12 bares e boates para conhecer em BH

Pode parecer estranho para quem leva o verbo “turistar” muito a sério, mas quando viajo – principalmente no caso de cidades grandes – tendo a fazer coisas e procurar lugares parecidos com aqueles que frequento onde moro, Belo Horizonte. Então, resolvi fazer uma lista dos lugares que, se eu não fosse daqui, provavelmente iria gostar de conhecer. Inclusive, sempre levo amigos de fora de BH quando vêm me visitar.

A Obra

(Rua Rio Grande do Norte 1168 – Savassi)

A Obra Belo Horizonte

Eterna menina dos meus olhos, é a única “balada” de BH que vou há quase dez anos (!!!) e em que todas as vezes (sem exceção) foram divertidas. Aberta desde 1997, é uma casa de rock/inferninho para ouvir shows de bandas alternativas ou apresentações de DJs que tocarão algo entre soul, indie, 80’s, 90’s e pop, dentre outros estilos.

O que realmente me faz ir lá até hoje é o fato do lugar ser ótimo para dançar, a bebida não ser super cara e não haver distinção de gênero na cobrança da entrada. Abre de quarta a sábado, sendo que as quartas e quintas são dedicadas a apresentações de bandas, terminam mais cedo e a entrada custa 10 reais. Já nas sextas e sábados, a entrada custa 25 reais e as festas começam e terminam beeeem mais tarde (geralmente, começa a encher a partir de uma da madrugada). Site: aobra.com.br

Bombshell

(Rua Sergipe, 1395 – Funcionários)

Bombshell Belo Horizonte

Se alguém me perguntasse qual é, atualmente, o bar mais legal da Savassi, eu responderia: Bomshell. É pequeno e aconchegante, com a maioria das mesas na calçada. Lá tem drinks gostosos de nomes curiosos e criativos e também um cardápio de petiscos que consegue agradar a gregos e troianos (ou carnívoros e vegetarianos, haha).

Ainda, há uma carta de vinhos para os que não curtem drinks ou cerveja. Dos drinks que já experimentei, os que mais gostei foram o “Kátia, a cega” – que, no cardápio, é um drink sem álcool de morango mais os sucos de uva, laranja e limão, mas que pode ser feito com vodka também – e o “Bombshell Spritz”, uma mistura de carambola, limão siciliano, laranja, licor de tangerina, vinho branco frisante e soda limonada.

Não sou muito de comer em bar, mas, um dia, quando lá estava a tricotar com amigas, experimentei uma espécie de torta assada de batata recheada com carne seca, queijo e bacon que estava uma delícia. Vale ainda dizer que os garçons  são atenciosos e que, intencionalmente, o bar não tem wifi, pois, nas palavras deles, “o bar é para confraternizar, então curta a sua confraria!”. Site: bombshellbar.blogspot.com.br

João Caetano

(Rua Guajajaras, 416)

João Caetano Café BH

Há dez anos, quando eu estava no Ensino Médio, esse era o lugar onde eu ia para matar aula, tomar café, ler e jogar conversa fora. É um café, antes chamado de Kahlua, localizado no centro da cidade (no mesmo quarteirão do Maletta) que serve cafés feitos com grãos produzidos por fazendas daqui de Minas, pão de queijo, sanduíches, sucos diferentes e cervejas artesanais.

Recentemente mudaram o cardápio, mas é só perguntar o garçom quais são as opções. O café tem wifi gratuito de boa qualidade, serviço takeaway para café e abre de segunda a sábado, até às 21h. Não se esqueça de levar dinheiro ou cartão de débito, pois não aceitam crédito!

Armazém Emporium Mineiro

(Avenida Afonso Pena, 4034 – Mangabeiras)

Uma de minhas comidas favoritas é sopa (ou caldo). E meu lugar predileto em BH para tomar caldo é definitivamente o Emporium, onde há um fogão de lenha com várias opções como caldo de feijão, bobó de camarão, canjiquinha e caldo verde, dentre outros. Eles são servidos somente à noite e cada caldo custa 8 reais – ou você pode optar por pagar 24 reais para comer a vontade.

