Tags:
Atlas: Chiloé, Chile

As casas que se movem e outras tradições de Chiloé

Parada em frente à pequena tenda na entrada do Mercado de Artesanías de Dalcahue, a velinha me mostrou seu sorriso sem dentes. “São de lã chilota. Para o frio”, disse, apontando para os produtos dispostos sobre a mesa. Entre ponchos, gorros e meias grossas, estavam algumas bonecas coloridas típicas do artesanato local. Fazia frio, era verdade, mas o protetor de pescoço que eu comprei foi mais pela simpatia que pela necessidade. Assim como o arquipélago, a velinha do Mercado de Artesanías transmitia sossego e receptividade, como se cada sorriso fosse um convite a puxar uma cadeira, encher uma xícara de chá e falar sobre a vida.

Marcos nasceu em Santiago, mas resolveu mudar-se para Chiloé há dois anos para montar um hostel com seu sócio. Ele afirma que o que mais lhe encanta no arquipélago é justamente a rica cultura e a personalidade acolhedora dos habitantes da ilha. “Aqui o tempo passa mais tranquilo. Me cansei do ritmo de Santiago. Chiloé é assim, não é pra correr”, contou, enquanto dava um gole em uma grande taça de navegado, uma bebida de inverno parecida com nosso quentão, que ele preparou para seus hóspedes para espantar o frio.

Chiloé está cercada de Oceano Pacífico e de mistério. Não se sabe nem mesmo ao certo quantas ilhas fazem parte do arquipélago localizado na porta de entrada da região patagônica e separado do Chile por um canal e uma hora de navegação. Estima-se que seja algo entre 33 e 40 ilhas, já que, dependendo da maré, pedaços de terra que antes eram separados por água podem se transformar em uma coisa só. Os outros mistérios vêm de sua gente, já que o relativo isolamento propiciou o desenvolvimento de uma cultura única, com patrimônios materiais e imateriais que só se encontram ali. São lendas, costumes e histórias que conferem uma atmosfera mística ao lugar, como se Chiloé tivesse um pé nesse mundo, outro no realismo mágico.

O arquipélago é a casa de seres fantásticos, como o Trauco, demônio que seduz e engravida as moças da ilha, e a Pincoya, um espírito das águas que controla a abundância de peixes na região. As lendas são tão arraigadas na vida local que esculturas com seus personagens estão à venda por todas as partes e não é difícil encontrar quem jure de pé junto que já deu de cara com uma dessas criaturas mitológicas por aí.

Chiloé já teve até mesmo sua própria sociedade de bruxos, a “Recta Província”, também conhecida como “La Mayoria” e “Tribunal de la Raza Indígena”. Segundo conta a lenda, a sociedade surgiu em 1786, quando o espanhol José Manuel de Moraleda dirigiu uma expedição para cartografar o arquipélago. Ele se apresentou como um poderoso feiticeiro e desafiou o poder de Chillpila, uma machi (sacerdotisa mapuche) de Quetalco. Ela o derrotou, deixando seu barco em seco. Como prêmio, levou do espanhol um livro de magia conhecido como O Livro da Arte, Levistério ou Revisório que, mais tarde, instruiu outros membros do povo mapuche nas artes da bruxaria e na criação da sociedade. A Recta Província foi declarada associação ilícita em 1880 e acabou se desarticulando, mas sua existência colocou lenha na fogueira do fértil imaginário popular e deu brecha para a criação de toda a sorte de lendas e causos sobre bruxos e magia.

Tradições e mistérios de Chiloé

Foto: Shutterstock

As paisagens do arquipélago não são as que se espera do sul do Chile. Em vez dos picos nevados, predominam as vastas fazendas nas quais se plantam os mais de 400 tipos de batata que são a base da alimentação local e criam-se ovelhas. É da agricultura e, principalmente, da pesca, que Chiloé tira seu sustento. As algas, salmão e mariscos abastecem não apenas o mercado interno como são onipresentes nos pratos da gastronomia chilota, que tem como característica a mistura de frutos do mar com carnes. Assim é o curanto, prato mais icônico da ilha, que leva tudo isso aí e mais um pouco e é preparado durante um ritual no qual se acende uma fogueira no chão para assar sobre as folhas de nalca.

