Comida chilena conquista pela diversidade

Todo italiano ama abacate. Antes que o leitor viajante, conhecedor da Itália, venha questionar de onde tirei tal afirmação, vou explicar: não foi em Roma, mas em Santiago, no Chile.

A capital do país sul-americano é uma delícia em sabores, mas é preciso ficar atento para não se confundir. Se aqui no Brasil usamos o termo sanduíche italiano para um suculento pão com salaminho, mortadela ou “mozzarela”, para os nossos colegas latinos isso significa que há creme de abacate (palta) na receita.

Não quero dizer que a ideia seja ruim, porque sou a favor de experimentalismos, e abacate salgado não é nenhuma novidade para quem já provou guacamole. No entanto, é sempre bom saber o que se vai comer antes da primeira mordida.

Comida Chilena

Porotos con Riendas. Um dos pratos mais típicos da culinária chilena, ideal para esquentar o corpo no inverno 

Ainda que você seja diferente de mim e tenha um paladar conservador, não precisa se preocupar. Tirando esse ou outro probleminha com nomeclatura (decore: o nosso churrasco é o asado deles; e o churrasco deles é o nosso hambúrguer, e o que chamamos de hot dog/cachorro-quente eles falam que é completo, e não necessariamente colocam salsicha), a cozinha chilena é uma das mais parecidas com a do Brasil, formada por uma mistura entre ingredientes indígenas e europeus.

A comida chilena é muito diferente?

No café da manhã, predominam leite, chá, ovos fritos e um gostoso pãozinho chamado marraqueta, adorado pelos locais, levou o país a se tornar o segundo maior consumidor de pães do mundo (segundo a Wikipedia).

Marraqueta: comida chilena

Marraqueta. Foto: Fernando Ossandon, Wikimédia Commons

A capital chilena também faz bonito quando o assunto é bar. Quando chegamos ao Chile, estávamos há meses na Ásia e, assim, sentindo falta de um lugar para beber cerveja sem precisar jantar, como é costume nesse continente. Há boas opções nos bairros Brasil e República (mais em conta porque universitário não tem dinheiro, e isso é universal).

A dica é forrar o estômago com as pizzas, cujas tradicionais receitas vieram, essas sim, com os italianos. Aproveite também para provar o pisco, bebida a base de cascas de uvas fermentadas, servida com limão e clara de ovo batido ou refrigerante. Só não tente levar uma garrafa se o próximo destino for o Peru.

Baseada em batata e carne, com uso constante de milho e de feijão, a grande diferença do Chile para o Brasil, na hora do almoço, é a quase inexistência de restaurantes self service. Ainda assim, o custo de um menu completo, com entradinha (geralmente salada de folhas ou sopa), prato (pode ser uma massa, um corte de boi ou porco com purê, por exemplo) e sobremesa (torta de frutas típicas, como a lúcuma, sorvete, etc.) costuma sair mais barato do que um cheesburguer do McDonald’s, tanto na capital quanto nos destinos preferidos pelos brasileiros no litoral: Valparaíso e Viña del Mar.

cerveja chilena

Cervejas locais são mais baratas e não deixam nada a desejar

Em Santiago, o bairro mais famoso gastronomicamente falando é o Bella Vista, com seus pequenos bistrôs simpáticos, mas é possível encontrar ótimas opções em praticamente qualquer canto da cidade, sobretudo para o almoço – no domingo, elas se tornam mais escassas, vale dizer. Se tiver um pouco de folga no orçamento, prove também os vinhos que custam, em média, US$ 10. A dica, eu sei, é super turística, mas se revelou verdadeira.

Por outro lado, o Mercado Central, citado praticamente por todos os guias de viagem e construído em 1872, é dispensável no horário das refeições. Os pratos podem até trazer frutos do mar frescos – o Chile é o maior exportador de salmão de alta qualidade, pra se ter uma ideia – e serem mais baratos do que no Brasil. Porém, se em algum momento esse espaço foi ponto tradicional para os cidadãos chilenos, hoje o que se vê são garçons craques no portunhol e dispostos a qualquer gracejo para conquistarem um cliente.

restaurante chileno

Placas do lado de fora dos restaurantes indicam o menu do almoço, a preço fixo

E eles não são os únicos a comprometerem o tranquilo momento de degustação. Os fumantes, que até bem pouco tempo tinham passe livre nos restaurantes e bares, incomodaram até a diva pop Madonna durante sua última turnê, imagine então um simples comensal?