Além dos caldos, o restaurante também tem cardápio com comidas (e petiscos) bem mineiras e há também apresentações de chorinho ao vivo. Abre de terça à sábado, a partir das 17h30.

Dduck

(Rua Pernambuco, 1316 – Savassi)

Localizada no miolo da Savassi, essa é a balada gay que vou se quero dançar pop a noite toda. Atualmente, anda ficando cheia (se você é de BH entenderá o comentário, a cidade tem suas temporadas e modismos) principalmente de um público mais jovem, por volta dos 20 anos. Abre de quarta a sábado a partir das 23h30 e os preços da entrada variam de gratuita (meio da semana) a 25 reais – valendo a pena dar uma olhada no site para por o nome na lista amiga. Site: dduck.com.br/site

Maletta

(Rua da Bahia 1148, Centro)

BH maletta

Bato cartão praticamente toda semana no Maletta, um edifício no centro de BH. Construído no local onde antigamente ficava o Grande Hotel, atualmente o segundo andar do edifício está recheado de bares de vários estilos (e preços!!!) diferentes. O primeiro que comecei a frequentar – e até hoje o meu favorito – é o Arcangelo, que serve drinks, cervejas (inclusive minha querida Backer – cerveja artesanal produzida em BH), petiscos, sanduíches e às vezes empanadas (pergunte ao garçom).

Vale a pena experimentar o drink chamado Killa (foto acima), as caipirinhas com as frutas do dia e o hambúrguer acompanhado de nachos e guacamole. Os bares do Maletta geralmente ficam cheios depois das 20 horas, principalmente, nas sextas e sábados, e funcionam até mais ou menos 1 da manhã.

Agosto

(Rua Esmeraldas, 298 – Prado)

É um bar daqueles que concorrem ao festival Comida di Buteco, ou seja, sua especialidade são os petiscos inspirados na culinária mineira e feitos com ingredientes típicos daqui: couve, goiabada, mandioca, jiló, angu, etc. O cardápio tem uma grande variedade de cervejas artesanais, como a Wäls – cuja fábrica é em BH e já ganhou vários prêmios dentro e fora do país -, como também de cachaças, inclusive de produção própria da casa.

O que mais gosto de pedir de bebida é a caipirinha com uma das cachaças de aroma (como canela) e pirulito (daqueles antigos em formato de chupeta) de menta ao invés de açúcar. Já de comida é a porção de pastel de angu. Site: agostobutiquim.com.br/

Benzadeus

(Rua da Bahia, 1071 – Centro)

É um café e pastelaria localizado no miolo da cidade, no cruzamento onde está o Maletta. É aconchegante, bonitinho e um ótimo lugar para fazer reuniões, encontrar os amigos ou simplesmente lanchar.

Eles servem tortas, salgados, sucos, almoço executivo, crepes, cervejas (inclusive a Backer), mas o que de fato me atrai lá são os pastéis – que são a medida certa de tamanho (palma da mão) e recheio (muito). Já experimentei todos os sabores e os meus favoritos são carne seca com catupiry e goiabada com catupiry (daqueles que explodem quando você morde). Site: www.benzadeuscafe.com/

Festa Transa

Festa transa na praça da liberdade

É uma festa dedicada exclusivamente à música brasileira, englobando TODOS os seus estilos (sem exagero). Começou há dois anos e não tem lugar fixo, mas geralmente é sediada no Granfinos ou no Studio Bar (ou até mesmo em locais públicos como a Praça da Liberdade).

Devido ao tema da festa, é frequente ver pessoas vestidas a caráter com camisetas de estampas bem tropicais e coloridas. É conhecida – pelo menos entre meus amigos – por ser uma festa gay, mas sinceramente seu público pode ser bem variado – inclusive quanto a faixa de idade. Site: www.facebook.com/TransaFesta

CCBB

(Praça da Liberdade, 1-127)

ccbb belo horizonte

O Centro Cultural do Banco do Brasil foi inaugurado ano passado. Faz parte do Circuito Cultural Praça da Liberdade e está sediado em um lindo e grande edifício da década de 1930 originalmente projetado para ser a sede da Secretaria de Segurança e Assistência Pública do Estado de Minas Gerais.

