Salinas Grandes, um deserto de sal na Argentina

Salinas Grandes, localizada na província de Salta, na Argentina, é um deserto de sal bem mais modesto que seu correspondente boliviano, o Salar de Uyuni. Isso, no entanto, não significa que essa não seja uma boa opção para entrar em contato com a paisagem extraterrestre de uma planície branca e salgada na América do Sul.

As Salinas Grandes são o segundo maior deserto de sal do mundo e uma parada imperdível se você vai explorar a região do noroeste andino, com a vantagem de ainda não ser tão explorado quanto o Uyuni.

Salinas Grandes - Salta - Argentina

Seguro Viagem: América do Sul
TA 40 Especial - Internacional TA 40 Especial - Internacional Assistência médica USD 40.000 Bagagem extraviada USD 1.200 R$ 12/dia*
Affinity 15 Affinity 15 Assistência médica USD 15.000 Bagagem extraviada USD 1.000 (SUPLEMENTAR) R$ 11/dia*
AC 50 *COM FRANQUIA (Exceto EUA) + TELEMEDICINA AC 50 *COM FRANQUIA (Exceto EUA) + TELEMEDICINA Assistência médica USD 50.000 Bagagem extraviada USD 600 (COMPLEMENTAR) R$ 11/dia*

Onde ficam as Salinas Grandes: Mapa

A crosta de sal com cerca de meio metro de espessura que forma Salinas Grandes é o resto de um lago que se secou há milhares de anos. Hoje, a área de 12.000 hectares é cortada pela bela rota 52, que liga a Argentina ao Deserto do Atacama. No caminho você vai ter a chance de ver lhamas, vicunhas, condores e suris, animais típicos dos Andes.

O local está localizado a 136 quilômetros de Salta, 90 quilômetros de Jujuy e a 54 quilômetros de Purmamarca. As Salinas Grandes ficam a 4.170 de altitude, o que é considerado uma elevação bastante alta.

Vicunhas em Salinas Grandes - Argentina  Salinas Grandes, Salta - Argentina

Clima e melhor época para visitar as Salinas Grandes

Por causa de sua altitude elevada e do clima desértico, as Salinas Grandes sofrem uma grande variação de temperatura durante o dia. No verão, a máxima pode passar dos 40oC, mas o calor se dissipa ao longo do dia e costuma fazer aquele friozinho o ano inteiro, em especial quando há muito vento.

A melhor época para visitar as Salinas é no inverno, entre junho e setembro, pois esses são os meses com menor ocorrência de chuva e ventos. Nessa época, no entanto, faz um friozinho maior, por isso capriche no agasalho.

Contudo, não é impossível visitá-las em outros momentos do ano. Na estação chuvosa, que vai de janeiro a março, você terá uma experiência bem diferente da estação seca. Nessa época, as Salinas ganham um efeito espelhado graças à água que se acumula na superfície.

Leia também: 
Dicas de viagem para Salta e Jujuy, na Argentina
O que fazer em Salta, na Argentina
Onde ficar em Salta: melhores hotéis e regiões

Como é a visita às Salinas Grandes?

Esse é, sem dúvidas, um passeio interessante e diferente, em especial se você nunca esteve em um deserto de sal antes. É uma sensação estranha estar cercada de branco, de céu e de planície. Mexe com a nossa noção de espaço e nosso senso de direção. Um ponto que parece longe está, na verdade, a poucos metros de distância. Para você ver a falta que faz um referencial. E isso é o que torna o lugar mais incrível. Isso e o contraste entre as cores.

Salinas Grandes - Salta - Argentina  Foto perspectiva - Salinas Grandes

O melhor é começar o passeio logo cedo, pela manhã. Isso porque a estrada Cuesta Del Lipan, que leva até lá, vai subindo em zigue-zague e proporciona vistas incríveis, cheia de atrativos à parte, além de lindos vislumbres da fauna local. Por isso, vale a pena ir com calma e fazer paradas no caminho para fotos.

Se você for de excursão, é provável que o caminho inclua outras paradas na região. A mais comum delas é a ponte La Polvorila, por onde passa o Trem das Nuvens,  a antiga vila mineira de San Antonio de los Cobres e a simpática cidade de Purmamarca. Quem vai por contra própria pode usar o roteiro para se inspirar também.

Chegando ao Salar, você fica livre para circular pela área. Vá com calma pois, se o seu corpo não estiver ambientado com a altitude, pode ser que você se sinta mal. Em geral, guias das excursões fornecem folhas de coca para mascar, mas você consegue comprá-las em qualquer mercadinho da região, assim como chás e balas feitas das folhas.

