Tags:
Atlas: Argentina, Salta

O que fazer em Salta, Argentina

Quando se trata da Argentina, o caminho natural dos brasileiros é rumo ao sul. Já estamos acostumados a desembarcar em Buenos Aires e Bariloche. Já nos acostumamos a sonhar com a Patagônia. Para quebrar um pouco essa tradição verde-amarela, resolvemos que o foco do 360 durante nossa estadia de quase três meses na Argentina seria outro: iríamos para o norte. E se é para explorar essa parte do país, nenhuma cidade é uma base melhor que Salta.

Nunca ouviu falar? A culpa não é sua, mas vamos resolver isso logo. Salta é a capital do estado argentino de mesmo nome, uma cidade de médio porte, com cerca de 500 mil habitantes. Fica perto da Cordilheira dos Andes, num local chamado Vale de Lerma. Ou seja, uma cidade cercada por montanhas e bonitona. Então bora descobrir o que fazer em Salta – e te convencer a fazer as malas e correr para lá?

Veja também: 15 motivos para conhecer o norte da Argentina

Cabildo de Salta, Argentina

Cabildo de Salta

Plaza 9 de Julio

Tudo gira em torno de uma data: 9 de julho. Na Argentina, parques, ruas, praças e avenidas foram batizadas em homenagem ao dia da independência. Em Salta não é diferente. Esse é o nome da praça que funciona como o coração da cidade.

É lá que ficam o Cabildo, sede do poder municipal durante a colonização. Também está nessa praça a Catedral de Salta, construída no século 19 e que guarda as cinzas do General Martín Miguel de Güemes, um dos heróis da independência do país, assim como vários bares e restaurantes, muitos deles ocupando casarões históricos.

Tá aí o grande charme de Salta: é uma cidade colonial. Foi fundada em 1582 e permaneceu importante durante séculos, por conta da proximidade com a Bolívia e o Chile. Após a Independência da Argentina, no começo do século 19, Salta caiu esquecimento. Até chegarem os turistas.

Por falar neles, quase todos ficam nos arredores da Praça 9 de Júlio. Eu não fiquei, mas concordo que essa é uma das melhores regiões da cidade.

Veja também: Onde ficar em Salta

Como viajar de ônibus pela Argentina

Atrações de Salta, Argentina

A Praça 9 de Júlio guarda também uma das maiores atrações de Salta (pelo menos foi a minha favorita). É o Museo de Arqueología Alta Montaña, que fala sobre a cultura Inca e conta a história dos sacrifícios de crianças, uma prática muito comum naquela cultura.

Como esses sacrifícios ocorriam em algumas das montanhas mais altas do mundo, os corpos de algumas dessas crianças foram conservados pelo gelo eterno. Resgatadas em 1999, as três Múmias Llullaillaco são exibidas ali, uma de cada vez, num revezamento que ocorre de seis em seis meses.

Outros dois museus de destaque em Salta, mas que eu não visitei, são o Museo de Arte Étnico Americano, focado na arte e na cultura indígenas e que fica perto da estação de trem, e o Museo Histórico del Norte, também sobre arte pré-colombiana e que funciona no prédio do Cabildo, na Praça 9 de Julio.

As Igrejas de Salta

Se Salta é uma cidade colonial, é claro que tem igrejas. Muitas. Já até falamos da Catedral da cidade aqui, que faz parte do dia a dia dos salteños. Mas a Igreja mais bonita da cidade é a Iglesia San Francisco, que infelizmente estava fechada para reforma quando estivemos na cidade. Mas a fachada mostra a beleza do prédio.

Igreja de Salta

A Iglesia San Francisco fica a dois quarteirões da Praça 9 Julio. Para chegar lá, basta seguir pela rua Caseros. Uma vez em frente à Igreja, siga por mais três quarteirões na mesma rua e você chegará ao Convento de San Bernardo. Para entrar por esses portões, só mesmo se você virar uma freira carmelita. Eu me contentei novamente só com a fachada. 🙂 A igreja do convento é aberta para visitação durante a missa.