Conta com dois cafés, exposições de artes visuais gratuitas, cinema, teatro e apresentações de músicos a preços acessíveis. O que o faz ter um lugar especial no meu coração é o fato de ser um dos únicos museus a abrir na segunda-feira (fechando na terça) e o próprio prédio em que está localizado – seus elevadores tem aqueles mostradores mecânicos de andar (igual aos de filmes antigos). Site: culturabancodobrasil.com.br/portal/belo-horizonte/

Cine Belas Artes e Cine Humberto Mauro

(Rua Gonçalves Dias, 1581 – Lourdes e Avenida Afonso Pena, 1.537 – Centro, respectivamente)

Os dois são dos pouquíssimos cinemas de rua que ainda existem na capital mineira. O Belas fica perto da Praça da Liberdade e como pertence ao setor privado, exibe filmes “de arte” estrangeiros e brasileiros. Mesmo assim, frequentemente é sede de festivais e mostras de cinema grutuitas como o Indie, que acontece todo ano no segundo semestre.

Já o Humberto Mauro – localizado no subsolo do Palácio das Artes – não é um cinema comercial, sendo que sedia mostras de temas variados, como a “Passou Batido” – dedicada a filmes que estreiaram no ano, mas não ficaram o tempo suficiente na telonas. Na maioria das vezes, o ingresso é gratuito e há um café bem ao lado dele.

Cento e Quatro

(Praça Ruy Barbosa, 104)

O Centro e Quatro é um centro cultural localizado ao lado da Praça da Estação e de uma das estações do Move (ou seja, várias opções de transporte público). É a sede do Instituto Antônio Mourão Gumarães e seu prédio é tombado, integrando uma área de revitalização do centro.

Conta com um grande espaço para exposições – onde frequentemente também acontecem festas -, café e cinema. Este é para mim a parte mais legal, pois passa filmes que geralmente não se pode ver em outros cinemas e, além das cadeiras, tem puffs. Ainda, eles têm um tipo de acordo com um estacionamento no centro pelo preço de 5 reais. Site: www.centoequatro.org


Compartilhe!



Com o 360meridianos, você encontra as melhores opções para planejar a sua viagem. Confie em quem já tem prática no assunto!

 

Reserve seu hotel com o melhor preço e alto conforto

 


Veja as melhores opções para seguros de viagem

 


Transfira dinheiro para o Brasil e exterior com menos taxas

 


Alugue veículos com praticidade e comodidade

 




Quer 70 páginas de dicas (DE GRAÇA!)
para planejar sua primeira viagem?




Gabriela Dilly

Analista internacional mais interessada em experienciar outras culturas que em analisá-las. Escreve também no blog Dupla Trip.

  • 360 nas redes
  • Instagram

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

3 comentários sobre o texto “12 bares e boates para conhecer em BH

  1. Excelentes comentários!

    Saí de Beagá com 8 anos, estou na faixa dos… e só voltei em 73 e 95. Tenho raízes nesta capital e pretendo retornar outra vez ” A recherche du temps perdu”, como Proust.

  2. Muito bom Gabriela! Vou visitar BH entre os dias 28, 29 e 30 de Dezembro e pretendo visitar algumas opções ditas aqui no artigo como no Armazém Emporium Mineiro que parece ser bem agradável.

    Obrigado pelas dicas!

  3. Muito bom. Tem um lugar bacana q gostaria de indicar em BH: Pixinga’s.
    Long Neck gelada e espetinho a 5,00 reais (compra ficha antes) e muito rock. Muitas vezes com bandas ao vivo. Bairro Sto Antonio.

2018. 360meridianos. Todos os direitos reservados. UX/UI design por Amí Comunicação & Design e desenvolvimento por Douglas Mofet.