fbpx

Sobre mulheres sozinhas e o medo de viajar

Eu estava numa van na Bulgária, cruzando o rio Danúbio em direção a Romênia. No veículo, eu era a única mulher, além do motorista e outros quatro viajantes. Eventualmente, um deles começou a conversar comigo, vinha de algum lugar do norte da Europa, queria saber o que eu estava achando dos países onde estive, enfim, uma conversa comum entre dois viajantes.

Outro cara entrou na conversa, começou a fazer perguntas mais pessoais, me senti incomodada. Quando chegamos em Bucareste, esse cara estranho começou a me perguntar onde eu estava hospedada. A cada resposta evasiva que eu dava, ele perguntava mais insistentemente. Por fim, consegui sair de perto dele. Dei umas voltas numa praça e quando entrei no metrô: lá estava ele. Mais uma vez, ele insistiu em saber meu hostel. Eu inventei um nome qualquer e pedi licença para ir ao banheiro. Fiquei enrolando lá até me sentir segura e seguir meu dia.

Onde ficar em bucareste fachada do hostel

Meu hostel em Bucareste, afinal

Eu também lembro que na Grécia, em Meteora, eu estava hospedada num hotel fora do centro, nas montanhas. Era muito tranquilo, mas para chegar no restaurante mais próximo, tinha que passar por alguns caminhos escuros. Eu jantei no restaurante enquanto conversava com os garçons. Eu tinha almoçado por lá também e eles achavam curioso o fato de eu ser uma mulher viajando sozinha. E ainda vinda do Brasil, um lugar muito longe.

Enquanto eu ria e contava piadas para os garçons, percebi que alguém me observava. Um homem mais velho havia chegado no restaurante, sentado a duas mesas da minha, pedido uma bebida, e me encarava sem parar. Fiquei constrangida. Perdi o apetite. Terminei de comer rápido e depois pensei, meio em pânico. “Meu deus, esse cara vai ver qual o caminho eu farei para o hotel. Aquele caminho escuro e deserto.”

Eu acho que dei umas mil voltas na praça tentando descobrir outra forma de voltar para minha hospedagem sem passar na frente do cara. Por fim, sem sucesso, fiz meu caminho previsto, rezando para que nada acontecesse. Felizmente, dormi tranquila naquela noite.

Onde ficar em Meteora Grécia

Onde eu estava, no meio das montanhas

Não estou contando essas histórias para assustar ninguém. Pelo contrário, é para falar sobre medo. Diariamente recebo comentários de mulheres dizendo que têm medo de viajar sozinhas. Medo é o que as impede de seguir seus sonhos. E esse medo só aumenta quando lemos notícias como a das duas argentinas que foram assassinadas no Equador, na semana passada. O texto “Ontem me mataram” está circulando na internet nos últimos dias e a hashtag #viajosola bombando no Twitter.

A primeira coisa que me passou pela cabeça – além da profunda tristeza – foi por que tinha gente falando que essas meninas estavam viajando sozinhas. Como sozinhas, se elas estavam em dupla? A Escreva Lola Escreva fez um texto que resume bem meu sentimento ao ler essas notícias. Basicamente, se não tem um homem ao seu lado, parte da sociedade considera que você está sozinha, mesmo que esteja com uma amiga ou até mesmo com um grupo delas.

Eu não sei vocês, mas sei de histórias de grupos de amigas que foram importunadas em bares por “estarem sozinhas”. Ora, pelo visto não basta a companhia de outras mulheres. Eu escrevi um pouco sobre isso na época da Copa do Mundo e foi uma das poucas vezes que recebi comentários neste blog que me fizeram ter vontade de vomitar.

Além disso, só causa horror (apesar de não me causar surpresa) o fato de ter gente que acha que a culpa era das argentinas assassinadas, porque estavam num país diferente. Querer saber que roupa elas estavam usando ou se elas tinham bebido é uma forma bem babaca de dizer: ninguém mandou você sair de casa.

Eu tenho certeza que vai ter gente que vai ler as minhas histórias ali em cima e questionar por que eu peguei a van ou por que eu estava rindo com os garçons, chamando atenção para mim. Ninguém questionaria isso se a história fosse relatada pelo Rafa. Nós, mulheres, nos acostumamos a viver com um medo e uma culpa que nunca nenhum dos meus amigos homens, mesmo o mais empático deles, tem a menor noção do que será.

