Tags:
Atlas: Paris, França

A legendária história da livraria Shakespeare and Company em Paris

Em meio a turistas japoneses, casais passeando entre os títulos e pessoas que tentam tirar fotos clandestinamente, eu navegava encantada pelo mar de livros da Shakespeare and Company. O que parece ser só uma pequena portinha a poucos metros da Catedral de Notre-Dame, às margens do Sena, revela um labirinto de prateleiras recheadas de livros que se estende por dois andares. Isso sem contar a porta ao lado, bem menos concorrida – diga-se de passagem – onde ficam exemplares antigos na versão alfarrabista da mesma livraria.

Mais que apenas uma livraria de língua inglesa em Paris, a Shakespeare and Company tem tanta história que fiz questão de aceitar a sugestão da moça no caixa e carimbar meu livro recém-comprado. Tal como nas histórias de fantasia, a hora que passei ali dentro durou seu tempo próprio. E mesmo que o fundador, George Whitman, não estivesse ali para conversar comigo e me contar suas histórias, certamente o espírito que ele imaginou para a livraria, inspirado em uma Shakespeare and Company que existiu na Paris dos anos 1920, ainda vive.

Leia também: Vender livros é o comércio mais bonito do mundo

Shakespeare and Company livraria paris

Crédito: Eduardo Pennock – Flicker

A Shakespeare and Company de George Whitman, que morreu em 2011, aos 98 anos, foi fundada em 1951, inicialmente com o nome de Le Mistral. Ficou famosa não só por ser uma livraria independente que sobreviveu por tantos anos, mas principalmente por funcionar como uma espécie de pensionato de escritores: foram mais de 30 mil deles.

“Eu queria uma livraria porque o negócio de livros é o negócio da vida” – George Whitman

Crédito: Gadl – Flickr

O endereço da livraria não poderia ser mais inspirador – fica no número 37 da rue de la Bûcherie, no quilômetro zero de Paris, o ponto onde todas as ruas francesas começam. Ali, gerações de escritores, viajantes e sonhadores carinhosamente chamados de Tumbleweeds (aquela erva daninha que a gente vê rolando no deserto em filmes de faroeste), dormiram em camas improvisadas espalhadas entre os livros, sem custo algum além de seguir três regras: ler um livro por dia, ajudar no trabalho da loja por algumas horas e escrever uma autobiografia de uma página para os arquivos da livraria.

Saiba mais: 7 livrarias incríveis para conhecer no mundo

tumbleweeds shakespeare and co

A acomodação dos tumbleweeds. Crédito: arranging constellations – flicker

Entre os frequentadores da livraria de Whitman estavam escritores da geração Beats e Henry Miller, Anaïs Nin e Samuel Beckett. O dono realizava festas de chá e leituras à meia-noite, segundo um artigo da Vanity Fair.

“Eu criei essa livraria como um homem escreveria um romance, construindo cada cômodo como um parágrafo e eu gosto que as pessoas abram a porta da forma como abrem um livro, um livro que as leva para o mundo mágico de suas imaginações” – George Whitman

Hoje, a Shakespeare and Company é gerenciada por Sylvia Whitman, a filha de George, que modernizou as operações da livraria, organizou os processos de residências literárias e tumbleweeding (é possível se inscrever pelo site da loja), criou um festival de literatura, o FestivalandCo, e um prêmio literário, o Paris Literary Prize. Um trabalho, que segundo o jornalista Jeremy Mercer – que foi um tumbleweed por seis meses e escreveu “Um livro por dia: Minha temporada parisiense na Shakespeare and Company” – é diferente do carnaval excêntrico criado por seu pai, mas muito fiel a seu espírito: “Na verdade, em muitos aspectos, a Shakespeare and Company de Sylvia Whitman está mais perto de Shakespeare de Sylvia Beach do que a do seu pai”, contou ao blog capitulo dois.

Shakespeare_and_Company_bookshop

Crédito: Alexandre Duret-Lutz – Wikimedia Commons

O próprio nome de Sylvia, a filha, é uma homenagem à Sylvia Beach, a fundadora original. Em 1919, Beach era uma imigrante dos EUA em Paris e fundou a Shakespeare and Company na rua Dupuytren, como uma livraria e biblioteca. Com a popularidade, em 1921, expandiu para um prédio maior na rua Odeon. Foi ali que a geração perdida de Ernest Hemingway, Ezra Pound, F. Scott Fitzgerald, Gertrude Stein e companhia limitada frequentou. A livraria é citada em “Paris é uma Festa”.

Saiba mais: A Paris de Ernest Hemmingway

Beach publicava edições de livros banidos na Inglaterra e nos Estados Unidos, como Ulisses, de James Joyce. Foi o autor, inclusive, que apelidou carinhosamente o espaço de “Stratford-on-Odéon”, em referência à Stratford-upon-Avon, cidade natal de William Shakespeare. A livraria funcionou como um grande ponto de encontro parisiense até a ocupação nazista, em 1940. Diz a lenda que Beach fechou a livraria após se recusar a dar a última edição do livro Finnegans Wake para um soldado nazista.

George Whitman e Sylvia Beach se conheciam e foi ela quem deu a ele a benção para mudar o nome da Le Mistral para Shakespeare and Company. Ele adotou o nome em 1964, em homenagem à Beach, no 400º aniversário do nascimento de Shakespeare.

Shakespeare and Company livraria paris sebo

Crédito: EQRoy – Shutterstock

Hoje, quem chega à porta da livraria, que é tema de diversos livros e também foi cenário nos filmes Antes do Amanhecer e Meia-Noite em Paris, é recepcionado com grandes mensagens que celebram a ideia de comunidade proposta por George: “Be not inhospitable to strangers, lest they be angels in disguise” (Não seja inóspito com estranhos, eles podem ser anjos disfarçados).

Shakespeare and Company livraria paris mensagens

Crédito: OhChiik – Flicker

Sobre a visita à livraria Shakespeare and Company:

A Shakespeare and Company fica no endereço 37 rue de la Bûcherie, e abre todos os dias, das 10h às 22h. O sebo abre de terça a sábado, das 11h às 19h. E o café funciona todos os dias, de 9h30 às 19h.

Shakespeare and Company livraria paris fachada Shakespeare and Company livraria paris cafe

A entrada na Shakespeare and Company é gratuita. Apesar da quantidade de turistas, o que às vezes cria filas, lá dentro você ainda consegue se sentir numa livraria e não numa atração. Um bom jeito de evitar as multidões é saindo mais cedo de casa.

Não deixe de visitar também o sebo que funciona na porta ao lado. E, se tiver tempo, o café também pertence à livraria.

Não são permitidas fotografias no interior da Shakespeare and Company. Eu abri uma exceção para fotografar a gata que reside ali, a Kitty.


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.