornecer os preços e modelos de veículos disponíveis nas principais empresas que atuam naquele local.

No verão, em julho, rola um festival de música eletrônica famoso, o Balaton Sound.

Onde ficar em Budapeste?

O melhor bairro para ficar em Budapeste é, sem dúvidas, o distrito judeu. Para fugir da confusão e, ainda assim, ficar bem localizado, basta procurar por uma acomodação um pouco mais distante do centrinho do bairro, que, no mapa, se chama Erzsébetváros e Jozséfaros.

Outro bom lugar é Belváros e Lipótváros, com hospedagens mais elegantes e com vista para o rio. Temos um post completíssimo com todas as dicas de onde ficar em Budapeste, com mais detalhes de quais são os melhores bairros e regiões para se hospedar e ainda algumas sugestões dos lugares que já experimentamos. Corre lá para ler.

Você também pode diretamente aqui ver todas as opções de hospedagem em Budapeste, já filtradas entre aquelas que tem boas críticas de hóspedes anteriores, wifi gratuito e boa localização.

Como sair do aeroporto de Budapeste para o centro?

Sair do aeroporto de Budapeste para o centro é super fácil e barato. Ainda bem, pois o Uber (Bolt, na verdade, um aplicativo de corridas muito utilizado no leste da Europa) de lá é uma pequena facada: a corrida pode chegar a 40 euros.

Se você prefere gastar essa grana com goulash e palinka, você pode comprar um bilhete de transporte no ponto de atendimento ao turista ou nos totens perto do ponto de ônibus. Custa penas 530 florins (1.70 euro) para a viagem integrada (ônibus + metrô). Um bilhete simples sai a 350 florins.

Depois, basta subir no ônibus 200E, que para bem na porta do terminal e te leva até a estação de metrô mais próxima: KőbányaKispest, da linha 3 – Azul. De lá, você pode seguir para qualquer parte da cidade. Para mais detalhes, leia nosso post como chegar e sair do aeroporto de Budapeste para o centro.

Quantos dias ficar em Budapeste?

Para ver bem a cidade, o ideal é ficar pelo menos três dias em Budapeste. Com cinco dias, a viagem fica mais tranquila e você pode ver atrações mais lado b da cidade.

Qual a melhor época para visitar Budapeste?

A melhor época para visitar Budapeste é no verão, assim como boa parte das capitais europeias. O agito na cidade começa por volta de julho, com muita gente na rua e atrações culturais e de lazer pipocando aqui e ali. Em Agosto, a cidade se enche de festivais de música, alguns dos mais famosos da Europa.

Essa época, no entanto, é muito quente. Os termômetros chegam a passar dos 40°C e o sol é de rachar. Se você é sensível a esse tipo de clima, melhor ir na primavera ou no outono. O inverno é rigoroso e escuro: grande parte das atrações a céu aberto fecham.

5/5 - (1 vote)

Compartilhe!







Banner para newsletter gratuita

Receba grátis nosso kit de Planejamento de Viagem

Eu quero!

 

 




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 34 anos e atualmente moro na Inglaterra, quando não estou viajando. Já tive casa nos Estados Unidos, Índia, Portugal e Alemanha, e visitei mais de 45 países pelo mundo afora. Além de escrever, sempre invento um hobbie novo: aquarela, costura, yoga... Siga minhas viagens em @afluiza no Instagram.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

51 comentários sobre o texto “O que fazer em Budapeste: roteiro e pontos turísticos

  1. Olá Luiza! Muito obrigada pela informação, já chegamos em Budapeste e em grande estilo de bike ??????
    E estou de pleno acordo com seu relato, me apaixonei por Viena, mas Budapeste roubou a cena, incrivelmente lindaaa! Próxima parada será Praga mas enquanto isso, curtindo muitoooo Budapeste.
    Imensamente grata, sempre leio seus posts e são sensacionais.
    Parabéns!

  2. OLÁ Luiza!
    Amei todas as dicas e posts sobre Budapeste.
    Estou realizando uma cicloviagem e seu término será em Budapeste, vc sabe informar se no centro histórico e demais regiões turísticas tem estruturas para pedalar? Pois assim facilita o transporte e o tempo para conhecer budapeste.
    Beijos.

  3. Olá Luiza,

    Estou pensando em fazer uma viagem a Viena e Budapeste no final de junho, mas ouvi falar que faz muuuuito calor em Budapeste no verão.
    Você foi em que época? Sabe se é isso mesmo?
    Obrigada,
    Cynthia

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.