Leia também: A comida típica de Chiloé

Dica Importante: Não cometa o erro de viajar para o Chile sem um seguro viagem. Entenda a razão e saiba como conseguir um seguro com desconto

O local também é conhecido pela enorme diversidade natural que se desenvolveu ali. A Península de Rilán é o único lugar do mundo em que convivem as espécies de pinguins de Magalhães, que vêm da Patagônia, e os de Humboldt, do Equador. Ambas as espécies passam por ali de março a setembro, época de reprodução. Barcos que saem de Ancud permitem que os visitantes vislumbrem um pouco dessa vida animal. Perto de Ancud também está a Baía de Caulin, conhecida como “Santuário das Aves”. No final de janeiro, há em Caulín uma festa muito famosa que celebra os costumes da região.

A arquitetura única encontrada nas ilhas faz sua fama mundo afora. Os icônicos palafitos coloridos são a foto mais desejada pelos turistas. Originalmente usadas como casas de pescadores, elas já estiveram espalhadas por toda ilha, mas muitas foram destruídas nos terremotos de 1960 e 1986. Hoje, estão restritas a algumas regiões de Castro, a capital, e muitas funcionam como pousadas e restaurantes para turistas. São feitas de alerce, uma madeira leve, flexível e resistente à água, que era cortada em pequenos pedaços, chamados tejuelas (escamas), e usada para revestir o teto e as paredes sem a necessidade do uso de pregos.

Cada família dava à tejuela um corte diferente, e os padrões eram usados para conferir identidade às casas. As tejuelas usadas nas casas estão também nas igrejas de Chiloé. Construídos em madeira ao longo do século 18, os templos possuem um estilo peculiar, característico da ilha. São 140 deles espalhados pelas ilhas. 16 já foram declarados Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Palafitos de Chiloé

Às vezes, acontecia de uma família ter que se mudar. Com ela ia também a casa inteira. A “tiradura de casa” envolvia amigos e vizinhos que ajudavam a puxar a residência para a nova localização, por terra ou por água, com ajuda de carroças ou barcos. Hoje, esse evento é bastante raro, mas algumas comunas realizam simulações das tiraduras de casa com fins turísticos e de preservação das tradições locais. Esse era só um exemplo de trabalho realizado por uma minga, um evento de cooperação entre chilotas. Amigos, parentes e vizinhos se reuniam para, em conjunto, fazer um trabalho para alguém. Podia ser uma reforma, conserto ou mudança. No final, o beneficiado oferecia comida e bebida aos amigos que o ajudaram. Mais um costume que resiste ao tempo e às mudanças que a vida moderna pouco a pouco instaura na ilha.

Igrejas de Chiloé: tradiçõe arquitetônica da ilha

Foto: Shutterstock

O avanço lento, mas implacável, dessas mudanças teve como manifestação máxima a construção, em 2014, do primeiro shopping center em Castro. O gigante monstruosos de concreto e metal alterou de forma significativa o panorama de uma área patrimonial de palafito e igrejas. Prefeito e moradores apoiaram o projeto, ao afirmar que mereciam ter um lugar para satisfazer suas necessidades de consumo. Afinal, a ilha não está parada no tempo e eles querem ter acesso a itens e marcas como qualquer cidadão chileno. Que Chiloé saiba avançar sem perder sua magia.

Foto destacada: Shutterstock


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Natália Becattini

Já chamei muito lugar de casa, mas é pra Belo Horizonte que eu sempre volto. Viajo o mundo em busca de histórias e de cervejas locais. Além do 360, mantenho uma newsletter sobre o a vida, o universo e tudo mais, que eu chamo de Vírgulas Rebeldes. Vira e mexe eu também estou procrastinando lá no instagram @natybecattini e no twitter.

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

2 comentários sobre o texto “As casas que se movem e outras tradições de Chiloé

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.