Assim como no Uyuni, em Salinas Grandes você consegue tirar aquelas fotos em perspectiva que fazem o maior sucesso no Instagram. Hora de soltar sua criatividade para voltar para casa com uns cliques legais.

No meio das Salinas, você vai encontrar pequenos recortes feitos na crosta, cheios de água. Esses poços são feitos pelos trabalhadores dali para extrair o sal. As piscinas chamam a atenção por sua coloração turquesa.

Recomendações para visitar as Salinas Grandes

  • Não se esqueça os óculos de sol, o branco do deserto reflete muito a luz e pode causar incômodo
  • Pelo mesmo motivo, use bastante filtro solar
  • Leve um casaco para se proteger do vento, ainda que o tempo esteja quente quando você sair do seu hotel
  • Beba muita água. A região é extremamente seca.
  • Se achar necessário, compre algumas folhas de coca para prevenir o mal de atitude. Lembre-se  que Salinas Grandes está 4.170 metros acima do nível do mar.
  • Não há restaurantes na região. De estrutura turística, o máximo que você vai encontrar são alguns banheiros químicos a troco de poucos pesos e comerciantes que vendem artesanato típico e feito de sal.
  • Leve um lanche na mochila. Mas se a fome apertar, o jeito é comprar um lanchinho com algum vendedor ambulante no meio da estrada.

Artesanato em Salinas Grandes - Argentina

Como chegar a Salinas Grandes

Como ir de Buenos Aires a Salinas Grandes

Salinas Grandes está a 1418 quilômetros de Buenos Aires, o que é chão para caramba para fazer de uma vez só. O aeroporto mais próximo é o de Jujuy, mas não há vôos diretos do Brasil para lá. Por isso, o melhor é sair de Buenos Aires.

O Aeroporto Internacional de Salta Martín Miguel de Güemes também está perto e é uma boa opção, uma vez que Salta é a maior cidade da região e a que conta com maior infraestrutura turística para contratar passeios para as Salinas Grandes. Além disso, recebe vôos diretos partindo de São Paulo, dispensando a necessidade de passar antes por Buenos Aires.

Quem preferir ir por terra, há ônibus saindo de Buenos Aires para Salta regularmente. A viagem dura cerca de 20 horas e o trecho é operado pelas empresas El Rápido Internacional, Balut, Almirante Brown, Chevallier, Flecha Bus. Leia mais sobre Como viajar de ônibus pela Argentina.

Saindo de Salta

Foto pulo - Salinas Grandes

Saindo de Salta, a opção é contratar um tour de agência que passa também por San Antonio de Los Cobres e Purmamarca. O dia é longo e cansativo, a menos que você faça como nós e peça para ser deixado em Purmamarca, economizando cerca de quatro horas da viagem de volta. Se você estiver em Jujuy, também é possível contratar empresas que fazem o passeio. Aqui há alguns tours que você pode contratar com antecedência.

 

Outra possibilidade é visitar as Salinas a partir de Purmamarca. Nesse caso, você pode alugar um carro ou contratar um remise (táxi) para te levar até lá. Para isso, nós indicamos o buscador RentCars, que busca entre as principais locadores e te ajudam a encontrar os melhores preços e condições de aluguel.

É possível também fazer o trajeto de ônibus, mas tome cuidado: para isso, é preciso descer no meio do caminho entre Purmamarca ou Jujuy e Susques. E nem sempre você vai conseguir transporte para voltar. Antes de escolher esse meio, certifique-se dos horários de ônibus naquele dia.

Onde ficar

Duas bases são as mais recomendadas para visitar as Salinas Grandes: Salta e Purmamarca.

Salta por ser a maior cidade da região, com melhor infraestrutura turística e a partir de onde você poderá conhecer as outras atrações do noroeste da Argentina, como o Parque Nacional de Los Cardones. Algumas acomodações recomendadas em Salta são:

Purmamarca, por outro lado, é a base mais próxima das Salinas. A cidade é bem pequena, com pouca estrutura, mas tem uma vista impressionante do Cerro de los Siete Colores, uma atmosfera relaxada e é um bom lugar para começar a explorar a Quebrada do Humahuaca. Algumas das acomodações recomendadas em Purmamarca são:


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

27 comentários sobre o texto “Salinas Grandes, um deserto de sal na Argentina

    1. Mari, contratamos o passeio direto no hostel, por isso não sei extamente o nome da agência. Mas já te adianto que são dezenas de agências em Salta que oferecem o passeio e eles são muito parecidos entre si…

      Abraços

    1. Ei Jennifer, chegando em Salta e Jujuy não faltam agências que fazem o passeio. Basta andar pelo centro para encontrar umas trinta hahaha. Não precisa nem reservar com antecedência, só marcar um dia antes mesmo.