Mas a verdade é que os riscos relatados no texto, os medos que eu possa sentir numa viagem, eu também sinto em casa. Eu sinto em qualquer lugar. Diariamente, eu e praticamente todas as mulheres do mundo fazemos escolhas relativas à nossa segurança: “não vou entrar naquela rua, não vou usar essa roupa, não vou falar com essa pessoa, vou colocar a chave entre os dedos porque tem um cara cruzando a mesma rua à noite…” Mesmo dentro de casa, já vivi situações chatas com o cara da empresa de internet que veio consertar o modem. Ou seja, sentir medo e praticar cautela não são nenhuma novidade para uma mulher que habita este planeta Terra.

mulher-indiana-varanasi

Infelizmente, o que aconteceu com a María José Coni e a Marina Menegazzo, acontece diariamente, em qualquer lugar do mundo, quando estamos longe ou perto de casa. Há uma epidemia de violência contra a mulher e estudos globais mostram que essa violência, em cerca de 50% dos casos, foi perpetuada por pessoas que a vítima conhecia. Mas não vai ser isso que vai me fazer viver numa bolha, nenhuma de nós. Já que não podemos deixar de ter medo por enquanto, precisamos aprender a viver com ele. Deixar de viver não é uma opção. E deixar de viver como quisermos, deixar de fazer o que quisermos e estar onde quisermos também não me parecem opções válidas.

Isso não significa ignorar os perigos da vida. Muito pelo contrário. Numa situação de perigo, talvez você só tenha a sua própria intuição para te salvar. Mas significa, de certa forma, lutar para mudar a sociedade e fazer as coisas que você ama ou sonha. Eu já disse e continuo repetindo: viajar sozinha é uma das experiências mais libertadoras e empoderadoras que se pode ter. Muito porque vivemos num mundo que constantemente nos diz que não deveríamos ser capazes de fazer isso, que não deveríamos ser felizes estando sozinhas, que nós não nos bastamos. São tantas cobranças sobre ser mulher que só o fato de poder fazer o que diabos der na sua telha, nem que seja por uma semana, é fantástico.

Mas voltando ao medo, o que fazer com ele? Identifique de onde vem o seu medo, descubra porque ele está te paralisando e veja se isso é racional ou não. Ter medo de estar sozinha, por exemplo, é uma coisa que você deve buscar superar, seja pesquisando relatos na internet (esse post do Viaje Sim reúne algumas blogueiras que falam sobre viajar sozinha), meditando, fazendo terapia, enfim, corra atrás disso.

E tem gente que tem medo de não ser capaz de ser virar sozinha: acredite, você é! Além disso, estar sozinha não é doença, talvez você conheça pessoas, talvez não. Mas o mundo não está esperando para te engolir, pelo contrário, no final das contas a gente descobre que há mais boas pessoas do que más.

Mulher relacionamento online

Crédito: Ed Yourdon – CC BY-NC-SA 2.0 – Flickr

Já para as questões práticas eu diria para que você confie sempre na sua intuição e na sua agressividade. Se alguma coisa te incomodar, mesmo que pareça inofensiva, dê atenção a isso. Não tenha vergonha em ser mal educada ou inconveniente quando for necessário para sua segurança (leia essa entrevista, em inglês, que o Gavin de Becker, um especialista em violência, deu para a Lenna Dunham).

Sempre pesquise muito antes de ir: essas pesquisas vão te ajudar a saber onde é recomendável ou não ir e ainda vão te dar a confiança de saber o que está fazendo. E tenha um plano B, seja para dinheiro, para trajetos, para acomodação, emergências. Não é problema depender de alguém, mas dá segurança saber que você terá como se virar. Vale a pena dar uma lida também no texto que a Naty fez com algumas dicas legais (para qualquer sexo) para quem viaja só.

E, sei lá, feliz dia da mulher! Desejo muitas viagens, coragem e liberdade a todas vocês.

Clube Grandes Viajantes

Gostou deste texto? O 360meridianos faz jornalismo de viagem profissional, completo e de qualidade. Com a pandemia, vimos o site entrar em risco. É que produzir conteúdo bem-feito dá trabalho – e custa caro. Infelizmente, não conseguimos escrever reportagens especiais, dicas de viagem completíssimas e histórias cativantes sem dinheiro.

Foi por isso que criamos o Clube de Assinaturas Grandes Viajantes, um espaço para apaixonados pelo 360meridianos, por viagens e por leitura. As contribuições de 9 ou 19 Reais garantem não só que consigamos continuar produzindo textos como este, mas também te prometemos diversas recompensas exclusivas: ebooks, lives, um grupo de discussão, um minicurso de escrita e muito mais! Venha fazer parte do Clube Grandes Viajantes.

recompensas clube recompensas clube


Compartilhe!







