Relatos de um intercâmbio em Moçambique

*Texto de Ângela Prestes

Muito Obrigada, em xangana – dialeto local -, ao país que me fez perceber o quão grande podem ser os sonhos e como pode ser simples realizá-los. Jaime tem apenas 13 anos, mas seus sonhos são tão grandes ou maiores quanto os de um jovem de 20 ou 30. Sua casa fica na comunidade rural de Matola Gare, interior de Moçambique, a cerca de duas horas de carro da capital, Maputo.

Talvez o fato de ter perdido o pai há pouco tempo o tenha tornado um menino maduro tão cedo. Jaime sonha em ser advogado, talvez. Ou então ter um hotel, ou outra grande empresa. Sair para estudar em Portugal, como muitos moçambicanos fazem, também está entre os seus planos. Conheci Jaime há pouco mais de dois meses. Seu brilho no olho não era diferente dos demais meninos e meninas que frequentavam a ONG em que trabalhei em janeiro deste ano, característica, aliás, visível em cada um dos moçambicanos que encontrei.

Visão Global para Vida

A ONG se chama VGV – Visão Global para Vida  – e existe desde 2006, com o objetivo de auxiliar crianças como Jaime na educação e saúde, para que possam ter um futuro melhor. A organização também se preocupa em ajudar famílias. Faz isso passando de casa em casa e falando sobre prevenção de doenças e saúde em geral. Manter uma ONG funcionando em Moçambique não é uma tarefa fácil. Afinal, pessoas dispostas a trabalhar de graça não podem ser encontradas em todos os lugares.

Intercambio em Moçambique

Nem todos são como a Luíza, coordenadora da ONG. Todos os dias, ela deixa as duas filhas com a irmã e enfrenta as quase duas horas de estrada até Matola Gare para administrar e dar almoço às mais de 50 crianças que aparecem por lá, todas sedentas de comida e de educação. Luíza não ganha nada além do sentimento de saber que está fazendo a sua parte. Além dela, outros três moçambicanos auxiliam nas atividades: uma cozinheira, um artesão e um professor. As outras pessoas são estrangeiros, gente que sai do Brasil, Portugal, Argentina, Chile, África do Sul e outros países com o objetivo de fazer a sua parte para um mundo melhor.

Intercambio em Moçambique

Um país em construção

Moçambique nada mais é do que um país em construção, em evolução. Independente de Portugal há apenas 38 anos, ainda não conquistou uma estabilidade que faça com que os moçambicanos vivam tranquilos. Problemas como saneamento básico, conflitos entre os dois partidos do país (FRELIMO e RENAMO) e falta de infraestrutura ainda assolam a vida dos que lutam para viver em um país melhor.

Intercambio em Moçambique

Subir 13 andares de escadas para chegar em casa todos os dias, pegar chapas (vans) lotadas, com capacidade para 15 pessoas e levando cerca de 25 e não possuir água quente para tomar banho são algumas das dificuldades mais simples que as pessoas que moram na capital enfrentam. No interior a vida é mais mansa, mas não menos difícil. Se na cidade há falta do que aqui no Brasil consideramos o básico, no interior fica ainda mais complicado.

ONG em Moçambique

Pra falar de gente

Mas se há algo que a gente de Moçambique não tem é medo. Ou falta de esperança. Ou preguiça. Gente trabalhando é o que há. É muito comum vermos pessoas vendendo de tudo na rua. De tudo mesmo. Desde comida de todos os tipos, como frutas, legumes, pão e produtos industrializados, até roupas, calçados, artesanatos e eletrônicos. O comércio é, sem dúvida, um dos fatores que movimentam a economia do país. Outro que também pode ser considerado relevante é o turismo. Moçambique possui lugares incríveis para se visitar, praias paradisíacas, como Inhaca, Tofu e Ponta do Ouro, ou reservas com os tão famosos animais africanos – leão, girafa, elefante…

E como visitar a África e não fazer um safári?

Um safári é destino certo para quem visita a África Subsaariana. Nada de voltar e não ter visto um animal sequer. Devido aos conflitos existentes ao centro e norte de Moçambique (onde se encontram suas reservas mais famosas) o destino que escolhi para fazer o meu foi a África do Sul, mais especificamente o Kruger Park. A reserva é a maior do país, com 19 mil km², localizado nas províncias de Limpopo e Mpumalanga. Uma experiência incrível para quem, como eu, adora a natureza.

Um continente, um imenso e incrível continente

Quando decidi fazer um intercâmbio social, nada me fazia tirar da cabeça a África. Sempre fui encantada pela riqueza cultural, ambiental e a diversidade do lugar. Claro que teria sido mais simples e muito mais convencional ter escolhido um país da Europa, por exemplo. Pelo menos, eu teria poupado algumas caras de espanto e outras tantas explicações sobre localização política e geográfica. “Não, a África não é um país.” “Moçambique não é uma colônia da África, nem uma cidade.” A África é um continente, um grande e maravilhoso continente.