Salta, Argentina

Do convento, viramos na Calle (ou rua) Santa Fé.  Aconselho você a fazer o mesmo. Basta andar mais três quarteirões para chegar no Parque San Martín, uma grande área verde no centro de Salta. Nós paramos numa feirinha e gastamos tempo tirando fotos do povo salteño, mas se você quiser pode correr logo para a entrada do teleférico. A viagem leva até o Cerro San Bernardo, um monte que fica atrás de Salta e tem vista para toda a cidade. O ticket custou 85 pesos.

O que fazer em Salta, Argentina

No alto do Cerro há jardins, lojas de lembrancinhas, cascatas e, claro, o mirante. Também dá para subir até lá de carro ou a pé mesmo.

Assim que descemos do Cerro, seguimos para a Plaza 9 de Julio, para aproveitar os restaurantes da cidade. Uma dica: procure pelas empanadas salteñas. Já quando a noite cair, procure pelas peñas, bares que tocam música local. Nós não fizemos isso em Salta, só em Tilcara, que fica mais ao norte. E nos arrependemos: quanto mais peñas, melhor.

Veja também: 12 comidas imperdíveis da Argentina

Penas em Tilcara

Peña, em Tilcara

O que fazer em Salta: saindo da cidade

Se você me acompanhou até aqui, percebeu que Salta é uma cidade simpática, mas que rende dois dias de viagem, no máximo. Passou desse tempo? É hora de fazer os passeios ao redor de Salta. Você passa o dia todo fora, mas volta para cidade para dormir. De brinde, tem a chance de aproveitar mais um pouco da noite salteña.

Há duas formas de fazer esses passeios: você pode contratar uma agência de turismo e ir num tour tradicional. E pode também ir por conta própria, seja de transporte público (opção mais complicada) ou alugando um carro (opção melhor, principalmente se você estiver em grupo).

Noite de Salta

Como minha carteira de motorista estava vencida, contratamos os tours na recepção de nosso hostel, o Colores de Salta. O proprietário, um árabe muito simpático, garantiu que ninguém na cidade tinha preços melhores que os dele. Ele não mentiu.

Fizemos três passeios: o bate-volta até Cachi, passando pela Cuesta del Obispo e pelo fantástico Parque Nacional los Cardones é o que envolve menores distâncias. Mas como o percurso requer subir cerca de 2 mil metros, prepare-se para passar um bom tempo dentro do ônibus (e para mascar coca). Vale a pena. 

Veja também: Cachi e o Parque Nacional los Cardones

Cardones, Argentina

Parque Nacional los Cardones

Já a ida até Cafayate, uma vila de 11 mil habitantes famosa pela produção de vinhos, envolve uma distância maior: 180 quilômetros para ir e o mesmo tanto para voltar. Por sorte, no meio do caminho fica a Quebrada das Conchas, que rendeu várias paradas, além de cenários e fotos fantásticas. Quem vai até Cafayate normalmente aproveita para visitar uma bodega e degustar uma e outra taça de vinho.

Quebrada das Conchas, Salta

Quebrada das Conchas

E o terceiro passeio? Bem, para falar dele, antes você precisa conhecer a mais famosa atração turística de Salta: o Tren a las Nubes.

Trem das nuvens, Salta

Foto: Gavieiro Juan M, Wikipedia Commons

A gente sonhou durante semanas com esse trem. Juntamos nossos pesos pensando nesse trem. Planejamos escrever e fazer um vídeo sobre ele – tudo para descobrir que os trilhos estavam fechados para obras e o trem não estava circulando. Azar.

Esse trem turístico sai de Salta e percorre cerca de 200 quilômetros, passando por diversos túneis e pontes. Em alguns trechos, a altitude chega a 4 mil metros! Não é raro que os passageiros consigam ver nuvens abaixo do trem. Enfim, um passeio para lembrar pelo resto da vida.

Como não rolou, nos contentamos em fazer o mesmo percurso de carro, também num tour organizado pelas agências de turismo de Salta. De todas as opções, esse é o tour mais puxado, com saída às 7h e volta quase no dia seguinte. É que além de percorrer a estrada até San Antonio de los Cobres, a parada final do trem, o passeio vai também nas Salinas Grandes e em Purmamarca, já no estado vizinho, Jujuy.