KIT DE PLANEJAMENTO DE VIAGENS
Receba nossas novidades por email
e baixe gratuitamente o kit




Luiza Antunes

Sou jornalista, tenho 30 anos e moro no Porto, Portugal, quando não estou viajando. Eu já larguei meu emprego três vezes para viajar e finalmente encontrei uma profissão que me permite "morar no aeroporto". Já tive casa em quatro países diferentes, dei a volta ao mundo e cumpri minha meta de visitar 30 países antes dos 30. Mas o mundo é muito maior e, se puder, quero conhecer cada canto dele e inspirar vocês a fazer o mesmo. Siga @afluiza no Instagram

  • 360 nas redes
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram
  • Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

45 comentários sobre o texto “Sobre mulheres sozinhas e o medo de viajar

  1. Viajo muito sozinha e sempre evito uma série de coisas, claro. Mas depois que li um livro, ele mudou minha vida: “A virtude do Medo” de Gavin de Becker.The Gift of Fear. Dei, inclusive para minhas filhas.Li em inglês e em portugues. Fiquei fascinada pelo assunto. O autor relata com detalhes as atitudes das pessoas mal intencionadas, relaciona, organiza e dá os alertas. Desde então reconheço rápido o perigo e principalmente ele alerta para ouvirmos nossa primeira intuição. Geralmente ignoramos nosso instinto de sobrevivencia por sermos mulheres, educadas, não queremos ser rudes etc e é aí que mora o perigo. Ele diz que não é para aceitar ajuda de homens de jeito nenhum e ponto. E que para desconfiarmos muito quando a pessoa não ouve ou ignora o nosso primeiro não. E por aí vai, eu tinha taquicardia ao ler o livro.

    1. Oi Virginia,

      Obrigada pela indicação do livro. Eu já tinha visto uma entrevista desse autor, mas sempre esqueço de pegar o livro para ler. Vou colocar agora mesmo na minha listinha para não esquecer mais.

  2. Estou adorando ler o seu blog, tem informação muito útil ! Vou me aventurar sozinha na descoberta de um novo país (Bulgária, mais concretamente por Varna ) apesar que tenho uns amigos que lá vivem. Mas a verdade é que sinto um friozinho na barriga! Li que já lá esteve e por isso, sinto me um pouco mais tranquila. E quem sabe o que virá depois desta viagem …muitas poderão vir a ser visitadas!

    1. Oi Sandra,

      Eu adorei explorar a Bulgária, não estive em Varna, mas fiz 90% da minha viagem sozinha. Vá tranquila, se organize para se sentir segura e vai dar tudo certo!

  3. Que delícia de texto Luiza! Procurei sobre assunto e achei ele em ótima hora.
    Eu, que tenho várias viagens sozinhas no “currículo” nos últimos 7 anos, me peguei com medo de viajar sozinha para a Ásia. E acho que isso pode acontecer com muita gente também.
    Até fiz uma lista de todas as viagens sozinha que já fiz e todos os momentos bons que passei em cada uma delas.
    Lembrei de histórias que já ouvi sobre tantas mulheres que desbravaram a África sozinhas de bike, que fizeram mochilão pela Ásia e outras tantas outras viagens menos convencionais, e senti que precisava me alimentar de conteúdos e relatos pessoais parecidos para lembrar o quão capazes nós somos de fazer tudo isso sem ter ninguém do nosso lado.
    Uma coisa que pensei é que enquanto tudo é uma ideia inicial, é bem possível ficar insegura mesmo. E quanto mais você pesquisa e conhece sobre o lugar que você vai, mais confiante e empoderada você fica. Você descreveu de maneira super gostosa de ler todo o meu processo de medo e de desconstrução dele.
    Que maravilha ter conteúdos assim na internet! <3
    Obrigada

    1. Ei Marcella!

      Eu acho que não importa os anos na estrada, se a gente é blogueira ou não. Somos todas socializadas desde que nascemos sobre o que é ser mulher, como devemos nos cuidar, que temos que ter medo de estar sozinhas.

      É um desafio diário superar isso e ter medo é bem normal, como você disse, as pesquisas e leituras ajudam muito a superar a insegurança (ou até mesmo descobrir que talvez não valha ir sozinha para algum lugar específico).

      beijos!

  4. Adorei seu texto, Luiza. Eu me senti acolhida por ele. É bom saber que existem pessoas que pensam como eu penso. Vou fazer minha primeira viagem sozinha em agosto, para Amsterdã. Quando as pessoas ficam sabendo disso, costumam me dizer “Corajosa, hein?!” ou me perguntar “Não tem ninguém para ir com você?”, como se o fato de eu ter me divorciado há menos de três meses me fizesse uma pessoa que deveria se sentir frágil ou permanecer reclusa em casa e que fosse presumidamente solitária. O que essas pessoas não entendem é que não é uma questão de ter coragem ou não, muito menos de ter uma companhia ou não para a viagem. Elas se esquecem completamente de considerar a possibilidade do real motivo disso tudo: eu, uma pessoa livre e bem resolvida, fiz a escolha de viajar sozinha porque eu quis assim e ponto. Obrigada mesmo pelo seu texto. Foi uma leitura deliciosa. 🙂

    1. Obrigada por seu comentário Tatiana. Muita força para você enfrentar esses comentários chatos e muito sucesso com a sua viagem! tenho certeza que será uma experiência maravilhosa! bjs

Carregar mais comentários
2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.