Agora, mais precisamente desde o dia 1º de março, uma nova Lei Antitabaco, mais rigorosa, passou a vigorar limitando a área deles a sacadas ao ar livre. Se a legislação vai funcionar em um país onde mais de 40% da população se diz fumante (é o país latino com maior percentual de consumidores de tabaco, segundo o Ministério de Saúde chileno), só viajando pra conferir.

*Foto destacada: Paul Lowry, Wikimédia Commons


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Aline Gonçalves

Preciso provar outros sabores para ter certeza de que a melhor combinação do mundo é o arroz com feijão.

  • 360 nas redes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

6 comentários sobre o texto “Comida chilena conquista pela diversidade

  1. Eu tive a oportunidade de experimentar a comida chilena porque fiz o passeio “Cordilheira essencial” com a agência Indo pro Chile, e posso dizer que foi a melhor experiência da minha vida, serio.
    Fomos em veículos 4×4 tipo comboio, todos os motoristas se comunicavam por radio para estar conectados e se informando sobre a rota. Paramos no Embalse e tomamos um cafe da manhã incrível, pão fresco, queijo feito no sul do Chile e uma geleia, nossa!!! preparada especialmente para eles. Além disso, experimentei o pão com abacate, pois é o jeito de comer o abacate por lá. Depois fomos até as Termas del Plomo, passamos por ríos com os jipes, tiramos fotos aos glaciares, super emocionante, de tirar o folego. Quando chegamos até as Termas, enquanto nós estávamos na agua morna, eles prepararam um “churrasco andino”, com uma carne feita por Marcelo, o guia brasileiro e que prepara a carne como a gente kkkk. Também comimos azeitona chilena, e um molho feito com tomate, cebola e coentro. Realmente vale a pena, foi a melhor experiencia no Chile. E os guias, Leonardo, Bernando e Marcelo, poderia decir que hoje são amigos! Eu achei eles no Trip, podem conferir a informação deles, não são a única fan! Adorei o seu blooooog!

    https://www.tripadvisor.cl/Attraction_Review-g294305-d5207573-Reviews-Indo_Pro_Chile-Santiago_Santiago_Metropolitan_Region.html

  2. Ok… o post é antigo, mas lendo a parte do abacate lembrei que depois que fui pra San Pedro de Atacama, descobri que não se comia abacate só com açúcar euaheuhauheauhe. Foi um almoço no hostel e fiquei meio “cabreiro” quando vi o pessoal botando o abacate com sal no pão, mas tive que experimentar…
    E não é que é bom?

    Não sei em Santiago, mas lá em San Pedro tem um prato chamado “Pollo a Lo Pobre” que é um “pedreirão” caprichado. Pense numa bitela enorme de frango, mais dois “zóião” e muitas batatas fritas….

  3. ñ entendo como o chile, que tem uns dos melhores vinhos do planeta, tem uma culinaria tão pobre e ruim!
    em santiago, só conseguia comer nos kfc! comi em alguns lugares de comida regional, e ñ desceu! msm até a simples papas fritas, eles conseguiam fazer ruim! td tinha sabor de jornal molhado c/ agua quente, c/ um pouco de sal!
    no giratorio, um tal de geometrico, e um que achamos, perto da casa do neruda, é que tinham algum sabor!
    * vinha del mar tb tinha uma comida boa!

    1. Oi, Marcelo.

      Que triste isso! Nós até que comemos bem. Vai ver demos sorte com os lugares que achamos. Ou então foi o impacto de chegarmos ao Chile depois de quase 9 meses na Ásia, onde a comida é realmente diferente. Voltar para a culinária sul-americana depois desse tempo todo deu até um certo alívio. hehehe!

      Abraço!

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.