Intercambio na África

Com mais de 1 bilhão de habitantes, a África é o terceiro continente mais extenso do mundo. Com uma pequena e singela participação econômica, muitas vezes é esquecido e subjugado. A famosa foto tirada pelo fotógrafo sul-africano Kevin Carter no Sudão em 1993, que mostra um urubu a espera da morte de uma criança, é a única referência da África para muitas pessoas. E é através dela e de outras tantas fotos e notícias de desastres e de pobreza extrema que a maioria das pessoas cria sua “África imaginária”, homogênea e pobre. Sim, ela ainda enfrenta problemas básicos, como infraestrutura e saneamento básico, mas, ao contrário do que muitos pensam, está evoluindo significativamente e possui riquezas que vão além do dinheiro, como culturas incríveis e pessoas cheias de vontade de mudar.

Assista ao vídeo do TED “O perigo de uma única história”, onde a escritora Chimamanda Adichie, uma nigeriana, fala sobre estereótipos e preconceitos. É uma lição sobre como criamos e assimilamos uma única história sobre um lugar ou uma pessoa. Como a África, por exemplo.

O que fica

Sem dúvida o sentimento de saudade, de vontade de retornar um dia. Mas fica também o aprendizado de que, às vezes, o que temos é muito comparado ao que alguns possuem. E que reclamar não resolve nada. O que resolve é levantar-se e agir, sair da tal zona de conforto, fazer alguma coisa pelo mundo, por você mesmo. Kanimanbo, Moçambique, por me fazer ver além da janela do meu quarto, por me permitir conhecer uma parte pequenina desse mundão.

Quem me levou?

Já ouviu falar na AIESEC? A organização é a maior do mundo quando se trata de liderança jovem. Aqui em Passo Fundo desde 2011, já levou outros tantos intercambistas pelo mundo a fora para realizar trabalhos voluntários como esse.

Intercambistas em Moçambique

*Imagem destacada: Steve Evans, Wikimedia Commons

Clube Grandes Viajantes

Olá, somos a Luíza Antunes, o Rafael Sette Câmara e a Natália Becattini. Há 10 anos fazemos o 360meridianos, um blog que nasceu da nossa vontade de conhecer outras terras, outros povos, outras formas de ver o mundo. Mas nós começamos a sonhar com a estrada ainda crianças e sem sair de casa, por meio de livros sobre lugares fantásticos. A gente acredita que algumas das histórias mais incríveis do mundo são sobre viagens: a Ilíada, de Homero, Dom Quixote, de Cervantes; Harry Potter, Senhor dos Anéis e Guerra dos Tronos. Todo bom livro é uma viagem no tempo e no espaço. E foi por isso que nasceu o Grandes Viajantes: o clube literário do 360meridianos. Uma comunidade feita para você que ama ler, escrever e viajar.

Somos especialistas em achar livros raros, já esquecidos pelo tempo. Fazemos a curadoria de crônicas, contos e histórias de escritores e escritoras incríveis, que atualizamos numa edição moderna e bonita. A cada mês você receberá em seu e-mail uma nova aventura sempre no formato de livro digital, que são super práticos, para você ler onde, quando e como quiser.

Além do livro raro e do bônus exclusivo, recompensas que todos os nossos associados recebem, oferecemos duas experiências diferentes à sua escolha:

1) Para quem quer se aprofundar nas histórias e conhecer pessoas com interesses parecidos;< br/>
2) Para quem, além de ler, também quer escrever seus relatos.

Conheça cada uma das categorias e escolha a que combina melhor com você. Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




AIESEC

Uma organização apartidária, independente, educacional, sem fins lucrativos e totalmente formada e gerenciada por estudantes universitários.

  • 360 nas redes

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

29 comentários sobre o texto “Relatos de um intercâmbio em Moçambique

  1. Gostaria muito de ter uma experiência como essa de ser voluntária!!! só não sei por onde começar se alguém poder me dá mais informações agradeço!!!sempre foi meu sonho desde criança sou formada em pedagogia!!!

  2. Gostaria muito de te uma experiência assim meu sonho!!!sou formada em pedagogia e gostaria muito de saber como Faso pra isso acontecer!!! Alguém pode me informar por onde começo!!! Meu sonho desde criança! DESDE JÁ AGRADEÇO!!!

  3. Ângela, gostaria de saber se tem requisitos para fazer um intercâmbio voluntário para o continente africano. Tipo: você precisa ter conhecimento de inglês ou de outra língua?

  4. OLÁ!
    Gostei bastante dos seus post sobre trabalho voluntário no exterior. Fiquei com algumas dúvidas, como por exemplo, como posso encontrar uma ONG, instituição ou algo do gênero confiável para me voluntariar.. Tem alguma empresa brasileira de intercâmbio com essa finalidade, que você considera boa?

  5. bom dia sou promotor de evento no centro cultural academico montalto do instituto superior politecnico de manica, estouu enteressado em criar parceria com a vossa organizacao de trabalho que liga as actividades do centro cultural, o centro tem a capacidade de acolher 740 pessoas sentadas e tem um palco enorme, pode dar propostas de actividades que podemos realizar em conjunto.

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.