      Abraços!

  1. Natália
    Vou agora em setembro para a região terei 5 dias e depois seguirei para Atacama.
    Meu mochilão começará por Cordoba e de lá pegarei um ônibus para Salta.
    O que você me aconselha, ficar todos os dias em Salta e ai contratar uma agência para o deslocamento ou dividir a hospedagem nas 2 cidades e depois partir para o Atacama?
    Já vi que tem ônibus que sai das 2 regiões.
    Muito obrigada
    Seu relato está ajudando muito, visto que não temos muitas informações disponíveis.

    1. Juliana, depende do seu tempo. Eu, particularmente, achei que valeu muito a pena ficar uns dias na região de Humahuaca. As excursões que saem de Salta pra lá são bem corridas e em geral você só vê uma cidade bem rapidinho. É uma região com muita cultura e é completamente diferente do resto da Argentina, embora dizem ter muito a ver com a cultura boliviana. Enfim, se der pra ficar uns dias eu recomendo sim, se não, quem sabe você não volta em uma outra oportunidade?

      Abraços!

  2. Natália e demais viajantes deste mundo, vasto mundo, onde encontramos muitos Raimundos,,,y Marias y Juáns. Pretendo sair de Floripa 2a quinzena de julho com carro 4×2 e tenho 10-11 dias para conhecer Cafayate, Salta, Jujuy, Quebradas e outras referências deste e outros sites, voltando pra Ilha da Magia. Já sei: “pouco tempo!”. assim, agradeceria novas dicas e conselhos pelos que viveram a experiência com carro.
    abs e nos encontramos pelo mundo!

  3. Natália, boa noite.
    Estou planejando minha segunda viagem ao Atacama e como irei de carro próprio e já conheço o caminho, me veio a ideia de passar/observar a noite e o amanhecer em Salinas Grandes, acampado no próprio carro (tenho equipamento para tal), mas não achei nenhuma informação de alguém que já tenha feito isso.
    Você sabe se alguém já fez ou mesmo se é possível ou permitido?

    1. Otávio, fiz essa viagem em 2006, fui de carro de Floripa a San Pedro.
      Lembro exatamente quando passei pelas Salinas Grandes de avistar um ciclista que estava levantando acampamento para continuar viagem.
      Na época fui informado por locais que na Argentina é permitido acampar em qualquer lugar. Não vejo porque você não poderia dormir no carro.
      Só não esqueça que o frio é muito grande à noite.

      1. Obrigado Antonio.
        Eu tenho equipamento de camping montável no próprio carro, mas pretendo ir bem preparado para o frio.
        A intenção é justamente passar uma noite para fazer observações com o mínimo possível de poluição visual e mais longa que o tour noturno de San Pedro.

  4. Oi Natália! Belas fotos!
    Estou planejando ir em setembro. Queria saber quando foi que você visitou as salinas e se setembro seria uma boa data. Obrigada!

  5. Olá Pessoal, no meu próximo roteiro de viagem, vou passar pelas salinas rumo a San Pedro do Atacama no Chile, Pelo que vi no maps a rodovia passa no meio do deserto de sal. Consigo fazer umas fotos legais próximas a rodovia sem ter que contratar um tour especifico?

          1. Olá, Nathalia. Vou viajar esse mês para Salta e pretendo passar o último dia em Tilcara e queria conhecer Purmamarca e Salinas. Eu queria saber se tem como conhecer esses dois lugares usando ônibus e onde posso encontrar informações sobre eles, como linha, preço e o tempo que demora o trajeto. Queria também saber, em média, quanto custaria o táxi. Adoro o seu site. Parabéns! Grato, desde já.

          2. Pedro, dá para ir para Purmamarca de ônibus a partir de Tilcara. São ônibus lotação, por isso não sei te informar onde você consegue essas informações, mas te aviso que saem muitos por dia e é bem tranquilo pegar. O trajeto deve demorar uns 40 minutos e custa poucos pesos (preço de transporte público). Já para Salinas é mais complicado. Sei que tem jeito, mas você tem que pedir para o motorista parar ali na rodovia, fora do ponto. Melhor mesmo ir com uma agência, remis ou carro alugado. Se você consegue gente para dividir o remis não fica caro.

            Abraços

        1. Tive o prazer de construir um lavadeira de sal para salina grande ..para a empressa paraguaya El Rombo este lugar e lindo e maravilhoso ..sou Brasilheiro de Natal Rio Grande do Norte fabrico lavodor de sal e refinaria de sal frudisada sal fino e seco …a unica do Pararaguy tive o prazer de construir amei Salta e todos esses lugares lindos da Argentina

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.