Tags:
Atlas: Foz do Iguaçu, Brasil, Paraná

Visita à Usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu

“Bem-vindos ao Paraguai”, disse o guia, enquanto nosso ônibus cruzava a barragem de Itaipu e entrava na área controlada pelos nossos vizinhos. Aquela foi minha primeira visita ao país. E durou pouco: uns 30 segundos, tempo suficiente para o ônibus manobrar e voltar ao Brasil. “E agora bem-vindos novamente ao Brasil”, informou ele, para a alegria dos turistas.

Se as Cataratas do Iguaçu são uma maravilha da natureza, a Itaipu Binacional é uma maravilha da engenharia. Planejada na década de 60, construída nos anos 70 e inaugurada em 1984, esse projeto conjunto entre Brasil e Paraguai resultou na maior usina geradora de energia do mundo – 17% da energia nacional e 75% da paraguaia são produzidas por Itaipu. Ao contrário do que muita gente pensa, Itaipu e as Cataratas não ficam no mesmo rio. A usina está no rio Paraná, enquanto as cataratas levam o nome do rio em que elas estão, o Iguaçu.

Turismo na usina de Itaipu

A vazão média de Itaipu não é pouca coisa não: passa 40 vezes mais água por lá do que nas Cataratas. A barragem tem quase oito quilômetros de extensão e 196 metros de altura, o equivalente a um prédio de 65 andares. O Mirante da Vale, em São Paulo, é o maior prédio do Brasil. E ainda assim é menor do que Itaipu – o edifício paulista tem 170 metros de altura e 51 andares. Tudo bem que parte da grandeza de Itaipu está debaixo da terra (e da água), mas deu para entender que a barragem é gigante, né?

Para alcançar esses números foi preciso muito trabalho. O concreto usado na obra seria suficiente para a construção de 210 estádios de futebol (ia faltar Copa!), enquanto o ferro poderia erguer 380 cópias da Torre Eiffel. Mas a comparação mais inacreditável é outra. A construção da usina envolveu 8,5 mais escavações de terra do que a construção do Eurotúnel, que liga França e Inglaterra.

Veja também: Compras no Paraguai – dicas úteis

Usina de Itaipu, Foz do Iguaçu

Além da monumental obra de engenharia, Itaipu exigiu muita diplomacia e um baita sacrifício, até hoje contestado por ambientalistas: o lago formado por Itaipu causou o desaparecimento do Salto de Sete Quedas, na época a maior cachoeira do mundo em volume de água, que ficou completamente submersa.

Dicas de turismo em Itaipu, Foz do Iguaçu

Essa perda inestimável motivou protestos de todos os lados, entre eles o do escritor Carlos Drummond de Andrade, que fez o poema “Adeus a Sete Quedas”.

“Sete quedas por nós passaram, e não soubemos, ah, não soubemos amá-las, e todas sete foram mortas, e todas sete somem no ar, sete fantasmas, sete crimes dos vivos golpeando a vida que nunca mais renascerá.”

Hoje, quando ocorre alguma seca no rio Paraná, é possível ver parte das antigas cachoeiras. E não foi só o lago que mudou a região. Em 1960, Foz tinha menos de 30 mil habitantes. Hoje são 260 mil, muitos deles antigos trabalhadores da obra, gente que resolveu viver em Foz quando a construção acabou.

Veja também: onde ficar em Foz do Iguaçu

Itaipu: usina e atração turística

Se as quedas foram sacrificadas pelo homem em sua busca por energia elétrica, a região ganhou também uma nova atração turística. Cerca de 900 mil visitantes passaram por Itaipu em 2012. O passeio mais comum inclui assistir a um filme com a história da usina e depois fazer um tour guiado de ônibus, com direito a uma parada para fotos. Essa opção custa R$ 26 e dura 1h30.

Itaipu, Foz do Iguaçu

Turismo em Itaipu

Quando o lago está cheio, o vertedouro é aberto, proporcionando um espetáculo e tanto. Infelizmente nós não tivemos essa sorte, mas é algo mais ou menos como na foto abaixo. Se quiser presenciar isso, a melhor época é entre dezembro e fevereiro, quando as chuvas aumentam a quantidade de água no lago.

Vertedouro de Itaipu

Kevin Jones, Flickr Commons

Há ainda um tour especial, que passa por áreas dentro da usina, incluindo a sala de controle central e um local próximo de onde estão as turbinas, em pleno funcionamento. Esse passeio custa R$ 64 e dura 2h30. Nós não fizemos – os ingressos estavam esgotados quando tentamos comprar -, mas a Clarissa, do blog Dondeando por aí, esteve dentro da usina e conta como é.

Outro passeio que parece interessante acontece apenas aos finais de semana: sexta e sábado, às 20h (ou 21h, durante o horário de verão). Nesses dias, centenas de refletores iluminam a barragem, com direito a trilha sonora. Esse tour é baratinho (R$ 15), então se você estiver na cidade nesses dias, com certeza vale a pena agendar uma visita.

Turismo em Itaipu, Foz do Iguaçu

Foto: Carlosbenitez26, Wikimedia Commons

Os visitantes podem conhecer também o Observatório Astronômico Casimiro Montenegro Filho (R$ 19), o Ecomuseu (R$ 10) e o Refúgio Biológico Bela Vista (R$ 20), uma reserva ambiental criada para receber os animais desalojados da área alagada. Hoje esse refúgio guarda 50 espécies de animais.

Serviço:

Com exceção do tour especial, aquele que vai ao interior da usina, não é preciso reservar com antecedência.  É possível comprar o ingresso no site oficial.

A Loumar Turismo apoiou o 360meridianos durante nossa visita à cidade com hospedagem e transporte entre as atrações.

*Imagem destacada: Kevin Jones, Flickr Commons


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Rafael

Siga minhas viagens também no perfil @rafael7camara no Instagram - Quando criança, eu queria ser jornalista. Alcancei o objetivo, mas uma viagem de volta ao mundo me transformou em blogueiro. Já morei na Índia, na Argentina e em São Paulo. Em 2014, voltei para Belo Horizonte, onde estou perto da minha família, do meu cachorro e dos jogos do América. E a uma passagem de avião de qualquer aventura.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Um comentário sobre o texto “Visita à Usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.