Salinas Grandes

Salinas Grandes

Se você tem pouco tempo, vale a pena fazer esse passeio. Caso contrário, o melhor é encaixar Salinas Grandes e Purmamarca com outros destinos de Jujuy. Nesse caso, acreditamos que a melhor base para explorar a região é a cidade de Tilcara, que foi a nossa escolhida.

 Veja também: Onde ficar na Quebrada de Humahuaca

Purmamarca - Quebrada do Humahuaca

Purmamarca

É possível chegar em Tilcara de ônibus ou alugando um carro. Outra alternativa é contratar o tour que sai de Salta e segue o caminho do Trem das Nuvens, mas combinar que você ficará em Purmamarca, evitando assim as 4 horas de volta até Salta. De Purmamarca até Tilcara são 30 minutos de ônibus. Essa foi a opção que nós escolhemos. Funcionou.

Não é por ser perto de casa que dá para viajar sem seguro: saiba por que contratar um seguro de viagem para conhecer a Argentina e como garantir um com boa cobertura (e com desconto).


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

56 comentários sobre o texto “O que fazer em Salta, Argentina

  1. ESTIVE COMEÇO DO MÊS DE JUNHO 2019 SALTA E JUJUY VIA BUENOS AIRES E :
    – PERDE UM DIA INTEIRO GRU A EZEIZA, EZEIZA AEROPARQUE ONIBUS TIENDA LEON( 1H20 COM ATRASOS E OS FURA FILAS) E AEROPARQUE SALTA. MAIS UM DIA NA VOLTA
    – PELA LATAM TEM VOO DIRETO TUCUMAN PERTO CAFAYATE
    – DIRIGIR TRANQUILO, APESAR ALGUMAS ESTRADAS APERTADAS. PERGUNTE SEMPRE INFORMAÇÃO TURÍSTICA CONDIÇÃO DA ESTRADA. SAN ANTONIO LOS COBRES A CACHI SÓ COM 4X4. TEM VOLTAR PERTO DE SALTA ATÉ CAMPO QUIJANO E DAÍ ATÉ CACHI.
    – LEVEM FAROLETE OU VELA EM CIDADES PEQUENAS. DESLIGA ENERGIA ELÉTRICA DURANTE A NOITE E NÃO RELIGAM.
    – LEVEM ROUPAS DE FRIO OU SEGUNDA PELE PARA A NOITE. CAI MUITA TEMPERATURA. VENTA MUITO LUGARES ALTOS.
    – TEM AQUECEDOR DE CIRCULAÇÃO DE ÁGUA QUENTE OU ELÉTRICO NOS QUARTOS DOS HOTÉIS. ELÉTRICO NUNCA LIGUE NO MÁXIMO INICIALMENTE. PERGUNTE SE PODE LIGAR NO MÁXIMO. O DISJUNTOR DA CASA DESARMA.
    – SALINA GRANDE NO LOCAL TEM GUIA PARA PASSEIO NO SALAR.
    – Serranía de Hornocal OU popularmente como Cerro Catorce Colores TEM PLACAS INDICANDO DE HUMAHUACA. SÓ A SAIDA DE HUMAHUACA NÃO TEM INDICAÇÃO DO INICIO DA ESTRADA. PERGUNTE.

  2. Olá. Você lembra o nome da agência de turismo que vcs fizeram os passeios? É possível fazer os passeios com o carro próprio ou é arriscado se perder?

    1. Olá Estefania, infelizmente não, contratamos a que tinha parceria com o nosso hotel! Dá pra fazer com carro próprio sim, é tranquilo!

  3. Olá Rafael, boa noite! Tudo bem ?
    Tenho viagem programada para o norte da Argentina agora em novembro de 2018. Quero passar 5 dias entre Salta, Jujuy e Tilcara. Quero fazer os passeios às Salinas Grandes, Cerro de los siete colores e a quebrada de Humahuaca. Só que estou em dúvida sobre qual seria a cidade que será a melhor base para fazer todos estes passeios . Vc pode me dar umas dicas ?

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.